Pular para o conteúdo principal

CASTIDADE: DOM ESPECIAL OU VIRTUDE PARA TODOS?


Sempre aparecem pessoas que fazem voluntária ou involuntariamente uma grande confusão entre a vocação ao celibato, o voto e a virtude da castidade.

Para o cristianismo, o casamento não é uma mera escolha natural, mas uma verdadeira vocação sobrenatural reservada a alguns batizados (a maioria deles). Deus é um Pai amoroso e deseja ter muitos filhos no céu. Por isso, chama homens e mulheres, incorporados a Cristo pelo batismo, para que sejam seus cooperadores na geração de novas vidas, cada uma com sua alma imortal, chamadas a serem os habitantes da Jerusalém celeste. A vocação matrimonial transcende o desejo de felicidade humana. Quando um casal resolve preparar-se para casar, deveria ter sentimentos mais ou menos assim: "você é a pessoa ideal que Deus colocou em minha vida para me ajudar a que eu me una mais a Ele". O centro da vida de um casal cristão não são as suas próprias pessoas, pois ambos amam a Deus mais do que a si mesmos e sabem que Ele é o mais importante. Por isso, procuram honrá-Lo em e através do seu amor conjugal, que se torna um sacramento de Cristo graças ao matrimônio sacramental. É algo muito lindo e espiritual. A Igreja maternalmente nos ensina que os atos próprios dos cônjuges são corretos apenas quando ocorre uma entrega plena, a qual, por isso, é aberta à vida, sem que um se proteja ou se defenda do outro, em total abertura e completa doação. Afinal de contas, quando se unem fisicamente, aquela união é expressão de uma união ainda mais alta com o próprio Deus. Por isso, existe uma castidade conjugal, muito rica e profunda. A castidade é a virtude moral que regula o desejo natural do prazer venéreo para que não exceda o limite da razão iluminada pela fé. E é exatamente isso que ocorre também dentro do casamento, não apenas porque os casais não podem sempre dispor de seus corpos, mas também porque precisam fazê-lo como um ato simultaneamente de amor humano e de caridade divina. Aqueles que não são chamados ao matrimônio, independentemente da sua orientação sexual, são chamados, como todos os cristãos, à castidade completa, pois a intimidade carnal somente é lícita quando aberta à vida e, por isso, dentro do matrimônio. Neste sentido, a castidade não é um dom especial, uma vocação específica; é, ao contrário, uma virtude que todo cristão deve praticar, e isso quase nada tem à ver com o fato de alguém ter esta ou aquela orientação para o seu desejo. Em alguns momentos da vida, pode ser mais difícil praticá-la, mas o tempo passa, e tudo pode se ir tornando mais tranquilo, especialmente quando confiamos na graça e na força que nos é dada pela Cruz do Senhor. A vocação ao celibato apostólico se dá sob diferentes formas. Não se refere apenas a uma castidade que deve ser vivida pelas circunstâncias naturais pelas quais a Providência nos vai conduzindo, mas é um chamado específico de Deus a dedicar-se exclusivamente a Ele e à sua obra, o que acontece sob dois modos básicos: 1) a consagração sacerdotal, pela qual Deus se apropria de um homem, decorrendo daí a sua dedicação exclusiva ao serviço divino; 2) ou a consagração religiosa, pela qual uma pessoa se dedica totalmente a Deus, renunciando a casar-se para pertencer totalmente a Ele. Há ainda muitas pessoas que se dedicam exclusivamente a Deus sem nenhum voto, apenas para ocuparem-se inteiramente ao apostolado, e isso por uma vocação específica (eu tenho uma tese acerca disso e, um dia, quem sabe, eu possa expô-la). Quando alguém diz que está dispensado de praticar a virtude da castidade porque não tem a vocação para o celibato está confundindo as bolas. Os primeiros cristãos deram testemunho heroico de virgindade e castidade, chegando até ao martírio, num tempo muito cheio de imoralidade e depravação. Eles brilharam como luzes no meio das trevas e, sustentados pela graça de Cristo, não cederam à tentação de adaptar o Evangelho àquilo que seria mais fácil para os pagãos do seu tempo. E eles venceram.

Não podemos ser sal que perdeu o sabor ou lâmpada debaixo do alqueire. Jesus nos disse que, se cedêssemos, seríamos pisados pelos homens e desprezados por eles. E parece que é justamente isso que tem acontecido nos lugares em que o liberalismo teológico emprestou a fé para a imoralidade. Temos que ter ideias claras, reconhecer que somos todos pecadores em luta, que caímos, mas que nos recusamos a permanecer na lama e, sobretudo, a chamar o mal de bem e a deixar de pregar o Evangelho para pregarmos a nós mesmos e aos nossos pecados. É preciso termos coragem e renunciarmos a toda covardia teológica. Não temos o direito de aguar o vinho novo só para justificar-nos em função daquilo que nos é mais cômodo ou que nos proporciona mais seguidores. Somos nós que seguimos a Cristo e não queremos que ninguém se desvie dele para seguir os nossos contratestemunhos.

Padre José Eduardo - Diocese de Osasco - SP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at