Pular para o conteúdo principal

E SE VOCÊ MORRER HOJE?


És tentado a pecar? Pensa na tua morte. Em breve, esse prazer efêmero não significará nada. Logo vais te arrepender de ter buscado um prazer momentâneo e abandonado a vida eterna.

Talvez não exista hoje verdade mais evitada, reprimida e veementemente ignorada do que a realidade da morte. O homem moderno é consumido satisfazendo como um escravo às próprias paixões, autoproclamando-se livre e banindo absolutamente o pensamento de que um dia morrerá. Para evitar até a menção ao termo “morte”, ele recorre constantemente a palavras como “macabro” e “mórbido”. Apesar disso, ele está disposto a “matar” qualquer um que atrapalhe sua escravidão às paixões. A devassidão na qual ele se encontra mantém sua visão alheia a tudo, exceto à própria escravidão. Ele não consegue enxergar a única coisa no futuro que ele jamais poderá evitar ou negar.

Poder-se-ia argumentar razoavelmente que o declínio histórico da piedade religiosa está correlacionado com o declínio da morte por doenças e com os avanços modernos em tecnologia e conforto que obscurecem a realidade da morte. Quando um homem pode ignorar a morte, ele pode ignorar Deus.

Contudo, pela graça de Deus, nenhum homem consegue ignorar a morte para sempre. Eventualmente um ente querido morre, ou alguém contrai câncer ou outra doença grave, de modo que o ser humano fica face a face com a morte, aquela de quem ele se esquivou, de forma astuta, por toda a vida. Então ele será confrontado com essa dura realidade. Quem sabe, nesse momento, ele enfrente as perguntas difíceis da existência, volte-se para Deus e olhe para a própria vida.

São Francisco de Sales apresenta uma relevante meditação sobre a morte:

Grava bem em teu espírito que então para ti já não haverá mundo, vê-lo-ás perecer ante teus olhos; porque então os prazeres, as vaidades, as honras, as riquezas, as amizades vãs, tudo isso se te afigurará como um fantasma, que se dissipará ante tuas vistas. Ah! Então haverás de dizer: por umas bagatelas, umas quimeras, ofendi a Deus, isto é, perdi o meu tudo por um nada. Ao contrário, grandes e doces parecer-te-ão então as boas obras, a devoção e as penitências, e haverás de exclamar: Oh! Por que não segui eu esta senda feliz? Então, os teus pecados, que agora tens por uns átomos, parecer-te-ão montanhas e tudo o que crês possuir de grande em devoção será reduzido a um quase nada [1].

Já Santo Afonso Maria de Ligório lamenta a situação daqueles que morrem em pecado:

Os pecadores, diz o Senhor, Me viraram as costas por amor às criaturas: “Voltaram-me as costas em lugar de voltarem para mim a face; porém no tempo da sua aflição dizem: Levanta-te [Senhor] e livra-nos. Onde estão os teus deuses [direi eu então] que fabricaste para ti? Levantem-se, se te podem livrar” (Jr 2, 27). Dirá deste modo o Senhor, porque a Ele recorrerão, mas sem o verdadeiro espírito de conversão [2].

Quanto a ti, leitor, não permitas que a morte te surpreenda em situação de pecado. A lembrança da morte é a recordação da realidade última. Prepara-te agora para o destino de toda a carne. Ouve as palavras dos mortos: Fui o que és, sou o que te tornarás [3].

Recordar a própria morte por quê?

O Frei Bergamo destaca que:


A morte é a melhor mestra da verdade, e o orgulho — nada mais que uma ilusão de nosso coração — apega-se à vanglória disfarçada; por isso, a morte é o melhor meio para aprendermos o que é a vanglória e como separar nossos corações dela [4].

Estás com raiva de teu irmão por ele ter te insultado? Considera a tua morte. O que acontecerá com esse insulto quando teu corpo estiver apodrecendo na sepultura e tua alma aparecer diante do Tribunal? Ainda te apegarás à tua raiva? Antes, o Senhor dirá: “Se perdoardes aos homens as suas ofensas, vosso Pai Celeste também vos perdoará” (Mt 6, 14). A morte corta de ponta a ponta tua vaidade, mostrando quão vazia é a glória humana.

Estás aflito com a situação atual da Igreja? Considera a tua morte. O Senhor diz que “aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mt 24, 13). Em breve vais morrer e enfrentar o juízo. O que Nosso Senhor te dirá nesse momento? Pegaste o talento e, por medo, o enterraste (cf. Mt 25, 25)? Ou investiste as graças que te foram concedidas para produzir mérito e salvar as almas? Quando todas essas coisas forem arrancadas de ti, saiba que tua morte está próxima.

A peça do século XV intitulada Everyman mostra, de forma belíssima, que, na hora da morte, o ser humano não pode receber parentes, amigos, bens ou força. Somente as boas obras podem ser apresentadas ao tribunal de Cristo. A morte possibilita a visão clara da realidade. Ela permite que se veja quão efêmero é o bem-estar proporcionado pelas coisas criadas, a ponto de sugerir que toda a esperança humana seja depositada no Incriado. A morte nos mantém a salvo de mentiras, vaidades e, acima de tudo, do próprio pecado.

És tentado a pecar? Considera a tua morte. Em breve, esse prazer efêmero não significará nada. Logo vais te arrepender de ter buscado um prazer momentâneo e abandonado a vida eterna. Tal deleite durará apenas um instante, enquanto a eternidade é para sempre, nem sequer está sujeita ao tempo. Não ouças o diabo, que lhe diz: “Pouco importa. Amanhã tu te confessas”. Em vez disso, ouve Nosso Senhor, que te diz: “Insensato! Nesta noite ainda, exigirão de ti a tua alma” (Lc 12, 20). E, novamente: “Vigiai, porque não sabeis nem o dia nem a hora” (Mt 25, 13). A lembrança da morte leva à vitória sobre todo pecado.

Como meditar sobre a morte?

Como a sociedade moderna está inclinada a que todos neguem a própria morte, é extremamente difícil lembrar que tu morrerás. No entanto, essa prática é tão salutar a ponto de causar um rápido crescimento na vida espiritual. Um modo de levá-la a cabo é a lembrança diária, que consiste em te levantares e fazeres tua oferta matutina, considerando que morrerás naquela mesma noite. Diz diante de Deus, no último dia de tua vida:

Lembra-te, ó alma cristã, de que tens este dia para:

A Deus glorificar
A Jesus imitar
Os anjos e santos invocar
Uma alma salvar
Um corpo mortificar
Pecados expiar
Virtudes adquirir
O Inferno evitar
O Céu ganhar
À Eternidade te preparar
O tempo aproveitar
O próximo edificar
O mundo desprezar
Os demônios combater
As paixões subjugar
A morte padecer
E a um juízo te submeter [5].

No final do dia, faz teu exame de consciência, considerando que morrerás naquela noite. Isso te trará verdadeira contrição por teus pecados e mostrar-te-á a vaidade de teres ofendido a Deus por algo insignificante. Reza também o Miserere (Salmo 50).

Quando fores dormir, deita-te de costas e olha para o céu. Imagina teu corpo no leito de morte ou deitado na sepultura. Põe tua esperança, então, na misericórdia de Deus e repete a oração: Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus vivo, tende piedade de mim, que sou pecador.

Outro método de meditação é a lembrança mensal. Considera que este será teu último mês de vida, e que o último dia deste mês será o teu último neste mundo. Naquela noite, tu vais morrer. Então, olha para tua vida e considera o que tu deves fazer antes da tua morte. Esforça-te em busca da virtude e vence o teu pecado. Pouco antes do último dia do mês, faz um exame de consciência completo. Em seguida, faz tua confissão como se fosse a última antes de morrer. Olha então para a tua cama, considera-a como tua sepultura e invoca a misericórdia de Nosso Senhor:

Ó meu Deus, soberano Senhor da vida e da morte, que, por um decreto imutável para a punição do pecado, determinastes que todos os homens devem morrer, contemplai-me humildemente ajoelhado diante de vossa tremenda Majestade, resignado e submisso a essa lei da vossa Justiça. Com todo o meu coração, detesto meus pecados passados, pelos quais mereci a morte mil vezes; e por esse motivo aceito a morte em reparação pelos meus pecados e em obediência à vossa santa Vontade. Sim, meu Deus, enviai sobre mim a morte onde quiserdes, quando quiserdes e da maneira que quiserdes. Enquanto isso, aproveitarei os dias que me concederdes, para me desapegar deste mundo e romper todos os laços que me mantêm cativo neste exílio, e preparar-me para me apresentar com certa confiança diante do vosso tribunal. Por isso me entrego sem reservas nas mãos da vossa Providência paterna. Que a vossa Divina Vontade seja feita agora e para sempre! Amém.

Essas práticas diárias e mensais vão preparar tua alma para a morte pela qual passarás. Preparar-te dessa maneira, tornará tua morte inevitável uma ocasião não de luto, mas de mérito. Assim, pela graça de Deus, farás o que ensaiaste a vida toda: terás uma boa morte.

Os santos, estes já não se atormentam com aquele profiscere (Parte!) que tanto amedronta aos mundanos. Os santos não se agoniam em ter de deixar os bens desta terra, porque os mantiveram destacados de seus corações. “Deus do meu coração”, repetiram sempre, “Deus meu por toda a eternidade” (Sl 72, 26) [6].

Referências:
1.São Francisco de Sales, Introdução à vida devota. Rio de Janeiro: Vozes, 1958, p. 53.
2.Santo Afonso Maria de Ligório, Preparação para a morte: considerações sobre as verdades eternas (c. VI, 2). Rio de Janeiro: Ed. CDB, 2018, p. 68.
3.Este é o ditado latino “Eram quod es, eris quod sum”, que parece ter se originado de autores romanos pré-cristãos, mas foi adotado desde então por vários santos e Ordens católicas.
Fr. Cajetan Mary da Bergamo, Humility of Heart. TAN reprint: 2006, p. 64.
Roman Catholic Daily Missal, Subjects for Daily Meditation. Angelus Reprint: 2004, p. 28.
4.Santo Afonso Maria de Ligório, Preparação para a morte: considerações sobre as verdades eternas (c. VIII, 1). Rio de Janeiro: Ed. CDB, 2018, p. 81.
5.Padre Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at