Pular para o conteúdo principal

Como fazer uma boa confissão?

Poucas coisas são tão importantes quanto saber confessar-se bem. O sacramento da Penitência, com efeito, foi instituído por Cristo para que os pecados cometidos após o Batismo, em virtude da absolvição sacramental, fossem perdoados ao fiel contrito e confessado. Daí se vê o quão necessário à salvação é este sacramento, cuja necessidade se equipara à do Batismo, ao menos para os que se afastaram de Deus pelo pecado grave.

Somente por ele, de lei ordinária, o homem em pecado pode reconciliar-se com Deus, que dele se serve para infundir novamente a graça santificante e perdoar tanto a culpa quanto o reato da pena eterna, isto é, do inferno. A experiência mostra, além disso, que este sacramento, para quem o recebe com devoção, devolve a paz de consciência e produz, não raro, grande consolação de espírito.
Mas o que é preciso para se confessar bem? Antes de responder a essa pergunta, é importante lembrar que todos os sacramentos, para serem válidos, contam com alguns requisitos essenciais:
(1) que haja um ministro que,
(2) com a intenção mínima de fazer o que faz a Igreja,
(3) aplique a forma prescrita
(4) à matéria própria de cada sacramento.
Assim, para que se confeccione validamente a Eucaristia, é necessário que o ministro (neste caso, somente um sacerdote), com a intenção de fazer o que faz a Igreja, aplique as palavras da consagração à matéria correspondente, que são o pão e o vinho. A falta de qualquer dessas condições torna nulo o sacramento.

Acontece que a Penitência é um sacramento “diferente”. Por quê? Porque todo sacramento tem uma matéria visível e, por assim dizer, palpável: no Batismo, usa-se água; na Eucaristia, pão e vinho; na Crisma, óleo bento; no Matrimônio, são os corpos dos nubentes, e assim por diante. Na Penitência, contudo, a matéria não se vê nem se toca propriamente e, ao contrário do que se dá com quase todos os outros sacramentos, depende mais de quem o recebe que de quem o administra.
Se na Missa, por exemplo, é o celebrante quem toma o pão e o vinho para os consagrar, na Penitência é o próprio fiel quem deve providenciar a matéria, levando-a até o ministro para que atue sobre ela. E que matéria é esta? É, numa palavra, o pecado arrependido. Se não há pecado, ou se o fiel não se arrependeu, não é possível receber o sacramento da Penitência.
É preciso, então, se confessar de todo e qualquer pecado? A Igreja distingue:

- Constituem matéria necessária e obrigatória todos e somente os pecados mortais cometidos após o Batismo e ainda não perdoados diretamente pela absolvição sacramental. Isso significa que, após um diligente exame de consciência, o fiel contrito tem a obrigação de se acusar de todos os pecados graves cometidos após o Batismo, mas ainda não declarados em confissões passadas.
- Constituem porém matéria livre ou suficiente (isto é, que pode ser validamente submetida às chaves da Igreja) tanto os pecados veniais cometidos após o Batismo quanto os mortais já diretamente perdoados (ou seja, acusados em confissões passadas).

Mas o pecado arrependido, para constituir-se devidamente em objeto de absolvição, supõe não apenas o reconhecimento do pecado e a contrição do penitente, mas também o propósito de não tornar a pecar, sua declaração ou confissão a um sacerdote facultado e a intenção de cumprir a satisfação imposta pelo confessor.
Sem qualquer dessas partes integrantes da matéria da Penitência, o fiel não pode ser perdoado, por mais que o confessor pronuncie a fórmula da absolvição. Assim, por exemplo, quem não se acusa de pecados, mas apenas de imperfeições, não pode ser absolvido. O mesmo se diga de quem se acusa perfeitamente de seus pecados, mas sem arrependimento nem propósito. Do mesmo modo, não pode ser absolvido o penitente que, mesmo arrependido e consciente dos pecados cometidos, não se acusa como deve, mas em termos genéricos e vagos.
Para não expor a Penitência ao perigo de nulidade, convém estudar com mais detalhes, em outros episódios, cada um destes elementos, que constituem como que a “matéria total” ou “adequada” do sacramento: o pecado, ou matéria remota, que se identifica, geralmente, pelo exame de consciência; e os atos do penitente, ou matéria próxima, que compreendem os demais elementos — a contrição pelo pecado com o propósito de não pecar, a confissão do pecado e, por último, a satisfação pelo pecado.

Fonte: Padre Paulo Ricardo 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at