Google+ Outubro 2016 ~ Comunidade Encontro

Clique e ouça!

24h de música católica para você!

sábado, 29 de outubro de 2016

Comemoração dos Fiéis Defuntos

Hoje não é dia de tristezas e lamúrias, e sim de transformar nossas saudades, e até as lágrimas, em forças de intercessão pelos fiéis que, se estiverem no Purgatório, contam com nossas orações

Neste dia ressoa em toda a Igreja o conselho de São Paulo para as primeiras comunidades cristãs: “Não queremos, irmãos, deixar-vos na ignorância a respeito dos mortos, para que não vos entristeçais como os outros que não tem esperança” ( 1 Tes 4, 13).

Sendo assim, hoje não é dia de tristezas e lamúrias, e sim de transformar nossas saudades, e até as lágrimas, em forças de intercessão pelos fiéis que, se estiverem no Purgatório, contam com nossas orações.

O convite à oração feito por nossa Mãe Igreja fundamenta-se na realidade da “comunhão dos santos”, onde pela solidariedade espiritual dos que estão inseridos no Corpo Místico, pelo Sacramento do Batismo, são oferecidas preces, sacrificios e Missas pelas almas do Purgatório. No Oriente, a Igreja Bizantina fixou um sábado especial para orações pelos defuntos, enquanto no Ocidente as orações pelos defuntos eram quase geral nos mosteiros do século VII; sendo que a partir do Abade de Cluny, Santo Odilon, aos poucos o costume se espalhou para o Cristianismo, até ser tornado oficial e universal para a Igreja, através do Papa Bento XV em 1915, pois visava os mortos da guerra, doentes e pobres.

A Palavra do Senhor confirma esta Tradição pois “santo e piedoso o seu pensamento; e foi essa a razão por que mandou que se celebrasse pelos mortos um sacrifício expiatório, para que fossem absolvidos de seu pecado” (2 Mc 2, 45). Assim é salutar lembrarmos neste dia, que “a Igreja denomina Purgatório esta purificação final dos eleitos, que é completamente distinta do castigo dos condenados” (Catecismo da Igreja Católica).

Portanto, a alma que morreu na graça e na amizade de Deus, porém necessitando de purificação, assemelha-se a um aventureiro caminhando num deserto sob um sol escaldante, onde o calor é sufocante, com pouca água; porém enxerga para além do deserto, a montanha onde se encontra o tesouro, a montanha onde sopram brisas frescas e onde poderá descansar eternamente; ou seja, “o Céu não tem portas” (Santa Catarina de Gênova), mas sim uma providencial ‘ante-sala’.

“Ó meu Jesus perdoai-nos, livrai-nos do fogo do Inferno. Levai as almas todas para o Céu e socorrei principalmente as que mais precisarem! Amém!”

Fonte: Canção Nova

Holywins ou Halloween? Católicos resgatam Véspera de Todos os Santos



 Há alguns anos, diversas dioceses, paróquias e comunidades católicas em várias partes do mundo se propuseram a recuperar o dia 31 de outubro como a Véspera de Todos os Santos. Assim, nasceu a celebração “Holywins” (a santidade vence), para festejar com as crianças e jovens a vocação universal à santidade.

Brasil

Um dos muitos exemplos dessa festividade acontece na Arquidiocese de Porto Alegre (RS). Os fiéis comemorarão no dia 5 de novembro, a partir das 18h30 na Catedral Metropolitana. Haverá Adoração Eucarística, confissão, Missa, atividades infantis (Holy Kids) e show com a banda Eterna Aliança e com a cantora católica Suely Façanha.
A página oficial do evento no Facebook explica que “a busca de viver a santidade é um olhar para a eternidade, assim, o Holywins oferece espaço de reflexão e reforça os valores que não passam”.
Em entrevista ao programa ‘Alegrai-vos’ da Rádio Aliança, Rosana Both, da organização do evento, explicou que no Holywins é possível se “encontrar e celebrar a santidade, essa grande alegria de ser cristão, de celebrar a festa de Todos os Santos”.
“Que coisa boa olhar para nossa Igreja e pensar quantos homens e mulheres nos precederam na fé, alguns foram elevados formalmente aos altares e outros tantos, com certeza, por nós intercedem. É a alegria de celebrarmos a vida eterna que o Senhor nos prometeu e tantos já alcançaram”, declarou.
Além do evento do dia 5 de novembro, o Holywins será precedido pela Semana da Misericórdia, de 30 de outubro a 4 de novembro, com Missa de abertura, cachorro-quente solidário para entregar lanches a moradores de rua, confissões ao ar livre, Missão Vida Eterna no cemitério São Miguel e Almas, Adoração Eucarística e Vigília.
Para conhecer toda a programação, acesse a página do Holywins Brasil: www.facebook.com/holywinsbrasil/?fref=ts

Espanha

A Diocese de Alcalá de Henares também se soma a esta comemoração. O centro de todas as atividades de 31 de outubro é a celebração da Missa às 19h30, na Catedral Magistral ‘Santos Niños’, que será presidida pelo bispo, Dom Juan Antonio Reig Pla.
Estão convidados crianças e adolescentes, assim como suas famílias e todos os jovens e demais pessoas que desejam participar. Após a Missa, o Santíssimo Sacramento será exposto e começará a evangelização pelas ruas até a vigília que acontecerá a partir de 23h, na Praça dos ‘Santos Niños’.

Colômbia

No dia 31 de outubro, a Arquidiocese de Barranquilla convida os fiéis a celebrar a ‘Noite Branca’, uma iniciativa em todas as paróquias, onde as crianças vão celebrar “a tradicional festa do Dia dos Anjinhos”, abrindo “um espaço onde os pequenos, através do que sabem fazer – jogar, cantar, dançar, atuar –, elevem uma oração a Deus pelas outras crianças no país e no mundo”.

Peru

Na paróquia de São Miguel Arcanjo, no distrito de São Miguel (Lima), haverá uma jornada para jovens, sob o nome “Holywins / Santos Vencedores”, a partir das 15h.

Polônia

Os católicos poloneses, compatriotas de São João Paulo II, também não querem ficar para trás e animam os paroquianos a celebrar “Holywins” no dia 31 de outubro às 11h, através de uma procissão pelas ruas da comuna de Liviaz.

Leia mais:

Fonte: ACI Digital

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

8 pontos sobre as orientações da Igreja sobre o sepultamento dos fiéis defuntos



O Vaticano apresentou um documento sobre o sepultamento de defuntos e a conservação de cinzas em caso de cremação, intitulado de Ad resurgendum cum Christo, elaborado pela Congregação para a Doutrina da Fé, presidida pelo Cardeal Gerhard Müller, e nós queremos compartilhar um pequeno resumo do documento.

1- A Igreja prioriza e incentiva seus fiéis a enterrarem os seus entes queridos em cemitérios;

2- Ela permite no entanto a cremação, principalmente se isto for necessário por questão de higienes, econômicas e social em alguma região;

3- No entanto a cremação não pode estar ligada a razões contrárias a Fé: Espiritismo, Panteísmo, Gnosticismo;

4- O Corpo é templo do Espírito Santo e é portanto Sagrado;

5- Não se deve conservar cinzas em casa, porém o Bispo Diocesano pode dar esta concessão se não ver perigo de abuso;

6- Não se deve sob hipótese alguma dividir as cinzas, ou armazená-las em jóias;

7- Deve se preferir no caso da cremação, guardar em algum lugar sagrado e não se deve dispersar as cinzas na natureza para se evitar equívocos;

8- Se alguém manifestou o desejo de cremação e o descarte da natureza por motivos a-católicos, deve-se negar a ele exéquias cristãs.

Fonte: Church Pop

8 passos simples para trilharmos um caminho de amizade com Deus através da oração

Santa Teresa D’Ávila nos ensina que a oração é um trato de amizade com Deus. Orar é construir uma relação de amizade com nosso Senhor Jesus Cristo.
E para que você possa crescer nesse caminho, queremos compartilhar 8 passos para crescer na vida de oração.
vida de oração

1- Prepare sua mente e coração. Suplique a Deus a presença do Espírito Santo.

2- Não busque usar palavras “bonitas”. Seja sincero e espontâneo.

3- Procure um local adequado para orar.

4- Concentração exige disciplina: treine para se concentrar.

5- A oração precisa ter qualidade, mesmo que seja curta.

6- Reze com frequência, de preferência tenha um horário fixo para rezar.

7- Busque o silêncio, tanto interior quanto exterior.

8- Ignore as distrações. (Coloque o telefone no modo offline para não receber mensagens enquanto reza).

Fonte: Church Pop

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Santo Antônio de Sant'Anna Galvão, homem de paz e caridade

Frei Galvão era cheio do espírito da caridade, não media sacrifícios para aliviar os sofrimentos alheios

Conhecido como “o homem da paz e da caridade”, Antônio de Sant’Anna Galvão, popularmente conhecido como Frei Galvão nasceu no dia 10 de maio de 1739, na cidade de Guaratinguetá (SP).
Filho de Antônio Galvão, português natural da cidade de Faro em Portugal, e de Isabel Leite de Barros, natural da cidade de Pindamonhangaba, em São Paulo. O ambiente familiar era profundamente religioso. Antônio viveu com seus irmãos numa casa grande e rica, pois seus pais gozavam de prestígio social e influência política.
O pai, querendo dar uma formação humana e cultural segundo suas possibilidades econômicas, mandou Antônio, com a idade de 13 anos, à Bahia, a fim de estudar no seminário dos padres jesuítas.
Em 1760, ingressou no noviciado da Província Franciscana da Imaculada Conceição, no Convento de São Boaventura do Macacu, na Capitania do Rio de Janeiro. Foi ordenado sacerdote no dia 11 de julho de 1762, sendo transferido para o Convento de São Francisco em São Paulo.
Em 1774, fundou o Recolhimento de Nossa Senhora da Conceição da Divina Providência, hoje Mosteiro da Imaculada Conceição da Luz, das Irmãs Concepcionistas da Imaculada Conceição.
Cheio do espírito da caridade, não media sacrifícios para aliviar os sofrimentos alheios. Por isso o povo a ele recorria em suas necessidades. A caridade de Frei Galvão brilhou, sobretudo, como fundador do mosteiro da Luz, pelo carinho com que formou as religiosas e pelo que deixou nos estatutos do então recolhimento da Luz. São páginas que tratam da espiritualidade, mas em particular da caridade de como devem ser vivida a vida religiosa e tratadas as pessoas de dentro e de fora do “recolhimento”.
Às 10 horas do dia 23 de dezembro de 1822, no Mosteiro da Luz de São Paulo, havendo recebido todos os sacramentos, adormeceu santamente no Senhor, contando com seus quase 84 anos de idade. Foi sepultado na Capela-Mor da Igreja do Mosteiro da Luz, e sua sepultura ainda hoje continua sendo visitada pelos fiéis.
Sobre a lápide do sepulcro de Frei Galvão está escrito para eterna memória: “Aqui jaz Frei Antônio de Sant’Anna Galvão, ínclito fundador e reitor desta casa religiosa, que tendo sua alma sempre em suas mãos, placidamente faleceu no Senhor no dia 23 de dezembro do ano de 1822”. Sob o olhar de sua Rainha, a Virgem Imaculada, sob a luz que ilumina o tabernáculo, repousa o corpo do escravo de Maria e do Sacerdote de Cristo, a continuar, ainda depois da morte, a residir na casa de sua Senhora ao lado de seu Senhor Sacramentado.
Frei Galvão é o religioso cujo coração é de Deus, mas as mãos e os pés são dos irmãos. Toda a sua pessoa era caridade, delicadeza e bondade: testemunhou a doçura de Deus entre os homens. Era o homem da paz, e como encontramos no Registro dos Religiosos Brasileiros: “O seu nome é em São Paulo, mais que em qualquer outro lugar, ouvido com grande confiança e não uma só vez, de lugares remotos, muitas pessoas o vinham procurar nas suas necessidades”.
O dia 25 de outubro, dia oficial do santo, foi estabelecido, na Liturgia, pelo saudoso Papa João Paulo II, na ocasião da beatificação de Frei Galvão em 1998 em Roma. Com a canonização do primeiro santo que nasceu, viveu e morreu no Brasil, a 11 de maio de 2007, o Papa Bento XVI manteve a data de 25 de outubro.

Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, rogai por nós!

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

19 curiosidades incríveis sobre a vida de São João Paulo II

Nesse dia 22 de Outubro, dia do nosso santo baluarte João Paulo II, selecionamos para vocês 19 curiosidades sobre o papa peregrino:

1 – Quando adolescente, João Paulo II era apaixonado por teatro e, mesmo quando não participava de algumas peças, fazia questão de acompanhar os ensaios. Em uma ocasião, quando um dos atores desistiu de uma apresentação em cima da hora, o jovem Karol se ofereceu para substituí-lo, afinal já sabia todas as falas. Assim, salvou um grupo inteiro do fiasco que a apresentação poderia ter sido.

2 – Quando era pároco na Polônia e, inclusive, quando já era cardeal, João Paulo II fazia questão de passar tempo ao lado dos jovens de sua comunidade, participando de viagens e retiros ao lado dos mais novos.

Quando esses encontros foram proibidos por líderes políticos, João Paulo II encontrou maneiras mais discretas de realizar suas reuniões, e muitas missas e discussões aconteciam em meio a caminhadas, acampamentos e até ao redor da fogueira, à noite.

A benção do Papa no Vaticano, na Páscoa de 1980.
3 – Ainda que o governo comunista tivesse sérias restrições com a Igreja Católica na Polônia, João Paulo II foi considerado pelos comunistas a pessoa ideal para ser o arcebispo de Cracóvia.

4 – Quando os comunistas tiraram os nazistas do poder na Polônia, João Paulo II e outros líderes religiosos voltaram ao seminário onde viviam anteriormente. O local estava abandonado e as tubulações de esgoto estavam congeladas. Sem pensar duas vezes, João Paulo II e seus amigos resolveram o problema com as próprias mãos e desentupiram as tubulações de esgoto que estavam cheias de cocô congelado.

5 – João Paulo II sempre gostou de esquiar, e continuou praticando o esporte até quando já tinha 73 anos de idade.

Durante uma visita à Espanha, em novembro de 1982.
6 – Conhecido em todo o planeta, é normal que João Paulo II tenha viajado muito durante sua vida. Só para você ter ideia, estima-se que ele tenha percorrido mais de 1,2 milhão de km ao longo dos anos. É basicamente o mesmo que ir e voltar da Lua três vezes!

7 – Uma vez, durante uma entrevista, João Paulo II falou sobre o dia mais feliz da sua vida: foi quando canonizou a irmã Faustina como a primeira santa do novo milênio.

8 – Quando a Polônia estava ocupada por nazistas, Karol trabalhava em uma pedreira, em condições péssimas, com temperaturas negativas que não facilitavam seu trabalho noturno. Em uma das madrugadas nas quais trabalhava, presenciou a morte de um colega, vítima de uma explosão de dinamites. Sobre o ocorrido, João Paulo II escreveu um poema.

Nos versos, falava sobre a perda da família do amigo e terminou dizendo: “quanto maior a raiva, maior a explosão de amor”.

Papa João Paulo II beija o chão ao chegar na Nova Zelândia, em novembro de 1986.
9 – Durante o governo comunista, a vida de Karol era monitorada pelo governo, e ele sabia disso. Esperto, conseguia escapar da fiscalização e tinha até meios de interromper as escutas telefônicas que haviam sido instaladas em sua residência. Ele tinha até mesmo uma forma de enganar os espiões quando precisava participar de alguma reunião secreta.

10 – Conhecido pela bondade e pela doação não apenas de seu tempo como de seus bens materiais, João Paulo II usou boa parte do dinheiro arrecadado com a venda do seu livro “Cruzando o Limiar da Esperança” para reconstruir igrejas que haviam sido destruídas na Iugoslávia.

11 – Dedicado, chegava a trabalhar por até 16 horas por dia, e já foi descrito como um “vulcão de energia”. Quem conhecia João Paulo II de perto, dizia que ele tinha uma capacidade incrível de realizar múltiplas tarefas ao mesmo tempo. Era o tipo de pessoa capaz de conversar enquanto lia um livro.

Uma visita do Papa a Nelson Mandela, na África do Sul, em setembro de 1995.
12 – Quando voltou à Polônia, já como papa, em 1979, João Paulo II levou até a Praça da Vitória 300 mil fiéis que o saudaram com uma sessão de aplausos ininterrupta que durou 14 minutos.

13 – Se tudo o que foi escrito por Karol fosse reunido em volumes, teríamos o equivalente a 20 bíblias. Durante seu pontificado, escreveu em média 3 mil páginas por ano.

14 – Seu amor pela humanidade ia além das barreiras religiosas de cada povo e, por isso, foi o primeiro Papa a pisar em uma mesquita.

Durante uma beatificação na Eslovênia, em setembro de 1999.
15 – Como sentia falta de sua privacidade e liberdade, João Paulo II costumava enganar os próprios seguranças do Vaticano e, coberto por uma capa preta, fugia para esquiar ou fazer caminhadas.

16 – Divertido, costumava fazer piadas a respeito de si mesmo, especialmente sobre sua voz quando precisava cantar.

17 – Dono de uma memória impecável, Karol tinha um mapa com todas as dioceses do mundo devidamente anotadas. Ele era conhecido também por se lembrar dos nomes de guardas, seminaristas e conhecidos aleatórios.

18 – Foi a pessoa mais vista da história da humanidade – estima-se que pelo menos 500 milhões de pessoas já tenham visto João Paulo II de pertinho.

19 - Em 1947, Karol visitou Padre Pio que ouviu sua confissão. Papa João Paulo II canonizou-lo 55 anos depois.

Fonte: Impact Culture

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Reality shows: será que devo assistir?

Os “reality shows” esvaziam a nossa inteligência e provocam em nós uma imbecilidade crônica

“Se você acha que o José deve ser eliminado disque 0800 tra-la-lá, tra-la-lá. Mas se você acha que o eliminado deve ser o Mané disque 0800 tre-le-lé, tre-le-lé. Decida quem será o eliminado desta noite”.

Reality shows será que devo assistir

Não sou um rapaz tão velho, também não sou novinho, mas nos últimos anos, nunca ouvi tanto – sobretudo na TV – o verbo “eliminar”. Talvez levaram para a telinha uma cultura que há anos o ser humano vem fazendo com o seu próximo, o que me leva a recordar uma máxima de Tomas Hobbes: “O homem é o lobo do homem”.

A manipulação por trás do entretenimento

Cá entre nós, não sei mais que reflexão fazer dos programas de televisão como os “reality shows”, que a cada dia mais confinam pessoas em casas, fazendas e ônibus, como a única alternativa de atrair os telespectadores e arrecadar milhões dos patrocinadores e do público. Mas penso também que esses programas são apenas expressão de uma sociedade que já não reflete.
A sensação é de que zombam de nossos sentimentos e brincam com nossos instintos. Você se torna o pré-adolescente que ficou lá atrás, aquele mesmo que espiava a vizinha pela janela todos os dias, buscando algo diferente. Mas agora a janela é a sua sala, e você não está sozinho, pois ao seu lado está sua filha, seu filho, seu(a) esposo(a), seus netos…

Não importa a cena, se é de briga com palavrões e “piiii” ou algo se mexendo debaixo do edredom, não importa se há uma criança na sala ou um idoso, você está curioso e não pode esperar a próxima oportunidade para dar uma “espiadinha na casa”. Semana a semana, o seu telefone se torna como a “maçã do paraíso”, quase impossível de resistir: “disque agora mesmo e decida quem será o eliminado da semana” diz o apresentador de TV com uma trilha sonora estilo Alfred Hitchcock de fundo.

O ser humano e sua dignidade

Tenho a sensação de que estão se referindo a algum tipo de animal selvagem, briga de galo, corrida de lebre, mas não, se trata de seres humanos desesperados por dinheiro e fama tal qual as crianças da Somália por um prato de comida.

Conteúdo do programa? Não existe, pois querem a excitação dos instintos, da curiosidade, do que há de pior em nós. Você vai do céu ao inferno de capítulo em capítulo. Vira carrasco de si e dos outros a cada 0800. Pouco a pouco se torna parte da cultura da eliminação. Valores como perdão, amabilidade, mansidão e amor ao próximo se evaporam como chuva de verão em chão quente. Você se diz cristão, mas quando assuntos como aborto, eutanásia e pena de morte são expostos, já está lá, no seu inconsciente, um princípio de eliminação, e não fica difícil aceitá-los.

Você vê uma criança desnutrida debaixo de um viaduto, em um semáforo ou lixão, e nem imagina que também ela é fruto de um telefonema: “Basta ligar no 0800… o custo é de R$… por minuto”. Diz o apresentador zombando do seu senso de compaixão.

São programas tipo “reality shows” que esvaziam a nossa inteligência e provocam em nós uma imbecilidade crônica. Estão nos ensinando o bê-á-bá da burrice e da indiferença.

E você? Já eliminou alguém hoje?

“Com 43% dos votos o eliminado desta noite foi….”. Diz o apresentador da TV em nossas vidas.

Daniel Machado - Canção Nova

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Nossa Senhora Aparecida e alguns de seus primeiros milagres


O cavaleiro e a marca da ferradura


Um cavaleiro de Cuiabá, passando por Aparecida, ao se dirigir para Minas Gerais, viu a fé dos romeiros e começou a zombar, dizendo que aquela fé era uma bobagem. Quis provar o que dizia entrando a cavalo na igreja. Logo na escadaria, a pata de seu cavalo se prendeu na pedra da escada da igreja (Basílica Velha), vindo a derrubar o cavaleiro de seu cavalo. Após o incidente, a marca da ferradura ficou cravada na pedra. O cavaleiro arrependido, pediu perdão e se tornou devoto da santa.

A menina cega

Mãe e filha caminhavam às margens do Rio Paraíba do Sul (onde a imagem apareceu para os três pescadores), quando surpreendentemente a filha cega de nascença comenta surpresa com a mãe: “Mãe como é linda esta igreja”. Daquele momento em diante a menina começa a ver.

O menino no rio

Pai e filho saem para pescar. Durante a pescaria, com a correnteza muito forte, e por um descuido qualquer, o menino caiu no rio. Por não saber nadar, a correnteza arrastava o menino cada vez mais rápido, e o pai desesperado pediu à Nossa Senhora Aparecida para salvar o menino. De repente o corpo do menino parou de ser arrastado, mesmo em meio a forte correnteza que avançava, e o pai salvou o menino.

O homem e a onça

Um homem estava voltando para sua casa quando se deparou com uma onça selvagem. Ele se viu encurralado, e a onça entrou em posição de ataque. Neste momento o homem pediu desesperado a Nossa Senhora Aparecida para resguardar sua vida. Milagrosamente, a onça desistiu do ataque, se virou e foi embora.
Fonte: Church Pop 

domingo, 9 de outubro de 2016

15 afimações dos santos que te farão amar ainda mais o rosário


Santos que amam o rosário




Desde que se começou a propagar a devoção ao Santo Rosário, por pedido da Virgem Maria no século XIII, muitos santos e beatos ao longo do tempo tiveram uma profunda devoção a esta oração mariana e ajudaram na sua difusão. A seguir, apresentamos 15 frases de quem cresceu na santidade com o Rosário:

1. São Pio X

“Se quiserdes que a paz reine em vossas famílias e em vossa Pátria, rezai todos os dias, em família, o Santo Rosário”.

2. São Francisco de Sales

“O Santo Rosário é a melhor devoção do povo cristão”.

3. São Luis Maria Grignion de Montfort

“A prática do Santo Rosário é verdadeiramente grande, sublime, divina. Foi o Céu que vo-la deu para converter os pecadores mais endurecidos e os hereges mais obstinados”.

4. Santo Afonso Maria de Ligório

“Se quisermos, pois, ajudar as santas almas do purgatório, procuremos rogar por elas à Santíssima Virgem em todas as nossas orações, aplicando-lhes especialmente o Santo Rosário, que lhes dá grande alívio”.

5. Santo Antônio Maria Claret

“Felizes as pessoas que rezam bem o Santo Rosário, porque Maria Santíssima lhes obterá graças na vida, graças na hora da morte e glória no Céu”.

6. São João Maria Vianney (Cura d’Ars)

“Com esta arma, afastei muitas almas do diabo”.

7. São João Bosco

“Todas as minhas obras e trabalhos têm como base duas coisas: A Missa e o Rosário”.

8. Santa Teresinha do Menino Jesus (Teresinha de Lisieux)

“Pelo Rosário, podemos tudo alcançar. Segundo uma bela comparação, é uma longa cadeia que liga o céu e a terra: uma das extremidades está entre as nossas mãos e a outra nas da Santíssima Virgem. Enquanto o Rosário for rezado, Deus não poderá abandonar o mundo, pois essa oração é poderosa em seu coração”.

9. Beato Paulo VI

“A recitação do Rosário requer um ritmo tranquilo e certa demora a pensar, que favoreçam, naquele que ora, a meditação dos mistérios da vida do Senhor, vistos através do Coração d’Aquela que mais de perto esteve em contato com o mesmo Senhor”.


10. São João XXIII

“O Rosário é uma excelente forma de oração meditada, composta como uma coroa mística”.

11. São João Paulo II

“O Rosário acompanhou-me nos momentos de alegria e nas provações. A ele confiei tantas preocupações; nele encontrei sempre conforto”.

12. Santa Teresa de Calcutá

“Apegue-se ao Rosário como as folhas de hera se agarram na árvore; porque sem Nossa Senhora não podemos permanecer”.

13. São Pio de Pietrelcina

“Amai Nossa Senhora e tornai-A amada. Rezai sempre o seu Rosário e divulgai-o”.

14. São João Berchmans

“Deem-me minhas armas: a cruz, a coroa do Rosário da Santíssima Virgem e as regras da Companhia. Estas são minhas três prendas mais amadas; com elas morrerei feliz”.

15. São Miguel Febres (Santo Hermano Miguel)

“Um cristão sem Rosário é um soldado sem armas”.

Fonte: ACI Digital

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

São Francisco de Assis explica a perfeita alegria

Uma alegria radical, surpreendente e incompreensível para a mente do mundo!





Vindo São Francisco certa vez de Perusa para Santa Maria dos Anjos com frei Leão, em tempo do inverno e atormentado pelo fortíssimo frio, frei Leão pediu-lhe:

Pai, peço-te, da parte de Deus, que me digas onde está a perfeita alegria.

E São Francisco assim lhe respondeu:

Quando chegarmos a Santa Maria dos Anjos, inteiramente molhados pela chuva e transidos de frio, cheios de lama e aflitos de fome, e batermos à porta do convento, e o porteiro chegar irritado e disser:

‒ Quem são vocês?

E nós dissermos:

‒ Somos dois dos vossos irmãos, e ele disser:

‒ Não dizem a verdade; são dois vagabundos que andam enganando o mundo e roubando as esmolas dos pobres; fora daqui!

E não nos abrir e deixar-nos estar ao tempo, à neve e à chuva, com frio e fome até à noite: então, se suportarmos tal injúria e tal crueldade, tantos maus tratos, prazenteiramente, sem nos perturbarmos e sem murmurarmos contra ele (…) escreve que nisso está a perfeita alegria.

E se ainda, constrangidos pela fome e pelo frio e pela noite batermos mais e chamarmos e pedirmos pelo amor de Deus com muitas lágrimas que nos abra a porta e nos deixe entrar, e se ele mais escandalizado disser:

‒ Vagabundos importunos, pagar-lhes-ei como merecem.

E sair com um bastão nodoso e nos agarrar pelo capuz e nos atirar ao chão e nos arrastar pela neve e nos bater com o pau de nó em nó:

Se nós suportarmos todas estas coisas pacientemente e com alegria, pensando nos sofrimentos de Cristo bendito, as quais devemos suportar por seu amor:

Ó irmão Leão, escreve que aí e nisso está a perfeita alegria, e ouve, pois, a conclusão, irmão Leão.

Acima de todas as graças e de todos os dons do Espírito Santo, os quais Cristo concede aos amigos, está o de vencer-se a si mesmo, e, voluntariamente, pelo amor, suportar trabalhos, injúrias, opróbrios e desprezos.

Excerto dos “Fioretti de São Francisco”, via Contos e Lendas Medievais

sábado, 1 de outubro de 2016

Achega-te 2016 - Cerco de Jericó

Está se aproximando o Achega-te, um dos maiores eventos da Comunidade Encontro, que nesse ano vem com uma proposta bem inovadora: Cerco de Jericó. Acontecerá nos dias 12 a 18 de outubro, 7 dias e 7 noites de oração do Rosário diante do Santíssimo.
Serão 167h ininterruptas de rosários com transmissão ao vivo pela Web Rádio Encontro também.
Nesses dias não teremos Celebração da Palavra em Betesda como acontece nas terças, nem Grupo de Oração Ágape, estaremos juntos nesse clamor ao Senhor pelas mãos da Virgem Maria.
Como em todos nossos eventos teremos praça de alimentação no local com variados salgados (não venderemos almoço), porém não estará aberto o acampamento.
Estaremos te esperando em Betesda e na Web Rádio Encontro para essa forte experiência com o Céu. Nossa vida não será a mesma depois desses dias! Acredite.
Participe da pesquisa sobre o Achega-te clicando na imagem abaixo:
Saiba mais e participe da pesquisa!

Vote consciente!

Vote Consciente

É ano de eleições. Vários candidatos a prefeito e vereador estão de olho no seu voto, para serem eleitos e, assim, poderem, legitimamente, governar seu município. O bom político sabe governar bem o município, e busca gerir os rumos de uma cidade da melhor forma possível. Já uma pessoa interesseira ou egoísta não saberá ser bom administrador do bem comum e da vida de todos.

Os bispos do Brasil “convocam os leigos e leigas para serem protagonistas antes, durante e depois do processo eleitoral, assumindo uma democracia atuante. A Igreja conclama que é preciso estar atento às fontes de arrecadação, bem como, à prestação de contas por parte dos candidatos”.

Ninguém pode abdicar da participação na política. Todavia precisamos escolher e votar em candidatos honestos e competentes. O católico que recebeu o dom de Deus para governar e cuidar do bem público não pode se omitir. 

Hoje, temos muitos políticos maus porque sempre foram interesseiros e corruptos e, mesmo cientes disso, os elegemos, votamos mal. Por outro lado, muitas pessoas boas acharam melhor não entrar na política. Como lembra nosso Papa Francisco, a política é uma nobre forma de caridade: “devemos envolver-nos na política, pois a política é uma das formas mais altas da caridade, porque busca o bem comum. Se a política se tornou uma coisa suja, isso se deve também ao fato de que os cristãos se envolveram na política sem espírito evangélico”.

As eleições municipais são uma ocasião de fortalecimento da democracia, que deve ser cada vez mais participativa. Nosso horizonte é sempre a construção do bem comum. Digamos não à intolerância política. Nada de agredir ou difamar a outra pessoa: nunca! É fundamental respeitar as diferenças e não fazer delas motivo para inimizades ou animosidades que desemboquem em violência.

Importante é conhecer os candidatos e as suas propostas de trabalho e saber distinguir claramente as funções a que se candidatam. Dos prefeitos espera-se conduta ética nas ações públicas, nos contratos assinados, nas relações com os demais agentes políticos e poderes econômicos. Dos vereadores se requer ação correta de fiscalização e legislação, que não passe por uma simples presença na bancada de sustentação ou de oposição ao executivo.

A Igreja incentiva os cristãos leigos e leigas, que têm vocação para a militância político-partidária, a se lançarem candidatos. No discernimento dos melhores, levemos em conta o compromisso com a vida, com a justiça, com a ética, com a transparência, com o fim da corrupção, além do testemunho na comunidade de fé, que não deveriam abandonar, nem antes e nem depois da Eleição.
A partir do Evangelho de Jesus, a Igreja convida os cristãos a votarem em candidatos que se proponham a governar pelos pobres, e, a partir destes, para todos. Só merece nosso voto quem já fez e está fazendo o bem para a sua comunidade. Quem só promete não merece nosso voto.

Dom João Inácio Müller
Bispo da Diocese de Lorena (SP) e articulista da Revista Canção Nova