Pular para o conteúdo principal

Você não tem o direito de não santificar a sua família!


Por que demoramos tanto em sermos um com Cristo assim como desejamos ser um com o amor da nossa vida? Rezamos tanto para que isso aconteça na nossa vida, buscamos tanto a pessoa certa para viver conosco, queremos tanto nos unir a uma pessoa diante do nosso chamado, sofremos muitas vezes quando isso demora acontecer, quando vê um casal, respira fundo, mas eu te pergunto, qual o nosso empenho para o nosso encontro com Cristo? O buscamos da mesma forma que buscamos a pessoa certa para nós? Desejamos morrer de amor ao comungar?  

Nosso coração palpita vendo casais, mas palpitamos quando vemos Cristo?

Aquele casal que quer morrer de amor quando comungar, também vai morrer de amor pela esposa ou esposo. E o que eu digo há tantos anos: eu me casei para fazer a minha esposa feliz, e faze-la feliz é santifica-la, é leva-la para Deus.

Já ouvi absurdos muitas vezes do tipo “entre quatro paredes vale tudo”... Como vale tudo se Cristo está ali também? Quero dizer o que vale então: Entre quatro paredes “Tudo me é permitido, mas nem tudo me convém...”, entre quatro paredes vale o amor,  vale santificarmos uns aos outros. Fora das quatro paredes, vale santificarmos uns aos outros. E quando eu percebo e tenho a profunda concepção que foi a vontade de Deus que me fez percorrer esses caminhos, não me importa como aconteceu, se é a vontade de Deus já me basta e me deixa profundamente feliz. O importante é ser o que Deus quer que eu seja. Se eu sou o que Deus quer que eu seja, me basta, e eu com certeza farei as pessoas felizes, a minha esposa feliz.

Fazer o outro feliz é honrá-lo, é dizer não, é chegar também para os filhos e dizer não, por limites, seja com um ou cem anos de nascido, é dizer: “pode espernear, mas eu te amo tanto que eu te proíbo fazer isto ou aquilo, para que você seja feliz, arrisco te perder, mas para que você não se perca no caminho do céu...”, já vi inúmeros filhos em atendimentos que dou terrivelmente feridos porque não ouviram os nãos que precisavam e não se sentiram amados pelos pais, porque não tiveram os freios que precisavam.

Pais, não impeçam que seus filhos cheguem a Cristo! Não os levem àquilo que os farão se perder. Deixem seus filhos irem para Cristo e não para onde bem quiserem ir. Vocês não têm o direito de não os educar na santidade e de não os levar à Cristo. Vocês precisam verdadeiramente deixarem seus filhos irem para Cristo! Somente assim serão felizes, e vossos filhos vos agradecerão porque saberão que são amados porque não fizeram somente o que eles queriam. Deem a eles a alegria dos “nãos”, deem a eles a alegria dos limites, porque assim eles crescerão sabendo que a vida não é um mar de rosas e que eles não são o centro do mundo. Dar tudo que o mundo oferece a eles não é amor e nunca será amor.

Fazer sua esposa/esposo feliz: leve-o para Cristo! Coloque a tua família no colo de Cristo.

Não adiemos mais os traços divinos na vida dos nossos. Muitas vezes os nossos pais não nos ajudaram a ter os traços divinos, mas olhe para eles, perscrute pela ação do Espírito, para compreendermos aquilo que não vem de Deus para que não cometamos os mesmos erros, não para condená-los, mas ver o que o que está errado e ver que eu também carrego muitas coisas que eles me passaram para que eu não passe para meu cônjuge, nem para os meus filhos. Meus pais não são os meus carrascos, mas também, não são os meus deuses. Não é condenar, apenas olhar com verdade. Nunca é tarde para fazer isso, sempre é hora pois só temos o hoje e aí se cumprirá aquela passagem onde não só as criancinhas irão para Cristo, mas os pais também irão.

E será impossível derrubar a família que for, pode vir o inferno, o mundo, a globalização e todo exército infernal e não derrubarão a família que estão com Cristo. Nós não temos o direito de não santificarmos os nossos esposos, e filhos. O verdadeiro amor santifica. E que as nossas palavras sejam coerentes com a nossa vida.

Clayton B. Antar, Fundador da Comunidade Encontro. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni