Pular para o conteúdo principal

Oitavo Mandamento: Não levantar falso testemunho

Com a graça de Cristo, o cristão pode fazer com que sua vida seja governada pela verdade.

“O oitavo mandamento proíbe falsear a verdade nas relações com os outros. As ofensas à verdade exprimem, por palavras ou atos, uma recusa de abraçar a retidão moral” (Catecismo, 2464).
1. Viver na verdade
“Todos os homens, de acordo com a sua dignidade, por ser pessoas... veem-se impelidos, pela sua própria natureza, a buscar a verdade, e têm a obrigação moral de fazê-lo, sobretudo com respeito à verdade religiosa. Estão obrigados a aderir à verdade uma vez que a conheceram e a ordenar toda a sua vida segundo as suas exigências”.
A inclinação do homem para conhecer a verdade e manifestá-la por meio palavras e de obras foi prejudicada pelo pecado, que feriu a natureza com a ignorância do intelecto e com a malícia da vontade. Como consequência do pecado, diminuiu o amor à verdade e os homens enganam-se uns aos outros, muitas vezes por egoísmo e por interesse próprio. Com a graça de Cristo, o cristão pode fazer com que a sua vida seja governada pela verdade.
A virtude que inclina a dizer sempre a verdade chama-se veracidade, sinceridade ou franqueza (cf. Catecismo, 2468). Três aspectos fundamentais desta virtude:

— sinceridade consigo mesmo: é reconhecer a verdade sobre a própria conduta, externa e interna: intenções, pensamentos, afetos etc., sem medo de “encarar toda a verdade”, sem fechar os olhos à realidade;
— sinceridade para com os outros: a convivência humana seria impossível se os homens não tivessem confiança recíproca, isto é, se não dissessem a verdade uns aos outros ou se não se comportassem de acordo com a verdade, respeitando os contratos ou, mais em geral, os pactos, a palavra dada (cf. Catecismo, 2469);
— sinceridade para com Deus: Deus vê tudo, mas como somos seus filhos, quer que manifestemos as coisas a Ele. “Um filho de Deus trata o Senhor como Pai. Não como quem presta um obséquio servil, nem com uma reverência protocolar, de mera cortesia, mas com plena sinceridade e confiança. Deus não se escandaliza dos homens. Deus não se cansa com as nossas infidelidades. Nosso Pai do Céu perdoa qualquer ofensa quando o filho volta de novo para Ele, quando se arrepende e pede perdão. Nosso Senhor é de tal modo Pai, que prevê os nossos desejos de sermos perdoados e a eles se antecipa, abrindo-nos os braços com a sua graça”.
A sinceridade no Sacramento da Confissão e na direção espiritual são meios de extraordinária eficácia para crescermos em vida interior: em simplicidade, em humildade e nas outras virtudes. A sinceridade é essencial para perseverar no seguimento de Cristo, porque Cristo é a Verdade (cf. Jo 14, 6).
2. Verdade e caridade
A Sagrada Escritura ensina que é preciso dizer a verdade com caridade (Ef 4, 15). A sinceridade, como todas as virtudes, deve ser vivida por amor e com amor (a Deus e aos homens): com delicadeza e compreensão.
A correção fraterna: é a prática evangélica (cfr. Mt 18,15) que consiste em advertir aos outros de uma falta cometida ou de um defeito, para que o corrija. É uma grande manifestação de amor à verdade e de caridade. Algumas vezes pode ser um dever grave.
A simplicidade no relacionamento com os outros. Há simplicidade quando a intenção se manifesta com naturalidade na conduta. A simplicidade surge do amor à verdade e do desejo de que esta se reflita fielmente nos nossos atos com naturalidade, sem afetação: isto é o que também se conhece como sinceridade de vida. Como as outras virtudes morais, a simplicidade e a sinceridade têm de ser governadas pela prudência para serem verdadeiras virtudes.
Sinceridade e humildade. A sinceridade é caminho para crescer em humildade (“caminhar na verdade”, dizia Santa Teresa de Jesus). A soberba, que tão facilmente vê as faltas alheias — exagerando-as ou até mesmo inventando-as —, não percebe as próprias. O amor desordenado pela própria excelência sempre procura impedir que nos vejamos tal como somos, com todas as nossas misérias.
3. Dar testemunho da verdade
“O testemunho é um ato de justiça que estabelece ou dá a conhecer a verdade” (Catecismo, 2472). Os cristãos têm o dever de dar testemunho da Verdade, que é Cristo. Portanto, devem ser testemunhas do Evangelho, com clareza e coerência, sem esconder a fé. O contrário – a simulação – seria envergonhar-se de Cristo, que disse: “Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus” (Mt 10, 33).
“O martírio é o supremo testemunho prestado à verdade da fé; designa um testemunho que vai até a morte. O mártir dá testemunho de Cristo, morto e ressuscitado, ao qual está unido pela caridade” (Catecismo, 2473). Diante da alternativa de negar a fé (por palavras ou por obras) ou perder a vida terrena, o cristão deve estar disposto a dar a vida: “Pois que aproveitará ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder a sua vida?” (Mc 8, 36). Cristo foi condenado à morte por dar testemunho da verdade (cf. Mt 26, 63-66). Uma multidão de cristãos tem sofrido o martírio por ter-se mantido fiéis a Cristo, e “o sangue dos mártires tem-se transformado em semente de novos cristãos”.
“Se o martírio é o testemunho culminante da verdade moral, ao qual relativamente poucos são chamados, existe, não obstante, um testemunho de coerência que todos os cristãos devem estar dispostos a dar diariamente, até mesmo à custa de sofrimentos e de grandes sacrifícios. Com efeito, perante as múltiplas dificuldades – que inclusive nas circunstâncias mais ordinárias pode exigir a fidelidade à ordem moral até mesmo nas circunstâncias mais comuns –, o cristão, implorando a graça de Deus com a sua oração, está chamado a uma entrega por vezes heroica. Sustenta-lhe a virtude da fortaleza, que — como ensina São Gregório Magno — lhe capacita a “amar as dificuldades deste mundo com vistas ao prêmio eterno” (Moralia in Job, 7, 21, 24)”

.
4. As ofensas à verdade
“ ‘A mentira consiste em dizer o que é falso com a intenção de enganar’ (Santo Agostinho, De mendacio, 4, 5). O Senhor denuncia na mentira uma obra diabólica: ‘Vós sois do diabo, vosso pai... nele não há verdade; quando ele mente, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira’ (Jo 8, 44)” (Catecismo, 2482).
“A gravidade da mentira se mede segundo a natureza da verdade que ela deforma, de acordo com as circunstâncias, as intenções daquele que a comete, os prejuízos sofridos por aqueles que são suas vítimas” (Catecismo, 2484). Pode ser matéria de pecado mortal “quando fere gravemente as virtudes da justiça e a caridade” (ibidem). Falar com ligeireza ou loquacidade (cf. Mt 12,36) pode levar facilmente à mentira (apreciações inexatas ou injustas, exageros, às vezes calúnias).
Falso testemunho e perjúrio: “Quando emitida publicamente, uma afirmação contrária à verdade assume uma gravidade particular. Diante de um tribunal, torna-se um falso testemunho. Quando está sob juramento, trata-se de perjúrio” (Catecismo, 2476). Há obrigação de consertar o dano.
“O respeito à reputação das pessoas proíbe qualquer atitude e palavra capazes de causar um prejuízo injusto” (Catecismo, 2477). O direito à honra e à boa fama – tanto o próprio como o alheio – é um bem mais precioso que as riquezas, e de grande importância para a vida pessoal, familiar e social. Pecados contra a boa fama do próximo são:
– o juízo temerário: dá-se quando, sem suficiente fundamento, se admite como verdadeira uma suposta culpa moral do próximo (por exemplo, julgar que alguém agiu com má intenção sem que isto fique evidente). “Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados” (Lc 6, 37) (cf. Catecismo, 2477);
– a difamação: é qualquer atentado injusto contra a fama do próximo. Pode ser de dois tipos: a detração ou maledicência (“falar mal”), que consiste em revelar pecados ou defeitos realmente existentes do próximo sem uma razão proporcionadamente grave (chama-se murmuração quando se realiza “pelas costas” do acusado); e a calúnia, que consiste em atribuir ao próximo pecados ou defeitos falsos. A calúnia traz consigo uma malícia dupla: contra a veracidade e contra a justiça (tanto mais grave quanto maior for a calúnia e quanto mais for difundida).
Atualmente, são frequentes essas ofensas à verdade ou à boa fama nos meios de comunicação. Também por isto é preciso exercitar um sadio espírito crítico ao receber notícias de jornais, revistas, da TV etc. Uma atitude ingênua ou “crédula” leva à formação de juízos falsos.
Sempre que tenha havido difamação (seja como detração ou como calúnia), existe obrigação de empregar os meios possíveis para devolver ao próximo a boa fama que injustamente se lhe prejudicou.
Deve-se evitar a cooperação nesses pecados. Cooperam com a difamação, embora em diferente grau: quem ouve com gosto o difamador e se compraz naquilo que ele diz; o superior que não impede que se murmure do seu subalterno e qualquer pessoa que – mesmo que tenha aversão pelo pecado da detração –, por temor, negligência ou vergonha, não corrige ou não rejeita o difamador ou o caluniador; e quem propala levianamente insinuações de outras pessoas contra a fama de um terceiro.
Também atenta contra a verdade “qualquer palavra ou atitude que, por bajulação, adulação ou complacência, encoraje e confirme o outro na malícia de seus atos e na perversidade de sua conduta. A adulação é uma falta grave quando cúmplice de vícios ou pecados graves. O desejo de prestar serviço ou a amizade não justificam uma duplicidade da linguagem. A adulação é um pecado venial quando deseja somente ser agradável, evitar um mal, remediar uma necessidade, obter vantagens legítimas” (Catecismo, 2480).

Fonte: Opus Dei

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni