Pular para o conteúdo principal

A oração é um encontro íntimo com Deus

 

O que é a oração?

A oração é atitude própria e necessária de todo o cristão. Então, acredito que todos nós, em algum momento, já tenha feito a si mesmo estas perguntas: “Será que eu sei rezar?; Como eu rezo?; O que é a oração?”. Se você já se fez essas perguntas, não pense que está errado ou que isso é um problema. Pois, vejo, por trás desses questionamentos, alguém preocupado com a vida espiritual e com o relacionamento com Deus.

Digo isso partindo do mesmo apelo feito a Jesus, por um de seus discípulos, quando esse viu que o próprio Senhor tinha saído para orar em um determinado lugar. O discípulo perguntou ao Senhor: “Senhor, ensina-nos a orar, como, também, João ensinou aos seus discípulos” (Cf. Lc 11,1).

O que é a oração?

A oração é atitude própria e necessária de todo o cristão. Então, acredito que todos nós, em algum momento, já tenha feito a si mesmo estas perguntas: “Será que eu sei rezar?; Como eu rezo?; O que é a oração?”. Se você já se fez essas perguntas, não pense que está errado ou que isso é um problema. Pois, vejo, por trás desses questionamentos, alguém preocupado com a vida espiritual e com o relacionamento com Deus.

Digo isso partindo do mesmo apelo feito a Jesus, por um de seus discípulos, quando esse viu que o próprio Senhor tinha saído para orar em um determinado lugar. O discípulo perguntou ao Senhor: “Senhor, ensina-nos a orar, como, também, João ensinou aos seus discípulos” (Cf. Lc 11,1).

 

Questionar a maneira como se vive é um passo importante para quem deseja continuar crescendo no caminho cristão de santidade. Mais importante ainda, é fazer perguntas indispensáveis, assim como saber onde buscar as respostas para a própria vida. A tradição cristã, com seus vários anos e muitas correntes de espiritualidade, trouxeram definições sobre o que é a oração. Contudo, quero trazer para você a definição de que: a oração é um encontro íntimo com Deus.

O encontro de duas sedes

Tratar a oração como encontro é ter a certeza de ir encontrar-se com Aquele que, antes de nós irmos até Ele, já estava ansioso por nos encontrar. É, antes de tudo, uma oração de saída. Então, podemos dizer que, o encontro da sede do teu coração com a sede do coração de Deus é a necessidade de ambos.

Na passagem em que a samaritana se depara com um homem que mudou a sua vida, perceba que momento mais belo de oração e de realização de dois corações que se desejavam. “Havia ali a fonte de Jacó. Jesus, cansado da viagem, sentou-se junto à fonte. Era por volta do meio-dia. Veio uma mulher da Samaria buscar água. Jesus lhe disse: ‘Dá-me de beber!’ […] A samaritana disse a Jesus: ‘Como é que Tu, sendo judeu, pedes de beber a mim, que sou uma mulher samaritana?’” (Cf. Jo 4,6-9).


Pronto! Aconteceu a partir desse fato uma transformação na vida dessa mulher. Nada mais permaneceu da mesma forma. Ambos os corações desejavam a mesma coisa, saciar a sede. Não pensemos que a necessidade vital naquele momento era de água, porque se continuarmos a leitura, o texto bíblico não traz que nenhum dos dois beberam a água.


A sede daquela mulher era sede Deus e de Deus daquele coração machucado. Esse encontro foi oração na vida da samaritana. E, desde esse momento, ela já sabia como saciar a sua carência que acabou buscando nos cinco maridos que teve. Somente Deus sacia!

Entra no teu quarto e fecha a porta

Para Deus, o mais importante não é o lugar, mas a disposição do seu coração. Meu irmão, a oração vai muito mais do que as palavras ditas, o lugar em que você se encontra, a situação que esteja vivendo ou as realidades externas a você. Claro que, essas condições podem ser matéria para a sua oração ou de alguma forma atuar na sua oração. Contudo, é na tua intimidade que Deus quer agir, é no teu secreto que Ele quer revelar segredos ao teu coração.


No mesmo contexto, onde Jesus ensina os seus discípulos a orar, porém, agora, no Evangelho de Mt 6,6, o Senhor exorta: “Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora a Pai que está no escondido. E teu Pai que vê no escondido, te dará a recompensa”. Com essa passagem, Jesus ensina que, para que esse momento de oração aconteça, é preciso que você se coloque em estado de oração; ponha-se em estado de intimidade.


Ninguém precisa saber ou ver você fazendo a tua oração, porque é encontro somente entre duas pessoas; é um momento entre ti e Deus. Entre no silêncio, no escondido do teu coração e, lá, encontre Deus. Faça do teu íntimo o teu lugar secreto.

Eu te procurava fora e Tu estavas dentro

Santo Agostinho foi um homem que, por muitos anos, de diversas formas e nos mais variados lugares procurou saciar a sede. Sede essa que nem mesmo ele sabia de qual se tratava. Um jovem inteligente e cheio de dons naturais, mas alguém que sempre procurou fora o que só poderia encontrar dentro dele, no seu coração. E, esse foi o verdadeiro encontro que o santo teve, o encontro com a verdade que estava no “mais íntimo do seu íntimo”, como consta nos seus escritos.


A oração lança-nos para as realidades espirituais, divinas que estão além de nós mesmos. A exemplo de Agostinho, tantos outros santos que, após as experiências de pecado e de vida entregue aos mais variados prazeres, se converteram. Isso, porque, perceberam que, no mais íntimo, essa entrega aos prazeres da carne expressavam o desejo de um encontro com a verdade; e o anseio de saciar a secura da própria alma. Secura essa que só Deus pode saciar, como disse Santa Teresa D’ávila: “Só Deus basta!”.

Então, meu caro amigo, lance-se na oração, lance teu olhar em direção ao olhar atento do Senhor. Ele deseja te encontrar e fazer morada no teu coração. “Suba” ao mais alto monte (interior) que possa existir para, assim, proporcionar esse encontro ao seu próprio coração. Pois, ali Deus habita e, a oração, é o refúgio dos santos.


Francisco Fábio Nunes – Missionário da Canção Nova

Fonte: cancaonova.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at