Pular para o conteúdo principal

Sou católico, eis a minha glória!

Existe uma atitude frequente entre nós e, no entanto, profundamente absurda: o sentirmos vergonha de sermos católicos. A isso se chama respeito humano.

Ora, quem tem vergonha de estar com boa saúde? Quem tem vergonha de possuir um emprego interessante e bem remunerado? Ou uma família amorosa? Ninguém, evidentemente. Ao contrário, sentimos orgulho de nossas riquezas naturais (a saúde, a vida profissional, a família), e temos mesmo a tendência de ostentá-las.

Por que bizarrice do espírito humano, então, acontece de sentirmos vergonha das riquezas sobrenaturais que são nossas, da nossa fé católica, da graça divina? Podemos nos acanhar delas? É incompreensível, e contudo é um mal demasiadamente difundido entre os católicos.

A falta, o vício que deveria nos ameaçar, em boa lógica, não deveria ser a vergonha, mas antes a jactância, o orgulho. Se sou amigo de um rei, de um homem político, de uma estrela do cinema ou da música, de um atleta famoso, quero proclamá-lo por cima dos telhados. Por que, então, se sou amigo de Jesus Cristo, Filho de Deus, Rei dos reis e Senhor dos senhores, tenho antes a tendência de escondê-lo? O respeito humano é, em si mesmo, a coisa mais imbecil e inconveniente: e contudo, ele nos paralisa a cada dia.

O que tememos? Um sorriso de canto de boca, um gracejo mordaz, uma palavra amarga? Isso não mata ninguém. Nos nossos países ocidentais, o fato de se mostrar cristão não expõe senão raramente a consequências mais graves. Os cristãos do Oriente, eles, que vivem sob o jugo do islã, expõem-se a humilhações, prisões e até mesmo a assassinatos. Porém, vejam como reagem: exibem-se publicamente como cristãos, com suas roupas, cruzes e medalhas aparentes.

As procissões prescritas pela liturgia católica são uma forma de demonstrar a nossa fé em público.

O mais ridículo, em suma, é que esperamos não sermos reconhecidos como cristãos, quando os de nossa relação, nossos colegas de trabalho sabem muito bem que nós o somos. Eles perceberam, por certas atitudes ou palavras que nos escaparam, que algo de especial nos habita, e não demoraram a fazer a ligação com nossa crença religiosa. E mesmo esses colegas de trabalho, que julgamos que se rirão de nós (acontece por vezes, mas não é nenhum martírio), esperam de nós, ao menos alguns deles, esclarecimentos, respostas a suas questões, explícitas ou implícitas. Eles se decepcionam, e com razão, se nos calamos molemente numa conversa em que um católico deveria intervir.

Há apenas uma solução para a honra de Nosso Senhor, para a nossa própria salvação, para o bem das almas com as quais convivemos: mudar o rumo do comboio e reencontrar, com a graça de Deus, o orgulho tranquilo e humilde de sermos católicos. Exprimamos nossa fé em cada circunstância em que seja útil, sem temores infundados, sem falsos pudores, sem titubeios. O mundo precisa da luz de Jesus Cristo, e não temos o direito de escondê-la debaixo do alqueire.

Nossos pais não a esconderam, e foi assim que edificaram a Cristandade, as cidades e aldeias em cujo centro reinava uma igreja, com seu campanário erguido acima de todas as casas para chamar os homens à oração; onde as catedrais suntuosas causavam admiração nos passantes, cantando-lhes a glória do Altíssimo; onde calvários cobriam os caminhos e encruzilhadas em honra da Paixão de Cristo; onde tantos padres usavam a batina como um estandarte; tantos religiosos e religiosas com seus hábitos enchiam as ruas, fazendo com que cada transeunte recordasse seu destino eterno.

Não escondamos vergonhosamente nossa fé, não temamos manifestá-la, para não merecer a condenação de Cristo: “Quem se envergonhar de mim e das minhas palavras, (também) o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na sua majestade” (Lc 9, 26). Reencontremos este transbordamento de alegria de sermos salvos pela graça de Cristo, e de oportunamente exprimi-lo com desembaraço. Como diz Santo Inácio, se o soldado fala espontaneamente da guerra, se o mercador fala de seu comércio, e o apaixonado daquela que ama, será normal ao católico falar facilmente de seu amigo, de seu benfeitor, de seu redentor, de seu Deus, de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Quanto mais intensa é a luz, mais as trevas recuam; quanto mais a vida católica brilhar publicamente, mais as sombras da apostasia dissiparão. Façamos, pois, reviver em nós este brio simples de sermos católicos: “Sou católico, eis a minha glória, minha esperança e minha salvação; meu canto de amor e de vitória, eu sou católico, eu sou católico”.


Fonte: Pe. Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at