Pular para o conteúdo principal

O que é a virtude da Castidade?

A virtude da castidade consiste na maneira correta de viver a sexualidade. Cada membro da Santa Igreja é chamado por Nosso Senhor Jesus Cristo à viver a castidade segundo a sua vocação.

A castidade comporta a educação de si para submeter os instintos naturais à razão. Deve se ter claro que o prazer não é ruim em si mesmo, ele é um dom dado por Deus. Porém, ele possui uma ordem e um sentido: ele deve ser consequência de um ato de amor (o amor comporta doação, desinteresse, generosidade, saída de si, entre outros).
Quando o prazer é obtido por um ato de amor, é bom e lícito. Caso contrário, quando é obtido por um ato egoísta (oposto do amor), torna-se nocivo e ilícito. Para que o prazer seja lícito, deve ser consequência de um ato cuja finalidade última seja o amor e não o prazer. Quando o ato é realizado apenas pelo prazer, ou seja, tendo o prazer como finalidade última do ato, então se foge da ordem natural dos atos humanos e se está em presença de uma desordem, um ato ilícito e injusto.
O ato que gera prazer, para ter como finalidade última o amor e assim ser lícito, deve ser ordenado pela razão (o amor é fruto da decisão racional). Para este fim, a razão deve submeter as inclinações naturais ao prazer que todo ser humano tem, e consenti-los (com a vontade livre iluminada pela razão), apenas quando estes estiverem em coerência com os princípios do bem moral. Caso contrário, deve subjugá-los e não consenti-los, pois a finalidade última do homem é a felicidade e esta vem pela realização do bem.
De qualquer forma, a razão deve submeter os instintos ao seu julgamento e não ao contrário. Se a razão não submeter os instintos, e eles determinarem os atos que são realizados, então falamos de atos mais instintivos do que racionais. Ora, sabemos que os seres irracionais, logo instintivos, são os animais. A castidade ordena o interior para que a razão domine os instintos, assegurando o correto gozo do prazer através de atos submetidos ao juízo da razão.
Castidade ou Santa Pureza: a sua Natureza
Se o amor das riquezas afasta a alma de Deus, os prazeres da carne mais vivamente ainda embotam o coração e o impedem de consagrar-se ao amor divino. É pelo pecado vergonhoso, diz Santo Tomás, que o homem se afasta mais de Deus. Per peccatum luxurise homo videtur maxime a Deo recedere (Jó 31, 1). É também desse pecado que se sai com mais dificuldade por causa da força do hábito que ele engendra rapidamente. Esse hábito é como uma lepra que penetra a alma e do qual ele não se desembaraça senão por um milagre da divina misericórdia. Nada, pois, mais funesto à salvação, nada mais oposto ao amor de Deus e à salvação do que o pecado da carne.
Assim como para ser toda de Deus a alma se desprende dos bens do mundo pelo voto e pela virtude de pobreza, também pelo voto e pela virtude da castidade ela se interdita todos os prazeres carnais e mentais da luxúria, a fim de amar a Deus mais perfeitamente. E aqui não há distinção entre o voto e a virtude; porque, conforme a opinião de todos, o voto e a virtude tem o mesmo objeto, de tal forma que cada fraqueza viola há um tempo a virtude e o voto: há cada vez duplo pecado.
O objeto especial da castidade é, pois, os prazeres da carne. Ela modera-lhes o uso legítimo no matrimônio: é a castidade conjugal. Ela os interdita completamente às pessoas não casadas: é a castidade perfeita; e para uma pessoa que jamais provou, ao menos voluntariamente, a satisfação completa dos sentidos, é a virgindade.
Já que a castidade preserva a alma das sujidades da impureza, que são tidas com razão como as mais vergonhosas, atribui-se particularmente a essa virtude a beleza da alma; ela é também designada com outro nome que indica o seu esplendor: a pureza. Daí os elogios magníficos feitos à castidade.
Mas, note-se bem, a castidade cristã renuncia a esses gozos inferiores, não por um motivo humano, como o seria, por exemplo, a repugnância natural que essas satisfações podem inspirar, ou o desejo de dedicar-se mais livremente ao estudo; isso fez alguns filósofos da antiguidade. A alma cristã abraça a castidade pelo desejo de ser mais livre no seu voo para Deus, na prática do amor divino. Isso faz lembrar o que dissemos mais acima, isto é, que não há virtude verdadeira e perfeita senão a que conduz a Deus sob o impulso da caridade.
Assim compreendida, a castidade ou pureza é uma virtude especial que tem objeto próprio, distinto do de qualquer virtude.
A nossa alma, criada para amar e pertencer só a Deus inclina-se, entretanto, a aderir às criaturas e a procurar nelas a sua felicidade. Ora, toda afeição desse gênero é desordenada quando se afasta de Deus; mancha a alma culpada e faz dela, em relação a Deus, uma esposa infiel. É, pois, possível conceber-se uma castidade, uma pureza espiritual que consiste em interditar-se qualquer apego desordenado à criatura e em procurar a sua glória só em Deus pela prática da divina caridade. Ao contrário, todo pecado, toda afeição desordenada, podem ser considerados como uma fornicação espiritual, como ensina o doutor angélico (2º, 2º q. 151).
Essa castidade, porém, essa pureza espiritual não é virtude especial; mas é como estado de alma, o resultado do esforço de todas as outras virtudes, que desembaraçam a alma, cada uma em sua esfera, das afeições desordenadas. Assim, a pobreza impede a alma de procurar o gozo no amor das riquezas; a humildade arranca-a às falsas alegrias do orgulho. Mas essa pureza resulta, sobretudo, diz Santo Tomás, das virtudes teologais, e especialmente da caridade que, unindo a alma intimamente a Deus, não só a afasta do amor desregrado das criaturas e a preserva de toda mancha, mas lhe outorga ainda todo o brilho da beleza de Deus.
Daí se vê que essa castidade espiritual pode ser considerada como a fineza da caridade que, por amor a Deus, não quer perder nenhuma parte do coração. Daí as complacências divinas pelas almas perfeitamente puras e castas; daí tantos favores e privilégios que lhes são concedidos nesta e na outra vida.
A alma religiosa, pois, que pretende pertencer toda a Deus e praticar a caridade em toda a sua perfeição, repele pela castidade toda satisfação carnal dos sentidos ou da imaginação, do espírito ou do coração. Mas não se contenta com isso; por meio das outras virtudes desembaraça-se de todo afeto que não seja para Deus, e aplicam-se à união sempre mais íntima com o Senhor pelos atos da divina caridade.

Fontes: Comunidade Shalom e Rumo a santidade

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at