Pular para o conteúdo principal

MATRIMÔNIO: intenção de oração do Papa para junho

Será verdade o que alguns dizem, que os jovens não se querem casar, especialmente nestes tempos tão difíceis? Casar e partilhar a vida é algo maravilhoso. É uma viagem trabalhosa, por vezes difícil, chegando mesmo a ser conflituosa, mas vale a pena animar-se. E nesta viagem de toda a vida, a esposa e o esposo não estão sozinhos; Jesus acompanha-os.

O casamento não é apenas um ato “social”; é uma vocação que nasce do coração, é uma decisão consciente para toda a vida, que exige uma preparação específica. Por favor, nunca se esqueçam disto. Deus tem um sonho para nós, o amor, e pede-nos que o tornemos nosso. Façamos nosso o amor que é o sonho de Deus. E rezemos pelos jovens que se preparam para o matrimônio com o apoio de uma comunidade cristã, para que cresçam no amor, com generosidade, fidelidade e paciência. Porque para amar é preciso muita paciência. Mas vale a pena, não é mesmo?


Papa Francisco destaca a beleza do casamento: “Casar e compartilhar a vida é algo belo”

O Santo Padre dedica sua intenção de oração do mês de junho à beleza do casamento, uma jornada de compromisso ao longo da vida, em que “a esposa e o esposo não estão sozinhos”, pois “Jesus os acompanha”

(Cidade do Vaticano, 1° de junho de 2021) – Acaba de ser divulgado “O Vídeo Papa” com a intenção de oração que Francisco confia a toda Igreja Católica por meio da Rede Mundial de Oração do Papa. No contexto do “Ano Especial Dedicado à Família”, que começou em 19 de março de 2021, o vídeo enfoca a beleza do casamento e foi publicado em colaboração com o Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida. O Santo Padre encoraja os jovens a embarcarem nesta jornada de compromisso, pois “casar-se e compartilhar a vida é algo belo”. Por isso é uma vocação que vale a pena, pois “Deus tem um sonho para nós, o amor, e nos pede que o façamos nosso”. A intenção de oração reafirma a natureza da vocação matrimonial, que “não é apenas um ato ‘social'”, mas “nasce do coração”.

Tendências mundiais do casamento

“Seria verdade isso que alguns dizem, que os jovens não querem se casar, principalmente nestes tempos difíceis?”, começa perguntando o Santo Padre em O Vídeo do Papa. Esse questionamento ainda ecoa as dificuldades e complicações que muitas famílias e casamentos tiveram durante a pandemia.

A taxa de casamentos, segundo alguns dados, vem diminuindo notavelmente desde 1972, a ponto de, em países como os Estados Unidos, atingir os pontos mais baixos da história. Além disso, em muitos países, a queda nas taxas de casamento foi acompanhada por um aumento na idade em que se casa (a média na Suécia, por exemplo, está agora se aproximando dos 34 anos). E em termos de famílias, não se observa apenas que a proporção de filhos nascidos fora do casamento aumentou consideravelmente em quase todos os países da OCDE, mas que se multiplicou o número de divórcios, que em alguns países chegam a mais da metade dos casamentos.

 

O confinamento, em muitos casos, gerou tensões e conflitos familiares e tornou a vida em comum uma tarefa mais árdua do que o normal. Mas a mensagem do Papa encoraja-nos a continuar: “Vale a pena animar-se. E nesta viagem de toda a vida, a esposa e o esposo não estão sozinhos; Jesus os acompanha”.

Ano especial dedicado à família

O Vídeo do Papa sobre o casamento chega em um momento muito oportuno. Na festa da Sagrada Família de 2020, o Papa Francisco havia convocado um Ano especial dedicado à família, e este começou em 19 de março de 2021 com o seguinte lema: “Amor em família: vocação e caminho de santidade”. Essa convocatória coincide com o quinto aniversário da encíclica Amoris Laetitia e com o terceiro aniversário da exortação apostólica Gaudete et Exsultate, dando destaque à vocação ao amor que cada pessoa tem dentro de sua casa. Além disso, acompanha outro acontecimento importante: o ano de São José, que se estenderá até o dia 8 de dezembro.

Preparação do casamento

Um aspecto importante do Vídeo Papa é demonstrar a beleza do casamento e da família como algo mais do que um ato “social”: “é uma vocação que nasce do coração, é uma decisão consciente para toda a vida, que exige uma preparação específica”.

“Preparar os jovens e os namorados à vivência de uma verdadeira vocação e não só a uma festa de casamento, é uma prioridade.” Assim comentou a subsecretária do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, a professora Gabriella Gambino. “Partir do significado do Batismo para entender a presença de Cristo na vida quotidiana, primeiro no namoro, a seguir no casamento, é indispensável para dar aos jovens a certeza que o seu projeto familiar é a resposta a um chamado, e que esse projeto é possível. Numa sociedade secularizada que não acredita mais no casamento, é de fundamental importância anunciar a força e o poder do sacramento como vocação, mostrar que as relações familiares podem ter um valor salvífico para as pessoas e ser um caminho de santidade. Trata-se de levar concretamente Cristo à vida das famílias.”

O padre Frédéric Fornos SJ, Diretor Internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, afirmou que “o Papa destaca nesta intenção de oração a beleza do casamento e expressa o desejo de que os jovens que se preparam para o sacramento tenham ‘o apoio de uma comunidade cristã’. Pois bem, o casamento é uma vocação, uma resposta ao chamado do Senhor, ou seja, a decisão de casar e constituir família é fruto do discernimento. Viver o sonho que Deus tem para nós, o amor, pede apoio e acompanhamento da comunidade. Como diz Francisco aos jovens que se preparam para o casamento: “para amar é preciso muita paciência”, mas neste caminho de uma vida, Jesus, o rosto do amor do Pai, acompanha os esposos. Façamos nosso este sonho de Deus de crescer no amor e apostar no caminho de compromisso do matrimônio e da família neste ano especial de São José”.



Fonte: thepopevideo.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at