Pular para o conteúdo principal

Desprezo pela Verdade: Considerações de Bento XVI


Muito tempo atrás, não me recordo onde, ouvi dizer que aos homens de todos os tempos, aplica-se sempre a seguinte máxima: “toda geração crê ser mais inteligente que a anterior e mais sábia que a seguinte”. Este tem sido, há pelo menos 100 anos, o grande drama do homem moderno. Quando digo moderno, refiro-me muito especificamente ao “movimento modernista”, que quis a todo custo romper com toda a história e cultura que o precederam. Com foco absoluto na destruição de tudo que considerava antiquado, o modernismo nunca teve a disposição de ponderar sobre o que erigiria sobre as ruínas da civilização, quando atingisse seu objetivo.

Ao falar sobre “ponto de vista histórico”, o Papa Bento XVI observa com muita clareza que um fenômeno típico deste homem de espírito revolucionário, a quem chamo “moderno”, é colocar-se fora da própria história, analisando-a sempre de uma perspectiva externa. Ele olha arrogantemente para o passado, como se este não tivesse nenhuma relação consigo, como se ele próprio, o homem moderno, não fosse um fruto amadurecido pela experiência dos séculos que o antecederam. Olhar para a história com este desprezo pela verdade é totalmente inútil. Se não somos parte da história, e ela de nós, então a história não possui nenhuma razão de ser estudada.

As notas explicativas nas obras de Platão e Dante, às quais se refere Papa Bento XVI, eram acrescidas nas edições publicadas nos regimes comunistas do século passado de forma a neutralizar o próprio cerne das obras. É evidente que precisamos fazer uma consideração histórica ao lermos Platão, mas esta consideração serve especialmente para situar a obra em sua forma, não em seu propósito ou intenção. A verdade buscada por Platão é ainda a mesma verdade almejada por todos nós hoje, não importa o quanto tentemos ignorar o fato. É por este motivo que os “clássicos” – não no sentido greco-romano do termo – da literatura, filosofia e das artes são chamados de clássicos: eles falam sobre temas universais, temas reais e intrínsecos a cada ser humano, independentemente do lugar de onde este último venha ou em que século tenha vivido. Sem dúvida, o caminho mais curto para a ignorância – e para o cultivo da burrice no fértil campo da arrogância – é acreditar que as gerações anteriores estão “ultrapassadas” e nada têm a nos ensinar.

Portanto, desconfie de quem está “aberto” a todas as discussões, mas não aceita nenhuma “verdade”. Se cada uma tem “a sua verdade”, não há sequer discussão viável ou necessária. Desconfie do linguajar dos que, propondo sociedades plurais, abertas, inclusivas e igualitárias, suprimem a uns e exaltam a outros, sempre de forma desigual. Desconfie dos que ultrajam e ridicularizam a Religião, dizendo ser inapropriado que hoje ainda haja quem dê ouvidos a ensinamentos ultrapassados “em pleno século 21”: este é o zeitgeist, o “espírito do tempo”, que reduz a potencial experiência do homem apenas ao seu próprio, limitado e frágil contexto imediato. A cultura é a extensão da experiência individual do ser humano; é dar-se conta de que gerações e gerações, em seus diferentes momentos históricos, viveram os mesmos medos, angústias, esperanças e amores que você e eu.

Verdades absolutas existem e a experiência dos mortos nos ajudar a conhecê-las melhor que a imprudência da maioria daqueles que simplesmente recebem maior atenção, simplesmente por ainda andarem neste mundo. Eis aí o terror absoluto do homem “moderno”.

Fonte: Diego Martins, site: Língua do Mundo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni