Google+ 2017 ~ Comunidade Encontro

Clique e ouça!

24h de música católica para você!

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

10 considerações sobre o Natal que você precisa saber

1.    Jesus se fez embrião. 
Eis o humanismo de Deus, como é exuberante a sua bondade. Se tivessem feito experiências com Jesus ainda embrião, Ele não teria nascido. Todo médico sabe que se alguém usasse sua célula tronco embrionária para experimentos clínicos, ele não teria nascido. Natal é festa de uma gravidez que foi respeitada. Natal é festa da vida.
2.    Jesus passou pelo perigo do aborto. 
A fidelidade de Maria salvou Jesus do abortamento. Segundo a lei de Israel, a mulher que engravidasse fora do casamento, deveria ser apedrejada. Maria aceitou ser apedrejada, não recorreu ao aborto para salvar a própria vida. A fidelidade e o amor de mãe salvam o filho. Não existimos por acaso ou por cálculo, mas por amor de Deus. “Sou um milagre do amor”. O Amor me quis, eu existo.
3.    Jesus foi filho adotivo. 
São José foi pai adotivo de Jesus. Pelo batismo somos adotados como filhos e filhas de Deus. Como é extraordinário, nobre, digno todo ato de adoção. Com este gesto a esterilidade torna-se fecunda. Jesus vem ao mundo por obra do Espírito Santo. O útero é lugar da descida do Espírito. Jesus não é gerado pela mediação masculina, pela virilidade, pelo poder do homem. Toda atitude machista é injusta, discriminatória, opressora.
4.    Jesus cresceu no cotidiano. 
Os mestres de Jesus foram os seus pais, a família, o trabalho, as Escrituras e o cotidiano. Ele não só se encarnou, mas se enculturou. Jesus fugiu do estrelismo, do extraordinário, da magia. Escolheu o cotidiano para se humanizar, crescer e amadurecer. Viver o ordinário do cotidiano é o segredo da maturidade e do crescimento. É hora de renascer no cotidiano para evitar a rotina.
5.    Natal, é a festa do Menino Jesus.
Nada a ver com Papai Noel, hoje desvinculado de sua origem religiosa. O Menino vem pela porta da pobreza, da simplicidade, da fraqueza. Deus desceu até a estrebaria e desce até aos abismos e de lá nos retira. Um dia descerá à mansão dos mortos. O pobrezinho de Belém nos ensina a não acumular, não desperdiçar, mas viver com sobriedade sob a guia do espírito da dádiva. Natal é festa religiosa para encantar as crianças e a todos nós por Jesus. Vamos recomeçar a partir de Cristo Jesus.
6.    As personagens do Natal. 
Maria, meditava tudo em seu coração. A meditação, o silêncio, o encontro com Deus é o centro do Natal. Meditar faz bem à saúde. Andamos muito dissipados, distraídos, entulhados, invadidos e desgastados. É hora de parar. José, ao lado da esposa e com o menino no colo é ícone do pai participativo e presente em casa. Os pastores vão até Belém. É preciso sair, ir ao encontro, deixar a rotina e o comodismo. Os magos abandonam a magia, os horóscopos e seguem Jesus verdadeiro caminho e luz sem ocaso. Os anjos anunciam a glória de Deus e a paz na terra. Imitemos os personagens do Natal.
7.    Os símbolos do Natal.
A árvore, lembra a árvore da vida no paraíso, a árvore da cruz e a árvore genealógica. Árvore com raiz e frutos, não apenas com enfeites. Os cartões recordam as Escrituras Sagradas onde está a mensagem amorosa de Deus. Como é saudável e necessária a comunicação. A luz é Jesus. Brilhem nossas boas obras. Enfim, os presentes. Acolhamos o maior presente que é Jesus e demos a Ele nossos pecados como presente de Natal.
8.    Natal é a encarnação de Deus.
Encontramos o rosto do Pai na carne de Jesus, depois o encontramos na carne do pobre, do preso, do doente. Não podemos ter uma fé desencarnada, alienada, intimista. Ver Jesus na carne do próximo. Viver como Jesus, ser como Jesus e permanecer em Jesus é o caminho da fraternidade. Jesus é o nosso verdadeiro eu, nossa segunda natureza.
9.    Natal não é feriadão. 
É mistério revelado: O Criador se fez criatura; O Espírito se fez carne; o Poderoso se fez criança; o Divino se fez homem; o Senhor se fez fragilidade e pobreza. “Cesse a razão e fale o coração” (S. Ambrósio).
10.    Jesus depois do Natal. 
Jesus merece ser conhecido profundamente, amado ardentemente, seguido generosamente. Natal é convite para adquirirmos os pensamentos e sentimentos, os critérios e a atitudes de Jesus. Ele é a maior fascinação da humanidade. “Senhor em ti respiro e por ti suspiro”. Sede bem-vindo Jesus. Em Ti creio, espero e amo. Natal é amabilidade de Deus. Deixemo-nos amar.
Dom Orlando Brandes

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Você espera a volta de Cristo?

Estamos na semana da espera do Nascimento de Jesus. E como você preparou o seu coração para Sua chegada?
Mais que o nascimento do Salvador, de fato Ele voltará. Como você está se preparando para a Sua Volta?
Ele virá, nosso Esposo, Amado de nossa alma.
Ouça essa pregação do nosso Fundador Clayton no Grupo de Oração Ágape e prepare-se para a noite de núpcias:


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Você conhece o Ofício da Imaculada Conceição?

Segundo uma antiga tradição na Igreja, todos nós cristãos somos chamados a proclamar as grandes maravilhas realizadas na Virgem Maria através do Ofício da Imaculada Conceição. 
O Ofício da Imaculada foi escrito originalmente em latim, na Itália do século XV, pelo franciscano Bernardino de Bustis, com o intuito de proteger a doutrina da Imaculada Conceição dos inúmeros ataques que vinha sofrendo da parte dos hereges desde o século XII. A pedido dos fiéis devotos da Virgem Imaculada, a Oração foi aprovada pelo Papa Inocêncio XI, no ano de 1678. Dois séculos mais tarde, em 31 de março de 1876, o Ofício foi enriquecido pelo Beato Papa Pio IX com 300 dias de indulgência cada vez que fosse recitado. Na reforma do Concílio Vaticano II, o Papa Paulo VI modificou a doutrina acerca das indulgências e concedeu indulgência parcial a aqueles que rezarem com fé o Ofício da Imaculada Conceição.

O Ofício é uma oração composta para ser cantada ou recitada, a fim de proclamar os louvores da Mãe de Deus e defender a fé da Igreja na Imaculada Conceição da Virgem Maria. Na certeza da eficácia e da grandeza desta oração, rezemos com fé, se possível todos os dias, ou pelo menos uma vez por semana, de preferência aos sábados, o Ofício da Imaculada Conceição, pedindo a Virgem Mãe de Deus especialmente pelos pobres, pelos pecadores, pelas almas do purgatório, e pelas nossas intenções particulares.
Dê play no vídeo abaixo e reze o Ofício da Imaculada:


Nossa Senhora da Imaculada Conceição, rogai por nós!

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Comunidade Encontro é Casa de Maria

Como é bom a casa da mãe, não é verdade? Aconchego, carinho, colo e a certeza de que ela não te abandonará.
A Comunidade Encontro traz em seu carisma esse imenso amor pela Mãe do Céu e uma grande missão de levar você ao encontro com Deus, com as pessoas e consigo mesmo, experimentando a misericórdia, e sempre com a intercessão de Maria, no título principalmente de Nossa Senhora das Graças a qual lhe rendemos especial veneração e entrega.
FESTA DE NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS NO IBC

E tamanha devoção não fica marcada apenas em nossos corações e nas folhas das Regras de Vida que diz: "É essencial que todos tenham Maria por mãe e sigam seus exemplos de santidade". Filhos e filhas do Carisma Encontro são chamados a manifestar sua confiança na Mãe de Deus através da oração diária do Terço, uso da Medalha Milagrosa junto com a Cruz do Carisma e na particularidade de cada membro.
CRUZ COMUNIDADE ENCONTRO COM A MEDALHA

Verdadeiramente somos loucos por Jesus e apaixonados por Maria, levando em nós a certeza: "A Jesus por Maria" e com a convicção de onde Jesus está ali também estará Maria. A Capela do Santíssimo Sacramento de nosso Centro de Evangelização localizado no Bairro IBC/São Simão em Cachoeiro de Itap.-ES, tem como nome Nossa Senhora de Fátima. E assim é nosso sítio: Território Eucarístico, Casa de Maria, lugar de encontros.
CAPELA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

Nesse novo ano litúrgico que iniciamos no domingo com a Solenidade de Jesus Cristo Rei do Universo, a Comunidade Encontro iniciou também o mergulho do tema proposto para esse ano a ser vivido no Carisma: "MISERICORDIADOS PARA MISERICORDIAR. SOMOS CONSTRUTORES DE PONTES E NÃO DE MUROS. Banhados em Cristo somos uma nova criatura na Casa de Maria."
VIRADA DO ANO LITÚRGICO

Somos convidados a juntos com Maria construir pontes, até você e aos necessitados de serem misericordiados; derrubar os muros que dividem e nos afastam da unidade, para que assim possamos ser novas criaturas que vivem em santidade e apressam a vinda do Senhor.

Somos convidados a entrar na Casa de Maria. Vamos?

Ligue-nos ou nos chame no whatsapp (28 3518-6915 / 99978-8205) para marcar uma visita especial na Comunidade Encontro. 
Sinta-se a vontade, entre para a festa, aqui é Casa de Maria, aqui é sua casa!

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Como viver bem o Tempo do Advento?

O que é o Advento?


O advento é um tempo especial para fazermos um questionamento sério sobre nossa vida pessoal e também sobre o mundo em que vivemos. É um momento privilegiado para averiguarmos se a semente de amor e justiça lançada por Jesus Cristo no coração dos homens está nascendo e frutificando.

Questione-se e reflita

Assumi verdadeiramente minha fé em Deus, em Cristo e em sua Igreja? Tenho procurado ser fiel aos mandamentos? Em meu serviço, em meu lar, em minha escola e em outros ambientes que frequento tenho conseguido revelar Jesus às pessoas? As nações estão utilizando o Evangelho como paradigma principal para nortearem suas atividades políticas, econômicas e culturais? Até que ponto os princípios doutrinários do cristianismo são conhecidos e praticados por mim e pela sociedade em geral?

A reflexão proveniente das respostas a estas perguntas irá revelar-nos a qualidade de nossa relação com Deus e com o nosso semelhante. Revelará a enorme distância entre a essência da festa que comemora o nascimento de Jesus e o significado e a vivência que a civilização pós-moderna e neoliberal lhe atribuem.

Valores como a humildade, a bondade, o amor e a justiça se perdem em meio às milionárias campanhas publicitárias que incentivam o consumo, a busca desenfreada do prazer físico, o luxo, a ostentação, o exagero na comida e na bebida. A imagem do menino Jesus pobre, nascido em um estábulo e colocado em uma manjedoura, na cidade de Belém, acaba hoje sendo substituída pelos shoppings, supermercados e lojas que travam disputa acirrada pela preferência dos consumidores abatidos pela crise do sistema político-econômico, desmotivados pelos baixos salários e aflitos pelo fantasma do desemprego. Pouco ou quase nenhum espaço sobra para a reflexão sobre os principais temas propostos pelas Sagradas Escrituras e para expressarmos em gestos concretos a fraternidade, a solidariedade e o amor ao próximo.

Viva a esperança

Nossas comemorações natalinas precisam manifestar a profundidade e o sentido autêntico da presença de Jesus na história e não ser como ‘a festa que os povos não convertidos ao cristianismo, os pagãos, organizavam na Antiguidade para adorarem o sol, considerado um Deus para eles’. Os egípcios comemoravam a festa do sol no dia seis de janeiro e os romanos no dia 25 de dezembro. Nela não havia espaço para o espiritual, o místico, o genuinamente religioso. As pessoas se reuniam simplesmente para comerem, beberem e divertirem-se, extrapolando os limites do bom senso e do respeito humano.

No final da Idade Antiga, cerca de 350 d.C., os cristãos, que já eram mais numerosos que os pagãos, decidiram mudar o nome e o significado da festa do sol, passando a comemorar nesta ocasião o nascimento de Jesus, considerado por eles o verdadeiro Sol que nunca se apaga e que clareia os caminhos da humanidade.

No ano 600 d.C., as comunidades cristãs passaram a preparar a festa do Natal com um período intenso de reflexões, orações e práticas evangélicas. Nascia assim o Advento.

A cada ano é necessária a vivência profunda desse tempo que é proposto pela igreja; é necessário um desejo intenso de estar à espera daquele que há de vir. Não se pode cair na tentação de pensar que todos anos sempre são a mesma coisa. Sou eu e é você quem pode criar o ambiente material, mas sobre tudo o ambiente espiritual que é o coração.

Mais uma vez questione: como está o meu coração para receber Jesus que vem? Se eu sentir paz e a consciência tranquila, muito bem! Mas, se de repente encontrar mágoa, sentir o coração fechado, aí é preciso dar um passo. Por exemplo, a confissão, já que nesse tempo de espera do Natal, todas as paróquias aumentam o número de atendimento para que todos tenham a oportunidade de fazer uma faxina interior no bercinho do coração a fim de que ele seja realmente a manjedoura para acolher o Senhor Jesus que quer nascer em cada um em particular.

Se todos tivessem essa consciência do quanto é importante criar o clima e o ambiente favorável, principalmente em família, a tão sonhada paz reinaria agora e não mais seria uma realidade tão distante.

Pense em algo que esteja a seu alcance, algo que possa fazer a favor de alguém nesse Natal! Converse com seus amigos, com sua família e veja o que concretamente se pode fazer para que Jesus se sinta acolhido e amado em cada coração, em cada lar.

Se for possível, visite os doentes, os encarcerados, um asilo, um orfanato, até mesmo seus vizinhos. Seja uma pessoa que semeie a paz, a alegria e a esperança a tantas pessoas que infelizmente perderam de vista o verdadeiro sentido do natal.

Vamos juntos construir a ‘civilização do amor!’
Promete fazer a sua parte?

Fonte: Canção Nova

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Você sabe o que significa Philokalia?

Philokalia é uma palavra grega que significa "amor ao belo, ao bom", mas para nós Cristãos, e filhos do Carisma Encontro, ela tem tomado uma profundidade ainda maior.
Em todo esse tempo novo que a Comunidade Encontro tem vivido em seu Carisma, Philokalia vem dar nome à nossas artes, revela-nos a Vida, a intensidade artística de um caminho de santidade dócil ao Espírito Santo.
E inspirada nesses novos caminhos que já iniciamos a trilhar, Alice, vocacionada da Comunidade, compôs essa música que hoje lançamos para vocês para também ser tocado por essa beleza que o Ressuscitado nos revela. 



sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Igreja no Brasil se prepara para abertura do Ano do Laicato


No próximo dia 26 de novembro, será aberto, na Igreja no Brasil, o Ano do Laicato, que terá como tema “Cristãos Leigos e Leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema “Sal da Terra e Luz do Mundo”
“O Ano do Laicato nos empolga e fomenta em nós uma feliz e agradável expectativa, para juntos escutarmos o que diz o Espírito Santo aos nossos corações e assumirmos a ação transformadora na Igreja e no mundo. A obra é de Deus e de todos nós”, afirma o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato da CNBB, Dom Severino Clasen.
O bispo espera que, no Ano do Laicato, a partir de cada reflexão, os leigos possam ouvir Jesus Cristo os chamando e os enviando para serem sal, luz e fermento na massa. “Vamos todos, através da oração e meditação da Palavra de Deus, de olhos abertos para a realidade onde vivemos, transformar as injustiças em relações de paz e amor”, exorta.
Para o bom êxito do Ano Nacional do Laicato, que seguirá até o dia 25 de novembro de 2018, o assessor da Comissão para o Laicato, Laudelino Augusto dos Santos Azevedo, aponta que é preciso, em primeiro lugar, a abertura do coração, presença e participação de todos. “É participando que a gente vai adquirir conhecimentos, experiências, vai entender melhor a nossa identidade como cristão leigo e leiga, a nossa vocação, espiritualidade e missão”, garante.
Laudelino faz ainda um apelo para que todos contribuam com o sucesso do Ano do Laicato. “Você aí que é cristão leigo e leiga ou você que tenha algum ministério na igreja mesmo não sendo ordenado, religioso ou religiosa, diácono, bispo ou presbítero, você pode, com a sua presença, com a sua participação, levar o bom êxito para o Ano Nacional do Laicato.

Subsídios

A Comissão Especial para o Ano do Laicato preparou alguns subsídios que contém orientações metodológicas para as comunidades. Um deles é composto por orientações para os grupos de reflexões e o outro por propostas de celebração.
De acordo com a secretária da Comissão para o Laicato, Pietra da Silva, os membros da Comissão estão muito felizes com a procura do material pelas dioceses e paróquias. “A gente recebe muitos e-mails e telefonemas; todo mundo solicitando o material e é aí que a gente percebe que o Ano do Laicato está acontecendo e está acontecendo em todos os regionais e em todas as dioceses”, afirma.
Para ela, ter esse contato com o material é um momento também de aprendizado. “A partir do material que estamos produzindo, vamos aprendendo sobre qual é o nosso papel dentro da Igreja, dentro do mundo em que vivemos e também vamos passando isso para as pessoas que estão à nossa volta e as pessoas com as quais convivemos”, afirma.
Além dos roteiros para as comunidades, a Comissão disponibilizou também o cartaz oficial do Ano do Laicato, além de banners. Os materiais podem ser adquiridos no site da editora da CNBB – Edições CNBB.
Fonte: Canção Nova

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Venerável Papa João Paulo I: Papa Francisco assina decreto de suas virtudes heroicas

PAPA JOÃO PAULO I

O Papa Francisco assinou nesta quinta-feira, 9 de novembro, o decreto que reconhece as virtudes heroicas do Papa João Paulo I, que assim é declarado venerável.
A assinatura do decreto ocorreu 3 dias depois da votação unânime da Congregação para as Causas dos Santos a favor deste reconhecimento. Desta forma, são abertas as portas para a beatificação do falecido Pontífice, para o que falta o reconhecimento de um milagre atribuído a sua intercessão.
O venerável João Paulo I, cujo nome antes de ser eleito Papa era Albino Luciani, nasceu em 17 de outubro de 1912, em Forno di Canale, Itália, e morreu em 28 de setembro de 1978, no Palácio Apostólico do Vaticano, depois de uma parada cardíaca, devido a uma doença mal curada.
Albino Luciani foi Patriarca de Veneza entre 1969 e 1978. Em 26 de agosto de 1978, foi eleito pelos Cardeais para suceder o Papa Paulo VI na Cátedra de São Pedro.
O seu pontificado durou apenas 33 dias, por isso, foi um dos mais breves da história da Igreja. Além disso, foi o primeiro Papa nascido no século XX e o último Papa italiano até hoje.
Após a sua morte súbita, que causou uma grande comoção na Igreja, foi eleito o Papa São João Paulo II.
Albino Luciani foi ordenado sacerdote em 7 de julho de 1935. Naquele mesmo ano, foi nomeado Vigário Cooperador de Agordo, na Itália, e professor de religião nesta cidade.
Em 1937, foi nomeado vice-diretor do Seminário Gregoriano de Belluno, na Itália.
Graduou-se em Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma em 1947 e alguns meses depois foi nomeado pro-chanceler Episcopal da Diocese de Belluno.
Um ano depois, foi nomeado Pro-Vigário Geral da mesma Diocese e, em 1954, Vigário Geral.
Em 1958, o Papa João XXIII o elegeu Bispo de Vittorio Veneto. Recebeu a consagração episcopal na Basílica de São Pedro do Vaticano em 27 de dezembro de 1958.
Entre 1962 e 1965, participou das diferentes sessões do Concílio Vaticano II e, em 1969, foi promovido o Patriarca de Veneza. Em 1972, foi eleito Vice-Presidente da Conferência Episcopal Italiana e, em 5 de março de 1973, foi criado Cardeal.
No Conclave celebrado em 26 de agosto de 1978 para suceder Paulo VI na Cátedra de São Pedro, foi eleito Pontífice com o nome de João Paulo I. O seu pontificado durou 33 dias, até a sua morte súbita em 28 de setembro de 1978.

Fonte: ACI Digital

domingo, 12 de novembro de 2017

Razões pelas quais os não-católicos não podem comungar

Quando Jesus ressuscitou e subiu ao céu não nos abandonou; deixou conosco a Santa Eucaristia e nos presenteou com a oportunidade de poder recebê-lo em cada Santa Missa. Que presente maravilhoso!
Alguns se perguntam se todos somos convidados a participar deste grande dom, por que não podem comungar os Não-Católicos? Esta pergunta surge especialmente nos eventos como casamentos, em que muitas vezes participam familiares de outras religiões.
A Igreja já respondeu a esta pergunta em sua Instrução Redemptionis Sacramentum. Ali menciona que “deve-se vigiar para que não se receba a Sagrada Comunhão, por ignorância, os não-católicos ou, inclusive, os não-cristãos, sem ter em conhecimento o Magistério da Igreja e de se referir à doutrina e a disciplina” Redemptionis Sacramentum [84].

Por que a Igreja tomou esta decisão?

Sim, é certo que Cristo quer que todos participem de seu banquete (“Tomai TODOS e comei/bebei”), no entanto, há requisitos muito importantes que devemos cumprir. Isto é natural já que estamos recebendo o próprio Deus. Existem alguns requisitos gerais como o jejum eucarístico, espírito de recolhimento, participar da Santa Missa do início ao fim; e há outros bem específicos que só católico pode praticar.

1) Estar em Estado de Graça

Um dos principais requisitos para comungar é estar em Estado de Graça, e isto só é possível se nos arrependemos de nossos pecados e os confessamos sacramentalmente a um sacerdote ordenado. Como os não católicos não creem no sacramento da confissão, não é possível que cumpram com este requisito, portanto não podem receber a comunhão.
E por que é tão importante estar em Graça? Bem, São Paulo nos disse “Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor”  I Corintíos 11, 27

2) Crer na presença real de Jesus na Eucaristia

A presença de Jesus na Eucaristia é real, não simbólica. Os católicos cremos que no momento da consagração o pão e o vinho literalmente se transformam e se convertem no Corpo e Sangue do Senhor. Ali já não há mais pão e vinho, ali está Cristo. Este grande milagre a Igreja chama de Transubstanciação.
“Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse pão e beba desse cálice. “Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação.” I Coríntios 11, 28.
Fonte: ChurchPop

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

17 Curiosidades sobre Nossa Senhora Aparecida

1. A Imaculada Conceição, também chamada de Nossa Senhora Aparecida, é a padroeira do Brasil. 

2. Em 12 de outubro de 1717, os pescadores Domingos Garcia, Felipe Pedroso e João Alves foram encarregados de garantir o almoço do Conde de Assumar, então governador da província de São Paulo, que visitava a vila de Guaratinguetá. Os três lançavam as redes no rio Itaguaçu (hoje rio Paraíba), sem muito sucesso. De repente, recolheram uma peça, em barro cozido, de 36 centímetros de altura. Na segunda tentativa, apareceu a cabeça. Era a imagem de uma santa. Depois disso, dizem que os peixes começaram a aparecer em grande quantidade.

3. Durante 15 anos, Pedroso ficou com a imagem em sua casa, onde recebia vários peregrinos para rezas e novenas. Mais tarde, a família construiu um oratório para a santa. Em 1743, o vigário de Guaratinguetá, José Alves, iniciou a construção de uma capela no alto do Morro dos Coqueiros. A primeira missa foi celebrada em 26 de julho de 1745. Em torno da capela, surgiu a cidade de Aparecida.

4. Depois de várias reformas, a Capela dos Coqueiros foi substituída por uma maior, inaugurada em 8 de dezembro de 1888. A imagem, até então chamada de Aparecida, por ter aparecido nas águas do rio, ganhou o nome de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, em homenagem ao dia de Nossa Senhora da Conceição.

5. Em 8 de setembro de 1904, a imagem de Nossa Senhora Aparecida foi coroada com autorização papal e, quatro anos mais tarde, o santuário elevou-se à categoria de basílica.

6. O ano de 1928 marcou a passagem do povoado a município e, um ano depois, o papa Pio XI proclamava a santa como Rainha do Brasil e sua padroeira oficial.

7. Apenas em 1980 a Basílica Nova foi consagrada pelo Papa João Paulo II em uma de suas visitas ao Brasil, na ocasião consagrou e concedeu o título e benefícios de Basílica Menor ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida.
Desde então o dia 12 de outubro passou a ser feriado nacional. Outros dois Papas também já visitaram a Basílica, além de Bento XVI, em 2007, e o atual Papa, Francisco, que também esteve em Aparecida durante a Jornada Mundial da Juventude no ano de 2013.

8. Poucos sabem, mas mesmo com a imagem da santa tendo sido encontrada no dia 12 de outubro, a comemoração do dia de Nossa Senhora Aparecida passou a ser nessa data apenas muito tempo depois.
Inicialmente foi comemorada no segundo domingo do mês de maio, juntamente com o dia das mães. Depois foi para o dia 7 de setembro, dia da Independência do Brasil. Apenas já no século XX começou a ser celebrada no dia 12 de outubro.

9. Catedral Basílica de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, que é o maior santuário católico do Brasil e o segundo maior do mundo, perdendo apenas para a Basílica de São Pedro, no Vaticano.

10. A cidade fica em segundo lugar das cidades mais visitadas do Brasil, perdendo apenas para São Paulo, cerca de 12 milhões por ano.

11. No dia 15 de maio de 1978, Rogério Marcos de Oliveira, um rapaz que sofria de problemas mentais, entrou na Basílica e destruiu a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Os 165 pedacinhos foram cuidadosamente recolhidos. A artista plástica Maria Helena Chartuni, do Museu de Arte de São Paulo, levou dois meses para restaurar a imagem.

12. A imagem voltou à cidade num carro do Corpo de Bombeiros, seguida por um grande corso de fiéis, no dia 19 de agosto. O avião de um milionário que acompanhava a caravana pelo ar caiu a 300 metros do viaduto que liga a Rodovia Dutra à cidade de Aparecida. Depois disso, a imagem passou a ficar protegida sob uma redoma de vidro à prova de bala.

13. Três Rosas de Ouro
A Rosa de Ouro oferecida pelo Papa representa a estima do Pontífice, o reconhecimento de fatos históricos e personalidades que prestavam relevantes serviços à Igreja. O costume de se presentar com uma Rosa de Ouro teve início com o Papa Leão IX, no século XI.
A primeira Rosa de Ouro concedida ao Brasil foi em 1888, pelo Papa Leão XIII à Princesa Isabel, por ela ter assinado a lei Áurea, colocando fim a escravatura negra no Brasil.
No Santuário Nacional, essa é a terceira vez que o presente é enviado por um Papa, a primeira Rosa foi concedida Papa Paulo VI em 1967, em virtude do Jubileu de 250 anos do encontro da Imagem. Em 2007 o presente foi trazido pelo Papa Bento XVI, quando visitou a Aparecida.

14. O ano de 2004 foi marcado pelo Centenário da Coroação Pontifícia de Nossa Senhora Aparecida. A solenidade teve amplo significado com as comemorações da Proclamação de Nossa Senhora Aparecida como Rainha do Brasil e do Jubileu dos 150 anos da Proclamação do Dogma da Imaculada Conceição de Maria. Como reconhecimento da importância do Centenário, o Papa João Paulo II concedeu um período de Indulgências Plenárias, de maio ao final de dezembro.

15. Em 1894 os Missionários Redentoristas chegam a Aparecida, provenientes da Baviera, Alemanha, para se dedicarem ao cuidado pastoral do novo Santuário, onde permanecem até os dias atuais. A Congregação do Santíssimo Redentor assinou o contrato assumindo oficialmente o Santuário de Aparecida em janeiro de 1895.

16. Coroa dos 300 anos com todas as terras do Brasil
Desde 2015 uma fac-símile da Padroeira esteve em diversas arqui(dioceses) e Missionários Redentoristas recolheram de cada capital do país, uma porção de terra para compor uma coroa especial para a Mãe Aparecida no Jubileu. 
A coroa dos 300 anos guarda porções de terra de todos os estados brasileiros para coroar a Mãe Aparecida. O solo sustenta o povo que tem tanto amor e devoção.

























17. Manto dos 300 anos
Os bordados representam os três pescadores, as águas do Rio Paraíba do Sul e a fartura dos peixes. Os mantos foram confeccionados pela irmãs enclausuradas do Carmelo de Santa Teresinha do Menino Jesus, de Aparecida (SP). Uma curiosidade é que, no mesmo dia em que os mantos foram entregues, as carmelitas iniciaram a Novena de Santa Teresinha, que acaba em 1º de outubro, data em que se comemora a santa e também o primeiro dia da Novena da Padroeira. 






sábado, 7 de outubro de 2017

Queremos conhecer a sua história. Testemunhe!


No dia 25 de Setembro de 2017 nosso cofundador e pilar da Perseverança, Vander Francisco, veio a falecer depois de lutar durante 1 ano e 9 meses contra o câncer no esôfago. Ele marcou as nossas vidas e de muitas pessoas, através de pregações, orações ou simples encontros que tiveram com ele.

Sempre atuante no GOD (Grupo de Oração Daddy), Vander lutava para resgatar pessoas com depressão, dependências químicas e qualquer outro vício, era presença marcante nos presídios aonde já testemunhou muitas vezes sobre sua conversão.

Estamos recebendo alguns desses testemunhos, para a honra e glória de Deus. Por isso, queremos reunir e conhecer a sua história com o Vander também.

Você que tem uma história de conversão, cura ou graça recebida através de uma pregação, oração ou encontro com o Vander, envie para nós pelo e-mail contato@comunidadeencontro.com. Queremos conhecer seu testemunho!

Conheça o Pilar da Perseverança

Vander foi membro Consagrado perpétuo ao Carisma Encontro, nasceu no dia 26 de Janeiro de 1972. Celibatário e Chefe de Cozinha, faleceu no dia 25 de Setembro de 2017 após de uma luta de 1 ano e 9 meses contra o câncer no esôfago.

Teve uma presença marcante em nossas vidas, seu testemunho de Conversão era muito forte, o momento mais intenso dele foi no primeiro retiro Amar-te Mais em 2000, onde teve uma fortíssima experiência com o amor de Deus. 
Diante de sua história, realizou um trabalho com pessoas com dependências químicas e outras dependências também, muitos o procuravam para pedir ajuda.

Foi e sempre será modelo de perseverança para nós, pois mesmo diante das dificuldades ele nunca desistiu e sempre testemunhou que está valendo a pena. Amava cozinhar e já foi atleta de Judô.

Teve como santo de devoção São José e também foi muito próximo de São João Paulo II e Santa Teresinha do Menino Jesus. Na sua enfermidade teve grande devoção à Nossa Senhora do Sorriso a qual tinha uma imagem na cabeceira da sua cama e a levava para o hospital toda vez que internava.
Seus salmos preferidos foram o 132 e 138.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Valeu a pena, Vander!

Comunicamos o falecimento do nosso cofundador Vander Francisco. 

O corpo será velado no Cemitério Parque (Bairro IBC - Cachoeiro,ES) a partir das 4:30h, as exéquias às 14h e o sepultamento às 15h.

Pilar da Perseverança, consagrado perpétuo ao Carisma Encontro, celibatário e chefe de Cozinha; Vander vem lutando contra o câncer desde o início de 2016 e veio a falecer nessa noite (25/09).
Sempre teve uma presença marcante em nossas vidas, com forte testemunho de Conversão, o momento mais intenso dele foi no primeiro retiro Amar-te Mais em 2000, onde teve uma fortíssima experiência com o amor de Deus. 
Diante de sua história, realizou um trabalho com pessoas com dependências químicas e outras dependências também, muitos o procuravam para pedir ajuda.
É modelo de perseverança para nós, pois mesmo diante das dificuldades ele nunca desistiu e sempre testemunhou que estava valendo a pena. 
Nossas orações aos familiares e amigos do nosso Vander.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

O que é a Cruz? O que faz a Cruz? O que recebo da Cruz?

Algumas pessoas costumam resumir a resposta para essas perguntas apenas com palavras como: dois pedaços de madeiras, peso, dor, sofrimento, vergonha, morte…

“ A linguagem da Cruz é loucura para os que se perdem, mas para os que foram salvos, para nós, é uma força divina.” ( I Cor 1,18)
Pela cruz é que fomos salvos, e devemos amar profundamente a maneira pelo qual fomos salvos… e amar mais ainda Quem nos salvou! A Cruz apenas é 'loucura’ para aqueles que não entendem também Aquele que a amou de maneira perfeita, e que livremente quis se unir a ela para trilhar a vontade do Pai.
Jesus aceitou se entregar na Cruz porque já aceitava ela no seu dia a dia, durante toda a sua vida. Ele A preferiu sempre! 
A vida de Jesus não foi um “mar de rosas”. Ele tinha que conviver com muitas dores humanas e espirituais. Principalmente quando começou a ter sua vida pública, quantas dores e dificuldades eram levadas até ele.
Pessoas doentes a tantos anos, outras que não enxergavam, outras que nunca haviam andado, endemoniados e possuídos. A mulher que foi lançada a seus pés que carregava em si a dor interior da prostituição. A dor de Maria e Marta que viram seu irmão Lázaro morrer. A dor de ter que deixar seus familiares para anunciar o reino dos céus. A dor de não ser ouvido, a dor de não ser compreendido, a dor de ser excluído, a dor da traição, a dor da negação...a dor da morte de si mesmo para que a vontade de Deus Pai prevalecesse. Jesus nunca rejeitou a dor, ele sempre a amou. Jesus nunca disse não ao sofrimento dele e nem ao dos outros. Ele entendeu que precisava se unir a dor, ser amigo da dor, para ser gente, para ser humano, para ter compaixão e misericórdia, para ser amigo predileto de Deus. Nos ensinou que não é alimentando a carne que se chega a perfeição do amor a Deus, mas sim, alimentando o espírito e mortificando a carne.
Parece realmente uma loucura, mas para um Cristão de verdade a Cruz é indispensável. A dor é indispensável. As lutas e combates são indispensáveis.
“ Sem dor não há glória!”
Cristo nos ensinou com sua vida que a cruz onde Ele teve sua carne crucificada é a Cruz onde eu preciso deixar morrer minha carne todos os dias. Ele entendia o sofrimento humano, ele passou pelo sofrimento humano e ele morreu pelo sofrimento humano.
Nós precisamos também viver isso. Sem Cruz não há céu. Sem morte não há ressurreição. A morte de nós mesmos não é o fim, é uma condicional para a vida da nossa alma. Sem morte não há ressurreição! Sermos amigos da cruz!
A cruz também é chamada de ÁRVORE DA VIDA. Sim, pois por ela recebemos novamente a vida, pelo sangue que foi derramado nela por cada um de nós. Viver ela a cada dia de nossas vidas é também desejar e deixar que viva mais nossa alma. Se prefiro a minha carne, desejo a morte da minha vida! “ Porque aquele que quiser salvar a sua vida, irá perdê-la; mas aquele que tiver sacrificado sua vida por minha causa, irá recobrá-la.” ( Mt 16,25).
Nós precisamos amar a Cruz!
Amar os sofrimentos, amar os combates, amar profundamente aqueles que me procurarem por causa de Cristo, amar os irmãos de comunidade com todas as suas qualidades e lutas, amar a dor, compreender, lutar por compreender. Ter compaixão. Amar, amar e amar. O que Cristo fez na Cruz foi isso: amou, amou e amou.
Somos chamados mesmo a sermos o contrário de tudo o que o mundo prega! Não ligue, força valente guerreiro, força! “ Se morremos com Cristo, cremos que viveremos também com Ele” ( Rom 6,8)
Segamos os passos de Cristo. Passos que passaram também pela Cruz! Exaltemos todos juntos a maneira pela qual fomos salvos! Exaltemos o madeiro que nos dá vida, salvação e alegria!


terça-feira, 5 de setembro de 2017

O que é a prática de amor a Jesus Cristo?

Deparo-me com o seguinte questionamento e mergulho dentro de mim na busca da resposta: “o que é a prática do amor a Jesus Cristo?”. Encaro a pergunta e extasio-me: como responder? Como responder algo que não vivo? Como descrever tamanho ato que me falta em minha vida?
Por dentro vou ficando com o coração esmagado por sentir-me tão amada pelo Cristo que apaixonadamente perdoou-me na Cruz, incansavelmente se doa num pedaço de pão na Santa Eucaristia e que nunca desiste de me mostrar o quanto é simples amá-Lo. E a simplicidade consiste em apenas viver o Evangelho, ser amigo de Cristo amando-O no irmão: visitando um enfermo, ouvindo o irmão, sendo obediente, desapegado de tudo e corajoso em pedir ajuda, mostrar as minhas misérias e o quanto sou necessitado de aprender.
Isso custa muito para mim, porém muito pouco diante da liberdade que terei na prática do amor! E esse custo é minha vida, minhas vontades, meu orgulho, minha preguiça, meu comodismo, minha inércia. Custa a minha conversão! A mudança radical de atitudes no meu hoje: só esse tempo que tenho! 
Pergunto: vale a pena? Sim, vale a vida! Vale o sentido do viver, a intensidade do meu ser e a sede de minh’alma. Vale a descoberta do meu lugar no coração de Deus.

Talvez a resposta da pergunta do início esteja no belo livro (e muito edificante) de Santo Afonso Maria de Ligório: “A prática do amor a Jesus Cristo”, mas atrevo-me a dizer que tudo o que lá ele perfeitamente escreveu para formar santos foi porque com excelência ele com sua vida e até as últimas conseqüências teve coragem de AMAR. AMAR: essa é a resposta; o AMOR é o caminho para praticá-lo, para tornar um com Cristo.

Oremos com Santo Afonso:
“Ó bom e amável Coração de Jesus, como é infeliz o coração que não vos ama! Morrestes na cruz por amor dos homens, sem nenhum alívio. Como podem os homens viver sem pensar em vós? Ó amor de Deus! Ó ingratidão humana! Ó homens, olhai o Cordeiro de Deus inocente, que agoniza e morre na cruz por vós, para aplacar a justiça divina pelos vossos pecados e assim vos atrair a seu amor. Vede como Ele pede a seu Pai Celeste para que vos perdoe. Vede e amai-o!
Meu Jesus, são tão poucos os que vos amar! Infeliz de mim, passei tantos anos sem pensar em vós e vos ofendi tantas vezes.
Meu amado Redentor, fazei-me chorar não tanto pelos castigos que mereci, mas pelo amor que me tendes. Dores, humilhações, chagas e morte de Jesus, amor de Jesus, fixai-vos em meu coração. Viva sempre em mim a vossa lembrança, fira-me continuamente e me abrase de amor! Amo-vos, meu Jesus, meu sumo bem. Amo-vos, meu amor, meu tudo! Amo-vos e quero vos amar sempre. Não permitais que vos abandone e vos perca jamais. Fazei que eu seja todo vosso; fazei-o pelos merecimentos de vossa morte na qual tenho firme confiança.
Maria, eu confio muito em vossa intercessão. Minha Rainha, fazei que eu ame a Jesus Cristo e também a vós, minha mãe e minha esperança! Amém.”

