Pular para o conteúdo principal

A Unção dos Enfermos é um sacramento?

É a Unção dos Enfermos um verdadeiro sacramento instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo? A pergunta talvez soe como um “escolasticismo” sem propósito, mas tem a sua razão de ser, já que são muitos os hereges que, desde a Idade Média até tempos mais recentes, insistem em negar a natureza sacramental da Unção dos Enfermos. Um deles foi Lutero, que em algumas obras a rebaixa à condição de mero sacramental; outro foi Calvino, para quem a unção de que nos fala S. Tiago em sua carta nada mais é do que parte de um ritual para uma cura carismática.
Não é essa, porém, a fé da Igreja. Segundo a doutrina católica, com efeito, a Unção dos Enfermos é, sim, um verdadeiro sacramento da Nova Aliança, quer dizer, um sinal sensível instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo para significar e produzir em nós a graça divina, mas que foi promulgado pelo Apóstolo S. Tiago. Assim o definiu solenemente no séc. XVI o Concílio de Trento, confirmando o que desde tempos primitivos criam todos os fiéis católicos. Eis as palavras do Concílio (Sessão 14.ª, de 25 nov. 1551: DH 1695):

Esta sagrada unção dos enfermos foi instituída pelo Cristo, nosso Senhor, como sacramento do Novo Testamento, no sentido verdadeiro e próprio, indicado por Marcos (cf. Mc 6, 12-13) e, ademais, recomendado aos fiéis e promulgado por Tiago, Apóstolo e irmão do Senhor. Ele diz: “Está enfermo alguém dentre vós? Chame os presbíteros da Igreja e orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o enfermo e o Senhor o aliviará, e, se estiver com pecados, ser-lhe-ão perdoados” (Tg 5, 14-15).
Além da palavra definitiva e segura do Magistério da Igreja, que nos garante com autoridade infalível a sacramentalidade da Unção dos Enfermos, sabemos que este não poderia, de forma alguma, ser entendido como um simples “ritual de cura”, porque as próprias Escrituras Sagradas atestam que a finalidade essencial e primária dela não é a cura física. Ouçamos outra vez o que nos diz S. Tiago sobre a administração deste sacramento: “Está enfermo alguém dentre vós? Chame os presbíteros da Igreja e orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o enfermo e o Senhor o aliviará, e, se estiver com pecados, ser-lhe-ão perdoados” (Tg 5, 14-15).
Ora, é evidente que nenhum dom carismático nem ritual algum de cura, ainda que instituído pela Igreja, tem o poder de salvar e perdoar pecados. Apenas um sacramento, isto é, um sinal eficaz da graça divina instituído por Cristo pode ter essa capacidade. E as palavras do Apóstolo deixam mais do que claro que a Unção dos Enfermos tem, sim, essa virtualidade. De fato, como efeito comum aos outros sacramentos, a Unção dos Enfermos aumenta a graça santificante naquele que a recebe com as devidas disposições: “A oração da fé salvará”; como efeito especial primário, ela confere uma graça reconfortante contra as relíquias do pecado, quer dizer, contra a debilidade causada pelos pecados passados: “O Senhor o aliviará”; e, como efeito especial secundário, a unção pode também perdoar os pecados veniais e mortais, se os houver: “Se estiver com pecados, ser-lhe-ão perdoados”, contanto, é claro, que o enfermo a receba de boa fé e tendo ao menos atrição sobrenatural de suas culpas.
Além disso, é doutrina certa e comum que a Unção dos Enfermos pode, embora isso não seja necessário, devolver a saúde física ao enfermo, se assim for conveniente ao bem espiritual dele. Eis por que nem sempre à recepção da Unção dos Enfermos se segue a cura do corpo: este sacramento não foi instituído, primária e fundamentalmente, para dar saúde física, mas para dar saúde espiritual, fortalecendo o fiel no momento mais delicado da vida, que é a hora da morte, e preparando-o de forma próxima e imediata para entrar na vida eterna.

Fonte: Padre Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at