Pular para o conteúdo principal

Para que precisamos realmente do Espírito Santo? Segundo o Youcat

 

Para muitos cristãos, o Espírito Santo é um desconhecido. Desempenha um papel central neste contexto. Uma visão geral de passagens importantes da Bíblia e do catecismo.

Definição


Pentecostes / Espírito Santo

Pentecostes é a terceira maior festa do cristianismo. Os cristãos celebram a descida do Espírito Santo sobre cerca de 120 pessoas: os Apóstolos, Maria, algumas mulheres e outros discípulos. Esse grupo havia se reunido inicialmente “por medo dos judeus” (Jo 20, 19), mas também para rezar e esperar um sinal do alto. Pentecostes é celebrado no 50º dia depois da Páscoa – é isso que Pentecostes significa em grego, pentekostē (= 50º). Pentecostes é considerado como o nascimento da Igreja, e deve-se refletir sobre o significado de este local de nascimento ser idêntico ao local onde Cristo celebrou a Eucaristia pela primeira vez.

O Espírito Santo “é a terceira pessoa da Santíssima Trindade e é da mesma grandeza divina que o Pai e o Filho” (YOUCATC 38). Jesus prometeu aos discípulos que mandaria a eles outro “Paráclito” (Jo 14, 16) pouco antes de Sua morte, que permaneceria com eles após Sua partida. Quando os discípulos receberam o Espírito Santo, eles entenderam o que Jesus quis dizer com aquelas palavras. Eles experimentaram uma profunda alegria e uma forte sensação de proteção, e receberam carismas (= dons da graça), isto é, podiam profetizar, curar e realizar milagres. “O espírito é que vivifica” (Jo 6, 63) – os cristãos, mas também toda a Igreja, que estaria completamente perdida sem o Espírito Santo. Sem os dons do Espírito Santo (1Cor 12), a Igreja é uma instituição morta.

O que a Bíblia diz?


A descida do Espírito Santo, profeticamente anunciada por Jesus, aconteceu no dia da festa da colheita judaica, num evento dramático: “De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles” (At 2, 2-3). Os discípulos, sem saber o que estava acontecendo, “começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At 2, 4). No momento de seu nascimento, a jovem Igreja, cheia do Espírito, imediatamente desenvolveu um dinamismo missionário. Isso é o que Jesus tinha também pedido antes de partir: “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28, 19). Aqueles que testemunharam a descida do Espírito Santo perguntaram aos discípulos: “Que devemos fazer, irmãos?” (At 2, 37). A resposta foi dada por Pedro: “Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo” (At 2, 38). O poder do Espírito Santo é palpável: “Os que receberam a sua palavra foram batizados. E naquele dia elevou-se a mais ou menos três mil o número dos adeptos” (At 2, 41). No Espírito Santo, “perseveravam eles na doutrina dos apóstolos, na reunião em comum, na fração do pão e nas orações” (At 2, 42).

Mesmo antes de Pentecostes, o Espírito Santo é uma realidade divina no Novo Testamento. Maria recebe Jesus “envolvida pela sombra” do Espírito Santo (Lc 1, 35). No Batismo no rio Jordão, o Espírito Santo desce sobre Jesus (Mt 3, 16). No Evangelho de João, Jesus fala do “Espírito da Verdade” (Jo 14, 17). No Antigo Testamento, o entendimento sobre o Espírito Santo evolui gradualmente. “O Espírito de Deus”, diz a narrativa da criação, “pairava sobre as águas” (Gn 1, 2). O homem se torna um ser vivente quando Deus inspira-lhe as narinas com seu “sopro” (Gn 2, 7). Jó confessa: “O Espírito de Deus me criou, e o sopro do Todo-poderoso me deu a vida” (Jó 33, 4). A palavra hebraica para esse sopro é ruach – e é feminina, o que é um sinal de que, em Deus, até a criação materna da vida tem seu lugar.

Uma pequena catequese do YOUCAT:


Para que precisamos realmente do Espírito Santo?

Quando as pessoas ainda não eram educadas sexualmente - por volta de 1968 - um certo Oswalt Kolle conseguiu um sucesso de bilheteria internacional com o filme "Sua Esposa - O Ser Desconhecido". Hoje seria preciso fazer um filme "O Espírito Santo - o Ser Desconhecido". Nada é mais desconhecido na igreja e quase nada é mais importante que o Espírito Santo, especialmente em tempos em que muitas pessoas não sabem mais onde estão as costas e a frente.

Alguns colocam o Espírito Santo na fórmula um tanto ou quanto escassa "O que precisamos é de mais entusiasmo". Mas o Espírito Santo não tem a intenção de elevar a temperatura emocional de operação da adoração. Em YOUCAT 38 diz: "O Espírito Santo é a terceira pessoa da Santíssima Trindade e é da mesma grandeza divina que o Pai e o Filho" - e YOUCAT 113 reforça isso mais uma vez: "Crer no Espírito Santo significa adorá-lo como Deus, assim como se adora o Pai e o Filho".

Sem o Espírito Santo Deus não é completo, por assim dizer. E principalmente: sem o Espírito Santo Deus - mais uma vez muito falado como homem - de alguma forma não está "lá".

Um fantasma - ou o quê?

Podemos imaginar algo de Deus Pai - e seja a imagem ingênua de um homem velho de barba comprida. Com o Filho, o Novo Testamento torna-se quase físico: "O que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que olhamos e o que nossas mãos tocaram, nós proclamamos". (1º João 1:1) Mas quando falamos do "espírito", alguns pensam apenas em fantasmas de castelo e outros fenômenos arejados de realidade duvidosa.

Bem, há coisas invisíveis que são tão reais quanto pedra e ferro - o "amor", por exemplo. Ninguém jamais viu o amor - mas ele existe sem dúvida alguma. Com as pessoas, o amor é uma espécie de coisa intermediária - a língua latina tem a palavra interesse (= entre-estar) por ele. Porque através de Jesus somos de uma maneira brilhante capazes de olhar para o Deus interior, descobrimos uma inter-essência lá também. Deus não é um bloco monolítico. Nele há vida, comunidade, um interminável diálogo de amor. O interesse do Pai pelo Filho (e vice-versa) é de tal intensidade que o "intermediário" do amor divino não é um sentimento vago ou uma qualidade de relacionamento, mas uma pessoa: o Espírito Santo.

Uma relação que é um "alguém" - isso vai além de qualquer imaginação humana. E isso fica mais louco! Jesus quer nos levar para o relacionamento de todos os relacionamentos, para a inter-essência de Deus. Nós somos absolutamente interessantes para Ele. Para isso ele não nos dá um conjunto de regras de associação; também não temos que estabelecer artificialmente um certo "espírito" para nós mesmos.

Ele nos dá um Deus, por assim dizer

Desculpe? O que os pobres Coríntios teriam pensado quando Paulo lhes perguntou: "Não sabeis que o vosso corpo é um templo do Espírito Santo que habita em vós e que tendes de Deus?" "Nosso corpo", conclui YOUCAT 120 logicamente, "é, portanto, em certo sentido, a sala de estar de Deus". O Deus infinito - em miniatura? Em uma acomodação de carne, sangue e pensamentos questionáveis?

Vamos ver como Jesus chegou a isso. O evangelho de João faz os discursos de despedida de Jesus. Pode-se bem imaginar o que estava acontecendo nos amigos de Jesus quando ele anunciou o fracasso de seu projeto. Esses pescadores, agricultores e funcionários da alfândega, que haviam desistido de suas profissões civis, haviam colocado tudo em um só cartão. Agora o herói deles iria embora? Uma explicação é o mínimo que eles poderiam pedir.

E Jesus a dá. Mensagem 1: "Não vos deixarei órfãos". (João 14:18). Mensagem 2: "E eu pedirei ao Pai, e ele vos dará outro Advogado para estar sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode aceitar, porque não o vê nem o conhece. Mas vós o sabeis, porque ele permanece convosco, e estará em vós. (João 14:16-17)

Será que os apóstolos entenderam alguma coisa? Eu duvido.

Revelação no Relacionamento

Ainda hoje se sabe onde aconteceu a relação. Quero dizer, o lugar onde os discípulos entraram no relacionamento de todos os relacionamentos. Fica em Jerusalém, no Zionsberg (para os donos de smartphones: GPS 31.772167, 35.229281). Da Rua Ma'ale Shazkh sobe-se cerca de 40 m até o "Cenáculo", do qual o famoso arqueólogo Bargil Pixner jura que aqui - logo abaixo da igreja dos cruzados do século XIV - foi o salão onde aconteceram dois momentos cruciais na história do relacionamento de Deus com o mundo: a Ceia do Senhor e Pentecostes.

Foi a sala em que Jesus entrou num novo relacionamento inédito com seus discípulos que o fez, por assim dizer, presente na ausência. Foi aqui que Jesus se ofereceu de forma eucarística para comer e beber - para sempre e em toda parte. E foi nesta sala de Jerusalém, que se chama "Cenáculo" nos Atos dos Apóstolos; ali os confidente mais próximos de Jesus voltaram depois que o Senhor se mostrou a eles como o Ressuscitado: "Pedro e João, Tiago e André, Felipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago filho de Alfeu, Simão o Zelote, e Judas filho de Tiago...". (Atos 1,13) Eles tinham recebido uma misteriosa instrução: "Recebereis o poder do Espírito Santo que virá sobre vós; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém e em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra". (Atos 1:8) O que isso significa?

O que você faz em um momento como este? Espere.

"Todos ficaram ali unidos em oração, com as mulheres e com Maria, a mãe de Jesus, e seus irmãos". No meio: Maria, a perita em relacionamentos desde o início ("O Espírito Santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo te ofuscará", Lc 1:35). Através do seu "sim" foi aberto o espaço para a Encarnação de Deus.

E então eles - a mãe, as mulheres, os amigos - são vencidos por Pentecostes. Começa uma nova realidade. Cinqüenta dias após sua Ressurreição", diz em YOUCAT 118, "o Senhor enviou do céu o Espírito Santo sobre seus discípulos". A era da Igreja começou. No Pentecostes o Espírito Santo transformou temerosos apóstolos em corajosas testemunhas de Cristo. Em muito pouco tempo, milhares se batizaram: era o aniversário da Igreja. O milagre das línguas no Pentecostes mostra que a Igreja está lá para todos os povos desde o início: Ela é universal (= o termo latino para o grego kat' holon, católico) e missionária. Ela fala a todos os homens, supera barreiras étnicas e lingüísticas, e pode ser compreendida por todos. Até hoje o Espírito Santo é a "alma" da Igreja, o princípio essencial de sua vida.o Senhor enviou do céu o Espírito Santo sobre seus discípulos".

Ser um cristão sem espírito? Isso é ridículo!

Desde Pentecostes, Deus tem estado em modo de espera. Ele habita no coração da Igreja e no coração de cada crente. Todo contato com Deus, toda vocação para ele, toda conversa sobre ele é "espiritual" - ou ele é uma fraude de rótulo. Quando oramos, Deus chama em nós para Deus fora de nós, e quando reconhecemos Deus, Deus reconhece em nós o Deus acima de nós. "Sem o Espírito Santo não se pode entender Jesus", diz YOUCAT 114. Quando a cura acontece na igreja, ela é cura no Espírito Santo. Sem ele ninguém é consolado, fortalecido, convertido, guiado e reconciliado. Sem o Veni Sancte Spiritus, ninguém na igreja pode ensinar, abençoar, guiar. Sem a "unção do alto" não se pode praticar teologia. "Sem" também não se pode dar os sacramentos; os dons da terra permanecem inalterados. Sem o Espírito Santo, os agentes pastorais são apenas guias cegos para os cegos. Sem o Espírito Santo, todo o complexo altamente diferenciado da igreja não passa de um pedaço pobre da sociologia. E "sabedoria, entendimento, conselho, fortaleza, conhecimento, piedade e temor do Senhor" (YOUCAT 310) são habilidades normais, pelo menos não os Sete Dons do Espírito Santo. O mundo permanece o mundo. Nada vem de cima.
O Metropolita Inácio Hazim, antigo Patriarca Ortodoxo Grego de Antioquia (1920-2012), expressou-o de uma forma inimitável: "Sem o Espírito Santo, Deus está longe, Cristo permanece no passado, o Evangelho é um livro morto, a Igreja é uma organização, a autoridade é apenas dominação, a missão é uma propaganda, o culto é um encantamento, e a ação cristã uma moralidade escrava. Mas com o Espírito Santo o cosmos se eleva e geme nas dores do Reino, Cristo Ressuscitado está lá, o Evangelho é o poder da vida, a Igreja é a comunidade trinitária, a autoridade é um ministério libertador, a missão é um novo Pentecostes, a liturgia é lembrança e antecipação, a ação humana é glorificada."

Fonte: YouCat

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at