Google+ Julho 2016 ~ Comunidade Encontro

Clique e ouça!

24h de música católica para você!

sexta-feira, 22 de julho de 2016

10 Novidades que devem acontecer na JMJ em Cracóvia (Polônia)



Faltam apenas alguns dias para o começo da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Cracóvia (Polônia), da qual participarão centenas de milhares de jovens do mundo todo e que terá a presença do Papa Francisco.
Nesse sentido, o porta-voz da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, apresentou hoje em coletiva de imprensa o programa da viagem e alguns detalhes até então desconhecidos deste multitudinário encontro de jovens católicos, idealizado por São João Paulo II e cuja primeira edição foi em 1985.
Estas são as 10 coisas que você não pode deixar de saber sobre esta edição da JMJ:

     1. A “misericórdia” será o tema em torno do qual será centrada toda a JMJ, por ocasião do Jubileu da Misericórdia celebrado na Igreja universal até o próximo mês de novembro.
     2. São João Paulo II não só será recordado porque a Polônia é a sua terra natal, mas sim pela sua encíclica Dives in Misericordia.
    3. É a 15ª viagem do Papa Francisco, que até agora nunca tinha ido à Polônia. Além disso, é a segunda vez que este país acolhe uma JMJ, pois organizou uma em Czestochowa em 1991. Bento XVI também realizou uma viagem à Polônia em 2006.
      4. Um dos encontros do Papa Francisco será com os bispos do país, o qual será estritamente reservado.
     5. Em todos os grandes eventos da JMJ, o Evangelho será proclamado em polonês e língua paleo-eslava, a mesma usada na liturgia greco-católica.
     6. Durante sua visita ao campo de concentração nazista de Auschwitz, o Pontífice não pronunciará discurso algum, mas reinará o silêncio como sinal de dor e compaixão pela morte de mais de um milhão de pessoas neste lugar durante o Holocausto. Além disso, rezará diante da cela em que esteve preso São Maximiliano Kolbe exatamente no 75º aniversário do dia em que foi condenado à morte.
      7. Francisco se encontrará com alguns judeus sobreviventes do campo de concentração. Um deles tem 101 anos e hospeda um peregrino da JMJ.
      8. Durante a vigília de oração do Papa Francisco com os jovens, em 30 de julho, serão ouvidos os testemunhos de um sírio, um paraguaio e um polonês. No dia seguinte, domingo, Francisco abençoará duas casas das Cáritas.
      9. Não há nenhuma preocupação específica pela segurança, afirmou o Pe. Lombardi, referindo-se aos últimos ataques terroristas por jihadistas na Europa.
     10. Há cerca de 400 mil inscritos para a JMJ, a maioria da Espanha e da Itália, e espera-se que na Vigília e na Missa de encerramento com o Pontífice participem quase 2 milhões de pessoas. Também participarão cerca de 800 bispos e 70 cardeais de todo o mundo.

Acompanhe a cobertura da JMJ pelo facebook da Comunidade Encontro, nosso co-fundador Daniel Pereira já está em Peregrinação seguindo para Cracóvia.

Fonte: ACI Digital

domingo, 17 de julho de 2016

Vaticano: primeira conferência sobre fé e esporte


AFP4147296_Articolo

O Pontifício Conselho para a Cultura (PCC) anunciou que acolherá de 5 a 7 de outubro próximo, no Vaticano, cerca de 150 líderes religiosos e esportivos, provenientes de vários países do mundo, na conferência mundial e inter-religiosa ‘Esporte a serviço da humanidade’.

“Desafie-se no jogo da vida, como se faz no jogo do esporte” são as palavras do Papa Francisco que inspiraram esta iniciativa, promovida pelo organismo vaticano e a empresa alemã Allianz.

A finalidade desta conferência é reunir os líderes mundiais em esporte, religião, negócios e sociedade civil para estabelecer os princípios para um novo movimento global. Todos os líderes partilham um objetivo comum: ajudar aqueles que mais precisam, especialmente os marginalizados e desfavorecidos, e encorajar todos a desenvolver os seus valores pelo esporte e pela fé.

Agradecendo a empresa Allianz pelo seu apoio, o Subsecretário do Pontifício Conselho para a Cultura, Mons. Melchor Sánchez de Toca y Alameda, disse: “Será o primeiro encontro de alto nível, no Vaticano, sobre esporte e fé, mas não se tratará de um evento isolado, porque a ideia é a de criar um movimento global que envolva todos, independentemente da fé, cultura e localização.”

“Inclusion, involvement, inspiration (inclusão, envolvimento e inspiração) são as três expressões que indicam as áreas temáticas do evento”, disse à Agência Sir Dom Sánchez de Toca. O objetivo é “procurar entender como esporte e fé podem contribuir para criar sociedades mais integradas (inclusion), promover, nas pessoas, consciência cívica e desejo de comprometer-se com a comunidade (involvement), e realizar vidas mais saudáveis, íntegras e completas (inspiration) a fim de enfrentar os grandes desafios da humanidade”. “Fé e esporte, mesmo de forma diferente, são as forças motrizes da sociedade global e podem promover valores positivos.” Dentre os temas relevantes da conferência está o papel do treinador, visto como um educador dos atletas.

A empresa Allianz se diz “orgulhosa de colaborar com a Santa Sé” nessa ocasião: “Isso está perfeitamente em sintonia com o desejo de Allianz de apoiar aqueles que escolhem viver com coragem”, disse o administrador delegado da empresa, Oliver Bäte. A empresa é uma das fundadoras deste novo movimento global a fim de construir pontes entre pessoas e transformar suas vidas. Uma atenção particular será dada aos jovens para que se comprometam no campo do jogo e na vida.

O Pontifício Conselho para a Cultura colabora atualmente com líderes em várias áreas para garantir a sua participação na próxima conferência de Esporte a serviço da humanidade. Entre eles, estarão o Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e o Presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach.

Espera-se a presença do Papa Francisco na cerimônia inaugural do evento, na tarde de 5 de outubro, na Sala Paulo VI.


sábado, 16 de julho de 2016

12 chaves para usar o escapulário de Nossa Senhora do Carmo




“A devoção do Escapulário do Carmo fez descer sobre o mundo copiosa chuva de graças espirituais e temporais”, disse o Papa Pio XII. Conheça aqui 12 chaves para quem usa este objeto religioso.

1. Não é um amuleto

Não é um amuleto nem nenhuma garantia automática de salvação ou uma dispensa para não viver as exigências da vida cristã. “Perguntas: e se eu quiser morrer com meus pecados? Eu te respondo, então morrerá em pecado, mas não morrerá com teu escapulário”, advertia São Cláudio de la Colombière.

2. Era uma veste

Escapulário vem do latim “scapulae” que significa “ombros” e originalmente era uma veste sobreposta que caia dos ombros, usada pelos monges no trabalho. Os carmelitas o assumiram como mostra de dedicação especial à Virgem, buscando imitar sua entrega a Cristo e ao próximo.

3. É um presente da Virgem

Segundo a tradição, o escapulário, tal como se conhece atualmente, foi dado pela própria Virgem Maria a São Simão Stock em 16 de julho de 1251. A Mãe de Deus lhe disse: “Deve ser um sinal e privilégio para ti e para todos os Carmelitas: Aquele que morrer usando o escapulário não sofrerá o fogo eterno”. Posteriormente, a Igreja estendeu este escapulário aos leigos.

4. É um mini hábito

É como um hábito carmelita em miniatura que todos os devotos podem portar como mostra de sua consagração à Virgem. Consiste em um cordão que se coloca no pescoço com duas peças pequenas de tecido cor de café. Uma das peças fica sobre o peito e a outra sobre as costas e se costuma usar sob a roupa.

5. É sinal de serviço

Santo Afonso Maria de Ligório, doutor da Igreja, dizia: “Assim como os homens ficam orgulhosos quando outros usam a sua insígnia, assim a Santíssima Virgem se alegra quando os seus filhos usam o escapulário como sinal de que se dedicam ao seu serviço e são membros da família da Mãe de Deus”.

6. Tem três significados

O amor e o amparo maternal de Maria, a pertença a Nossa Senhora e o suave jugo de Cristo que Ela nos ajuda a levar.

7. É um sacramental

É reconhecido pela Igreja como um sacramental. Ou seja, um sinal que ajuda a viver santamente e a aumentar nossa devoção. O escapulário não comunica graças como fazem os Sacramentos, mas sim dispõe ao amor do Senhor e ao arrependimento se recebido com devoção.

8. Pode ser dado a um não católico

Certo dia, levaram a São Stock um ancião moribundo, que ao recuperar a consciência disse ao santo que não era católico, que usava o escapulário como promessa a seus amigos e que rezava uma Ave Maria diariamente. Antes de morrer, recebeu o batismo e a unção dos enfermos.

9. Foi visto em uma aparição de Fátima

Lúcia, a vidente da Virgem da Fátima, contou que na última aparição (outubro de 1917), Maria apareceu com o hábito carmelita e o escapulário na mão e voltou a pedir que seus verdadeiros filhos o levassem com reverência. Deste modo, pediu que aqueles que se consagrem a Ela o usem como sinal desta consagração.

10. O escapulário que não se danificou

O Beato Papa Gregório X foi enterrado com seu escapulário e 600 anos depois, quando abriram sua tumba, o objeto mariano estava intacto. Algo semelhante aconteceu com Santo Afonso Maria de Ligório. São João Bosco e São João Paulo II também o usavam e São Pedro Claver investia com o escapulário os que convertia e preparava.

11. Não é qualquer um que o pode impor

A imposição do escapulário deve ser feita preferivelmente em comunidade e que na celebração fique bem expresso o sentido espiritual e de compromisso com a Virgem. O primeiro escapulário deve ser abençoado por um sacerdote e posto sobre o devoto com a seguinte oração.

“Recebe este santo Escapulário como sinal da Santíssima Virgem Maria, Rainha do Carmelo, para que, com seus méritos, o uses sempre com dignidade, seja tua defesa em todas as adversidades e te conduza à vida eterna”.

12. Só se abençoa o primeiro que recebe

Quando se abençoa o primeiro escapulário, o devoto não precisa pedir a bênção para escapulários posteriores. Os já gastos, se foram abençoados, não devem ser jogados no lixo, mas podem ser queimados ou enterrados como sinal de respeito.

Fonte: ACI Digital

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Dia de festa do carisma Encontro em honra a São Bento

Hoje é dia de festa para a Comunidade Encontro! Dia do nosso baluarte São Bento, o Homem de Deus! Grande dia da nossa Santa Missa de Consagração e Renovação dos Compromissos ao Carisma Encontro.
Momento no qual vivemos a celebração ápice da Primavera de Vocações! Flores novas chegam ao jardim iniciando assim o caminho para a Consagração; flores brotam exalando seu perfume numa entrega total a Deus através da Consagração no Carisma; flores que aguentaram as ventanias, chuvas fortes e secas intensas, mas perseveraram. É PRIMAVERA!



via GIPHY

A medalha de São Bento

A origem da Cruz-Medalha de São Bento é incerta, sabe-se que ela foi redescoberta em 1647, em Nattremberg, na Baviera, por ocasião da condenação de algumas bruxas, que afirmaram não conseguir praticar qualquer tipo de feitiçaria ou encanto contra lugares em que houvesse a imagem da Cruz, em especial, a abadia de São Miguel em Metten. Intrigados com o fato, as autoridades foram averiguar o que existia no mosteiro. Ao entrarem em uma das dependências, observaram entalhadas nas paredes imagens da cruz tal como estão representadas nas Medalhas utilizadas hoje. Na biblioteca dessa mesma abadia, encontraram um manuscrito do ano de 1415, o qual continha, além de textos, ilustrações, sendo uma delas a de São Bento, com uma cruz e uma flâmula, com os versos da medalha: Crux sacra sit mea lux, non draco sit mihi dux. Vade retro satana, nunquam suade mihi vana. Sunt mala quae libas, ipse venena bibas". Por esse motivo, estima-se que a origem da imagem da medalha situa-se no século XV.
A medalha, com algumas variações, possui na frente a imagem de São Bento, vestindo o traje monástico - chamado cógula - trazendo na mão direita uma cruz e na mão esquerda uma flâmula ou livro aberto, que representa a Regra. No verso, há uma imagem da cruz. Ambas as faces trazem inscrições em latim, seja apenas letras ou em palavras, a saber:

Na frente da medalha:
"Ejus in obitu nostro praesentia muniamur" = Sejamos protegidos pela sua presença na hora de nossa morte.

No verso:

C S P B: Crux Sancti Patris Benedicti - Cruz do Santo Pai Bento
C S S M L: Crux Sacra Sit Mihi Lux - A Cruz Sagrada seja minha luz
N D S M D: Non Draco Sit Mihi Dux - Não seja o dragão o meu guia
V R S: Vade retro, satana! - Para trás, satanás!
N S M V: Nunquam Suade Mihi Vana - Nunca seduzas minha alma
S M Q L: Sunt Mala Quae Libas - São coisas más as que brindas
I V B: Ipse Venena Bibas - Bebas do mesmo veneno

Essa oração, acrescida da jaculatória "Rogai por nós bem aventurado São Bento, para que sejamos dignos das promessas de Cristo", se tornou uma fórmula de oração a São Bento.

Em 1742, o Papa Bento XIV aprovou a medalha, concedendo indulgências a quem a usar e estabelecendo a oração do verso da medalha como uma forma de exorcismo, que se tornou conhecida como Vade retro Satana. Atualmente, uma forma comum da medalha é a que vemos nessas ilustrações, conhecida como Medalha do Jubileu, pois foi cunhada em 1880 por ocasião do XIV Centenário do nascimento de São Bento, pelos monges de Beuron para a abadia de Monte Cassino. Essa medalha acrescenta a palavra pax - paz - no alto da cruz e aos pés de São Bento os dizeres Ex S.M. Casino MDCCCLXXX - Do Santo Monte Casino - 1880.