Pular para o conteúdo principal

Papa Francisco faz catequese sobre o Tríduo Pascal


Quarta-feira, 01 de Abril de 2015: Audiência Geral com o Papa Francisco na Praça de S. Pedro repleta de fiéis numa manhã primaveril em Roma. 

Nesta audiência que decorre durante a Semana Santa, o Papa concentrou a sua catequese no Tríduo Pascal da paixão, morte e ressurreição de Cristo, ponto culminante de todo o ano litúrgico e da vida cristã, e que começa com a Missa “na Ceia do Senhor” na Quinta-feira Santa à tarde.

O Tríduo Pascal, explicou o Papa, começa com a comemoração da 
Última Ceia em que Jesus, na véspera da sua paixão, ofereceu ao Pai o seu Corpo e Sangue sob as espécies do pão e do vinho e, doando-os aos Apóstolos como alimento, ordenou-lhes de perpetuar a sua oferta em sua memória. Momento importante do Evangelho da celebração é o lava-pés, que exprime o mesmo significado da Eucaristia mas numa perspectiva diferente:
“Jesus - como um servo - lava os pés de Simão Pedro e dos outros onze discípulos. Com este gesto profético, Ele exprime o sentido da sua vida e da sua paixão, como serviço a Deus e aos irmãos: "O Filho do homem, de facto, não veio para ser servido, mas para servir".
O mesmo aconteceu no nosso Batismo, quando a graça de Deus nos purificou do pecado e nos revestimos de Cristo, e também acontece cada vez que fazemos o memorial do Senhor na Eucaristia e fazemos comunhão com Cristo para obedecer ao seu mandamento de nos amarmos uns aos outros como Ele nos amou. E reiterou dizendo: "Se nos aproximarmos da Sagrada Comunhão sem estarmos sinceramente dispostos a lavar os pés uns aos outros, não reconhecemos o Corpo do Senhor”.

Na liturgia da Sexta-Feira Santa, prosseguiu o Papa Francisco, meditamos o mistério da morte de Cristo e adoramos a Cruz. O Papa comentou as últimas palavras de Cristo antes de entregar o espírito ao Pai, quando disse: "Tudo está consumado!" Esta palavra significa, explicou, que a obra da salvação está completada, que todas as Escrituras encontram a sua plena realização no amor de Cristo, Cordeiro imolado. Jesus, com o seu sacrifício, transformou a maior iniquidade no maior amor.
E recordou a este propósito os muitos homens e mulheres que, ao longo dos séculos, têm reflectido com o testemunho de suas vidas este amor perfeito, pleno, incontaminado de Jesus, tendo citando o exemplo do Padre Andrea Santoro, sacerdote da diocese de Roma e missionário na Turquia, onde foi assassinado, e disse: “Nós nos tornamos capazes de salvação apenas quando oferecemos a própria carne. É preciso suportar o mal do mundo e partilhar a dor, absorvendo-a na própria carne até ao fim, como fez Jesus. Este exemplo, e muitos outros, nos sustentem na oferta da nossa vida como dom de amor aos irmãos, à imitação de Jesus”.

Sábado Santo é o dia em que a Igreja contempla o "repouso" de Cristo no túmulo depois da vitoriosa batalha da cruz, prosseguiu o Papa na sua catequese, e a Igreja neste dia identifica-se com Maria, a primeira e a mais perfeita entre os crentes. Na escuridão que envolve a criação, ela permanece a única que mantém a chama da fé, esperando contra toda a esperança na ressurreição de Jesus. E na grande Vigília Pascal, enfim, celebramos Cristo ressuscitado, centro e fim do universo e da história; vigiamos cheios de esperança aguardando o seu retorno, quando a Páscoa terá a sua plena manifestação: “Por vezes, a escuridão da noite parece penetrar a alma; por vezes pensamos: "agora já não há nada a fazer", e o coração não encontra a força para amar ... Mas precisamente naquela escuridão Cristo acende o fogo do amor de Deus: um brilho rompe as trevas e anuncia um início. A pedra da dor é removida, deixando espaço para a esperança” Eis o grande mistério da Páscoa, concluiu o Papa, nesta noite santa em que a Igreja nos dá a luz do Ressuscitado, para que em nós exista a esperança de quem se abre a um presente cheio de futuro: Cristo venceu a morte, e nós com Ele”. E a todos o Papa lançou um convite:

“Nestes dias do Tríduo Sagrado não nos limitemos a comemorar a paixão do Senhor, mas entremos no mistério, façamos nossos os seus sentimentos, as suas atitudes, como nos convida o apóstolo Paulo: "Tende entre vós os mesmos sentimentos que havia em Cristo Jesus". Então, teremos uma “boa Páscoa”.

Ave-Maria ….

O Papa Francisco a todos deu a sua bênção! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver.

Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações.

Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de loucura …

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra.
A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade.
Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um menino chamado Plácido …

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência?

Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita. 
“Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10)

A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação atenta e cuidadosa dos p…