Google+ 7 dicas para servir como Maria ~ Comunidade Encontro

terça-feira, 27 de maio de 2014

7 dicas para servir como Maria

Dica #1: A reta intenção

Maria sabia que tudo de bom que ela tinha vinha de Deus, por isso em tudo dava glórias a Ele, não a si. É possível perceber isso na oração que ela mesma nos deixou: “A minha alma engrandece e glorifica O SENHOR. Meu Espírito se alegra EM DEUS, MEU SALVADOR. Porque ELE OLHOU para humildade de sua serva. Todas as gerações, de agora em diante, me chamarão feliz, PORQUE O PODEROSO FEZ para mim coisas grandiosas” (Lc 1, 47).
Quando achamos que ela vai falar de si, ela aponta para Deus, a fonte de todo bem. Então, se O motivo do meu serviço é porque EU sei mais, porque EU sou o mais bonito, porque EU falo melhor… Meu irmão, está tudo errado. Minha intenção está torta, pois a glória está sendo dada a mim, não a Deus.
Às vezes até começamos direitinho, sabe? Em uma pregação, por exemplo, começamos anunciando a Boa Nova, trazendo a atenção dos irmãos para Deus, mas basta darem um risadinha que pronto, começo logo a pensar como sou bacana, engraçado e todos me amam. Aí sutilmente a fala muda de “amem a Deus!” para “me amem!”. Quase sem perceber, esqueço de Deus e começo a querer trazer a atenção dos outros para mim, pessoalmente. E de repente o centro sou eu, não Deus. Pode até ser que os irmãos nem percebam e achem que está tudo muito bem, obrigado.
Mas como dizem por aí “Deus está vendo”, né? Ou como diz amavelmente o próprio Jesus: “Vocês gostam de parecer justos diante dos homens, mas Deus conhece os corações de vocês. De fato, o que é importante para os homens, é detestável para Deus” (Lc 16, 15).
Precisamos pedir o auxílio de Nossa Senhora, para que nós tenhamos, como ela, grande intimidade com o Espírito Santo. Assim, o próprio Espírito irá nos alertar e ajudar a retificarmos as intenções de nosso coração o quanto antes. Aprendamos com Maria que o motivo, o foco, o centro precisa ser sempre Jesus.

Dica #2: A obediência

“Quem obedece às ordens, não incorre em pena alguma.” (Eclesiastes 8, 5)
A Igreja nos ensina que quem obedece nunca erra. Maria foi a serva do Senhor por excelência, fazendo sempre a Sua vontade. Os grandes santos souberam seguir o exemplo da Mãe de Deus, mostrando-nos a obediência como uma máxima em suas vidas, mesmo quando eram castigados ou sofriam injúrias permaneciam obedientes à Igreja.
Ao longo da história, o próprio Jesus confirmou, em aparições e revelações, o quanto lhe agradavam aqueles que eram obedientes à Igreja. Mas os santos não foram tantas vezes injustiçados por membros das Igreja? Sim, é verdade, mas nós, católicos, acreditamos que Deus confere àqueles que estão à frente uma “unção especial”, uma autoridade para desempenhar aquele serviço, mesmo que estes algumas vezes não façam jus à graça concedida por Deus. Esse julgamento não cabe a nós, a parte que nos cabe é obedecer.
Quando o diretor espiritual de Santa Teresa de Jesus pediu que ela, em suas visões, tratasse Jesus como se fosse o demônio, o próprio Jesus se alegrou com a obediência de Teresa, dizendo a ela “Muito bem, Teresa!”. Isso quer dizer que, mesmo sem concordar, eu devo obedecer? Sempre? Bom, a não ser em caso de heresia, sim, você sempre deve obedecer, como Maria. Afinal, fazer tudo concordando é mais aderir que obedecer, não é verdade? Se começarmos a “escolher” em vez de “acolher”, sem percebermos acabaremos seguindo nosso próprio evangelho, não o de Jesus Cristo.
Então, se você não concorda com alguma decisão de seu coordenador/fundador/padre/papa, faça como Maria: guarde tudo em seu coração, mesmo sem compreender (leia Lucas 2, 43-51). Isso também quer dizer: não faça fofoca ou alimente o falatório, simplesmente obedeça e permaneça em oração. Lembremos de Maria dizendo “fazei tudo o que Ele vos disser” (João 2, 5) e sigamos na certeza de que estamos fazendo um sacrifício agradável à Deus.

Dica #3: A serenidade

Quem começou a servir já percebeu que tudo acontece para atrapalhar ou até impedir nosso serviço. Quanto maior a obra que Deus quer realizar, maior a tribulação. Sabendo disso, diante de uma dificuldade saiba ser sereno, esforce-se ao máximo para não fazer muito “barulho”. “Mas qual o motivo disso?”, você poderia se perguntar. Bom, sabem quem adora barulho, né? O demônio. Teve confusão, ele chega junto. Com Maria é diferente, ela aprecia bem mais o silêncio.
Quando transformamos algo que poderia ser simples em uma confusão, reclamamos muito, não facilitamos. Sem querer, impedimos o fluxo da graça de Deus e damos cartaz ao demônio. Às vezes, passamos por problemas no trabalho, ficamos um pouco doentes, batemos o carro ou acontecem outras coisas, lícitas até, que nos levam a murmurar e a chamar atenção sem que haja real necessidade para isso. Precisamos estar atentos, principalmente nos períodos próximos ao nosso serviço para não nos deixarmos levar por essas situações.
Então, antes que o que você está passando comece a virar algo maior do que realmente é, considere se seus comentários passam por três peneiras de Sócrates: é verdadeiro, é bom, é necessário? Ou seja: o que eu vou falar resolve alguma coisa? Ajuda alguém? Melhora de alguma forma? Não? Então, melhor mesmo é deixar pra lá.
Experimente ofertar a Maria sua dor, sua queixa, seu problema. Com certeza, ela saberá empregar sua oferta em benefício daqueles que mais precisam e seu consolo virá de Deus, não dos homens.

Dica #4: A espera em Deus

Todos eles perseveravam unanimemente na oração, juntamente com as mulheres, entre elas Maria, mãe de Jesus. (Atos dos Apóstolos 1, 14)
Escutamos muito a expressão “esperar no Senhor”, mas o que isso quer dizer? Quer dizer que é só entregar tudo a Deus e pronto? Não! A espera em Deus não é morna, preguiçosa, paradona, não significa simplesmente esperar que Deus faça tudo, pelo contrário: a espera em Deus é ativa, exige de nós um grande movimento de oração e conversão.
Muitos pensam que uma vida entregue a Deus isenta o sujeito da tomada de decisão, mas é exatamente o contrário: assumir a vontade de Deus exige de nós uma decisão. Até para esperar em Deus, precisamos decidir esperar. Desta decisão, virão ainda muitas outras, como, por exemplo, decidir que esta espera não irá interferir no meu serviço, na minha caminhada, mas será para mim motivo de conversão, de mais intimidade com Deus.
Para que nossa espera seja fecunda, precisamos entregar a Deus nossa situação, permanecermos em oração e, pacientemente, seguirmos em frente. A oração aguça nossos ouvidos para a voz a Deus e nos deixa atentos para percebermos Deus falando conosco também no nosso dia a dia. Vale lembrar que muitas vezes não vamos entender imediatamente o que Deus nos fala, o discernimento nem sempre é um processo rápido.
As Sagradas Escrituras nos mostram que Maria nem sempre compreendia tudo. Quando ela e José reencontraram Jesus no templo, Ele falou-lhes algumas palavras “mas eles não compreenderam o que o menino acabava de lhes dizer” (Lc 2, 50), em seguida lemos “sua mãe conservava no coração todas essas coisas”. É assim que Maria bem nos ensina a acolher mesmo sem entender, a escutar e meditarmos sobre aquilo que Deus nos fala, ou seja, nos ensina a esperar em Deus.
Então, tenhamos paciência, irmãos. Já dizia Santa Teresa de Jesus que esta virtude tudo alcança. Esperemos na confiança de Deus sempre quer o melhor para nós, algo que ultrapassa nossa ideia daquilo que seria o melhor. Tenhamos a certeza de que, esperando em Deus, tudo quanto nos acontecer, mesmo que não seja o que gostaríamos, será para que ganhemos o maior de todos os bens: a salvação eterna.

Dica #5: A ousadia no Espírito

“Como viesse a faltar vinho, a mãe de Jesus disse-lhe: Eles já não têm vinho. Respondeu-lhe Jesus: Mulher, isso compete a nós? Minha hora ainda não chegou. Disse, então, sua mãe aos serventes: Fazei o que ele vos disser.” (Jo 5, 3-5)
É preciso estar em profunda sintonia com o Espírito Santo para ousar de forma tão segura como fez Maria nas Bodas de Caná. Foi ousando no Espírito que Nossa Senhora adiantou o primeiro milagre público de Jesus.
Em muitos momentos, Deus espera de nós esta ousadia. Atitudes assim pressupõem a sintonia com o Espírito Santo para percebermos o momento certo de agir, caso contrário, podemos deixar passar ou mesmo atrapalhar uma graça que Deus quer realizar.
Quando presenciamos o início de uma discussão, por exemplo, temos a chance de interferir para acalmar os ânimos ou para colocar mais lenha na fogueira. Em uma dificuldade qualquer durante um serviço, podemos procurar culpados ou simplesmente resolver.
Além da sintonia com o Espírito, é muito proveitoso tomarmos para nós algumas regrinhas que tanto a vivência, quanto o Evangelho e a vida dos santos nos ensinam. “Serviço é momento de resolver, não de discutir/brigar” pode ser uma delas.
Deus coloca pequenos (e grandes!) milagres em nossas mãos, mas às vezes somos um pouco “mão fechada”, né? Falamos constantemente sobre isso, mas, na prática, precisamos nos esforçar mais para não deixar a graça passar.
A intimidade com o Espírito Santo é fruto de uma vida de oração, e, como diz Santa Teresa de Jesus, para termos uma vida de oração é preciso muita oração na vida. Assim, poderemos, sem medo, ousar no Espírito obedecendo a ordem de Maria: “Fazei o que ele vos disser”.

Dica #6: O discernimento

Quando estamos servindo, devemos estar mais vigilantes que nunca em relação a nossa postura. É um momento de constantes e rápidos discernimentos: o que não devo falar? Como me vestir? Que brincadeiras devo evitar? Talvez você já tenha ouvido por aí a expressão “sem discernimento”, quando se quer dizer que alguém fez algo que não convém aos que seguem a Cristo.
Muito mal pode ser feito sem esse filtro que chamamos “discernimento”, afinal tudo nos é permitido, mas na condição de cristãos, nem tudo nos convém (1Cor 6,12). Temos que admitir que às vezes estamos “impossíveis”, não é mesmo? Já passei por experiências em Seminários de Vida no Espírito Santo, em que percebemos que nossa única solução seria o silêncio, o jejum da língua, pois nossa equipe estava “demais”, para não dizer outra coisa.
São Tiago diz que “a língua é um fogo, o mundo da maldade”, pois “da mesma boca sai benção e maldição”, e nos exorta: “Meus irmãos, isso não pode acontecer!” (Tg 3, 5-10). Então, cessemos com brincadeiras e conversas que propagam a mentalidade do homem velho e que não combinam com pessoas renovadas em Cristo.
Mas sobre quais tópicos não devemos falar? Quais posturas não devemos adotar? O Catecismo e as Sagradas Escrituras nos dão várias pistas, como em Gálatas 5, 19-21. Se você está na dúvida e precisa de uma resposta mais rápida, peça orientação a alguém, seu coordenador ou pastor, por exemplo.
Uma dica que funciona bem pra mim é pensar em Nossa Senhora, essa vale principalmente para os consagrados: Será que isso que estou fazendo agrada à Santíssima Virgem? Encontraria com Nossa Senhora com essa roupa que estou vestindo? Falaria isso em Sua presença? Contaria para ela essa piada? Lembre-se: pela graça de Deus, Maria já está conosco.
Deixemo-nos educar por essa Mãe zelosa que só quer nos aproximar mais de nosso amado Pai.

Dica #7: A humildade

Os humildes são os que mais facilmente se submetem à vontade de Deus. Temos o costume de ver as humilhações como situações de todos ruins, mas a visão espiritual transforma o nosso olhar, então as dificuldades se apresentam como grandes oportunidades de sermos santos e demonstrarmos nosso amor a Deus.
Santa Teresa diz que “quem se humilha nunca perde”, pois nos despojando de nós mesmos ganhamos a Deus, que, então, tem espaço para reinar soberano no lar dos humildes. Nestes corações, Deus não encontra obstáculos, vaidades, preconceitos. Tratam-se de almas que repetem continuamente como Maria “faça-se em mim segundo a Vossa Palavra” (Lc 1, 38).
Deus, pela sua infinita bondade, tem o poder de transformar a humilhação em salvação, afinal, Jesus mesmo disse que “os humilhados serão exaltados” (Lc 18, 14).  Que pela força do Espírito soframos com paciência as permissões de Deus, pois Ele sabe o que é melhor para nós. Sigamos na certeza de que “TUDO concorre para o bem dos que amam a Deus” (Rm 8,28), e tudo é tudo mesmo.
Andréa Veras
Comunidade Um Novo Caminho
Fonte: Comunidade Shalom

2 comentários:

Fatima França disse...

Muito bom.Amo tudo que se refere a Maria. Leio e compartilho.
Já visito essa comunidade há algum tempo. Deus abençoe.

Fatima França disse...

Essa comunidade é maravilhosa. Visito sempre essa página. Leio, copio e compartilho na página da minha paróquia.
Me interesso por tudo que fala de Maria.
Que Deus abençoes todos vocês.