Pular para o conteúdo principal

Qual é o lugar da verdade?


 

Um dos problemas da cultura ocidental moderna é a tendência a priorizar sentimentos e emoções em lugar da verdade e da razão. A Igreja também foi contaminada por isso: muitas vezes, prefere-se evitar que uma pessoa se sinta ofendida a ensinar de forma inequívoca a doutrina e as verdades da fé

Em seu mais novo livro, Christus Vincit, Dom Athanasius Schneider diz o seguinte:

A atual crise na Igreja tem como causa o descaso com a verdade e, especificamente, uma inversão na ordem da verdade e do amor. Atualmente, tem-se propagado na Igreja um novo princípio de vida pastoral que diz: amor e misericórdia são os critérios supremos, e a verdade deve se subordinar a eles. De acordo com essa nova teoria, se houver um conflito entre amor e verdade, a verdade deve ser sacrificada. Trata-se de uma inversão e uma perversão, no sentido literal da palavra.

Trata-se de um argumento importante sobre a ordem da verdade e do amor. Como nos recorda o bispo, a verdade precede o amor, e serve também como fundamento para o amor perfeito e verdadeiro.

Dom Athanasius mostra que esse insight está enraizado não apenas na natureza das coisas, mas na ação de Deus, que primeiro envia sua verdade na Lei por meio dos profetas e, de modo perfeito, por seu Filho, o Verbo feito carne. Então, após nos transmitir a verdade, Ele envia o Espírito Santo, a Pessoa da Santíssima Trindade associada ao amor. “O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm 5, 5). Portanto, a verdade precede o amor e molda suas bênçãos e exigências.

A precedência da verdade é importante por outra razão: hoje, muitas vezes, o amor é reduzido à afabilidade, que é um aspecto do amor, assim como a correção e a repreensão. Em nossa cultura, se não aprovarmos cordialmente qualquer coisa que outros querem fazer, corremos o risco de ser chamados de odiosos. Muitas vezes o amor é igualado à aprovação, à “camaradagem”.

Segundo essa atitude que contaminou a Igreja, frustrar as pessoas, magoá-las ou fazer com que se sintam “excluídas” é praticamente a pior coisa que podemos fazer. Não importa o fato de o Jesus bíblico frustrar mais do que um punhado de pessoas; Ele “excluiu” aqueles que “não podiam ser seus discípulos” porque não carregariam sua cruz e não o amariam acima de todas as coisas. Na Igreja de hoje, temos de pisar em ovos para não ofender os outros, e falamos incessantemente sobre ser uma “comunidade acolhedora”. Para conseguir, muitos fazem uma completa deturpação do que ensinam o Senhor e as Escrituras. Muitas vezes, a misericórdia é ensinada sem qualquer referência ao arrependimento, que, no entanto, é a própria chave que abre a porta para a misericórdia! O Senhor vincula o chamado ao arrependimento à boa-nova da salvação (cf. Mc 1, 5). 

Naturalmente, nosso objetivo não é ofender, mas o Evangelho possui uma estranha capacidade de afligir os acomodados e confortar os aflitos, e cada um de nós é um pouco das duas coisas. Não podemos nos esquecer de que servimos um Senhor que foi morto pelo que disse, embora ninguém tenha amado seus inimigos mais do que Ele.

Não podemos ignorar a ordem correta: a verdade precede o amor e é fundamento dele. As coisas muitas vezes estão desordenadas, pois, quando invertemos a ordem, as coisas se tornam — por definição — desordenadas.

Todos nós temos de ser mais corajosos ao falar a verdade. Quando faço uma pregação sobre um assunto difícil ou controverso, muitas vezes preparo meus ouvintes dizendo: “Amo-vos demasiado para mentir para vós”. Em seguida, digo a verdade sobre os ensinamentos de Deus, mesmo que estejam “fora de moda”. Faço isso não apenas para prepará-los, mas para ilustrar que a verdade do Evangelho precede e molda meu amor por eles. Não posso simplesmente dizer que os amo sem considerar a veracidade do Evangelho. Mentir ou silenciar enquanto o lobo do engano os devora não é amor; é ódio, ou até pior, indiferença. Privar as pessoas da verdade que pode libertá-las não é uma atitude amorosa nem misericordiosa.

O amor e a misericórdia são belos, mas devem ser precedidos pela verdade. Sou grato a Dom Athanasius por nos lembrar disso.


Fonte: Padre Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at