Google+ Setembro 2016 ~ Comunidade Encontro

Clique e ouça!

24h de música católica para você!

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Dez motivos para ler a Bíblia. Qual é o seu?

Resultado de imagem para biblia
Estamos no último dia do mês da Bíblia, mas ainda há tempo para meditar com ela, permitir que seja lâmpada para os seus passos, luz para seu caminho. Considere que existam pelo menos dez razões para entrar no fascinante mundo da Sagrada Escritura. 

1. Conhecer a Deus
Seria impossível sabermos algo de Deus se Ele não nos tivesse revelado. E isso Ele fez através da Sua Palavra. Por isso, para poder conhecê-Lo e criar com Ele uma relação pessoal de amor e confiança, é indispensável ler a Sua Palavra. 

2. Conhecer a si mesmo
A Palavra de Deus penetra até o ponto de divisão entre a alma e o espírito (cfr. Eb 4,12). Lê-la nos permite conhecer a fundo nós mesmos. Isso sem partir da ótica humana do juízo e da condenação, mas do olhar esperançoso e misericordioso de Deus.

3. Receber luz
O salmista afirma que a Palavra é lâmpada para os passos e luz no caminho (cfr. Sl 119, 105). Tem sempre uma mensagem para iluminar a sua situação atual. Tem sempre alguma coisa de pertinente a lhe dizer; às vezes o consola, outras vezes exorta. Pode também tranquilizar, às vezes o inquieta e agita, mas pode ter certeza que lhe dá sempre aquilo de que precisa para a alma.

4. Dialogar com Deus
Tem quem acredite que rezar consiste somente em falar com Deus, porque Ele não diz nada. Mas Deus fala através da Sua Palavra. Ler a Bíblia lhe permite escutar aquilo que Ele quer dizer, para poder depois respondê-Lo, dialogar com Ele e, com a Sua graça, colocar em prática. 

5. Participar da reflexão e da oração de toda a Igreja
Quando você lê os textos proclamados a cada dia na Missa, ou na Liturgia das Horas, une-se a milhões de católicos em todo o mundo que, naquele mesmo momento, estão lendo, escutando, refletindo, rezando com as mesmas palavras. Ler a Palavra lhe permite participar ativamente da unidade e universalidade da Igreja.

6. Colocar-se dentro da história da Salvação
Ler a Bíblia lhe permite descobrir como Deus se revelou ao ser humano, estabeleu uma aliança com o homem, promeu o Seu amor e a Salvação e respeitou esta promessa. Conhecer o passado lhe permite compreender o presente e vivê-lo com a alegria de saber que está fazendo parte do povo de Deus, que você é membro do Seu rebanho, ovelha do Bom Pastor.

7. Conhecer, compreender e amar a Igreja
Ler a Bíblia lhe permite conhecer a Igreja da qual faz parte para compreendê-la e amá-la mais, e se alegrar pelo fato de pertencer a ela sabendo que foi fundada por Cristo. Além do fato de que é formada por seres humanos propensos ao erro, como você e eu. A Igreja é conduzida através da história pelo Espírito de Deus.

8. Anunciar a Boa Nova
Ler a Bíblia lhe permite cumprir o mandato de Jesus de ir ao mundo todo e anunciar a Boa Nova (cfr. Mc 16,15). Apenas conhecendo a Escritura é possível compartilhar a Sua luz com outros.

9. Conhecer e defender a fé
São Paulo diz que cada texto da Escritura é útil para ensinar (cfr. 2Tm 3,16). Conhecer a Bíblia lhe permite enfrentar quem ataca a sua fé católica e respondê-los não somente com clareza, mas também com argumentações sólidas. 

10. Viver com liberdade e alegria
Ler a Bíblia lhe dá liberdade e alegria. A liberdade daqueles que vivem a alegria de ter abandonado a imobilidade das trevas e caminham em direção Daquele que é a Luz. A alegria de saber que Ele está contigo todos os dias, até o fim do mundo, e a alegria de anunciá-Lo aos outros, como pede o Papa Francisco.

Eis aí dez motivos, são apenas os primeiros dez. Leia a Bíblia e você irá descobrir que existem tantos outros.

Fonte: Aleteia

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

7 coisas sobre os arcanjos Gabriel, Rafael e Miguel que talvez você não saiba


Neste dia 29 de setembro, a Igreja celebra a festa dos Santos Arcanjos

No dia 29 de setembro, a Igreja Católica celebra a festa de três Santos Arcanjos: São Miguel, São Gabriel e São Rafael. Confira a seguir sete coisas que talvez não sabia sobre eles:

1. São os mais próximos aos humanos
Desde Pseudo-Dionisio, Padre da Igreja do século VI, está acostumado a se enumerar três hierarquias de anjos. Na primeira estão os Serafins, Querubins e Tronos. Depois vem as Dominações, Virtudes e Potestades. Enquanto que na terceira hierarquia estão os Principados, Arcanjos e Anjos. Estes últimos são os que estão mais próximos às necessidades dos seres humanos.

2. São mensageiros de anúncios importantes
A palavra Arcanjo provém das palavras gregas “Arc” que significa “principal” e “anjo” que é “mensageiro de Deus”. Vejamos o que diz São Gregório Magno:
“Deveis saber que a palavra ‘Anjo’ designa uma função, não uma natureza. Na verdade, aqueles santos espíritos da pátria celeste são sempre espíritos, mas nem sempre se podem chamar Anjos. Só são Anjos quando exercem a função de mensageiros. Os que transmitem mensagens de menor importância chamam-se Anjos; os que transmitem mensagens de maior transcendência chamam-se Arcanjos.

3. Existem sete Arcanjos segundo a Bíblia
No livro do Tobias (12,15), São Rafael se apresenta como “um dos sete anjos que estão diante da glória do Senhor e têm acesso a sua presença”. Enquanto que no livro do Apocalipse (8,2), São João descreve: “vi os sete Anjos que estavam diante de Deus, e eles receberam sete trombetas”. Por estas duas citações bíblicas, afirma-se que são sete Arcanjos.

4. Somente conhecemos três nomes
A Bíblia somente menciona o nome de três Arcanjos: Miguel, Rafael e Gabriel. Os outros nomes (Uriel, Barachiel ou Baraquiel, Jehudiel, Saeltiel) aparecem em livros apócrifos de Enoc, o quarto livro do Esdras e em literatura rabínica. Entretanto, a Igreja somente reconhece os três nomes que estão nas Sagradas Escrituras. Os outros podem servir como referência, mas não são doutrina.

5. Gabriel significa “a força de Deus”
No Antigo Testamento, São Gabriel Arcanjo aparece no livro sagrado de Daniel explicando ao profeta uma visão do carneiro e o cabrito (Det. 8), assim como instruindo-o nas coisas futuras (Det. 9,21-27). Nos Evangelhos, São Lucas (1,11-20) o menciona anunciando a Zacarias o nascimento de São João Batista e à Maria (Lucas 1,26-38) que conceberia e daria a luz Jesus.
São Gabriel Arcanjo é conhecido como o “anjo mensageiro”, representado com uma vara de perfumada açucena e é padroeiro das comunicações e dos comunicadores, pois através da Anunciação trouxe ao mundo a mais bela notícia.

6. Rafael em hebreu é “Deus cura”
O único livro sagrado que menciona a São Rafael Arcanjo é o de Tobias e figura em vários capítulos. Ali se lê que Deus envia este Arcanjo para que acompanhe a Tobias em uma viagem, na qual se casou com Sara.
Da mesma maneira, São Rafael indicou a Tobias como devolver a visão ao seu pai. Por esta razão é invocado para afastar doenças e conseguir terminar bem as viagens.

7. Miguel significa “Quem como Deus”
O nome do Arcanjo Miguel vem do hebreu “Mija-El” que significa “Quem como Deus ” e que, segundo a tradição, foi o grito de guerra em defesa dos direitos de Deus quando Lúcifer se opôs aos planos salvíficos e de amor do Criador.
A Igreja Católica teve sempre uma grande devoção ao Arcanjo São Miguel, especialmente a fim de pedir-lhe que nos liberte dos ataques do demônio e dos espíritos infernais. Costuma ser representado com a roupa de guerreiro ou soldado centurião pondo seu calcanhar sobre a cabeça do inimigo.

Fonte: ACI Digital

terça-feira, 27 de setembro de 2016

6 razões pelas quais todo cristão deveria fazer exercícios regularmente

pratique esportes
 Amo fazer exercícios.
Não, é sério. Depois de muitas horas em que meus filhos me fazem de brinquedo, me sinto muito bem com meu coração bombeando e meus membros movendo-se naturalmente.
Fazer exercício é maravilhoso.
Apesar disso, não me exercito tanto quanto gostaria. De alguma forma me sentiria um pouco egoísta se dissesse: “Muito bem, estes próximos quinze minutos vou focar em mim.” Sempre tem cômodos que precisam ser limpos e arrumados, deveres a ser feitos, artigos para terminar e filhos que pedem mais uma história. Quem tem tempo para exercícios?
Estou certa de que outras pessoas tem suas próprias versões para a mesma história: exercícios são maravilhosos em teoria, mas de alguma maneira não ajudam a terminar com a lista de tarefas domésticas.
Porém, é algo que não deveríamos privar-nos. Aqui estão algumas razões a seu favor:

1) Teu corpo é um templo
São Paulo dizia aos Coríntios que devemos “glorificar a Deus com nosso corpo”. Deus criou o corpo humano, e pessoalmente creio que Ele fez um excelente trabalho.
Claro, todas as coisas devem ser feitas com moderação. Óbvio que não deve ser obsessivo e nem vaidoso, especialmente sobre sua aparência pessoal. Mas, manter-se saudável exercitando-se, é administrar bem um dos dons mais preciosos que Deus nos deu.

2) Se você é casado, seu corpo pertence ao seu cônjuge
Esta pequena pérola está um pouco mais a frente na mesma passagem bíblica. Quando se tornou uma só carne com a outra pessoa, você ofereceu seu corpo ao seu esposo/esposa. Esta é mais uma razão para cuidar bem dele.

3) Todos os que você ama, se beneficiam do seu “sentir-se bem”
O exercício é uma boa invenção. Quinze minutos ao dia me dão mais energia do que quando abandono à rotina. Isso me faz mais eficiente com o restante do meu trabalho, e menos irritada com meus filhos. Vale a pena o pequeno sacrifício, me mantenho ativa e com uma boa sensação para o resto do dia.

4) A longo prazo, sua família apreciará ainda mais os benefícios
Eles querem te ter com eles, de preferência saudável, o maior tempo possível. Se tens filhos pequenos deve além da atenção, passos rumo uma vida mais saudável.
Se acha importante ter um seguro de vida para seu bem-estar e o das pessoas que dependem de você, pense então no exercício como uma forma de “seguro de vida”. Precisa se manter com vida durante os anos que for mais necessitado.

5) Se tem filhos, deve ser um bom exemplo mediante o parâmetro de hábitos saudáveis
Parte de criar os filhos é ensiná-los boa disciplina. Certamente o exercício não é tão importante como a oração e a missa, mas é uma excelente forma de disciplina.
Seus filhos podem se queixar de que querem sua atenção, mas na realidade você está ensinando uma boa lição, mostrando que o exercício é uma parte normal da rotina diária. Às vezes, inclusive, podem fazê-lo contigo.

6) O exercício é uma boa analogia da vida
Em um mundo decaído pelo pecado, estamos em constante busca de uma perfeição, que nunca alcançamos (a menos não desse lado da cova). O exercício é um grande exemplo disto. Inclusive, se não nos incluirmos à rotina, sempre terá alguém por aí que é mais rápido, mais forte e estará em melhor forma que você. Bem vindo à mortalidade.
Porém, essa é uma razão para nos exercitarmos. Ter em conta nossas faltas, nos recorda sempre que temos que trabalhar mais, e que em última instância, é a graça de Deus quem nos traz para casa.

Fonte: Church Pop

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Você sabe como surgiu o Cerco de Jericó?

cerco de jericó

A prática do Cerco de Jericó tem origem no Antigo Testamento
Torna-se cada vez mais comum as comunidades adoradoras fazerem o Cerco de Jericó. De que se trata?
Esta prática nasceu na Polônia. Consiste na oração incessante de Rosários, durante sete dias e seis noites, diante do Santíssimo Sacramento exposto.
De onde veio a inspiração para o “Cerco de Jericó”? No Antigo Testamento, depois da morte de Moisés, Deus escolheu Josué para conduzir o povo hebreu. Deus disse a Josué que atravessasse o Jordão com todo o povo e tomasse posse da Terra Prometida. A cidade de Jericó era uma fortaleza inexpugnável. Ao chegar junto às muralhas de Jericó, Josué ergueu os olhos e viu um Anjo, com uma espada na mão, que lhe deu ordens concretas e detalhadas.Josué e todo Israel executaram fielmente as ordens recebidas: durante seis dias, os valentes guerreiros de Israel deram uma volta em torno da cidade. No sétimo dia, deram sete voltas. Durante a sétima volta, ao som da trombeta, todo o povo levantou um grande clamor e, pelo poder de Deus, as muralhas de Jericó caíram… (cf. Js 6).
O Santo Padre João Paulo II devia ir à Polônia a 8 de maio de 1979, para o 91º aniversário do martírio de Santo Estanislau, bispo de Cracóvia. Era a primeira vez que o Papa visitava o seu país, sob o regime comunista; era uma visita importantíssima e muito difícil. Aqui começaria a ruína do comunismo ateu e a queda do muro de Berlim.
Em fins de novembro de 1978, sete semanas depois do Conclave que o havia eleito Papa, Nossa Senhora do Santo Rosário teria dado uma ordem precisa a uma alma privilegiada da Polônia: “Para a preparação da primeira peregrinação do Papa à sua Pátria, deve-se organizar na primeira semana de maio de 1979, em Jasna Gora (Santuário Mariano), um Congresso do Rosário: sete dias e seis noites de Rosários consecutivos diante do Santíssimo Sacramento exposto.”
No dia da Imaculada Conceição (8 de dezembro de 1978), Anatol Kazczuck, daí em diante promotor desses Cercos, apresentou a ordem da Rainha do Céu a Monsenhor Kraszewski, bispo auxiliar da Comissão Mariana do Episcopado. Ele respondeu: “É bom rezar diante do Santíssimo Sacramento exposto; é bom rezar o Terço pelo Papa; é bom rezar
em Jasna Gora. Podeis fazê-lo.”
Anatol apresentou também a mensagem de Nossa Senhora a Monsenhor Stefano Barata, bispo de Czestochowa e Presidente da Comissão Mariana do Episcopado. Ele alegrou-se com o projeto, mas aconselhou-os a não darem o nome de “Congresso”, para maior facilidade na sua organização. Então, deu-se o nome de “Cerco de Jericó” a esta iniciativa.
O padre-diretor de Jasna Gora aprovou o projeto, mas não queria que se realizasse em maio por causa dos preparativos para a visita do Santo Padre. Dizia ele: “Seria melhor em abril.” “Mas a Rainha do Céu deu ordens para se organizarem esses Rosários permanentes na primeira semana de maio”, respondeu o Sr. Anatol. O padre aceitou, recomendando-lhe que fossem evitadas perturbações.
A Santíssima Virgem sabia bem que o Cerco de Jericó em maio não iria perturbar a visita do Papa, porque ele não viria. E, logo a seguir, as autoridades recusaram o visto de entrada no país ao Santo Padre, como tinham feito a Paulo VI em 1966. Consternação geral em toda a Polônia! O Papa não poderia visitar a sua Pátria.
Foi, então, com redobrado fervor que se organizou o “assalto” de Rosários. E, no dia 7 de maio, ao mesmo tempo que terminava o Cerco, caíram “as muralhas de Jericó”. Um comunicado oficial anunciava que o Santo Padre visitaria a Polônia de 2 a 10 de junho. Sabe-se como o povo polonês viveu esses nove dias com o Papa, o “seu” Santo Padre, numa alegria indescritível!
No dia de 10 de junho, João Paulo II terminava a sua peregrinação, consagrando, com todo Episcopado polonês, a nação polaca ao Coração Doloroso e Imaculado de Maria, diante de um milhão e quinhentos mil fiéis reunidos em Blonic Kraskoskic. Foi a apoteose!
Depois dessa estrondosa vitória, a Santíssima Virgem ordenou que se organizassem Cercos de Jericó todas as vezes que o Papa João Paulo II saísse em viagem apostólica. “O Rosário tem um poder de exorcismo”, dizem os nossos amigos da Polônia, “ele torna o demônio impotente.”
Por ocasião do atentado contra o Papa, em 13 de maio de 1981, os poloneses lançaram de novo um formidável “assalto” de Rosários e obtiveram o seu inesperado restabelecimento. Mais uma vez, as muralhas de ódio de Satanás se abatiam diante do poder da Ave-Maria.
Em várias partes do mundo estão sendo realizados agora Cercos de Jericó. A 2 de fevereiro de 1986, aquela mesma alma privilegiada recebia outra mensagem da Rainha Vitoriosa do Santíssimo Rosário: “Ide ao Canadá, aos Estados Unidos, à Inglaterra e à Alemanha para salvar o que ainda pode ser salvo.” Nossa Senhora pede que se organizem os Rosários permanentes e os Cercos de Jericó, se queremos ter certeza da vitória.
Prof. Felipe Aquino

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

5 fatos sobre São Padre Pio e o Anjo da Guarda

SÃO PADRE PIO
Hoje, dia 23 de Setembro, a Igreja celebra a festa de São Pio de Pietrelcina, o sacerdote e santo dos estigmas que tinha muita devoção e proximidade a seu anjo da guarda. Confira a seguir, segundo a tradição, cinco fatos que talvez não sabia sobre o Pe. Pio e os anjos.

1. Achava que todos podiam vê-lo

Segundo a Obra dos Santos Anjos, associação católica que difunde entre os fiéis a devoção dos santos Anjos e possui estatutos próprios aprovados pela Santa Sé, dizem que quando o Pe. Pio ainda era muito pequeno começou a ter visões do seu anjo da guarda, Jesus e Maria. Sua mãe disse que ele pensava que todo mundo podia vê-los.

2. Juntos contra o demônio

Em certas ocasiões, o demônio manchava as cartas que seu confessor lhe enviava e seguindo o conselho do seu anjo da guarda, quando chegava uma carta, antes de abri-la, o santo a aspergia com água benta e desta maneira podia lê-las.
“O companheiro de minha infância tenta suavizar as dores que me causavam aqueles impuros apóstatas embalando meu espírito como sinal de esperança” (Carta. I,321), destacava o santo sacerdote.
Não obstante, certa vez o demônio estava batendo em Pe. Pio e o santo chamou várias vezes em voz alta seu anjo da guarda, mas foi inútil. Em seguida, quando o anjo apareceu a consolá-lo, Pe. Pio zangado lhe perguntou por que não o socorreu.
O anjo lhe respondeu: “Jesus permite estes assaltos do diabo porque Sua compaixão te faz querido a Ele e queria que lhe assemelhasse isso no deserto, no jardim e na cruz” (Carta I, 113).

3. Traduzia as cartas

Quando recebia alguma carta escrita em francês, o anjo da guarda a traduzia. Uma vez, Pe. Pio escreveu: “Se a missão de nosso anjo da guarda é importante, a do meu com certeza é maior, porque também deve ser professor na tradução de outras línguas” (Carta I,304).

4. Seu anjo o despertava e rezava com ele

Narrava o Santo capuchinho: “De noite, fechava meus olhos, via descer o véu e abrir-se diante de mim o paraíso; e, consolado por esta visão, durmo com um sorriso de doce e feliz nos lábios e com uma grande tranquilidade no meu semblante, esperando que meu pequeno companheiro de infância venha despertar-me e, desta forma, rezar juntos as orações matutinas ao amado de nossos corações” (Carta I,308).

