Pular para o conteúdo principal

A atualidade das regras beneditinas

Verdade, autenticidade e paz. Três valores sustentam o pensamento de São Bento até os dias de hoje.
Em 476, caiu a cidade de Roma sob os golpes dos bárbaros, ocasionando em muitos habitantes do Império Romano a impressão de que o mundo estava para acabar. Os godos espalhavam por todo o território da Oikouméne com seu espírito belicoso contido por chefes mais prudentes. Foi então que o Bispo de Lião, chamado Euquério, disse estar vivendo “num mundo de cabelos brancos”.
Nesse mundo envelhecido que perdia sua segurança, nasceu em 480 o menino Bento, na pequena cidade de Núrsia. Havia de renovar a história com meios simples, mas correspondentes ao que a pessoa humana traz em seu íntimo; este é o segredo da sua projeção na História, pois Bento fundou uma família que atravessou quinze séculos chegando até os nossos dias.
Filho de família nobre da Itália central, Bento foi enviado a Roma para estudar Direito e Retórica. Todavia, sem demora verificou que tais disciplinas não lhe saciavam a sede de algo mais, ou seja, do Absoluto. Daí retirar-se para as montanhas de Subiaco, onde viveu como eremita até que o descobriram alguns irmãos, que o chamaram para ser pai de uma comunidade de monges. De Subiaco, o pai espiritual transferiu-se para Monte Cassino, onde fundou um grande mosteiro, do qual se irradiaria um novo sopro de vida sobre o mundo ocidental.
E que fez São Bento para irradiar tal valor? Atuou em duas esferas: na monástica e na cultural.
Na esfera monástica… –S ão Bento é o herdeiro ocidental do monaquismo oriental, que floresceu entre os séculos 5 e 6 sob as Regras de São Pacomio e São Basílio…As palavras “monge”, “monástico” vêm do grego monos, que significa um; o monge é, pois, aquele que procura o UM, o Absoluto, ou seja, a resposta mais cabal aos profundos anseios do ser humano. São Bento recolheu o rico patrimônio espiritual dos orientais e o codificou, adaptando-o às condições do seu tempo e do seu ambiente; escreveu uma Regra tal que permitiria aos fortes progredir no caminho das virtudes e não assustaria os mais fracos com suas exigências…..Regra famosa por seu espírito de discernimento e equilíbrio …Regra que assegura ao mosteiro a paz beneditina ou a tranqüilidade da ordem (como diria Sto. Agostinho). Dessa forma, São Bento é o patriarca dos monges ocidentais, que se congregam em várias famílias, cada qual com seu carisma (Confederados, Cistercienses, Trapistas…).
Na esfera cultural..-A procura do Absoluto, segundo São Bento, concretiza-se no lema “Ora et labora”. A oração ou a procura explícita de Deus tem o primado não quantitativo, mas qualitativo, devendo comunicar sentido novo às atividades do monge. O trabalho monástico é efetuado não apenas em vista de um bem-estar imanente ou intramundano, mas em prol da instauração do Reino de Deus neste mundo, Reino-semente, que dará seu pleno fruto na eternidade. Dois foram os setores principais nos quais se exerceu a atividade dos monges: o campo e a biblioteca. Com efeito, os beneditinos ensinaram aos godos o cultivo sistemático da terra (a Regra de São Bento prevê longas horas de trabalho diário no campo); além disso, os discípulos se dedicaram à cópia de obras dos autores clássicos latinos em uma época em que não havia imprensa e tais obras preciosas corriam o risco de se perder. A nossa cultura ocidental muito deve a esse trabalho paciente dos monges copistas. É a este título que São Bento foi proclamado “Patrono da Europa”, festejado em 11 de julho.
Nos seus séculos de existência, a Regra de São Bento formou numerosos pensadores, tanto na área da Teologia como na das ciências profanas. Os mosteiros beneditinos conservam até hoje o cultivo do estudo e da intelectualidade.
E para nossos tempos, que significa São Bento?
Vivemos em um mundo convulsionado e inquieto: de um lado, o materialismo se exprime com pujança; de outro, verifica-se um pulular de novas crenças religiosas . Não estaria nosso mundo cansado e envelhecido “de cabelos brancos” à procura de um rumo certo?
Aos homens de hoje assim irrequietos, São Bento propõe três valores:
1 “Se realmente procura a Deus” É essa a primeira questão colocada a quem chega à escola de São Bento. Ela equivale às questões básicas que todo ser humano propõe a si mesmo: “De onde venho? Para onde vou? Qual o sentido da vida? Que haverá depois da morte?” São Bento responde a tais quesitos, lembrando que o homem é grande demais para satisfazer-se plenamente com bens transitórios; ele é feito para o Absoluto, é um peregrino do Absoluto. Encara seus deveres neste mundo dentro de uma perspectiva de eternidade. É a consciência dessa verdade que levanta os ânimos e faz rejuvenescer.
2 “Sê o que o teu nome indica”, isto é, cultiva a autenticidade, o que implica honestidade, lealdade, sinceridade, NÃO ao “mensalão”… Significa também o amor à Verdade e à Veracidade, a fuga de toda duplicidade falsa… É o anseio de brio e honradez, sem os quais se desfigura a pessoa humana.
3 “Paz” É este um vocábulo característico da Regra e das casas beneditinas. Não quer dizer apenas ausência de guerra, mas “a tranqüilidade da ordem”, a tranqüilidade que resulta do respeito à dignidade do ser humano e à escala de valores. Sem esse respeito, há conflitos e a cultura da morte, que infelicita o gênero humano.
Esses são três pontos da mensagem de São Bento que parecem responder às demandas dos nossos contemporâneos. Com o olhar do Patriarca, contemplando o mundo de hoje, diríamos: o ser humano é como a agulha magnética — é atraída por um Norte invisível, que a torna agitada, enquanto não se volta para ele…Para o seu Norte, que é o Absoluto, autor da honestidade e da paz.

Por: Dom Estevão Bettencourté monge do mosteiro de São Bento e professor de teologia do Seminário São José, da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Foi professor de teologia da PUC-RJ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at