Karla Maria Tavares
Discípula da Comunidade Encontro

terça-feira, 22 de agosto de 2017

“A Jesus por Maria. Não há outro caminho”

A Festa de Nossa Senhora Rainha foi instituída por São Pio XII e através de sua Carta Encíclica: "Para a Rainha", ele nos fala da docilidade, amor e nos exorta para que amadureçamos nossa devoção à Santíssima Virgem, para que com sincero coração, possamos amar e venerar de forma verdadeira toda a vida e santidade de Maria. 
44."Dos testemunhos da antiguidade cristã, das orações da liturgia, da inata devoção do povo cristão, das obras artísticas, de toda a parte recolhemos expressões que nos mostram que a virgem Mãe de Deus se distingue pela sua dignidade real; mostramos também que as razões, deduzidas pela sagrada teologia do tesouro da fé divina, confirmam plenamente essa verdade. De tantos testemunhos referidos forma-se uma espécie de concerto harmonioso que exalta a incomparável dignidade real da Mãe de Deus e dos homens, a qual domina todas as coisas criadas e foi elevada aos reinos celestes, acima dos coros dos anjos".
46.Procurem pois todos, e agora com mais confiança, aproximar-se do trono da misericórdia e da graça, para pedir à nossa Rainha e Mãe socorro na adversidade, luz nas trevas, conforto na dor e no pranto; e, o que é mais, esforcem-se por se libertar da escravidão do pecado, e prestem ao cetro régio de tão poderosa Mãe a homenagem duradoura da devoção Dial. Freqüentes as multidões de fiéis os seus templos e celebrem-lhe as festas; ande nas mãos de todos a piedosa coroa do terço; e reúna a recitação dele – nas igrejas, nas casas, nos hospitais e nas prisões – ora pequenos grupos, ora grandes assembleias, para cantarem as glórias de Maria. Honra-se o mais possível o seu nome, mais doce do que o néctar e mais valioso que toda a pedra preciosa; ninguém ouse o que seria prova de alma vil – pronunciar ímpias blasfêmias contra este nome santíssimo, ornado de tanta majestade e venerável pelo carinho próprio de mãe; nem se atreva ninguém a dizer nada que seja irreverente.
47.Com vivo e diligente cuidado todos se esforcem por copiar nos sentimentos e nos atos, segundo a própria condição, as altas virtudes da Rainha do céu e nossa Mãe amantíssima. Donde resultará que os féis, venerando e imitando tão grande Rainha e Mãe, virão se sentir verdadeiros irmãos entre si, desprezarão a inveja e a cobiça das riquezas, e hão de promover a caridade social, respeitar os direitos dos fracos e fomentar a paz. Nem presuma alguém ser filho de Maria, digno de se acolher à sua poderosíssima proteção, se à exemplo dela não é justo, manso e casto, e não mostra verdadeira fraternidade, evitando ferir e prejudicar, e procurando socorrer e dar ânimo.
49.A festa – instituída pela presente carta encíclica, a fim de que todos reconheçam mais claramente e melhor honrem o clemente e materno império da Mãe de Deus pensamos que poderá contribuir para que se conserve, consolide e torne perene a paz dos povos, ameaçada quase todos os dias por acontecimentos que enchem de ansiedade. Não é ela acaso o arco-íris que se eleva para Deus, como sinal de pacífica aliança? "Contempla o arco-íris e bendize aquele que o fez; é muito belo no seu esplendor; abraça o céu na sua órbita radiosa, e foram as mãos do Altíssimo que o traçaram". Todo aquele que honra a Senhora dos anjos e dos homens – e ninguém se julgue isento deste tributo de reconhecimento e amor – invoque esta rainha, medianeira da paz; respeite e defenda a paz, que não é maldade impune nem liberdade desenfreada, mas concórdia bem ordenada sob o signo e comando da divina vontade: tendem a protegê-la e aumentá-la as maternas exortações e ordens de Maria.




Confira também toda a Carta Encíclica, escrita por São Pio XII:
http://w2.vatican.va/content/pius-xii/pt/encyclicals/documents/hf_p-xii_enc_11101954_ad-caeli-reginam.html

sábado, 19 de agosto de 2017

Poderosa Oração a São Gabriel Arcanjo

Sinal da Cruz

Resultado de imagem para são gabriel arcanjo

Ângelus:
V - O Anjo do Senhor anunciou a Maria,
R - E ela concebeu do Espírito Santo.
Ave-Maria, cheia de graça...
V - Eis aqui a serva do Senhor!
R - Faça-se em mim segundo a tua palavra.
Ave-Maria, cheia de graça...
V - E o Verbo Divino se fez carne,
R - E habitou entre nós.
Ave-Maria, cheia de graça...

Oração ao Anjo da Anunciação
Poderoso Arcanjo São Gabriel, fostes escolhido por Deus para anunciar os felizes acontecimentos da Encarnação do Verbo Divino. Bendigo a Deus por vos ter enviado com essa mensagem alegre para a humanidade. Rogai por mim, para que possa também eu proclamar vossa mensagem a outras pessoas, e, para tanto, permanecer disposto(a) a sofrer com amor. Dá-me um amor grande e devoto para com Jesus, o Verbo de Deus encarnado, e para com sua Mãe, Maria. Amém.

Intenções

Jaculatória
São Gabriel Arcanjo, fiel mensageiro do Céu, fazei de nós anunciadores do Evangelho. (100x)

Glória ao Pai...
Oremos:

São Gabriel, Arcanjo da Encarnação, fiel mensageiro de Deus, abre nossos ouvidos para as mais leves admoestações e toques da graça, vindos do Coração de Nosso Senhor.  Permanecei sempre conosco. Nós vos suplicamos a compreensão da Palavra de Deus, para que sigamos suas inspirações e, docilmente, cumpramos aquilo que Deus espera de nós. Fazei que estejamos sempre prontos, vigilantes, para que o Senhor, quando passar por nós, não nos encontre dormindo. Amém!

Produção Comunidade Encontro