Pular para o conteúdo principal

Por que Jesus esconde a própria glória para sofrer por nós?

Jesus sobe a uma alta montanha e, diante de seus discípulos mais próximos, manifesta a sua qualidade de Filho de Deus, de Segunda Pessoa da Trindade. Essa manifestação, porém, é algo um tanto passageiro e, ao mesmo tempo, sinal de uma realidade ainda mais gloriosa: o Deus que se fez homem para redimir a humanidade de seus pecados. De fato, a importância da Encarnação é tanta que Moisés e Elias aparecem no mesmo monte, durante a Transfiguração, para falar justamente do caminho de Cristo até a Cruz.
Jesus sobe a uma alta montanha e, diante de seus discípulos mais próximos, manifesta a sua qualidade de Filho de Deus, de Segunda Pessoa da Trindade. Essa manifestação, porém, é algo um tanto passageiro e, ao mesmo tempo, sinal de uma realidade ainda mais gloriosa: o Deus que se fez homem para redimir a humanidade de seus pecados. De fato, a importância da Encarnação é tanta que Moisés e Elias aparecem no mesmo monte, durante a Transfiguração, para falar justamente do caminho de Cristo até a Cruz.
Na exegese dos Padres da Igreja, mostra-se que a transfiguração de Cristo foi uma modificação que ocorreu na visão dos discípulos, e não propriamente em Jesus. Antes da epifania, os discípulos não O enxergavam como o “Filho amado do Pai”, não percebiam que, naquele homem, Deus estava presente de uma maneira particular, como em nenhuma outra pessoa. Com efeito, o milagre da Transfiguração não é a transfiguração por si mesma, mas o milagre do Deus encarnado que esconde a sua glória para sofrer a condição da humanidade. Essa é a realidade que nos deveria deixar boquiabertos.
Como é possível que Deus renuncie à própria divindade para sofrer em nosso lugar? Essa é a pergunta que deve nos inquietar e provocar uma modificação em nosso coração. Na verdade, a transfiguração de Jesus apenas traduz aquilo que nós mesmos experimentamos todos os dias. Nós mesmos, pela graça da Encarnação, somos “filhos muito amados de Deus” que, apesar de alguns momentos de glória, vivemos diariamente a Quaresma deste mundo: os padecimentos, as penitências, os sofrimentos… Os nossos momentos de consolação são tão fugazes quanto a Transfiguração; vivemos os padecimentos não apenas na quaresma, mas ao longo de toda a nossa história.
Na vida dos santos, por exemplo, encontram-se muitos relatos de “transfigurações”, momentos de glória como os da Virgem Maria no Céu, vestida de Sol e com a Lua debaixo de seus pés. Mas esses momentos são passageiros. Na maior parte do tempo, os santos levam uma vida árdua, de penitência e humildade indiscutíveis, repetindo o caminho do mestre Jesus. E assim deve ser conosco também.
Ora, Deus esconde a sua glória para que não sejamos tentados pelo conforto da sua presença, e nos esqueçamos de amar concretamente. Pedro quis armar tendas para permanecer no monte porque era bom estar ali. De fato, é bom experimentarmos o amor de Deus. Mas esse amor deve ser transmitido, precisa ser levado aos demais por meio de um serviço diligente e piedoso. Por isso, Deus nos concede a oportunidade de amar de volta, de padecer pelos outros como Ele padeceu por nós.
Não nos deixemos vencer pela tentação de construir as três tendas, mas lembremo-nos de que este mundo é passageiro e nossa morada definitiva precisa ser construída no Céu.
Quando Pedro fala das tendas, ele está se referindo a uma festa que os judeus celebravam pela memória dos quarenta anos no deserto. Esses quarenta anos representam o tempo nosso aqui na terra, no deserto dos sofrimentos. E esse tempo precisa ser vivido segundo a voz que vem da nuvem, do Deus que veio fazer morada no meio de nós: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!”
Vivamos a dinâmica da Cruz, sabendo que Jesus habita em nosso coração e deseja transformar a nossa dor em amor, para, um dia, na glória celeste, nos transfigurar definitivamente!

Fonte: Padre Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at