5. Falava com outros anjos da guarda

“Se precisarem de mim – repetia o Santo aos seus filhos espirituais –, podem me mandar seu anjo da guarda”. Certo dia, Frei Alessio Parente (Frei menor capuchinho) aproximou-se de Pe. Pio com algumas cartas na mão a fim de fazer-lhes algumas perguntas e o sacerdote não pôde atendê-lo.
Em seguida, o sacerdote dos estigmas o chamou e lhe disse: “Não viu todos aqueles anjos que estavam aqui ao meu redor? Eram os anjos da guarda dos meus filhos espirituais que vieram trazer-me suas mensagens. Tive que responder-lhes rapidamente”.

O venerado Pe. Pio de Pietrelcina sempre reconheceu e agradeceu a missão do anjo da guarda como “mensageiro” e por isso recomendava sua devoção.
  • Leia também:

Meu inimigo não é o irmão!

ecumenismo




"Meu inimigo não é o irmão / Não devo odiar a ninguém / Nem estou aqui pra disputar / Só porque não caminhamos do mesmo jeito"
Esse é o refrão da música "Muito prazer em te conhecer" composta por nosso fundador Clayton que estará no álbum do Ministério Encontro "Entardecer". E ela nos impulsiona a, justamente, amar os irmãos, mesmo com todas as diferenças culturais, religiosas ou de apenas na convivência. "Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares" (Ef 6, 12).

A Comunidade Encontro, como nosso próprio nome já diz, é essa promotora do ENCONTRO, seja ele em qual ocasião e situação forem necessárias, nós nascemos para encontrar. Graças a Deus, o mesmo Espírito que suscitou no coração do nosso fundador esse carisma tão apaixonante é o mesmo que conduz a Santa Igreja pastoreada por Papa Francisco que em Maio desse ano (2016) disse numa audiência privada com pastores pentecostais do mundo todo:
"O Espírito Santo cria diversidade na Igreja. A diversidade é bela, mas o próprio Espírito Santo também cria unidade, para que a Igreja esteja unida na diversidade: para usar uma palavra bonita, uma diversidade reconciliadora”.
Papa com Pastores PentecostaisNa ocasião citada acima, Francisco se reuniu com a comunidade de pentecostais da cidade ao norte de Nápoles e com 350 protestantes vindos de diversas as partes do mundo. O grupo era guiado pelo Pastor Giovanni Traettino, cuja comunidade “Igreja Pentecostal da Reconciliação, em Caserta, foi visitada pelo Papa Francisco em 28 de julho de 2014.
O encontro - realizado numa das salas do complexo projetado por Pierluigi Nervi para as audiências papais - foi caracterizado por uma viva cordialidade e espírito de oração pela unidade. Foram os próprios pastores que manifestaram o desejo de encontrar Francisco. O Papa estava acompanhado pelo Presidente do Pontifício Conselho para a Unidade dos Cristãos, Cardeal Kurt Koch.
A visita do Papa Francisco ao Pastor em 2014 foi considerada histórica, por ser a primeira vez que um Papa viaja do Vaticano para se encontrar com um pastor protestante.
“Entre as pessoas que perseguiram os pentecostais também houve católicos, disse Bergoglio na ocasião. Eu sou o pastor dos católicos e peço perdão por aqueles irmãos e irmãs católicos que não compreenderam e foram tentados pelo diabo”.

Não pensemos que a luta pela unidade e ecumenismo cabe apenas ao Santo Padre, mas como ovelhas devemos obedecer as suas cajadadas que nos ensinam a amar. "A começar em nós" para depois mudarmos o restante do mundo.

Aqui no Brasil, em Junho ocorreu nos estúdios da TV Século 21 a gravação do DVD "Somos Um", um projeto que deseja promover a unidade dos cristãos. Além do cardeal Arcebispo Dom Orani Tempesta, do Rio de Janeiro, e do Pe Douglas Pinheiro (assessor para o diálogo ecumênico da Diocese de Osasco), participam os cantores católicos como Tony Allyson e Olívia Ferreira, entre outros. Também participa os cantores evangélicos Pr Asaph Borba e o Pr Bené Gomes.
O idealizador do projeto é Izaías Carneiro, fundador da Comunidade Coração Novo, do Rio de Janeiro. Ele trabalha há 25 anos com a Equipe de Serviço do Encontro de Cristãos em Busca da Unidade e da Santidade (ENCRISTUS). O DVD recebeu o apoio da CNBB por meio de seu representante, Dom Francisco Biasin, e do idealizador e fundador da Comunidade Canção Nova, o Monsenhor Jonas Abib.A Rede 21 disse ainda que seu objetivo é levar adiante o pedido que o papa Francisco faz à Igreja, “de pensar como família, preservando – cada um – a sua identidade e colhendo os frutos da diversidade, pela mística do amor, o qual tudo reconcilia”.
"O Caminho é um só, as dificuldades são as mesmas. / Somos todos chamados pelo nome / Vivemos em um mesmo chão / Numa mesma esperança de chegar ao céu / Por isso muito prazer em te conhecer!"
Referências:
Rádio Vaticana e Rede Século 21 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Hoje a Igreja celebra São Mateus Evangelista

SÃO MATEUS

A Igreja recorda neste dia 21 de setembro a figura de São Mateus, Apóstolo e Evangelista, que viveu no Cafarnaum, junto ao lago da Galileia. Ele foi eleito por Jesus para ser um dos Doze que o acompanharam durante sua vida pública. Em uma data como esta, o Papa Francisco descobriu seu chamado sacerdotal.

O Evangelista foi um publicano que cobrava os impostos para os romanos. Ao encontrá-lo realizando esta função, Jesus passou e o chamou. Ele, então, sem questionar seguiu o chamado de Deus.

Ao subir o Senhor aos céus, Mateus pregou durante anos na Judeia e em países próximos.

São Mateus é considerado patrono dos banqueiros e é representado por um livro. São Jerônimo fixou a figura de um homem alado como símbolo de seu Evangelho.

Em uma data como esta, 21 de setembro, no ano de 1953, Jorge Mario Bergoglio, hoje Papa Francisco, tinha 17 anos de idade e experimentou, depois da confissão, o chamado à vida religiosa na Companhia do Jesus, fundada por Santo Inácio de Loyola. Seu escudo pontifício, inclusive, leva o lema “Olhou-o com misericórdia e o escolheu” como se descreve o encontro de Jesus com o Apóstolo Mateus.

Fonte: ACI Digital

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Aborto e Eutanásia: a vida em centavos

 Vote CONTRA o aborto!

Quantas vezes passamos na rua e vemos no chão uma moedinha de alguns centavos… É tão sem valor que não nos damos o trabalho de abaixar para pegá-la. Quem perdeu não se importa e quem achou menos ainda… Infelizmente o dom de viver, hoje se transforma numa pequena moeda que tratamos com desprezo.
Sabe o que é estranho? É que o homem disse se promover, crescer e se valorizar se apartando da fé. Tanto mais se agigantaria o homem quanto mais ele passasse a não se projetar para a eternidade, mas desejasse o aqui e agora. Com toda certeza, sem crer em sua origem e sem ter esperança no futuro glorioso, o hoje, o temporal, vira o sentido da existência. Se este portanto, é conturbado, se tem suas contrariedades, tudo desaba e a vida humana é uma moedinha sem valor no mundo.
O desejo de se colocar no lugar de Deus incutido pelo pecado no homem parece atingir seu grau máximo quando ele se torna árbitro de vida, quando diz a hora que quer morrer ou que os outros morram.
A militância contra a vida parece não ter limites, a guerra da humanidade contra si mesma parece não ter mais fim. O ser humano que se desenvolve no ventre materno, totalmente indefeso é o alvo da ferocidade injusta. Matá-lo não é uma infâmia, virou um direito. Como ficará meu corpo? Como ficará minha fama? Como ficará minha conta? Como ficará meu psicológico? Vai conturbar o meu hoje! Vai dificultar o sentido de minha existência! Mate-o!
Agora, como se não bastasse pela eutanásia matar pessoas idosas ou em alto grau de doença porque não podem mais usufruir dos prazeres do mundo, a moda é promover em filmes românticos e nas universidades, o chamado “suicídio assistido”. A pessoa está sofrendo, não tem mais o que usufruir daqui decide-se matá-la num hospital com uma equipe preparada pra isso. E isso é o mais moderno e evoluído da atualidade.
Não adianta, sem Deus o homem perde sua dignidade, perde o sentido de viver. Como entender o sofrimento como purificação? Como entender que aqui não é o tudo? Como entender que fomos feitos para muito mais? Sem Deus, sem graça, sem a revelação não é possível!
Quanto vale a vida? Quanto vale o tanto de prazer que se pode experimentar? Qual o motivo de travarmos uma batalha contra nós mesmo? Por favor, não trate esse tema como um discurso polarizado entre conservadores e revolucionários… É a vida humana! Somos nós, humanidade!
Porque promovemos a morte? Nós fomos feitos para a vida! Para uma vida tão plena que esta é só um caminho.
Nossas discussões poderiam ser as divergências sobre o modelo político ou filosófico ideal, sobre injustiças históricas, etc.. Mas por que é sobre transformar suicídio ou o assassinato de bebês em direito?

A que ponto estamos chegando e a que ponto vamos avançar ainda?! Homem, Deus fez você como o tesouro da criação! Você vale muito!!!

“Escolhe, pois a vida!”

Publicado originalmente no Facebook do Padre Matheus Pigozzo.

Clique aqui e vote CONTRA o aborto!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

08 de Setembro: Natividade da Virgem Maria

A Igreja celebra neste dia 8 de setembro a Natividade da Santíssima Virgem Maria. “Esta Festividade Mariana é toda ela um convite à alegria, mais precisamente porque, com o nascimento de Maria Santíssima, Deus dava ao mundo como garantia concreta de que a salvação era já iminente”, disse São João Paulo II em 1980.

A celebração da festa da Natividade da Santíssima Virgem Maria é conhecida no Oriente desde o século VI. Foi fixada em 8 de setembro, dia com o que se abre o ano litúrgico bizantino, que é encerrado com a Assunção, em agosto. No Ocidente foi introduzida no século VII e era celebrada com uma procissão-ladainha, que terminava na Basílica de Santa Maria Maior.

O Evangelho não apresenta dados do nascimento de Maria, mas há várias tradições. Algumas consideram Maria descendente de Davi, assinalam seu nascimento em Belém. Outra corrente grega e armênia assinala Nazaré como berço de Maria.

Entretanto, já no século V existia em Jerusalém o Santuário Mariano situado junto aos restos da piscina Probática, ou seja, das ovelhas. Debaixo da formosa Igreja românica, levantada pelos cruzados, que ainda existe – a Basílica de Santa Ana – acham-se os restos de uma basílica bizantina e criptas escavadas na rocha que parecem ter feito parte de uma moradia que se considerou como a casa natal da Virgem.

Esta tradição, fundada em apócrifos muito antigos como o chamado Proto evangelho de São Tiago (século II), vincula-se com a convicção expressa por muitos autores a respeito de que Joaquim, o pai de Maria, fora proprietário de rebanhos de ovelhas. Estes animais eram lavados naquela piscina antes de serem oferecidos no templo.

A festa tem a alegria de um anúncio pré-messiânico. É famosa a homilia que pronunciou São João Damasceno (675-749) um 8 de setembro na Basílica da Santa Ana, durante a qual exclamou:

“Eia!, povos todos, homens de qualquer raça e lugar, de qualquer época e condição, celebremos com alegria a festa natalícia do gozo de todo o Universo. Temos razões muito válidas para honrar o nascimento da Mãe de Deus, por meio da qual todo o gênero humano foi restaurado e a tristeza da primeira mãe, Eva, transformou-se em gozo. Esta escutou a sentença divina: parirá com dor. Maria, pelo contrário, lhe disse: alegra-te, cheia de graça!”.

Fonte: ACI Digital

domingo, 4 de setembro de 2016

Festa no céu e na terra: Papa canonizou Santa Teresa de Calcutá

Em uma multitudinária Missa celebrada neste domingo, 4 de setembro, na Praça de São Pedro, no Vaticano, na qual se calcula que participaram cerca de 120 mil pessoas, o Papa Francisco canonizou Santa Teresa de Calcutá.

Depois de escutar o pedido do Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato, para que a Madre Teresa seja inscrita no livro dos santos, e depois de ler um breve resumo biográfico, procedeu-se à ladainha dos santos.

Após o canto da ladainha, o Santo Padre leu a seguinte fórmula para declarar Santa Madre Teresa de Calcutá:

“Em honra à Santíssima Trindade,
para a exaltação da fé católica
e crescimento da vida cristã,
com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo,
dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo
e a nossa própria,
depois de haver refletido profundamente,
invocando muitas vezes a ajuda divina
e ouvindo o parecer
de numerosos irmãos no episcopado,
declaramos e definimos santa
a Beata Teresa de Calcutá
e a inscrevemos no Catálogo dos Santos,
e estabelecemos que em toda a Igreja
seja devotamente honrada entre os Santos.
Em Nome do Pai e do Filho
E o Espírito Santo.
Amém”.

Ao iniciar a Eucaristia, foi colocado um relicário especial da nova Santa com um grande significado espiritual. Tem a forma de cruz, com um coração ao redor e as relíquias (cabelo e sangue) estão dentro de uma “gota de água” que representa a sede, os pobres e os necessitados do mundo. As cores recordam o branco e o azul do sari (hábito) de Madre Teresa, que também representam a Virgem Maria.

Em sua homilia, o Papa Francisco disse que “Madre Teresa, ao longo de toda a sua existência, foi uma dispensadora generosa da misericórdia divina, fazendo-se disponível a todos, através do acolhimento e da defesa da vida humana, dos nascituros e daqueles abandonados e descartados. Comprometeu-se na defesa da vida, proclamando incessantemente que quem ainda não nasceu é o mais fraco, o menor, o mais miserável”.

“Inclinou-se sobre as pessoas indefesas, deixadas moribundas à beira da estrada, reconhecendo a dignidade que Deus lhes dera; fez ouvir a sua voz aos poderosos da terra, para que reconhecessem a sua culpa diante dos crimes – diante dos crimes! – da pobreza criada por eles mesmos”.

“A misericórdia foi para ela o ‘sal’, que dava sabor a todas as suas obras, e a luz que iluminava a escuridão de todos aqueles que nem sequer tinham mais lágrimas para chorar pela sua pobreza e sofrimento”, ressaltou.

Sua missão, continuou o Papa, “nas periferias das cidades e nas periferias existenciais permanece nos nossos dias como um testemunho eloquente da proximidade de Deus junto dos mais pobres entre os pobres”.

“Hoje entrego a todo o mundo do voluntariado esta figura emblemática de mulher e de consagrada: que ela seja o vosso modelo de santidade!”.

O Santo Padre também fez votos de que “esta incansável agente de misericórdia nos ajude a entender mais e mais que o nosso único critério de ação é o amor gratuito, livre de qualquer ideologia e de qualquer vínculo e que é derramado sobre todos sem distinção de língua, cultura, raça ou religião”.

O Pontífice recordou também que a “Madre Teresa gostava de dizer: ‘Talvez não fale a língua deles, mas posso sorrir’. Levemos no coração o seu sorriso e o ofereçamos a quem encontremos no nosso caminho, especialmente àqueles que sofrem. Assim abriremos horizontes de alegria e de esperança numa humanidade tão desesperançada e necessitada de compreensão e ternura”.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Podcast: Não seja ovelha sem pastor

Na tarde de quinta-feira, 01/09, vivemos mais uma Adoração Eucarística ao vivo pela Web Rádio Encontro. E foi um momento com o Senhor de profundo reconhecimento da necessidade das cajadadas do pastor, do quanto precisamos confiar mais, como ovelhas, no pastoreio que recebemos. Foi uma Adoração também de libertação, de cura para os pastores, de união.

Ouça, adore e espalhe a Verdade:

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Igreja se prepara para canonizar Madre Teresa de Calcutá

Igreja se prepara para a canonização da Beata Teresa de Calcutá, que viveu na Índia dedicando sua vida aos mais pobres dos pobres


No próximo dia 4 de setembro, a Igreja vai canonizar uma das santas contemporâneas mais populares: Madre Teresa de Calcutá. A Missa de canonização da religiosa será neste domingo, 4, presidida pelo Papa Francisco, no Vaticano.
Ela foi beatificada pelo Papa João Paulo II no dia 19 de outubro de 2003, Dia Mundial das Missões. Na ocasião, o Pontífice a chamou de “Ícone do Bom Samaritano”, por ir a toda a parte para servir Cristo nos mais pobres entre os pobres. “Nem conflitos nem guerras conseguiam ser um impedimento para ela”, disse o Papa João Paulo II.
“Com o testemunho da sua vida, Madre Teresa recorda a todos que a missão evangelizadora da Igreja passa através da caridade, alimentada na oração e na escuta da palavra de Deus. É emblemática deste estilo missionário a imagem que mostra a nova Beata que, com uma mão, segura uma criança e, com a outra, desfia o Rosário”, ressaltou João Paulo II.
O então Papa, agora santo também, lembrou as vezes em que ela lhe contava suas experiências ao serviço dos valores evangélicos, bem como suas intervenções a favor da vida e contra o aborto, também quando lhe foi conferido o Prêmio Nobel da Paz, em 1979.
Para João Paulo II, a vida de Madre Teresa recorda a todos que a missão evangelizadora da Igreja passa através da caridade, alimentada na oração e na escuta da palavra de Deus. “Contemplação e ação, evangelização e promoção humana: Madre Teresa proclama o Evangelho com a sua vida inteiramente doada aos pobres mas, ao mesmo tempo, envolvida pela oração”, disse João Paulo II na homilia de beatificação.


A vida de Madre Teresa

Ela nasceu em Skopje, na Albânia, no dia 27 de agosto de 1910. Foi batizada no mês seguinte com o nome de Agnes Gonxha Bojaxhiu.
No dia 29 de setembro de 1928, ingressou na Casa Mãe das Irmãs de Nossa Senhora de Loreto, situada na Irlanda. Mas após uma experiência com um pobre que lhe disse “tenho sede”, entendeu que deveria dedicar toda sua vida aos pobres dos pobres. Então saiu de sua antiga congregação para dar início ao trabalho missionário nas ruas de Calcutá.
Começou por reunir um grupo de cinco crianças, num bairro pobre, aos quais ensinava numa escola improvisada. Pouco a pouco, o grupo foi crescendo. Dez dias depois, eram cerca de cinquenta crianças. Nascia então a Congregação dos Missionários e Missionárias da Caridade, reconhecida pela Igreja no dia 7 de outubro de 1950.
No ano de 1979, o Papa João Paulo II a recebeu em audiência privada e a tornou sua melhor “embaixadora” em todas as nações, fóruns e assembleias de todo o mundo.
Madre Teresa morreu dia 5 de setembro de 1997. Sua despedida atraiu e comoveu milhares de pessoas de todo o mundo durante vários dias.
padre-joaozinhoPara o sacerdote dehoniano, padre João Carlos Almeida, autor do livro “O Milagre de Teresa”, a religiosa é, sem dúvida, uma santa de primeira grandeza. “Ela está nesse nível pela sua experiência mística, pela sua experiência radical de santidade. Ela é lúcida; você não precisa muito estudo para entender que ela é santa, ela não tem muita teoria de santidade. Ela tem a santidade em estado puro: você bate o olho e vê”, disse.
O padre conta como percebeu a grandeza da religiosa: “Madre Teresa morreu em 5 de setembro de 1997, em agosto do mesmo ano morreu a princesa Daiana. Eu fiz um teste: coloque no computador as fotos das duas, uma ao lado da outra. Madre Teresa não era uma mulher bonita; Lady Daiana era uma mulher deslumbrante. Depois eu aproximei do olhar de Madre Teresa (pois os olhos são o espelho da alma) e do olhar de Lady Daiana. Então você vê os espelhos da alma: um rosto bonito mas um olhar triste; um rosto todo enrugado, mas um olhar vivo. Essa é Madre Teresa de Calcutá: uma santa de primeira grandeza”.


Fonte: Canção Nova