Pular para o conteúdo principal

Responda ao convite que Deus faz ao seu coração

“Então, os empregados saíram pelos caminhos e reuniram todos os que encontraram, maus e bons. E a sala da festa ficou cheia de convidados” (Mateus 22,10).

Na parábola de hoje, Jesus compara o Reino dos Céus com a história daquele rei que preparou a festa de casamento para o seu filho. Veja, se você vai fazer a festa de casamento do seu filho, da sua filha, a primeira coisa que você se preocupa é com aquela famosa “listinha” de convidados. Você estabelece prioridades: quem é próximo, quem é amigo, quem são os padrinhos, e aí você os convida.

Que frustração é quando você pensa em alguém, quando você deixa de lado alguns e coloca aquele fulano, aquele outro, aquela outra como prioridade, e aquele que você pensou, que você teve amor e carinho para chamá-lo, ele te dá a desculpa de que não pode, que não vai dar, que tem outros compromissos ou fica muito feliz com o convite, mas não poderá estar. Sem contar aqueles que nem respondem que não poderão estar e nem comparecem. Eu penso, qual seja a frustração do coração de quem já preparou qualquer recepção e aqueles convidados fizeram pouco-caso, indiferença e nem deram a desculpa, muitas vezes, convincente.

É preciso dizer que no Reino dos Céus é assim: Deus convida os seus filhos, Ele convida aqueles que parecem ser os bons, os mais sensatos e quanta gente dando desculpa: “Não posso”, “Estou ocupado”, “Tenho compromissos”.

Primeiro, é verdade que essa parábola é voltada ao povo de Israel que foram os primeiros convidados, foram os primeiros dignatários do banquete do Reino dos Céus. E o Noivo, o Filho, é o Filho de Deus, Ele veio… E quantos se comportaram, na época de Jesus, com indiferença!

Não tem problema! Já que os convidados não puderam vir, o pai mandou que os empregados saíssem para chamar todos aqueles que encontrassem pelas ruas, esquinas; e encheram a casa para a festa. Mas veja, mandou chamar e revestiu aqueles que estavam nas esquinas, jogados e desprezados, os revestiram com a roupa da dignidade, os revestiram com a roupa evangélica, os revestiram com o traje da festa dos Céus. Quem não era digno, Deus fez considerar-se digno.
Por isso, no Reino dos Céus, não há distinção entre quem é bom e quem parece bom, entre quem é justo e quem parece ser injusto. Todos são convidados, nós é que somos pessoas seletivas e, muitas vezes, discriminatórias; nós é que relativizamos e deixamos as pessoas de lado.

Deus não exclui ninguém, todos são convidados, todos são chamados. É preciso dizer que muitos fazem pouco-caso, se comportam com indiferença, não dão valor ao chamado, ao convite da graça; e muitos se comportam como esse homem que chegou de improviso, mas estava lá sem a dignidade, sem a roupa, sem a preparação, sem a entrega, sem o traje oficial e, por isso, foi mandado embora da festa.

É preciso responder ao convite que Deus faz ao nosso coração a cada dia. Se essa palavra está chegando a você, é porque você é um convidado! Por favor, não faça pouco-caso, não dê uma de indiferente, não arrume desculpas, porque o Senhor te chama para o banquete, o Senhor te chama para fazer festa das núpcias reais do Seu Filho Jesus. Dê a melhor resposta e se prepare dignamente para isto.
Deus abençoe você!


Pe. Roger Araújo / fonte: cancaonova.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at