Pular para o conteúdo principal

Vivendo bem o Advento: Brilhe a vossa LUZ!



No último domingo ouvimos Jesus falando aos seus discípulos: "Tomai cuidado, vigiai." Essa temática da espera e da vigília perpassa o tempo da expectativa do cumprimento da grande promessa de Deus que haveria de enviar seu Filho para reconciliar a humanidade com Ele próprio. É o que celebramos no Natal. O mistério da encarnação do Filho de Deus no seio da humanidade. O advento também é a expectativa da segunda vinda de Cristo. Celebramos não só o que aconteceu mas o que está para acontecer.

Iniciamos esse tempo da expectativa e preparação para a celebração com estas palavras "cuidado" e "vigiai". Elas, porém não podem nos causar medo, mas são dirigidas a nós justamente para não cairmos na tentação das distrações que hoje são muitas. Essas palavras de Jesus tem um significado muito grande para nós. Hoje, com qualquer vacilo acabamos nos distraindo e perdemos o rumo, o horizonte. Deus não quer isso. Essas palavras não nos devem causar medo mas nos gerar ainda mais confiança em Deus pois só a partir da confiança seremos capazes de caminhar firmes e perseverantes. Se não houver uma relação de confiança podemos correr também o sério risco de enterramos o nosso talento pois é uma fé movida pelo medo e quem tem medo não arrisca. Precisamos fortalecer ainda mais nosso vínculo de confiança em Deus. O mundo necessita desta atitude e ousadia cristãs. 

As palavras que ouvimos no Evangelho do primeiro domingo do advento são importantes e precisam nos acompanhar durante todo nosso tempo de espera e expectativa. É necessário que estejamos atentos à Palavra de Deus, aos sinais dos tempos, à simbologia que permeia nossas liturgias pois tem sentido pedagógico e mistagógico. A coroa do advento é o grande símbolo deste tempo. Nesta primeira semana vemos que apenas uma vela está acesa o que indica uma luz, porém uma luz pequena. A medida que vão se passando os dias e as semanas esta luz vai crescendo até entrar no tempo em que toda a coroa revela a imensidão da luz que habita entre nós. Esta simbologia tem significado em nossa vida, pois a medida que a luz da coroa vai crescendo, o mesmo processo deve acontecer dentro de cada um de nós. 

Que nossa luz interior também cresça e possamos, neste tempo, nos libertar da força das trevas. Somos convidados neste tempo a acender a nossa luz interior. De nada valerá enfeitar as casas, avenidas, praças. Se a luz interior estiver apagada será apenas uma maquiagem. Façamos o esforço primeiro de acender a luz. Uma vez acesa, porém fraca, permitamos aumentá-la com a celebração luminosa de cada passo da liturgia do advento. Dessa forma celebraremos com muito mais alegria e autenticidade o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. 


É a festa das luzes. Com nosso interior em crescente iluminação, deixemos irradiar a luz, iluminemos nossas casas, nossos ambientes. Peçamos a Deus que nos ajude no processo de libertação de nossas trevas para a luz. Precisamos sempre nos comprometer cada vez mais com seu projeto de justiça e paz para o mundo. Que esta palavra possa encontrar acolhida em nossos corações.

Homilia por Pe. Gildésio, camiliano, Diocese Cach. Itapemirim
02/12/14 em Betesda 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at