Pular para o conteúdo principal

Postagens

Postagem em destaque

Como eu peco nos meus pensamentos? Parte II

Os Pecados que envolvem nossos Pensamentos… Dando continuidade sobre os artigos sobre os pensamentos, citei no artigo anterior  ( Clique aqui para acessa-lo)   que 3 coisas precisam ser consideradas quando tratamos deste assunto, a saber: A Sugestão, a Deliberação e o Consentimento! Geralmente – mas isso não é regra – estes 3 tipos de ações que se passam em nossos pensamentos seguem exatamente a ordem citada a cima. Santo Afonso Maria de Ligório nos ajuda a entender como funciona estas 3 açõ­es em nossos pensamentos: 1 – Sugestão:  Sob a palavra sugestão entende-se o primeiro pensamento que nos incita a praticar o mal que nos vem à mente.  Esta instigação ou incitamento ainda não é pecado;  se a vontade a repele imediatamente, é mesmo uma fonte de merecimentos . “Para cada tentação a que opuseres resistência, se te deverá uma coroa” , diz Santo Antão. Até os Santos foram perseguidos por tais pensamentos. São Bento revolveu-se sobre os espinhos para vencer uma tentação impura, e São P
Postagens recentes

Guia para um Advento fecundo, segundo João Paulo II

  Ele falava eloquentemente a cada ano sobre o Advento. Como resultado, nos deixou muitas reflexões perspicazes sobre esse tempo Para muitas pessoas, o Advento pode ser um período difícil para se manter o foco. Podemos nos distrair por uma enxurrada de obrigações ou simplesmente pela natureza comercial da época do Natal. A boa notícia é que a Igreja possui um rico tesouro de recursos que podem ajudar os fiéis a manter o espírito do Advento vivo. Um desses tesouros, por exemplo, é o grande número de homilias e audiências de São João Paulo II. Ele falava eloquentemente a cada ano sobre o tempo do Advento. Como resultado, nos deixou muitas reflexões perspicazes para nos guiar em nossa jornada do Advento. Advento e oração Em primeiro lugar, São João Paulo II exorta-nos a nos dedicarmos à oração. Disse ele: “A preparação para recebê-lo exige, antes de mais nada, uma atitude de oração intensa e confiante. Abrir espaço para ele em nossos corações exige um sério compromisso de conv

Segundo Mandamento: Não tomarás o nome de Deus em vão

O segundo mandamento da Lei de Deus é: Não tomarás o nome de Deus em vão. Este mandamento “manda respeitar o nome do Senhor” (Catecismo, §2142) e manda honrar o nome de Deus. Não se deve pronunciar “a não ser para bendizê-lo, louvá-lo e glorificá-lo” (Catecismo,  § 2143). O nome de Deus “O nome exprime a essência, a identidade da pessoa e o sentido de sua vida. Deus tem um nome. Ele não é uma força anônima” (Catecismo,  § 203). No entanto, Deus não pode ser abarcado pelos conceitos humanos, nem há ideia alguma capaz de lhe representar, nem nome que possa expressar exaustivamente a essência divina. Deus é “Santo”, o que significa que é absolutamente superior, que está acima de toda criatura, que é transcendente. Apesar de tudo, para que possamos lhe invocar e nos dirigir pessoalmente a Ele, no Antigo Testamento “Deus revelou-se progressivamente a seu povo e com diversos nomes” (Catecismo,  § 204). O nome que manifestou a Moisés indica que Deus é o Ser por essência. “Deus respondeu a Moi

