Pular para o conteúdo principal

Conheça os três pastorzinhos de Fátima

As crianças portuguesas testemunharam as aparições do Anjo de Portugal e da Virgem Maria ocorridas em Fátima entre 1916 e 1917

Francisco Marto (Aljustrel, Fátima, 11 de Junho de 1908- 04 de Abril de 1919) e Jacinta Marto (Aljustrel, Fátima, 11 de Março de 1910 -Lisboa, 20 de Fevereiro de 1920) foram dois dos três pastorzinhos que alegadamente viram Nossa Senhora na Cova da Iria, de 13 de Maio até 13 de Outubro de 1917.

Conheça Jacinta e Francisco

Jacinta e Francisco eram crianças típicas do Portugal rural da época. Não frequentaram a escola, e trabalhavam como pastores em conjunto com a sua prima Lúcia. De acordo com as memórias de Lúcia, Francisco, era um rapaz muito calmo, gostava de música, e muito independente nas opiniões. Jacinta era mais afetiva e muito mimada, emocionalmente mais frágil.

Na sequência das aparições, o comportamento dos dois irmãos alterou-se. Francisco preferia rezar sozinho, como dizia “para consolar Jesus pelos pecados do mundo”. Jacinta ficou aterrorizada por uma visão do Inferno supostamente ocorrida na terceira aparição. Ficou obcecada pela ideia de salvar tantos pecadores quanto possível através da penitência e sacrifício como pedia a Virgem Maria.

As três crianças, mas particularmente Jacinta e Francisco, praticaram mortificações e penitências. É possível que prolongados jejuns os tenham enfraquecido a ponto de os irmãos terem sucumbido à epidemia do vírus influenza que varreu a Europa em 1918. Francisco morreu em casa em 1919. Jacinta, que sofria de pleurisia e não podia ser anestesiada devido à má condição do seu coração, foi assistida em vários hospitais, acabando por sucumbir em 20 de Fevereiro de 1920, sozinha, num hospital.

Francisco e a irmã Jacinta foram beatificados pelo Papa João Paulo II em 13 de Maio de 2000. O seu dia festivo é 20 de Fevereiro.
 

Um pouco sobre Lucia

Lúcia de Jesus dos Santos (Aljustrel, Fátima, 28 de Março de 1907 – Coimbra, 13 de Fevereiro de 2005), conhecida no Carmelo como Irmã Lúcia do Coração Imaculado, Ordem das Carmelitas Descalças, e reverenciada por alguns católicos portugueses simplesmente como a Irmã Lúcia, foi, juntamente com Jacinta e Francisco Marto, uma das três crianças que afirmaram ter visto Nossa Senhora na Cova da Iria, durante o ano de 1917.

Lúcia nasceu no lugar de Aljustrel, próximo de Fátima. Tinha dez anos quando disse ter visto, pela primeira vez, Nossa Senhora na Cova da Iria, juntamente com os primos Jacinta e Francisco Marto. Lúcia foi a única dos três que alegava ter ouvido as palavras da Virgem, e como tal era a portadora do suposto Segredo de Fátima.

Nos primeiros tempos, a hierarquia católica revelou-se cética sobre as afirmações dos Três Pastorzinhos e foi só a 13 de Outubro de 1930, que o bispo de Leiria tornou público, oficialmente, que as aparições eram dignas de crédito segundo a Igreja Católica. A partir daí, o Santuário de Fátima ganhou certa expressão internacional, enquanto a Irmã Lúcia viveu cada vez mais isolada.

Em 17 de Junho de 1921, o bispo de Leiria, D. José Alves Correia da Silva, proporcionou a sua entrada no colégio das irmãs doroteias em Vilar, Porto, alegadamente para a proteger dos peregrinos e curiosos que acorriam cada vez mais à Cova da Iria e pretendiam falar com ela. Professou como doroteia em 1928, em Tuy (Espanha), onde viveu alguns anos.

Em 1946 regressou a Portugal e, dois anos depois, entrou para o Carmelo de Santa Teresa em Coimbra, onde professou como carmelita a 31 de Maio de 1949. Foi neste convento que escreveu dois volumes com as suas Memórias e os Apelos da Mensagem de Fátima. Em 1991, quando o Papa João Paulo II visitou Fátima, convidou a Irmã Lúcia a deslocar-se ali e esteve reunido com ela 12 minutos. Antes, já se tinha encontrado também em Fátima com o Papa Paulo VI.

Lúcia morreu no dia 13 de Fevereiro de 2005, no Convento Carmelita de Santa Teresa em Coimbra, onde vivia afastada do mundo desde 1948. O corpo foi transladado de Coimbra para o Santuário de Fátima em 19 de Fevereiro de 2006.

Fonte: Alma.apaixonada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at