Pular para o conteúdo principal

Doutrina Social da Igreja: O valor da Família

Por que é que Deus quer que nós vivamos em família?
Porque Deus não queria que cada homem vivesse sozinho para si, criou-nos como seres comunitários. Portanto, os homens são naturalmente criados para a comunidade, para a família. Isto é claro desde as primeiras páginas da Bíblia, no relato da criação: Adão recebe de Deus Eva, como companheira colocada ao seu lado. “O homem deu então um nome a todos os animais, às aves do céu e a todas as feras. Mas o homem não encontrou uma auxiliar que lhe fosse semelhante. […] Depois, da costela que tinha retirado do homem, o Senhor Deus modelou uma mulher e apresentou-a ao homem. Então o homem exclamou: “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gn 2,20.22-23a).
Que significado tem a família na Bíblia?
A Bíblia refere muitas vezes a vida na família. No Antigo Testamento, os pais devem passar aos filhos as experiências do amor e da fidelidade de Deus, e transmitir-lhes as primeiras e mais importantes sabedorias da vida. O Novo Testamento relata que também Jesus nasceu numa família concreta. Os seus pais deram-lhe afeto, amor e educação. Porque Deus procurou para si uma família totalmente “normal” para nela nascer como homem e nela crescer, fez da família um lugar muito especial e deu-lhe como comunidade um valor único. 

Como é que a Igreja vê a família?
A Igreja vê a família como a primeira e a mais importante comunidade natural. A família tem direitos especiais e está no centro de toda a vida social. Ela é nomeadamente o lugar onde se origina a vida humana e o lugar onde crescem as primeiras relações inter-humanas. A família forma o fundamento da vida, dela surgem todas as ordens sociais. Por causa deste enorme significado é que a Igreja vê a família como uma instituição divina.

O que há de especial na família?

Eu sou amado incondicionalmente – esta é a experiência insubstituível que os homens fazem numa boa família. Diversas gerações vivem juntas e experimentam afeição, solidariedade, estima, compromisso desinteressado, ajuda e justiça. Cada membro da família é reconhecido pelos outros na sua dignidade, aceito e respeitado, sem para isso ter de prestar nenhum serviço. Cada qual é amado tal como é. Cada uma das pessoas não é um meio para alguma coisa, mas fim em si mesma. Por isso surge na família uma cultura da vida que atualmente já não é assim tão evidente. Muitas vezes do que se trata hoje é do que cada um pode ou dá (por exemplo, em dinheiro). Frequentemente, predomina nos nossos dias uma ênfase naquilo que é material. Temos aqui uma mentalidade que desafia as famílias e até muitas vezes as destrói.

A “família“ ainda tem lugar na sociedade moderna?

Sim. Nas sociedades modernas, muitas vezes já não há convicções morais nem religiosas que sejam partilhadas por todos. Além disso, o mundo tornou-se extremamente complexo. Cada domínio da realidade funciona segundo regras próprias. Isso atinge também as famílias. Para a Igreja, do que se trata é do bem-estar e da dignidade de cada uma das pessoas. Isso envolve todos os domínios. Em parte nenhuma estão as pessoas em melhores mãos do que numa cultura da vida norteada por elevados ideais e boas relações familiares. Aqui é possível mostrar e aprender que o respeito mútuo, a justiça, o diálogo e o amor são mais importantes do que tudo para uma convivência bem conseguida. Por isso, a família não é apenas uma instituição entre outras na sociedade moderna, mas é o lugar central da integração humana. É aqui que têm origem os pressupostos sociais e humanos necessários para o Estado e para os diferentes domínios sociais (por exemplo, econômicos, políticos, culturais).

O que é que a família faz por cada pessoa individualmente?
Fazer a experiência familiar é extraordinariamente importante para cada indivíduo. É na família que o homem faz pela primeira vez a experiência de comunidade com os outros que, por natureza, se encontram com ele, querendo-lhe bem, e o amam e aceitam sem reservas. Numa atmosfera tão positiva, pode cada membro da família desenvolver as suas capacidades e preparar-se para o confronto com todos os que há de encontrar na vida e preparar-se para isso. É justamente isso que também pretende uma educação cristã do homem. Ao mesmo tempo, as pessoas individualmente na família fazem a experiência do que significa assumir responsabilidades, pois cada membro da família não pode simplesmente viver apenas para si mesmo. De cada papel, o dos pais, dos avós ou dos filhos, resultam sempre também deveres para com os outros membros da família. 

A família traz também algo para a sociedade?

Sim, pois tudo o que a família faz, a nível interior, para si mesma e para cada um dos seus membros, é também relevante para a sociedade. De fato, uma sociedade só pode ter sucesso se cada um dos seus membros estiver bem, quando se sente amado e aceite. Na família pode fazer-se a experiência de que, antes da lógica da troca e do mercado, há outra lógica, do dom e da aceitação. Porque cada um aprende também em família o que significam responsabilidade social e solidariedade, isso reverte igualmente em benefício da sociedade no seu conjunto: quem se mostra responsável e solidário nas “coisas pequenas” fará o mesmo nas “grandes”. Onde é que alguém pode aprender a prestar atenção aos pobres, aos doentes ou aos idosos a não ser na família? Onde é que se pode compreender melhor as pessoas que duvidam, que se sentem sós ou abandonadas? Onde é que alguém se tornará sensível pelas situações penosas das estruturas sociais se antes não as tiver vivido em família? Por isso é que a família dá um contributo insubstituível para a “humanização da sociedade” (C. Kissling). Os meios que uma sociedade investe na família não serão necessários em centros de acolhimento temporário, centros educativos ou terapia de drogas. 

O que é que a família faz pela sociedade?
Antes de mais, a família é o lugar onde é assegurada a sobrevivência da sociedade. Em segundo lugar, a família assume a tarefa específica da socialização e da educação dos filhos. Nela são transmitidas virtudes, valores e tradições culturais, éticas, sociais, espirituais e religiosas que são fundamentais para cada pessoa consciente de que é livre e responsável. Munidos com esta armadura da educação familiar, os homens podem assumir toda a espécie de tarefas na sociedade. Uma terceira tarefa da família consiste em cuidar do sustento de cada um dos seus membros e em lhes oferecer um espaço pessoal de proteção, de desenvolvimento e de descanso. Em quarto lugar (sobretudo em sociedades envelhecidas), torna-se cada vez mais importante que membros do agregado familiar doentes e incapacitados, e que já não são capazes de trabalhar, sejam afetuosamente tratados em família. Aqui, o olhar alarga-se do núcleo familiar para a geração que vem a seguir, o que pode criar uma profunda solidariedade e ao mesmo tempo identidade.


Fonte: DOCAT - (Tradução popular da Doutrina Social da Igreja Católica)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at