O que é a santidade, segundo o Cardeal Robert Sarah

Finalmente, o que é a santidade? Em sua primeira carta aos Tessalonicenses, São Paulo afirma: "De resto, irmão, vós aprendestes de nós como proceder para agradar a Deus, e é assim que procedeis; fazei ainda novos progressos. Sabeis, de fato, as instruções que vos demos da parte do senhor Jesus. A vontade de Deus é a vossa santificação , que vos abstenhais da imoralidade, que cada um de vós saiba casar-se para viver com santidade e honestidade, sem se deixar levar pela paixão, como fazem os pagãos que não conhecem Deus; que ninguém prejudique seu irmão, nem lhe cause dano nesta matéria, pois o Senhor se vinga de tudo isso, como já dissemos e testemunhamos. De fato, Deus não nos chamou para viver na impureza, mas nos chamou para a santidade. Assim, pois, aquele que rejeita esses ensinamentos não é a um homem que rejeita, mas o próprio Deus que vos dá o seu Espírito Santo" (1Ts 4,1-8). Quais são os caminhos para atingir a santidade? Com efeito, a santidade é de início uma graça

Desde quando a Igreja começou a usar o nome de “católica”?

  Ainda que muitos hoje só conheçam o significado confessional dessa palavra, como se ela designasse uma denominação cristã qualquer, a fé cristã é "católica" por definição: desde o princípio, como ensina Santo Inácio de Antioquia, "onde está Jesus Cristo está a Igreja Católica". O adjetivo católica é anterior ao nascimento da Igreja. Em grego, katholikos (καθολικός) quer dizer aquilo que é conforme o todo. Hoje em dia, a palavra equivalente seria holística. De uma forma geral, a tradução para a palavra católica é universal, contudo, o sentido dela é muito mais amplo.   O primeiro documento histórico que contém o adjetivo católica referindo-se à Igreja é uma carta de Santo Inácio de Antioquia à Igreja de Esmirna, escrita após a sua prisão, que o levou ao martírio em Roma: "Segui ao Bispo, vós todos, como Jesus Cristo ao Pai. Segui ao presbítero como aos Apóstolos. Respeitai os diáconos como ao preceito de Deus. Ninguém ouse fazer sem o Bispo coisa alguma conce

Como eu peco nos meus pensamentos? - Parte I

Precisamos estar atentos aos nossos Pensamentos! É preciso que estejamos atentos à maneira como o demônio se aproxima de nós, e qual o meio que ele tem se utilizado para nos tentar e fazer–nos cair em pecado. Nos dias de hoje e pelo contato que tenho tido com as pessoas que vem em busca de ajuda, tenho percebido que de maneira especial o demônio tem se utilizado para fazer-nos cair na nossa própria carne, e atacando de maneira direta a nossa pureza! O meio que ele tem encontrado para atacar a nossa carne e a nossa pureza são: Os nossos pensamentos, os nossos olhos e o nosso coração! Como é grande por vezes a luta em que travamos contra nossa carne por causa dos nossos pensamentos! Por vezes não é nem mesmo nossa intenção pensar em algo que vem a nossa mente, mas ele surge, às vezes com tamanha força e intensidade que não conseguimos lutar contra eles e nos deixamos arrastar para aquilo que estes pensamentos nos sugerem! O dom da Castidade que como nos ensina o Catecismo no número 2337

Primeiro Mandamento: “Amar a Deus sobre todas as coisas”

Jesus tornou perene os Dez Mandamentos como lei moral. Quando o jovem lhe perguntou o que era necessário fazer para ganhar o céu, Ele disse: “Se queres entrar para a Vida, guarda os mandamentos. Não matarás, não adulterarás, não roubarás, não levantarás falso testemunho, honra pai e mãe” (Mt 19,16-19). O Primeiro dos Mandamentos se refere a Deus. “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o coração, de toda a alma e de todo o entendimento” (Mt 22,37). Estas palavras seguem as do Antigo Testamento: “Escuta; Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único” (Dt 6,4-5). O primeiro preceito abrange a fé, a esperança e a caridade, pois, quando se fala de Deus, fala-se de um Ser constante, imutável, fiel, perfeitamente justo. Então, devemos necessariamente aceitar Suas palavras e ter Nele uma fé e uma confiança plenas. Nossa vida moral encontra sua fonte na fé em Deus. São Paulo fala da “obediência da fé” (“O justo viverá pela fé” Rm 1,17), como da nossa primeira obrigação. Ele vê no “desconhecimento de Deu