Pular para o conteúdo principal

Por que o mundo moderno rejeita a Ressurreição de Jesus?

Em seu incomparável livro sobre Santo Tomás de Aquino, G. K. Chesterton mostra que o Doutor Angélico não apenas defendeu a realidade da Encarnação como mostrou suas implicações. A Encarnação uniu o Céu e a terra, mas também uniu o corpo e a alma de uma nova maneira. A presença divina preencheu algo criado, tornando-o sagrado não por um momento, mas para todo o sempre. Mesmo sem a Encarnação podemos compreender que um homem não é um homem sem corpo, assim como tampouco o é sem alma. “Um cadáver não é um homem, mas um fantasma tampouco.” Tendemos a pensar na alma como algo eterno e no corpo como algo temporal. Afinal, corpos sem vida se decompõem. Mas um determinado corpo não se decompôs. Quando o próprio Deus assumiu a carne humana algo novo aconteceu, algo a que Chesterton chama “o mais surpreendente dos dogmas: a ressurreição do corpo”.
Jesus Cristo ressuscitou fisicamente dos mortos. Seu corpo reuniu-se à sua alma. Depois, ascendeu em corpo ao Céu. Cristo é o “primogênito dentre os mortos”, de acordo com São Paulo. Isso quer dizer que devemos segui-lo na ressurreição. Significa que nossos corpos também são sagrados e também ressuscitarão dos mortos para se reunir com nossas almas. Esse é o dogma da Igreja Católica desde sua fundação.
Sejamos francos: o mundo moderno rejeita completamente esse dogma. Sejamos ainda mais francos: a maioria dos católicos provavelmente não reflete sobre o sentido desse dogma. Sejamos francos uma última vez: nós também não. Como diz Chesterton: é um dogma demasiado surpreendente.

A rejeição da tradição, seja pelo mundo ou pelos membros da Igreja, pode ser completa e deliberada ou passiva e irrefletida. Geralmente, ocorre o segundo caso, já que somos levados a desenvolver uma letargia intelectual por influência da tonalidade monótona que dá a falsa noção de progresso. O velho é ruim, o novo é bom. Rejeitemos o que é velho, acolhamos o que é novo. As coisas vão sempre melhorar; então, sigamos o fluxo. Esse senso de “progresso” é uma combinação de otimismo negligente com um determinismo ainda mais negligente. Porém, se pusermos nosso cérebro para funcionar e realmente refletirmos sobre o que estamos rejeitando, compreenderemos as implicações da filosofia que aceitamos inconscientemente. A filosofia do progresso não é apenas um ódio à tradição; é também a ideia de que, inevitavelmente, tudo está melhorando por si só. Ela é usada como justificativa para a má conduta, para considerá-la inevitável e também como um sinal de progresso.

Mas a história não é um relato de progresso. É o relato da Queda e da Salvação, da tentativa de recuperar algo que perdemos. É por isso que Chesterton diz que todos os poemas já escritos poderiam ser compilados num único volume com o título de Paraíso Perdido.
Nós perdemos algo e temos de recuperá-lo. A filosofia da Salvação é completamente diferente da filosofia do Progresso. Queremos restaurar algo que foi perdido? Queremos preservar algo que é bom? Ou queremos persistir num estado de amnésia, vandalismo e cremação (isto é, esquecendo, destruindo e queimando o passado, em vez de enterrá-lo)?
É neste ponto que temos de encarar o surpreendente dogma da ressurreição do corpo. Chesterton previu que a insistência moderna na ideia de higiene (uma ideia “progressista”) traria de volta o hábito pagão da cremação. A cremação realmente está de volta [1]. É um ataque à tradição cristã. Significa queimar as coisas e assim esquecê-las. Não deixa de ser irônico o fato de uma geração que parece idolatrar a saúde e o físico não ter, em última análise, respeito algum pelo corpo. Queimamos o corpo porque não cremos na ressurreição dos mortos. Chesterton diz: “Nós traímos os mortos”.
A cremação moderna é pior que a pagã porque é clínica e fria, caso prefiram usar esses termos. É completamente utilitária e desprovida de cerimônia. Chesterton a sintetiza em seu poema The Song of the Strange Ascetic, “A Canção do Estranho Asceta”:

Se eu fosse um pagão,
minha pira no alto poria
e, em um vermelho turbilhão,
rugindo ao céu iria;
mas é Higgins o pagão
e homem mais rico que eu:
a ele meteram no fogão
como a torta que não comeu.

A Igreja Católica desestimula (mas não proíbe) a cremação, porque cremos não apenas no respeito pelo corpo, mas em sua ressurreição. Se a cremação for necessária (como exceção, não como regra), a Igreja ensina que os restos mortais não devem ser espalhados, mas enterrados juntos. Obviamente, um Deus todo-poderoso pode ressuscitar o corpo independentemente de seu estado; mas destruir de forma deliberada os restos mortais é tentar o Senhor, é insistir na ideia de que nossos caminhos são melhores que os d'Ele.
A moda atual de espalhar as cinzas é também uma tentativa de esquecer a morte. Um túmulo nos faz lembrar dela. Faz com que nos preparemos para nossa própria morte, o que nos ajuda a viver uma vida melhor. Mas nos faz pensar principalmente na ressurreição. O mais glorioso túmulo na terra é o que está vazio em Jerusalém.

Fonte: Padre Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca