Pular para o conteúdo principal

Quais os tipos de devoção devemos prestar à Virgem Maria?

Estudada a devoção em geral, convém agora centrarmos nossa atenção, de modo mais particular, na devoção à Virgem Maria, o que requer considerar, como um pequeno “prenotando” a este tema, o culto que lhe é devido. Quanto a isto, pois, é necessário saber que há, não dois — como às vezes se pensa —, mas, sim, três tipos de devoção, cada um em correspondência com a natureza do culto devido a seus respectivos objetos.
A devoção, ao menos em sentido estrito (enquanto ato da virtude da religião), se refere própria e diretamente a Deus, já que só a ele devemos adorar, quer dizer, prestar um culto de latria. Este culto se estende também à santíssima humanidade de Nosso Senhor, uma vez que a natureza humana assumida por Cristo está unida à pessoa mesma do Verbo. Ora, dado que amar a Deus implica amar tudo o que a ele, de um modo ou de outro, se refere, a devoção pode direcionar-se, ao menos indiretamente, aos santos e anjos por aquilo que, como dito noutra ocasião, eles têm de Deus.
Essa forma de devoção se funda, por sua vez, num culto de dulia, que não é mais do que “a honra que se deve a qualquer pessoa constituída em dignidade” [1]. Nos santos, com efeito, vemos não somente como Deus manifesta quer a sua bondade, tornando participantes de suas perfeições a simples criaturas, quer a sua misericórdia, elevando à condição de amigos íntimos a quem, sem a graça, não passaria de mero escravo e pó da terra, mas ainda a caridade de que os bem-aventurados desfrutam no céu, podendo interceder e rogar por aqueles que os invocam e veneram.
O culto que devemos tributar à Virgem Santíssima não é desse tipo: ele não é nem de latria, a que apenas Deus tem direito, nem de simples dulia, mas de hiperdulia, distinto especificamente de ambos. E a razão disto é que Maria, em virtude de sua maternidade divina — pela qual ela é, em sentido real e verdadeiro, Mãe de Deus —, pertence a uma ordem superior à ordem da graça, em que se encontram os justos, e inclusive à da glória, própria dos santos e anjos do céu. Por ser Mãe do Verbo encarnado, Maria forma parte do que os teólogos costumam denominar ordem hipostática, que é a ordem, dentro do conjunto das obras de Deus, que se refere à união numa só pessoa, ou hipóstase, das naturezas humana e divina de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Maria Santíssima é digna de veneração não só por sua exímia e singular santidade, incomparavelmente superior à de todos os anjos e santos juntos. A ela temos de venerar, também, por sua dignidade de Mãe de Deus e, por isso mesmo, pela relação tanto de parentesco — de consanguinidade — que ela estabelece com Cristo quanto de afinidade com cada uma das pessoas da Santíssima Trindade [2]. Maria foi, em resumo, a porta pela qual Deus veio ao mundo; foi nela e por ela que “o Filho de Deus se fez homem para a nossa salvação” [3], segundo o eterno desígnio do Pai de não trazer a redenção aos homens senão pela fecundidade e o consentimento de uma Virgem Imaculada, a fim de vencer, pela humildade de seu Filho e sua Mãe, os frutos da desobediência de Eva.
Já que foi “por intermédio da Santíssima Virgem Maria que Jesus Cristo veio ao mundo”, é “também por meio dela que ele deve reinar no mundo” [4], e não há como se aproximar dele sem passar pelo instrumento de que ele mesmo se serviu para vir a nós e dispensar-nos suas graças. Eis porque, em rápidas pinceladas, devemos a esta bendita e amorosa Mãe um culto especial, uma devoção repleta de ternura e confiança filial, sem incorrer em idolatria nem rebaixar ao nível dos outros santos aquela que o próprio Deus elevou acima de todas as criaturas.

Fonte: Padre Paulo Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni