Pular para o conteúdo principal

Saiba como lidar com o luto

  • “Deus enxugará toda lágrima dos seus olhos. A morte não existirá mais, e não haverá mais luto, nem grito, nem dor, porque as coisas anteriores passaram” (Ap 21, 3-4).

Muitos podem ser os sentimentos que surgem diante da perda de alguém que você ama. Dor tristeza, raiva, interrogações. Tudo isso faz parte desse processo.

Vivemos um momento em que praticamente a humanidade está de luto, afinal, diariamente recebemos notícia do falecimento de pessoas próximas a nós.

Na busca por compreender esse tema, e quem sabe ajudar o próximo, tenho refletido e conversado com um amigo de longa data, especialista em luto, o padre Lício de Araújo Vale. Em nossas reflexões, temos percebido que apesar de fazer parte da vida, a morte nunca é vista como algo natural. 

O luto envolve uma mistura de sentimentos

A finitude chega de diversas formas. Quem enfrenta ou enfrentou esse momento viu-se envolvido por sentimentos como dor, saudade, tristeza, revolta e interrogações.

Graças a Deus, a fé e o amor têm sido a grande força para reerguer quem enfrenta o vazio da perda de um ente querido. Muitos testemunham como a morte não tem a última palavra. O segredo para encarar a escuridão da morte é um intenso trabalho de amor. Na oração, nos unimos ao Senhor da Vida e podemos invocar desta maneira: “Meu Deus, clareia as minhas trevas!”. Em sua Ressurreição, Cristo não abandonou nenhum filho do Pai das Misericórdias. O Apóstolo Paulo afirma que é possível tirar o “ferrão venenoso” da morte (1 Cor 15, 55). Dessa forma, podemos impedir que a morte envenene a vida, estrague afeto ou nos jogue no vazio mais escuro.

Tomando por inspiração, a passagem bíblica do filho da viúva de Naim, o Papa Francisco comenta: “em seguida, Jesus foi a uma cidade chamada Naim. Os seus discípulos e uma grande multidão iam com ele. Quando chegou à porta da cidade, coincidiu que levavam um morto para enterrar, um filho único, cuja mãe era viúva. Uma grande multidão da cidade a acompanhava. Ao vê-la, o Senhor encheu-se de compaixão por ela e disse: ‘Não chores!’ Aproximando-se, tocou no caixão, e os que o carregavam pararam. Ele ordenou: ‘Jovem, eu te digo, levanta-te!’ O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe” (Lc 7, 11-15).

A experiência do luto e um laço de solidariedade

A comovente cena mostra a compaixão de Jesus por quem sofre e também o poder de Jesus sobre a morte. A passagem bíblica revela uma experiência familiar muito triste: uma viúva que perdeu o único filho. “Para os pais, perder o próprio filho é algo particularmente desolador, que contradiz a natureza elementar das relações que dão sentido à própria família. A perda de um filho ou de uma filha é como se o tempo parasse: abre-se um buraco que engole o passado e também o futuro. A morte, que leva o filho pequeno ou jovem, é um tapa nas promessas, nos dons e sacrifícios de amor alegremente entregues à vida que fizemos nascer”, com essas palavras que o Papa Francisco busca descrever essa experiência dramática.

A fé é o consolo que podemos levar ao próximo. Por isso, o caminho é fazer crescer o amor, tornando-o mais sólido, e o amor nos protegerá até o dia em que toda lágrima será enxugada, quando ‘não haverá mais morte, nem lamentação, nem dor’ (Ap 21, 4). Se nos deixamos apoiar por esta fé, a experiência do luto pode gerar uma solidariedade mais forte dos laços familiares, uma nova abertura à dor das outras famílias, uma nova fraternidade com as famílias que nascem e renascem na esperança. Nascer e renascer na esperança, isso nos dá a fé”, ensina o Papa.


Rodrigo Luiz dos Santos / fonte: cancaonova.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at