Google+ A Igreja, comunhão e mediação dos santos ~ Comunidade Encontro

sábado, 1 de novembro de 2014

A Igreja, comunhão e mediação dos santos

Nessa semana, a Igreja celebra duas festas litúrgicas, intimamente ligadas ao mistério da comunhão dos santos: são a Solenidade de Todos os Santos, no dia 1º de novembro, e a Comemoração dos Fiéis Defuntos, no dia 2. São festas que nos recordam que “todos os que somos filhos de Deus (...) constituímos uma única família em Cristo” [1], na qual nos amamos e nos auxiliamos mutuamente.
O Catecismo da Igreja Católica, citando a constituição Lumen Gentium, ensina que, atualmente, a Igreja existe em “três estados”: “Até que o Senhor venha em sua majestade e, com ele, todos os anjos e, tendo sido destruída a morte, todas as coisas lhe forem sujeitas, alguns dentre os seus discípulos peregrinam na terra” – trata-se de nós, Igreja militante; “outros, terminada esta vida, são purificados” – são as almas do purgatório, Igreja padecente; “enquanto outros são glorificados, vendo ‘claramente o próprio Deus trino e uno, assim como é’” – são todos os santos e santas de Deus, que já estão no Céu, Igreja triunfante [2]. Assim como a alma está para o corpo, o Espírito Santo está para a Igreja, Corpo Místico de Cristo, unindo os fiéis do Céu e da Terra e santificando-os com os mesmos tesouros espirituais.
Hoje festejamos a Solenidade de Todos os Santos. Infelizmente, as pessoas têm perdido a noção do que seja um “santo”, porque não sabem diferenciar entre uma pessoa santa e uma pessoa salva. Quem está no purgatório, por exemplo, está salvo, mas ainda não está totalmente santificado, no sentido pleno da palavra. Os santos canonizados – principalmente “os de moradas superiores”, para fazer uma referência a Santa Teresa de Jesus –, ao contrário, como já completaram toda a sua purificação nesta vida, com certeza foram diretamente para o Céu.
Este é o grande abismo que separa católicos e protestantes. Os primeiros creem que a santidade é possível nesta terra e acreditam firmemente que, por auxílio da graça – mas também por mérito próprio –, uma pessoa pode chegar a dizer com São Paulo: “Eu vivo, mas não eu: é Cristo que vive em mim” [3]. Os santos, na Igreja Católica, são pessoas que alcançaram tal grau de perfeição e se configuraram de tal modo a Cristo que Ele mesmo se faz presença viva neles. Como ensina Santo Irineu de Lion, padre da Igreja, “gloria Dei vivens homo – a glória de Deus é o homem vivo” [4], isto é, o homem que vive em Cristo. Por isso, depois que morrem, os santos, vendo Deus face a face, podem interceder por nós junto a Ele.
Mas, para os protestantes, Deus operaria as coisas “diretamente”, sem precisar de ninguém. Sem dúvida – e os católicos também reconhecem isto –, Deus não precisa de Suas criaturas, mas toda a história da salvação testemunha que, mesmo não precisando, Ele quer precisar delas. Deus não precisava, por exemplo, servir-se de um homem e de uma mulher para gerar novas vidas no mundo. Num estalar de dedos, os seres humanos podiam simplesmente brotar da grama, como os cogumelos. Todavia, Ele quis depender da ação de um pai e de uma mãe para tanto. A beleza da fé católica está justamente na ação de Deus que ama as Suas criaturas, mas por meio dessas mesmas criaturas, fazendo-as participar de Sua bondade e de Seu amor: é o caso dos santos no Céu e dos anjos da guarda, por exemplo.
No entanto – pode objetar algum protestante –, está escrito: “Há um só mediador entre Deus e a humanidade: o homem Cristo Jesus” [5].– Sim, é verdade. Mas, nos Atos dos Apóstolos, é narrado o episódio de São Pedro que, estando no cárcere, foi libertado pela ação de um anjo de Deus e da Igreja – que “orava continuamente a Deus por ele” [6]. Isso mostra como a mediação de Cristo diz respeito à mediação de Seu Corpo todo, seja nos anjos, que estão no Céu, seja nos fiéis militantes, que estão na terra. Se se admite a intercessão dos anjos e dos vivos, por que não se admite a dos que estão mortos em Cristo, já que nada pode nos separar do amor de Cristo, nem mesmo a morte [7]? Quer dizer que os membros do Corpo Místico de Cristo, uma vez mortos, estão “excomungados”? É claro que não. A comunhão na Igreja é muito mais forte do que a morte. Portanto, os santos, que já estão com o Senhor, rezam por nós.
Além disso, é muito agradável a Deus a intercessão de Seus amigos. É claro que Martinho Lutero e seus seguidores não aceitam que alguém mereça, por seu amor a Deus, ser atendido por Ele. É assim porque o protestantismo nega a doutrina do mérito. Para eles, “tudo é graça”. Os católicos reconhecem que, realmente, tudo – inclusive o mérito – é graça. Os santos receberam muitíssimas graças de Deus, entre as quais está a própria graça de merecer. Por isso, eles, porque amaram muito ao Senhor, merecem ter as suas preces ouvidas por Ele.
Mas, não existem apenas os fiéis que estão no Céu. A Comemoração dos Fiéis Defuntos recorda que nem todos os que se salvam vão diretamente para a vida eterna. Infelizmente, nos últimos tempos, por influência protestante, muitos teólogos têm negado a existência do purgatório, alegando que ele foi uma “invenção medieval” e que, com vistas a um malfadado ecumenismo, a Igreja deveria parar de pregar sobre isso.
A verdade é que o purgatório faz parte do “depósito de fé” e do ensinamento da Igreja de dois mil anos. Os primeiros cristãos, nas catacumbas, por exemplo, já rezavam pelos mortos. Ora, sabendo que depois da morte não existe uma “segunda chance” de salvar-se, essa prática só pode indicar a existência de uma purificação, após a morte, para aqueles que já se salvaram, mas, em vida, não amaram a Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento [8]. Infelizmente, esse é o estado em que se encontram muitos de nós, por conta de nossos pecados e de nossa falta de generosidade com Deus. Se não nos purificarmos nesta vida, seremos purificados na futura. Para os protestantes, no entanto, a fé seria uma espécie de “véu”, que encobriria o fato de que o homem é ontologicamente pecador, perverso e desordenado. Os salvos, portanto, entrariam no Céu como que “disfarçados”.

Os católicos, ao invés, creem que só se entra no Céu totalmente santo. Por isso, é importante que, em um ato de caridade, sufraguemos as almas dos fiéis defuntos, a fim de que se purifiquem logo e entrem na posse eterna de Deus.

Referências
Catecismo da Igreja Católica, 959
Ibidem, 954
Gl 2, 20
Adversus haereses, IV, 20, 7
1 Tm 2, 5
At 12, 5
Cf. Rm 8, 35-39
Cf. Dt 6, 5; Mt 22, 37

Fonte: padrepauloricardo.org

0 comentários: