Pular para o conteúdo principal

Na pequena hóstia está o mais profundo amor

 

“Jovens, exorto-vos com toda a força de minha alma a que vos aproximeis da mesa da Comunhão sempre que puderdes. Alimentai-vos desse pão dos anjos, do qual haveis de obter toda a energia necessária para travar as batalhas interiores. Porque a verdadeira felicidade, caros amigos, não consiste nos prazeres do mundo nem nas coisas terrenas, mas na paz de consciência, que só obteremos se nosso coração e nossa mente forem puros.”

 (Beato Pier Giorgio Frassati)

Quando entendi pela primeira vez que Jesus está realmente presente na Eucaristia?

Pensei nessa pergunta recentemente durante uma hora de adoração eucarística. Não podia deixar de pensar nisso enquanto estava na igreja, olhando fixamente para a hóstia pequena e branca, o Cristo escondido perante meus olhos.

Lembro-me do momento em que meu coração foi completamente cativado por Cristo. Na época, eu tinha seis anos, e o episódio ocorreu após a celebração de uma Missa dominical. Minha mãe perguntara ao sacerdote se ele poderia explicar-me o que era a Missa. Lembro-me do sorriso radiante no rosto dele enquanto me levava gentilmente pela mão até o altar. Curiosa, olhei para a bela estrutura de mármore enquanto ele pegava o cálice e apontava para a pedra ao lado dele (era a pedra da aliança de casamento de sua avó). O padre me disse que era um cálice especial usado para armazenar o precioso sangue de Cristo. Não pronunciei nenhuma palavra, pois certamente estava tentando compreender aquilo da melhor maneira possível. Tinha apenas seis anos.

Então, o padre virou-se e apontou para a caixa dourada atrás do altar. Ajoelhou-se ao meu lado e me perguntou: “Sabe quem está ali?” O silêncio tomou conta de mim, enquanto permanecia de pé e refletia profundamente, até sussurrar que ali estavam as hóstias. Em seguida ele disse: “Sim, mas quem está ali?” Olhei vagamente para o tabernáculo. Meus olhos estavam fixos na estrutura dourada. Finalmente o padre apontou de novo e disse: “Jesus está ali. Jesus está no sacrário.”

“Jesus está ali. Jesus está no sacrário.”

Fiquei completamente admirada com suas palavras, e minha vida nunca mais foi a mesma. A partir daquele momento, depois de cada Missa eu me ajoelhava sobre os genuflexórios revestidos de veludo azul, localizados na capela de Nossa Senhora, de onde era possível ver o santuário. Lá eu permanecia, olhando fixamente para o tabernáculo durante o período que podia permanecer na igreja. Sempre que minha mãe e eu passávamos de carro diante de uma igreja, eu sempre ficava com vontade de entrar nela para ver Jesus.

Depois que aprendemos que Jesus Cristo, Deus feito homem, está real e verdadeiramente na Eucaristia, como poderíamos negar a verdade? Cristo se entrega a nós na Eucaristia — Corpo, Sangue, Alma e Divindade — e quer que recebamos as graças preciosas que Ele nos comunica por meio da Sagrada Comunhão, para que nos unamos à Trindade numa relação ainda mais profunda. Cristo quer que o desejemos e espera por nós em todos os sacrários espalhados pelo mundo. Ele está realmente presente para nós na Eucaristia.  

O dom de si que Jesus nos faz na Eucaristia é um amor que está além das palavras. Naquela pequena hóstia está o mais profundo amor que se pode imaginar, dado a nós pelo dom do sacerdócio em cada Missa que se celebra. O Filho de Deus vem até mim, apesar da minha fraqueza e dos meus pecados.

Nós, católicos, estamos unidos em torno da mesa do Senhor por meio da recepção do verdadeiro Corpo e Sangue de Cristo. A Eucaristia supera a divisão e nos une numa só Igreja, santa, católica e apostólica. Pode ser que jamais nos conheçamos pessoalmente, mas a recepção da Sagrada Comunhão nos une no Corpo místico de Cristo.

Não devemos esquecer essa verdade jamais. “Vejo vocês” na Eucaristia.



Fonte: padrepauloricardo.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at