Google+ Junho 2014 ~ Comunidade Encontro

Clique e ouça!

24h de música católica para você!

sexta-feira, 27 de junho de 2014

A grande promessa do Sagrado Coração de Jesus: a Eucaristia

Entre as muitas e ricas promessas que Jesus Cristo fez aos que fossem devotos de seu Sagrado Coração, sempre chamou a atenção a que fez aos que comungassem em sua honra as nove primeiras sextas-feiras do mês seguidos. É tal, que todos a conhecem com o nome da Grande Promessa.
A Devoção ao Coração divino de Jesus Cristo começou a ser praticada, em sua essência, já no início da Igreja, pois os Santos tiveram muito presente, ao honrar a Jesus Cristo, que tinha manifestado seu Coração, símbolo de seu amor em momentos augustos. Contudo, esta devoção, em sua forma atual, deve-se às revelações que o próprio Cristo fez a Santa Margarida Maria (1649-1690), sobretudo quando em 16 de junho de 1657, descobrindo seu Coração, disse-lhe:
"Eis aqui este Coração que amou tanto aos homens, que não omitiu nada até esgotar-se e consumir-se para manifestar-lhes seu amor, e por todo reconhecimento, não recebe da maior parte mais que ingratidão, desprezo, irreverências e tibieza que têm para mim neste sacramento de amor".
Então foi quando Jesus deu a sua servidora o encargo de que se tributasse culta a seu Coração e a missão de enriquecer ao mundo inteiro com os tesouros desta devoção santificadora. O objeto e fim desta devoção é honrar o Coração adorável de Jesus Cristo, como símbolo do amor de um Deus para nós; e a vista deste Sagrado Coração, abrasado de amor pelo homens, e ao mesmo tempo desprezado por estes, nos deve mover a amá-lo e a reparar a ingratidão de que é objeto.
Entre as práticas que compreende esta devoção, conformes com o fim da mesma, sobressai a da Comunhão das nove primeiras sextas-feiras do mês, para conseguir além da graça da penitência final, segundo a promessa feita pelo próprio Sagrado Coração a Santa Margarida Maria, para todos os fiéis.
Eis aqui a promessa:
Uma Sexta feira, durante a Sagrada Comunhão, disse estas palavras a sua devota serva:
"Eu te prometo, na excessiva misericórdia de meu Coração, que meu amor todo poderoso concederá a todos os que comungarem nove primeiras sextas-feiras do mês seguido a graça final da penitência; não morrerão em pecado nem sem receber os sacramentos, e meu divino Coração lhe será asilo seguro naquele último momento".

O que é necessário fazer para obter esta graça:
Comungar nove primeiras sextas-feiras do mês seguidos em graça de Deus, com intenção de honrar ao Sagrado Coração de Jesus.

Fonte: ACI Digital

quinta-feira, 26 de junho de 2014

A pertença à Igreja é indispensável para ser verdadeiros cristãos, afirma o Papa Francisco

Seguindo o ciclo de catequeses sobre a Igreja, o Papa Francisco ressaltou que não existe cristãos a título individual, cada um por conta própria, a identidade cristã é pertença. Somos cristãos porque pertencemos à Igreja, frisou o Papa Francisco.
Após receber os doentes na Sala Paulo VI devido ao calor e a possibilidade de temporal, o Papa Francisco saiu à Praça de São Pedro repleta de fiéis para sua Audiência Geral desta Quarta-feira, a última antes do seu período de repouso pelo verão europeu.
O Papa disse em emblemática frase que a pertença à Igreja pelo batismo é um elemento indispensável, e que sela nossa identidade cristã: “É como um sobrenome: se o nome é “sou cristão”, o sobrenome é “pertenço à Igreja””.
“É muito belo notar como esta pertença é expressa também no nome que Deus atribui a si mesmo. Respondendo a Moisés, no episódio maravilhoso da “sarça ardente” (cfr Ex 3, 15), define-se, de fato, como o Deus dos pais. Não diz: Eu sou o Onipotente…, não: Eu sou o Deus de Abraão, Deus de Isaac, Deus de Jacó. Deste modo, Ele se manifesta como o Deus que formou uma aliança com os nossos pais e permanece sempre fiel a ela, e nos chama para entrar nesta relação que nos precede. Esta relação de Deus com o seu povo precede a todos nós, vem daquele tempo”, explicou o Santo Padre.
O Papa Francisco destacou também o valor da fé daqueles que nos transmitiram este dom: “Ninguém se torna cristão por si mesmo! Está claro isso? Ninguém se torna cristão por si mesmo. Não se fazem cristãos em laboratório. O cristão é parte de um povo que vem de longe. O cristão pertence a um povo que se chama Igreja e esta Igreja o faz cristão, no dia do Batismo, e depois no percurso da catequese, e assim vai. Mas ninguém, ninguém se torna cristão por si mesmo. Se nós acreditamos, se sabemos rezar, se conhecemos o Senhor e podemos escutar a sua Palavra, se O sentimos próximo e O reconhecemos nos irmãos, é porque outros, antes de nós, viveram a fé e, depois, a transmitiram a nós. Neste sentido o Pontífice comparou a Igreja a uma grande família, na qual se é acolhido e se aprende a viver como cristãos e como discípulos do Senhor Jesus.
Da mesma forma, Francisco esclareceu que ser cristão não se dá “somente graças às outras pessoas, mas junto a outras pessoas”: “Na Igreja, não existe o ‘agir por si’, não existem jogadores na função de ‘líbero’. Quantas vezes, o Papa Bento descreveu a Igreja como um “nós” eclesial! Às vezes se ouve alguém dizer: “Eu acredito em Deus, acredito em Jesus, mas a Igreja não me interessa…”. Quantas vezes ouvimos isso? E isso não é certo. Há quem acredite poder ter uma relação pessoal, direta, imediata com Jesus Cristo fora da comunhão e da mediação da Igreja. São tentações perigosas e prejudiciais. São, como dizia o grande Paulo VI, dicotomias absurdas. É verdade que caminhar junto é trabalhoso e às vezes pode ser cansativo: pode acontecer que algum irmão ou alguma irmã nos dê problema, ou nos cause escândalo… Mas o Senhor confiou a sua mensagem de salvação a pessoas humanas, a todos nós, às testemunhas; e é nos nossos irmãos e nas nossas irmãs, com os seus dons e os seus limites, que vem ao nosso encontro e se faz reconhecer. E isto significa pertencer à Igreja.
“Lembrem-se bem: ser cristão significa pertencer à Igreja. O nome é “cristão”, o sobrenome é “pertença à Igreja””, repetiu o Santo Padre.

Concluindo sua catequese e antes da saudação aos peregrinos em diversas línguas, o Papa Francisco alentou: “peçamos ao Senhor, por intercessão da Virgem Maria, Mãe da Igreja, a graça de não cair nunca na tentação de pensar poder desfazer das pessoas, desfazer da Igreja, de podermos nos salvar sozinhos, de ser cristão de laboratório. Pelo contrário, não se pode amar Deus sem amar os irmãos, não se pode amar Deus fora da Igreja; não se pode estar em comunhão com Deus sem fazê-lo na Igreja e não podemos ser bons cristãos se não junto a todos aqueles que procuram seguir o Senhor Jesus, como um único povo, um único corpo, e isto é a Igreja”.
Fonte: ACI Digital

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Oração ao Espírito Santo

Nossa Senhora das Graças, rogai por nós!
Maria passa na frente, e abre os caminhos!
Com Maria, esmagamos a cabeça da serpente!


Clame o Espírito de Deus sobre sua vida, sua família, sua comunidade para que Ele destrua as obras da carne, as obras do mal e te faça uma pessoa totalmente nova, livre e feliz, uma pessoa que é retirada das prisões e de tantas amarras de escravidão.
Não sabemos pedir como convém e tantas vezes combatemos de forma errada. Deixe o Espírito de Deus vir em seu auxílio e em seu socorro e orar em você, ser diálogo com Deus em você.
Espírito de Deus, sou tão frio em minha caminhada! Tão instável! Altamente influenciado, enganado, usado. Minhas fraquezas me inclinam ao mal, sou fraco em minhas decisões, tão inseguro naquilo que busco, distraio-me, com facilidade me sinto seduzido por aquilo que é fugaz. Por isso incendeia minha alma, Espírito Santo! Preciso da tua presença, creio que contigo tudo posso mudar, creio que minha vida pode ser transformada agora por tua ação! Incendeia minha alma, Espírito de Deus!

Pelo sinal da Santa Cruz livrai-nos Deus nosso Senhor de todos os nossos inimigos.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Amém
!

Clayton Bechepeche Antar - Fundador da Comunidade Encontro

terça-feira, 24 de junho de 2014

Solenidade do Nascimento de João Batista, grande anunciador do Reino

Com muita alegria, a Igreja, solenemente, celebra o nascimento de São João Batista. Santo que, juntamente com a Santíssima Virgem Maria, é o único a ter o aniversário natalício recordado pela liturgia.
São João Batista nasceu seis meses antes de Jesus Cristo, seu primo, e foi um anjo quem revelou o seu nome ao seu pai, Zacarias, que há muitos anos rezava com sua esposa para terem um filho. Estudiosos mostram que possivelmente depois de idade adequada, João teria participado da vida monástica de uma comunidade rigorista, na qual, à beira do Rio Jordão ou Mar Morto, vivia em profunda penitência e oração.
Pode-se chegar a essa conclusão a partir do texto de Mateus: “João usava um traje de pelo de camelo, com um cinto de couro à volta dos rins; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre”. O que o tornou tão importante para a história do Cristianismo é que, além de ser o último profeta a anunciar o Messias, foi ele quem preparou o caminho do Senhor com pregações conclamando os fiéis à mudança de vida e ao batismo de penitência (por isso “Batista”).
Como nos ensinam as Sagradas Escrituras: “Eu vos batizo na água, em vista da conversão; mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu: eu não sou digno de tirar-lhe as sandálias; ele vos batizará no Espírito Santo” (Mateus 3,11).
Os Evangelhos nos revelam a inauguração da missão salvífica de Jesus a partir do batismo recebido pelas mãos do precursor João e da manifestação da Trindade Santa. São João, ao reconhecer e apresentar Jesus como o Cristo, continuou sua missão em sentido descendente, a fim de que somente o Messias aparecesse.
Grande anunciador do Reino e denunciador dos pecados, ele foi preso por não concordar com as atitudes pecaminosas de Herodes, acabando decapitado devido ao ódio de Herodíades, que fora esposa do irmão deste [Herodes], com a qual este vivia pecaminosamente.
O grande santo morreu na santidade e reconhecido pelo próprio Cristo: “Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João, o Batista” (Mateus 11,11).

São João Batista, rogai por nós!

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Missa todos os dias da Semana Beneditina

A grande festa do Carisma Encontro é realizada nos dias 05 a 11 de Julho.
A Semana Beneditina, que acontece em Betesda (IBC/São Simão), tem uma intensa e diversificada programação com missa todos os dias, espiritualidade, comidas típicas, adoração e shows.

Confira os horários e padres que festejarão conosco:

Sábado 05/07 às 19h: Frei Gracione (Muqui)
Domingo 06/07 às 19h: Pe Tatagiba (Seminário Bom Pastor)
Segunda 07/07 às 19:30h: Pe Enildo (Alegre)
Terça 08/07 às 19:30h: Pe Joselito (Paróquia Nossa Senhora das Graças)
Quarta 09/07 às 19:30h: Pe Eduardo (Itapemirim)
Quinta 10/07 às 19:30h: Pe  Juliano Ribeiro
Sexta 11/07 às 19:30h: Pe Rogério (Presidente Kennedy) e Pe Thiago (Aeroporto) - Missa de renovação dos compromissos.

Inscrição Online para Espiritualidade para as famílias


domingo, 22 de junho de 2014

A Alegria do Encontro com Cristo!

“E eis que a estrela, que tinham visto no oriente, os foi precedendo até chegar sobre o lugar onde estava o menino e ali parou. A aparição daquela estrela os encheu de profunda alegria. Entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se diante dele, o adoraram.” Mat 2, 9b-11.
         A palavra de Deus nos ensina que uma grande fonte de alegria para nós e para Deus está na adoração. A adoração nos completa naquilo que nem sabemos que somos incompletos e nos une de uma forma mística e racional a Cristo, nos tornando assim seus amigos. Os reis magos se alegraram profundamente quando viram a estrela que mostrava onde estava o menino rei Jesus, e quando o encontraram lhe deram o seu maior presente, prostraram-se e o adoraram! A alegria de quem adora a Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento começa muito antes da própria adoração em si, devemos nos alegrar profundamente no carro que nos levará ao encontro de Cristo, nas ruas que andaremos até chegarmos a alguma Igreja para ali O adorarmos, pelos corredores que antecedem as portas das capelas. Em cada caminho e situação que antecede um momento de adoração ou de vivência da Santa Missa devemos nos alegrar e deixar que essa alegria emane em nós, pois nossa alma já bem sabe para onde iremos e a quem encontraremos!
É tamanho o amor que existe no nosso encontro pessoal com Cristo que nenhuma condição natural e finita pode explicar ou traduzir suficientemente este amor. Um exemplo disso é o fato que ocorreu com São Pascoal após sua morte, que na missa de exéquias, para assombro de toda a assistência, seus olhos se abriram por duas vezes, uma na elevação da Sagrada Hóstia, outra na do cálice, para reverenciar por última vez, nesta Terra, a Santíssima Eucaristia.¹ Amor tão grande que o próprio natural se rende à sede e ao anseio em contemplar a Face de Deus!
         “Depois os levou para Betânia e, levantando as mãos, os abençoou. Enquanto os abençoava, separou-se deles e foi arrebatado ao céu. Depois de o terem adorado, voltaram para Jerusalém com grande júbilo. E permaneciam no templo, louvando e bendizendo a Deus.” Lc 24, 50-53.
         Após o nosso encontro com Cristo em adoração temos um tesouro dentro de cada um de nós, a ALEGRIA! Não há quem tenha realmente encontrado o Cristo que não tenha sua vida transformada! O encontro com Cristo deixa um pouco de nós com Ele e tudo d’Ele em nós, pois quanto mais adoramos mais nos entregamos a Cristo e incessantemente Ele se entrega todo a nós e isso é motivo de alegria e louvor cada vez mais para nós. Então quanto mais você adorar a Cristo nas capelas e sacrários espalhados pelo mundo e quanto mais você comungar o Seu Corpo e Seu Sangue, mais, muito mais você será feliz e encontrará o seu verdadeiro caminho de felicidade. Seja verdadeiramente amigo de Cristo e verdadeiramente serás feliz!
Alegria e Paz!
Lucas Meneses - vocacionado da Comunidade Encontro
¹ fonte: http://www.arautos.org/especial/46905/Sao-Pascoal-Bailao--Manso-cordeiro-do-rebanho-de-Cristo.html

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Relacionamentos Humanos

Ninguém vive só! Una-se!


“Que seja um, é o que eu quero mais
Que seja um, é o que quero mais
O meu amor é o que torna capazes
Sem medo algum se amem mais
Sem medo algum se amem mais
O meu Espírito é quem age e faz”

Até quando você vai ficar se arrastando no conhecimento das atitudes de santidade? Até quando estará sendo esta criança espiritual que nunca cresce? Uma criança individualista fazendo o mesmo que todos fazem, comportando-se do mesmo jeito que o mundo se comporta? Quantos retiros, pregações e orações serão suficientes para você começar a ter a docilidade ao Espírito Santo? Quanto ainda falta? Será que Cristo precisa vir novamente para ser crucificado e passar em nosso meio ensinando  tudo novamente? Em sua segunda volta Cristo não voltará para morrer, mas para triunfar e levar consigo os santos, os homens e mulheres que entenderam o recado dele.
Devemos sair de nosso mundo individualista. A humanidade se deteriora, pois vive sozinha. Ninguém nasceu para ser sozinho. Quando acontecerá de o Senhor olhar para nós e não precisar “dar corda” para que possamos caminhar? O inferno está cheio de boas intenções, mas vazio daqueles que viveram o amor.
Reze: “Desperta a santidade que já foi plantada em mim. Eu posso e quero ser santo. Desperta a santidade em mim, Senhor.”
“É pelo amor entre vós que o mundo conhecerá que sois meus discípulos.” (Jo 13, 35). Somos perpetuadores da vida de Cristo do mundo. Algum materialista, porém, pode dizer: “O mundo não é isso. É preciso trabalhar, ganhar dinheiro, progredir” porém, se de fato, este tiver a consciência reta, reconhecerá também que sua resposta está fundamentada num único aspecto: “Viverá assim pelo preço de uma escravidão às paixões e vícios por toda a vida e depois uma eternidade desgraçada de escravidão ao demônio.” O preço do individualismo e de buscar sempre os próprios interesses, de fazer aquilo que bem se entende, empenhar-se sempre no próprio prazer e não dar ao irmão o prazer, a alegria, o consolo, é ser escravo do demônio pela eternidade. Porém aquele que realmente acredita no amor segue os passos de Cristo, quer ser santo, incomodar com o barulho do amor – sendo este barulho muitas vezes o silêncio -, vive a renúncia, pede perdão sempre, entrega-se ao Senhor e vive, vive santamente, vive o amor fraterno. Este já se livrou do demônio, já é completamente livre no amor.

Pense nisso: Muito mais do que qualquer plano material que você almeja atingir, deseje experimentar a fundo uma vivência autêntica do amor fraterno, de entrega, de abertura às necessidades do outro. Esta é a maior essência de nosso ser: Amar. Deus não deseja os desencontros mas os encontros verdadeiros e frutuosos com os irmãos. Ninguém vive só! Una-se!

Clayton Bechepeche - Fundador da Comunidade Encontro 

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Eucaristia: Meu Tesouro

“Fazei isto em memória de mim”

Tomou em seguida o pão e, depois de ter dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. Do mesmo modo tomou também o cálice, depois de cear, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança em meu sangue, que é derramado por vós. (São Lucas 22, 19-20)

Um pouco da história de Corpus Christi
A celebração teve origem em 1243, em Liège, na Bélgica, no século XIII, quando a freira Juliana de Cornion teria tido visões de Cristo demonstrando-lhe desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque.
A solenidade do Corpo de Cristo foi instituída pelo Papa Urbano IV em 1264, através da Bula Papal "Trasnsiturus de hoc mundo", estendeu a festa para toda a Igreja, pedindo a São Tomás de Aquino que preparasse as leituras e textos. Compôs o hino “Lauda Sion Salvatorem” (Louva, ó Sião, o Salvador), ainda hoje usado e cantado nas liturgias dos cinco continentes.
A procissão com a Hóstia consagrada conduzida em um ostensório é datada de 1274. Foi na época barroca, contudo, que ela se tornou um grande cortejo de ação de graças. Celebrada numa quinta-feira, seguinte ao domingo da Santíssima Trindade, pelo fato da Sagrada Eucaristia ter sido instituída por Jesus, nesse dia, durante a Última Ceia no Cenáculo, em Jerusalém, véspera de sua morte na Cruz. 

Lindo, não é mesmo? Na Sagrada Eucaristia, vivemos o Mistério do Amor, onde Jesus se entrega por completo, Ele se transforma no Pão que dá a vida e alimenta a nossa alma e no Vinho, a Nova Aliança, que une o Seu Sagrado Coração ao nosso coração, que muitas vezes corrompido por nosso orgulho e ressentimentos não nos deixa enxergar a beleza desse verdadeiro Tesouro, e muitas vezes por medo, não temos a coragem de avançar e buscá-lo.
A nossa história, sem Cristo, não tem sentido. Uma vida sem Jesus, simplesmente é vazia, sem brilho. Eu vejo tanta gente procurando o tesouro, mas sempre encontram as bijuterias que o mundo oferece. Bijuterias reluzentes, bonitas, praticamente idênticas às originais. Muitos se contentam com a pedras de vidro, que parecem diamantes. Mal sabem que o vidro se quebra facilmente e juntar os cacos não é uma das tarefas mais agradáveis. Se não tivermos cuidado nos cortamos, machucamos e isso causa dores, deixando suas marcas, muitas vezes pelo resto da vida.
Nessa busca do tesouro, muitos desiludidos e abatidos pelo cansaço, ficam pelo caminho, desistem e muitas vezes nem percebem que aquele Tesouro tão valioso está mais perto do que se imagina. Mas há aqueles que, mesmo feridos pelas pedras, mesmo cheios de dores causadas pela procura, não desistem, vão cavando, cavando, cavando e... Pronto! Uau! Os olhos brilham e o coração dispara. Encontram e contemplam aquele Tesouro valioso, o mais belo e valioso de todos, que por tanto tempo ficou escondido. Um Tesouro que não se troca por nada, não importa o quanto é oferecido. Essa é a Sagrada Eucaristia, sensível como o amor de Jesus e valioso pela sua entrega. É a comunhão entre o filho e Deus.
Na Eucaristia, fazemos memória do amor absoluto de Jesus, apesar de sermos pecadores, se entregou por amor a nós. É um Deus que se doa, que se deixa ser consumido e tocado. Um Deus grande que se fez pequeno, pobre e vulnerável. Um Tesouro, ignorado e desconhecido por muitos que preenche todo o nosso ser e o seu brilho ilumina o nosso caminho, nos dando a direção certa para chegar ao céu.
Michele Vargas – vocacionada da Comunidade Encontro
Referência bibliográfica: Canção Nova (A história de Corpus Christi)

terça-feira, 17 de junho de 2014

Vivamos do Espírito!

"Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne." (Gálatas 5, 16)

Este é o convite que Paulo vem nos fazer nesta manhã. Nos deixarmos ser guiados pelo Espírito. Quantas vezes nós acabamos por permitir que a nossa carne fale mais alto? E quantas vezes isso nos trouxe mágoa, angústia, tristeza, medo...?
Quando Jesus falou aos apóstolos que Ele deveria ir para junto do Pai e assim o Consolador viria, era justamente sobre isso que Ele estava falando: deixar que o Espírito fale e viva em nós. É pela ação do Advogado que conseguimos realizar todas as obras e os planos que Deus tem para nós, desde os menores até os mais grandiosos. Mas como conseguiremos compreender os planos e a vontade de Deus se nos fechamos a ação do Espírito Santo e somente alimentamos a nossa carne? Não irá funcionar, nunca.
Muitas vezes queremos tentar conciliar as duas coisas: nos "entregar" ao Espírito mas ao mesmo tempo guardando algumas áreas da nossa vida que consideramos intocáveis e não abrimos mão do controle. Aí entra a passagem em Apocalipse 3,16 : "Mas, como és morno, nem frio nem quente, vou vomitar-te." Não existe possibilidade de servirmos a dois senhores, somos chamados todos os dias a nos entregarmos mais e mais ao Espírito e darmos seus frutos, como as belas árvores na época de colheita.
Deus nos convida a darmos o nosso tudo e a sermos guiados exclusivamente por seu Santo Espírito. Muitas vezes a batalha é árdua, mas Deus vê a nossa vontade e justamente pelo Espírito Consolador vem nos dar as forças necessárias para nos entregarmos mais e mais.

Quer ser realmente feliz e viver os sonhos de Deus? Seja um fruto pleno do Espírito. É bom demais!!!
Jonathan R. Rangel - vocacionado da Comunidade Encontro

Jogadores católicos testemunham a fé na Copa

Chicharito-Footbal-Images
Há quatro anos, a FIFA tentou impor – em nome da tolerância – a proibição de manifestações religiosas nos jogos da Copa do Mundo da África do Sul. Obviamente, sua tentativa fracassou.
Talvez com maior frequência depois disso, os jogadores assumiram ainda mais sua religiosidade antes de pisar os gramados.
Alguns jogadores católicos são apresentados no vídeo abaixo, mas há muitos outros que, ao entrar no campo, fazem o sinal da cruz.
Há até casos com o do jogador mexicano Javier Hernández (Manchester United), quem se ajoelha no meio do campo e reza um Pai-Nosso antes de que o árbitro apite para começar o jogo.
O futebol, como qualquer outra manifestação humana, não é isento de crenças religiosas dos seus jogadores.
No primeiro jogo da Copa deste ano, tanto brasileiros como croatas foram explícitos na hora de fazer o sinal da cruz ou comemorar os gols, como Neymar Júnior, olhando para o céu.
Lionel Messi também se destaca pela sua religiosidade: o jogador chegou a confessar que o Papa Francisco é um exemplo para ele, e atualmente participa de um projeto do Santo Padre.


Fonte: Jovens Conectados

segunda-feira, 16 de junho de 2014

"Quem paga a corrupção dos ricos são sempre os pobres", diz Francisco na missa

A corrupção dos poderosos acaba sendo “paga pelos pobres”, que por causa da avidez dos outros, ficam sem aquilo de que têm necessidade e direito. Foi o que disse o Papa Francisco na homilia da missa da manhã, na Casa Santa Marta.
“O único caminho para vencer o pecado da corrupção é o serviço aos outros que purifica o coração”, refletiu Francisco.
Uma história “muito triste” que, mesmo se antiga, é ainda hoje o espelho de um dos pecados mais ‘acessíveis’: a corrupção. Francisco analisa o trecho litúrgico que narra a história de Mabota, proprietário de uma vinha. Quando o rei Acab – que quer ampliar o seu jardim – e lhe diz que quer comprá-la, Nabot se recusa a vendê-la para não se desfazer da herança dos pais. O rei não aceita a sua decisão e sua esposa, Jezebel, organiza um estratagema: com a cumplicidade de falsos testemunhos, consegue levar Nabot ao tribunal e este termina condenado e lapidado à morte. Enfim, entrega a vinha tão desejada ao marido, que – observa Papa Francisco – reage tranqüilo, como se nada tivesse acontecido. “Esta história – comentou o Papa – se repete continuamente” entre quem tem “poder material, poder político ou poder espiritual”.
Lemos tantas vezes nos jornais sobre o político que enriquece magicamente. Foi processado, levado ao tribunal o empresário que ficou rico como uma magia, ou seja, explorando seus operários. Fala-se também do bispo que enriqueceu e deixou a sua função pastoral para cuidar de seu poder. Assim, os corruptos políticos, de negócios e os corruptos eclesiais. Eles estão em todos os lugares, e temos que dizer a verdade: a corrupção é justamente o pecado ‘acessível’, de alguém que tem autoridade sobre os outros... econômica, política ou eclesiástica. Todos somos tentados pela corrupção, porque quando alguém tem autoridade e se sente poderoso, se sente quase como um Deus”.
Além disso, prossegue o Papa Francisco, se é corrompido ao longo “do caminho da própria segurança”. Com “o bem-estar, o dinheiro, depois o poder, a vaidade, o orgulho... E dali, tudo. Também matar”. Porém, se pergunta o Papa, “quem paga a corrpução” Quem “traz até você a propina”? Não, afirma o Papa, isto é o que faz o intermediário”. A corrupção na verdade “quem paga é o pobre”:
“Se falamos dos corruptos políticos ou dos corruptos econômicos, quem paga? Pagam os hospitais sem medicamentos, os doentes que não recebem cura, as crianças sem educação. Esses são os modernos Nabot, que pagam a corrupção dos grandes. E quem paga a corrupção de um prelado? Pagam as crianças, que não sabem fazer o sinal da cruz, que não recebem catequese, que não são seguidas. Pagam os doentes que não são visitados, pagam os encarcerados que não recebem atenções espirituais. Os pobres pagam. A corrupção é paga pelos pobres: pobres materiais, pobres espirituais”.
Ao invés, afirma o Papa Francisco, “o único caminho para sair da corrupção, o único caminho para vencer a tentação, o pecado da corrupção, é o serviço”. Porque, explica, “a corrupção nasce do orgulho, da arrogância, e o serviço humilha você”: é a caridade humilde para ajudar os outros”:
“Hoje, oferecemos a Missa por essas pessoas, tantas, tantas… que pagam a corrpução, que pagam a vida dos corruptos. Estes mártires da corrupção política, da corrupção econômica e da corrupção eclesiástica. Rezemos por eles. Que o Senhor nos aproxime deles. Certamente estava muito próximo a Nobot, no momento da lapidação, como estava próximo de Estevão. Que o Senhor esteja perto deles e lhes dê a força para continuar o seu testemunho, no seu próprio testemunho”.
Fonte: news.va/pt

sexta-feira, 13 de junho de 2014

O conhecimento da verdade que nos leva à liberdade

Antes de falar sobre qualquer assunto sobre a verdade, a importância de vivê-la, praticá-la e segui-la,  começo esse artigo dizendo o que é a verdade: JESUS CRISTO. A Verdade de “carne e osso”, o Exemplo, a Vida.
Hoje vemos no mundo como existem religiões, crenças, grupos, etc. e pessoas que acreditam em tantas mentiras que o mundo prega, criam sua própria verdade, vivem as suas vidas a partir dessas “falsas verdades”, se é que existe “falsa verdade”. A verdade é uma só. Ela vem de Deus, foi vivida por Jesus que é a própria verdade, e Ele nos chama a vivê-la aqui na Terra, a sermos conhecedores dessa verdade que nos levará à liberdade e a felicidade plena.
Temos que parar de ter medo da verdade. Sim, temos medo! Porque quantas vezes nos escondemos atrás de tantas mentiras, nos escondemos das pessoas, não somos nós mesmos em tantas situações, temos medo de mostrar a nossa verdade, quem somos e o que temos...  A mentira começa a ser um “porto seguro” pra qualquer situação, começa a ser um vício, um “achar” que vai se dar bem mentindo. Que nada! A mentira só aprisiona, só entristece a alma, e leva a uma infelicidade tremenda.

Queira viver na verdade, queira viver de verdade!
A verdade muitas vezes é dura, machuca, mas santifica, faz bem pra alma ouvir a verdade e praticá-la, como diz na música do Rosa de Saron: “nada pode ser melhor do que a verdade e o que existe nela, mas é preciso resistir à dor que vem com ela.” Precisamos conhecer cada dia mais a vida de Cristo e ver que, em tudo o que vivia e fazia, ele era verdadeiro. Nas palavras, ações, seus atos de amor, e até quando estava irado, mas em tudo Ele era verdadeiro.
No evangelho de João 8:32 diz assim:
“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Só assim seremos totalmente livres, sem mentiras, sem medo! É preciso ter coragem para viver na Verdade Cristã  nesse mundo tão mentiroso e que cria suas próprias verdades, pois a quem defende a verdadeira  Verdade, sempre será perseguido, porque a verdade não pertence a este mundo, mas sim ao céu. E nós somos filhos do céu, somos filhos da Verdade. Enfim, Jesus Cristo é a única Verdade a qual devemos seguir. Que sejamos defensores da VERDADE.  =)

Paz e Bem!
Janice Almeida - vocacionada da Comunidade Encontro


"Onde encontrei a verdade, aí encontrei o meu Deus, que é a própria verdade, da qual nunca mais esqueci, desde o dia em que a conheci." – Santo Agostinho

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Papa: Que essa Copa seja a festa da solidariedade entre os povos


A felicidade dos namorados está na grandeza da alma

Nem sempre será fácil para você começar e terminar um namoro

Imagem-linda-de-casal-apaixonado-para-Facebook.Já vai muito longe o tempo em que os pais arranjavam os casamentos para os seus filhos. Se você quer encontrar alguém terá que procurá-lo. Normalmente, é no próprio ciclo de amizades e ambiente de convívio que os namoros começam. Sabemos que o ambiente molda, de certa forma, a pessoa; logo, você deverá procurar alguém naquele ambiente que há os valores que você preza. Se você é cristão, então, procure entre famílias cristãs, ambientes cristãos, grupos de jovens, entre outros, a pessoa que você procura.
O namoro começa com uma amizade, que pode ser um pré-namoro que vai evoluindo. Não mergulhe de cabeça num namoro, só porque você ficou “fisgado” pelo outro. Não vá com muita sede ao pote, porque você pode quebrá-lo. Sinta primeiro, por intermédio de uma pura amizade, quem é a pessoa que está à sua frente. Talvez já nesse primeiro relacionamento amigo você saberá que não é com essa pessoa que você deverá namorar. É o primeiro filtro, cuja grande vantagem é não ter ainda qualquer compromisso com o outro, a não ser de amigos.
Nem sempre será fácil para você começar e terminar um namoro. Especialmente hoje, com a maior abertura do país, logo as famílias são também envolvidas, e isso faz o namoro se tornar mais compromissado. Se você não explorar bem o aspecto saudável da amizade, pode ser que o seu namoro venha a terminar rapidamente porque você logo se decepcionou com o outro. Isso poderia ter sido evitado se, antes, vocês tivessem sido bons amigos. Não são poucas as vezes em que o término de um namoro envolve também os pais dos casais, e isso nem sempre é fácil de ser harmonizado.
O namoro é o encontro de duas pessoas, naquilo que elas são e não naquilo que elas possuem. Se você quiser conquistar um rapaz só por causa da sua beleza ou do seu dinheiro, pode ser que amanhã você não se satisfaça mais só com isso. Às vezes uma pessoa simpática, bem humorada, feliz supera muitos que oferecem mais beleza e perfeição física que ela.
Infelizmente, a nossa sociedade troca a “cultura da alma” pela “cultura do corpo”. A prova disso é que nunca as cidades estiveram tão repletas de academias de ginástica, salões de beleza, cosméticos, cirurgias plásticas, etc., como hoje. Investe-se ao máximo naquilo que é a dimensão mais inferior do ser humano – embora importante – o corpo. É claro que todas as moças querem namorar um rapaz bonito, e também o mesmo vale para os jovens, mas nunca se esqueça de que o mais importante é “invisível aos olhos”.
O que é visível desaparece um dia, inexoravelmente ficará velho com o passar do tempo. Aquilo que você não vê: o caráter da pessoa, a sua simpatia que se mostra sempre atrás de um sorriso fácil e gratuito, o seu bom coração, a sua tolerância com os erros dos outros, as suas boas atitudes, etc., isso tudo não passará, isso o tempo não poderá destruir. É o que vale.
Se você comprar uma pedra preciosa só por causa do seu brilho, talvez você compre uma “joia” falsa. É preciso que você conheça a sua constituição e o seu peso. O povo diz muito bem que “nem tudo que reluz é ouro”. Se você se frustra no plano físico, poderá ainda se realizar nos planos superiores da vida: o sensível, o racional e o espiritual. Mas, se você se frustrar nos níveis superiores, não haverá compensação no nível físico, porque ele é o inferior, o mais baixo.
A sua felicidade não está na cor da pele, no tipo do seu cabelo e na altura do seu corpo, mas na grandeza da sua alma. Você já reparou quantos belos e belas artistas terminam de maneira trágica a vida? Nem a fama mundial, nem o dinheiro em abundância, nem os “amores” mil, foram suficientes para fazê-los felizes. Faltou cultivar o que é essencial; aquilo que é invisível aos olhos. Tenho visto muitas garotas frustradas porque não têm aquele corpinho de manequim, ou aquele cabelo das moças que fazem as propagandas dos “Shampoos” ; mas isto não é o mais importante, porque acaba.
A vida é curta – mesmo que você jovem não perceba – e, por isso, não podemos gastá-la com aquilo que acaba com o tempo. Os homens de todos os tempos sempre quiseram construir obras que vencessem os séculos. Ainda hoje você pode ver as pirâmides de 4000 anos do Egito, o Coliseu romano de 2000 anos, e tantas obras fantásticas. Mas a obra mais linda e mais duradoura é aquela que se constrói na alma, porque esta é imortal. Portanto, ao escolher o namorado (a), não se prenda nas aparências físicas, mas desça até as profundezas da sua alma. Busque lá os seus valores.
Prof. Felipe Aquino

terça-feira, 10 de junho de 2014

Ministério Jovem vai a campo na missão “Com Jesus na Copa”

Milhares de jovens da RCC farão missão kerigmática nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo


A bola rola para a Copa do Mundo de Futebol da Fifa e os jovens da Renovação Carismática Católica não ficarão na torcida, mas com a torcida em abordagens diretas no anúncio kerigmático do Evangelho. Durante o mundial de futebol, entre 12 de junho e 13 de julho, o Ministério Jovem terá atividades missionárias nas 12 cidades-sede, assim como em pontos de concentração em outras cidades do país.
As ações se darão por meio de uma presença efetiva nos ambientes de concentração de pessoas, com a mensagem do Evangelho de forma alegre e cativante. “Buscamos ampliar os horizontes da juventude da RCC para novas e mais atualizadas formas de evangelizar em um período de constantes mudanças sociais, além de dinamizar ações de evangelização que não necessitem de grandes e dispendiosas estruturas, mas sim que demonstrem a espontaneidade do jovem em evangelizar a qualquer momento e em qualquer ocasião”, resume Ruy Lima, coordenador da assessoria de Missão do Ministério Jovem no Brasil.
O anúncio do Evangelho de maneira ousada e criativa tem sido realizado pelos membros do Ministério Jovem da RCC do Brasil com renovado ardor missionário e interação social. Prova disso, são as missões que os Sentinelas já realizaram como o Jesus no Litoral, missão Rio 2010 (pré-ENJ nas comunidades da cidade), JMJ Madri 2011, Maceió (AL) 2011, Belém (PA) 2012 e a Missão Jesus no Litoral na JMJ Rio2013. Em 2014, o trabalho missionário se estende aos eventos esportivos e pretende levar a “onda do amor de Deus” pelos estádios de futebol com a missão Com Jesus na Copa.
“A maior torcida que estamos levantando é levar a boa nova do Evangelho, o seguimento de Jesus para os brasileiros que vão assistir a esses jogos e para os estrangeiros que virão para nosso país. Junto à alegria do futebol, queremos levar a verdadeira alegria que só Jesus pode dar ao coração do homem,” destacou o coordenador nacional do Ministério Jovem, Fernando Gomes.
Foras das sedes
As ações missionárias e evangelizadoras não se resumem às cidades-sede da Copa, mas mobilizaram diversas outras regiões do país. Exemplo disso acontece na cidade de Ji-Paraná (RO), onde foi realizada uma formação no último mês com foco nos turistas que passaram pelo estado durante a Copa. Os formadores explicaram como abordar as pessoas nas ruas e falar sobre o Evangelho na metodologia kerigmática e a prática na comunidade local.
A preocupação é chegar ainda a pontos de concentração de torcedores que se reúnem tradicionalmente para assistir aos jogos, comemorações e outros encontros motivados pela Copa.
Unidade eclesial
O projeto é fundamentado nas “Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2011-2015”, no parágrafo 80, que diz: “Contradiz profundamente a dinâmica do Reino de Deus e de uma Igreja em estado permanente de missão, a existência de comunidades cristãs fechadas em torno de si mesmas, sem relacionamento com a sociedade em geral, com as culturas, com os demais irmãos que também creem em Jesus Cristo e com as outras religiões. Inclusive eventos esportivos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, que o Brasil vai sediar nos próximos anos, podem ser momentos de evangelização, especialmente da juventude.”
Fonte: jovensconectados.org

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Ame a Igreja

Homilia do nosso Fundador Clayton Bechepeche na Celebração de Pentecostes encerrando a primeira edição do Retiro Paráclito (06 a 08/06/14) em Betesda.
Evangelho do dia: Jo 7, 37-39
Ouça:


sábado, 7 de junho de 2014

De Pentecostes em Pentecostes

No decorrer da história da Igreja, nos mais diversos momentos, vemos alguma voz profética a se levantar e pedir um novo Pentecostes. Na verdade, a Igreja só subsiste porque é sustentada pelo Espírito Santo, vivendo a cada momento um novo Pentecostes, afinal, o Espírito Santo é a alma da Igreja.
Nós temos o Pentecostes histórico, afirmado na Bíblia em Atos dos Apóstolos, capítulo 2. Mas ainda nos livros do Novo Testamento são citados vários momentos em que a presença do Espírito Santo causou conversões e confirmou a pregação dos apóstolos e a missão da Igreja nascente.
Não só, mas também por isso, continuamos celebrando Pentecostes a cada ano, para lembrar o acontecimento histórico e para afirmar a necessidade de um constante derramar-se do Espírito para renovar a face da terra, a vida da Igreja e o modo de pensar dos homens. É o Espírito Santo que traz novo vigor e nova juventude à vida e à missão da Igreja. É o Espírito Santo que nos direciona e nos esclarece a vontade do Pai. É o Espírito Santo que suscita profetas, vocações e ministérios para que a mensagem do Evangelho alcance "até os confins do mundo". E, sem dúvida alguma, é o Espírito Santo que faz com que, jamais, "nos conformemos com a mentalidade deste mundo, mas o transformemos pela renovação do nosso espírito" (Rm 12, 12).
Se tudo isso é obra do Espírito Santo, está claro por que os bispos, no Documento de Aparecida, renovaram o clamor por um novo Pentecostes (DAa 362). Se não for dessa maneira, não há a realização do Reino. Precisamos de cristãos cheios do Espírito Santo, capazes de ser discípulos e missionários no seu ambiente de vida. E, para ir direto ao assunto: a Igreja precisa de você, jovem, repleto do Espírito Santo, para ser protagonista de uma juventude nova, com valores renovados e coração comprometido com a fé e o próximo. A Igreja conta com você para construir um mundo novo. Cada batizado já possui em si o dom do Espírito, mas é necessário que com a oração e a vida comunitária possa colocar seus dons e talentos, dados por esse mesmo Espírito, em proveito de toda a comunidade e de toda a sociedade marcada, hoje, pela tendência em colocar Deus fora de seus projetos e de seu ambiente. E a responsabilidade é toda nossa! Nós, a Igreja militante, precisamos aderir cada dia ao chamado constante do Senhor a sermos testemunhas do seu amor e da sua ressurreição, e isso só faremos, de forma eficaz, se direcionados e sustentados pelo Espírito Santo. É essa graça que renova as estruturas do nosso coração constantemente e dá aquele amor que nos impele a gastar a vida em prol do anúncio de Jesus. É essa graça que tirou o medo dos discípulos, tornando-os capazes de assumir a cruz e a perseguição com alegria, por serem achados dignos de sofrer pelo Evangelho. É essa graça que faz a Igreja ser viva e atuante no mundo, através de você, batizado comprometido e constantemente fortalecido pela ação do Espírito Santo.
O Pentecostes de ser diário, mas liturgicamente o celebramos uma vez ao ano (hoje!). Que o Senhor nosso Deus conceda que a cada Pentecostes celebrado nós não apenas "lembremos" a grande manifestação histórica do Espírito Santo, mas possamos reviver sua renovada e atualizada presença entre nós. E assim caminhamos, de Páscoa em Páscoa, até a Páscoa definitiva... de Pentecostes em Pentecostes, até o Encontro pleno com a graça do Senhor!

Pe Reginaldo Carreira
Livro "Juventude e Fé"

Transmissão ao vivo do Retiro Paráclito

Está acontecendo nesse final de semana em Betesda, a primeira edição do Retiro Paráclito, retiro de Pentecostes da Comunidade Encontro. E está sendo também a inauguração de uma transmissão ao vivo na Rádio Online Comunidade Encontro.
Ontem a noite o retiro foi iniciado com a Celebração da Palavra presidida pelo Clayton, fundador da Comunidade, seguida de uma poderosa Adoração Eucarística conduzida pelo mesmo.
Pela manhã de hoje tivemos Santa Missa com Pe Thiago e momento mariano o qual Fernanda Rosetti, consagrada da Comunidade Encontro, pregou o tema "Maria, Esposa do Espírito Santo".


Você que não pode vim para Betesda, sintonize onde você estiver deixando o Espírito Santo agir na sua vida e te fazer nascer de novo.
E poste nas redes sociais utilizando a hashtag #RádioEncontro


quinta-feira, 5 de junho de 2014

Tratado do amor de Deus

Contendo alguns avisos para o progresso da alma no santo amor.


1.    O progresso no santo amor não depende de uma inclinação natura à isso - muito ama quem sente dificuldades de progredir no amor e busca superar essas dificuldades, para aquele que possui uma predisposição a ser mais amoroso deste é exigido buscar amar sempre mais e mais;

2.    É preciso ter um desejo contínuo de amar - “morra eu do teu amor, ó amigo do meu coração, que te dignaste de morrer por meu amor” (São Francisco);

3.    Para obter o desejo contínuo é preciso moderar os outros desejos – quem pretende o divino amor deve cuidadosamente reservar para isso seu tempo, seu espírito e seus afetos;

4.    As ocupações legítimas não nos impedem de praticar o divino amor – muitos reis e santos com suas diversas ocupações não deixavam de louvar a Deus e progredir no amor; e o próprio cumprimento fiel das obrigações legítimas é muito agradável à Deus;

5.   Empregar todas as ocasiões na prática do amor -...não é uma tentação extrema ser tão valente em imaginação, e tão covarde na execução?... As grandes obras nem sempre estão no nosso caminho, mas a todas as horas podemos fazer pequenas excelentemente, isto é, com grande amor... Certamente nos baixos e miúdos exercícios de devoção, a caridade pratica-se não só mais frequentemente, como também mais humilde, útil e santamente.

6.    É preciso ter o cuidado de fazer as ações perfeitamente - ...Também há almas que fazem muitas obras boas e crescem muito pouco em caridade, porque as fazem ou fria e frouxamente, ou por instinto e inclinação de natureza, mais do que por inspiração de Deus ou fervor celeste; ao contrário, há outras que fazem pouca obra, porém com uma vontade e intenção tão santa, que fazem um progresso extremo em dileção: têm pouco talento, mas administram-no tão fielmente, que o Senhor as recompensa por isso largamente;

7.    O meio geral para que as obras (ações) sejam realizadas no serviço de Deus -  tudo o que for feito, ser feito em nome de Jesus (Col 3,17; I Cor 10,31), a caridade esteja presente na intenção de nossas ações de forma natural (ex: a ação de um filho com seu pai) e os méritos de nossas ações sejam devolvidos a Deus.

8.    Outros meios para aplicarmos nossas obras ao amor de Deus – a renovação diária do nosso vigor e disposição à vida virtuosa através da recitação das jaculatórias, elevações do coração, retiros, santos exercícios. A aceitação de bom grado de tudo aquilo que o Bom Deus enviar sejam delícias, consolações, sejam provações a ponto de ter a coragem de rezar esta oração de Santo André (que foi usada também por São Carlos): Saúdo-te, ó Cruz preciosa! Saúdo-te, ó tribulação venturosa! Ó aflição santa, como és amável, já que saíste do seio amável desse Pai de eterna misericórdia, que te quis de toda eternidade, e te destinou para este caro povo e para mim! Ó Cruz! Meu coração te quer, já que te quis o coração de meu Deus. Ó cruz! Minha alma te ama e te abraça com toda a sua dileção.

9.    Devemos sacrificar o nosso livre arbítrio – "sai de tua terra ...e vem pra terra que eu te mostrar..."(Gn 12,1) (Heb 11,18), "...toma Isaac teu filho único..."(Gn 22,1ss). Ó livre arbítrio de meu coração! Que boa coisa vos será serdes atado e estendido na cruz do divino Salvador! Que coisa desejável vos é morrerdes a vós mesmo, para arderdes para sempre em holocausto ao Senhor! Nós temos a liberdade de fazer o bem e o mal: porém escolher o mal não é usar, e sim abusar, dessa liberdade.

10.  O monte Calvário é a verdadeira academia da dileção – Viva Jesus cuja morte mostrou quanto o amor é forte! O monte Calvário é o monte dos amantes. Todo amor que não tira sua origem da paixão do Salvador é frívolo e perigoso.

ORAÇÃO


Ó amor eterno! Minha alma vos reclama e vos escolhe eternamente. Oh! Vinde, Espírito Santo, e inflamai nossos corações do vosso amor. Ou amar ou morrer: morrer e amar. Morrer a qualquer outro amor, para viver para o amor de Jesus, a fim de que não morramos eternamente, mas, vivendo no vosso amor eterno, ó Salvador de nossas almas, cantemos eternamente: Viva Jesus! A Jesus amo. Viva Jesus a quem amo! Amo a Jesus que vive e reina pelos séculos dos séculos. Amém.


Fonte: Escritos de São Francisco de Sales

Orações dos casais

"Senhor, o amor já nos conduziu ao altar.
E, na reciprocidade que o amor exige,

Juramos, prometemos e nos recebemos

Para todos os dias de nossa vida.
Guiados pelo amor e por tua palavra,
Estamos procurando construir a nossa família sobre a rocha.
Apesar da individualidade e do mistério que somos,
Queremos ser a arte-final que o amor deseja fazer de nós:
Uma só carne e uma só alma.
O mundo faz de tudo para banalizar o amor.
E somos fracos e passiveis de enganos.
À nossa volta, há lares ruindo
E famílias terminando por falta de amor.
Há casais desnorteados, sem nenhum horizonte,
Porque traíam a si mesmos e a seus filhos.
Nós estamos resistindo aos apelos do mundo.
Por isso, te pedimos Senhor, cuida de nós.
Porque acreditamos que o futuro da humanidade
Passa pelo ventre fecundo da família.
Dá-nos a graça de sermos fiéis até o fim. Amém."

Frei Zeca

Hoje tem Espaço Jovem em Betesda às 19h 30min e o tema dessa noite é "Keep Calm and Seja Livre para Amar".
Muitos encontros, dança, música, pregação com Daniel Pereira (co-fundador da Com. Encontro) e premiação para a #atitudedeamormaiscriativa.
Traz pra cá quem você ama e venha descobrir que ninguém é feliz sozinho!

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Saia do controle!

Isso mesmo, saia do controle! E deixe Deus assumir toda a direção da sua vida. Não adianta nada dizer "seja feita a Sua vontade" se, na hora de fazer o que Ele te pede, você fica adaptando ao seu querer, seu tempo, seu modo.
Não! Mais uma vez digo: saia do controle! Você pode ter certeza que quando verdadeiramente disser SIM a Deus, deixando-O conduzir seus passos, perceberá o quanto sua vida estava na verdade totalmente descontrolada.
Como? Sendo dócil ao Espírito Santo quando ele nos inspira a fazer uma caridade, por exemplo, mas que muitas vezes ficamos resistentes a tal ato de amor e deixamos de colher frutos os quais nos levariam ao crescimento humano e espiritual, ou tomando aquela decisão de mudar algo em sua vida para ser Evangelho vivo sem ter medo ou se preocupar com a aceitação da sociedade perante tal ousadia.
 Cara, entenda por favor, fazer tudo por nós mesmos não rola, não dá certo. Deixa Deus fazer em você todos os Seus afazeres, realizando os sonhos que Ele tem. Na moral, a alegria que te inundará será algo intenso, profundo que, com perseverança e fidelidade, ela será rotina agradável e certeza de Céu na Terra. E no seu dia-a-dia notará que dos seus lábios os sorrisos serão constantes e sinceros, seu coração mais leve e até mesmo as pessoas se sentirão atraídas por ti.
É isso que o carisma Encontro faz comigo. Impulsiona-me a sair do controle e realizar o que Deus quer da maneira d’Ele. Hoje percebo que de modo muito mais intenso e real sou feliz e realizada.
Vamos lá, meu irmão! Coragem! Assuma que está tentando controlar sua vida; e por isso tudo dá errado. E com mais coragem ainda deixe Deus assumir esse papel, obedecendo-O e perseverando com santidade na Sua vontade.
Conduza-nos, santo Espírito de Deus, no caminho da Verdade, libertando-nos de todas as amarras do orgulho para que consigamos trilhar o Teu caminho, livres de nossas próprias conclusões e achismos, que tantas vezes nos levam a dar muita cabeçada. Amém.
Tamo junto! Tamo em Cristo!
Karla Maria - vocacionada da Comunidade Encontro