Pular para o conteúdo principal

O que são os sacramentos?

Ao contrário do que muitos podem pensar, os sete sacramentos não são apenas “rituais simbólicos” com fins pedagógicos. Os sinais sensíveis do Batismo, da Eucaristia e da Confirmação, bem como as celebrações dos outros quatro sacramentos da Igreja, certamente podem ensinar muito ao povo cristão, mas a sua ação principal consiste em infundir a graça santificante nos homens. Diferentemente dos sinais humanos, que só remotamente reportam ao que significam, “os sacramentos da Nova Lei são, ao mesmo tempo, causas e sinais”, diz S. Tomás de Aquino. Eles não só simbolizam, como “efficiunt quod figurant — realizam o que representam” (STh III 62, 1 ad 1).
Para entender como eles atuam, é importante considerar a ligação desses sinais com a humanidade da Pessoa de Cristo e com a sua Paixão. Essa empresa é levada a cabo de modo brilhante pelo Doutor Angélico (cf. STh III 62, 5), que ensina o seguinte:
O sacramento opera causando a graça a modo de instrumento. Há, de fato, dois tipos de instrumento: um separado, como o báculo; e outro conjunto, como a mão. Pelo instrumento conjunto se move o instrumento separado, como o báculo é movido pela mão. A principal causa eficiente da graça é o próprio Deus, a quem a humanidade de Cristo é comparada como instrumento conjunto e o sacramento, como instrumento separado. Por isso, é oportuno que a virtude salvífica provenha da divindade de Cristo por sua humanidade nos próprios sacramentos.
Vê-se que a graça sacramental se ordena a duas coisas principais: tirar as faltas dos pecados passados — já que, passado o ato, permanece a culpa — e aperfeiçoar a alma no que pertence ao culto de Deus segundo a religião cristã. É manifesto que Cristo livrou-nos de nossos pecados principalmente por sua paixão, não só de modo eficiente e meritório, mas também satisfatório. De modo similar, pela sua paixão, iniciou o rito da religião cristã, oferecendo-se a si mesmo como “oblação e vítima a Deus” (Ef 5, 2). De onde é manifesto que os sacramentos da Igreja tiram a sua força principalmente da paixão de Cristo, com cuja força somos colocados em contato pela recepção dos sacramentos. Como sinal dessa conexão, do lado de Cristo pendente na cruz fluíram sangue e água, um referente ao batismo e o outro à Eucaristia, que são os principais sacramentos.

Na Cruz, portanto, Jesus morreu pela humanidade inteira, estendeu a salvação para absolutamente todos os homens. Embora tenha padecido por todos, porém, Ele não salva senão muitos (cf. Mt 26, 28; Mc 14, 24), e isso não por um defeito de sua obra redentora — os méritos de Cristo em sua paixão são suficientes para salvar a toda a espécie humana, desde Adão e Eva até o último homem da história —, mas por conta dos próprios homens, livres que são para aceitarem ou negarem a Deus. “Poculum humanae salutis habet quidem in se, ut omnibus prosit; sed si non bibitur, non medetur — O cálice da salvação humana certamente tem em si que sirva em proveito de todos, mas, se não for bebido, não cura” (Sínodo de Quiercy, mai. de 853: DH 624).
Para que a redenção atue eficazmente em nossas vidas, Cristo fixou um período, que vai desde a sua Páscoa até o Fim dos Tempos, e que se chama de “economia sacramental”. Neste tempo, a Segunda Pessoa da SS. Trindade, Deus feito homem, age à semelhança de um carpinteiro pode muito bem infundir a sua graça diretamente nas pessoas, mas quer (potest, vult) fazê-los por meio da humanidade de Cristo e dos sacramentos, esses sinais sensíveis que servem de instrumento para a sua ação nas almas.
Quem quer colocar-se em contato com a carne de Cristo, portanto, basta que se aproxime dos sacramentos da Igreja. Para ganhar fruto, porém, mais do que simplesmente recebê-los, é preciso fazê-lo com fé (Jo 5, 25-34). Os sacramentos são sinais verdadeiramente eficazes (ex opere operato) da graça de Deus, mas só geram frutos na vida daqueles que se abrem dócil e generosamente à ação divina, isto é, que não lhes põem óbice.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at