Pular para o conteúdo principal

Sem mosteiros e oração contemplativa, a Igreja morrerá

 

Na primeira semana de outubro, o calendário litúrgico da Igreja Católica nos apresenta um trio de religiosos, sendo uma carmelita, um franciscano e um cartuxo — ou melhor, a mais famosa carmelita moderna, o fundador dos franciscanos e o fundador dos cartuxos: Santa Teresa de Lisieux, São Francisco de Assis e São Bruno de Colônia. Cada um deles nos recorda de um modo diferente o seguimento radical de Cristo na pobreza, na castidade e na obediência; no silêncio, na solidão e na penitência; na contemplação, na liturgia e na caridade fraterna. “Não antepor nada à obra de Deus”, isto é, à liturgia sagrada, disse São Bento de Núrsia, que também disse: “Não preferir nada ao amor de Cristo”. Onde ainda se dá esse testemunho radical da primazia e da centralidade de Cristo?

Ao longo de minha vida, o Senhor me abençoou com visitas a muitos mosteiros e conventos, tanto na Europa como nos Estados Unidos, onde homens e mulheres vivem a vida religiosa de forma plena: liturgia solene cantada, um cronograma exigente, jejum e abstinência, muito estudo e lectio divina, trabalho manual... O pacote completo.

Em muitos casos, esses monges e religiosas vivem uma vida, em essência, pouco diferente da vida dos pais e mães do deserto dos tempos antigos, como se a modernidade, com suas complexidades cada vez maiores e uma confusão cada vez mais profunda, não tivesse nada de importante a lhes dizer. E eles estão certos: ela só poderia falar-lhes de forma lúgubre do mundo, da carne e do demônio, enquanto eles estão buscando o céu, a graça e Deus, para si e para outros. Não precisam estar atualizados, na correria com todas as outras pessoas, num desejo frenético de ser notado, de ser relevante, de estar na vanguarda. Na verdade, é o mundo que precisa desesperadamente desses monges e religiosas, de sua oração, de sua paz. Por serem irrelevantes e imperceptíveis em sua jornada diária de oração e penitência, eles possuem um remédio que cura as vítimas da mudança implacável, da atividade frenética e da autocomiseração.

Essas visitas não me deixaram apenas impressionado. Mudaram minha forma de pensar sobre o que é realmente importante na vida e na Igreja.

Enquanto participava dos bastidores da vida de cristãos para quem a Eucaristia, pão dos anjos descido do céu, é verdadeiramente a fonte e o ápice de todo o seu ser e fonte de sua alegria, comecei a me dar conta da magnitude da morte que a vida religiosa tradicional sofreu. Nos mosteiros e casas religiosas, regras com séculos de existência foram subitamente descartadas; hábitos foram modificados ou abandonados; a rotina diária de oração foi duramente reduzida ou mesmo substituída por novidades insignificantes; a Santa Missa perdeu o espírito contemplativo, rebaixada a experimentos arbitrários e subjetivos. Locais que foram epicentros de devoção em cidades, províncias e países não podiam mais oferecer a leigos sedentos a concentração da oração e a pureza de visão que ardentemente desejavam. Os que conhecem as estatísticas sabem o que aconteceu: em poucos anos, a vida monástica colapsou em quase todos os lugares, já que muitos abandonaram suas vocações. Congregações e ordens inteiras desapareceram da face da terra.

 

Embora um número muito maior de fiéis tenha sido prejudicado pelas inovações e pela dissidência nas paróquias e dioceses, a perda da plenitude da vida cristã vivida nos conventos e mosteiros, em total conformidade com Cristo, Sumo Sacerdote e Vítima, foi um golpe devastador no coração do Corpo Místico de Cristo na terra. Se a oração é o oxigênio da alma, como o Padre Pio disse certa vez, o colapso da vida monástica representou uma desoxigenação da força vital da Igreja. Tem-se afirmado com frequência que a vitalidade missionária e externa da Igreja é diretamente proporcional à vitalidade da vida contemplativa nela escondida, assim como o aspecto de uma pessoa depende da saúde do seu coração.

O aspecto de uma pessoa depende da saúde do seu coração.

Foi somente porque a Igreja se convenceu da verdade dessa relação indissolúvel entre atividade e contemplação, trabalho e oração, exterior e interior, que ela declarou uma carmelita enclausurada, Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face, copadroeira das missões junto com São Francisco Xavier, o qual batizou centenas de milhares de pagãos. É como se nos dissessem: não haverá Xavieres se não houver Pequenas Flores.

Temos a sorte de estar vivos exatamente agora, em meio à fase inicial de recuperação, à medida que o número de comunidade religiosas autênticas de homens e mulheres cresce rapidamente, pela misericórdia de Deus, apesar da masmorra, do fogo e da espada (ou de seus equivalentes eclesiásticos). Que o Senhor, que ama a fecundidade da vida escondida, a joia da contemplação celeste e o sol ardente da justiça interior, possa ter misericórdia de nós e nos salvar, pois Ele é benigno e ama a humanidade, e a Ele glorificamos, Pai, Filho e Espírito Santo, hoje e sempre para todo o sempre. Amém.

Fonte: Pe. Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at