Pular para o conteúdo principal

O Pedro que o Senhor nos deu neste tempo...

O próprio Espírito de Deus nos leva a aproveitar bem esta oportunidade da celebração da Cátedra de São Pedro neste ano, vivemos liturgicamente os ciclos dos tempos, das festas, comemorações a cada ano. Mas a cada ano o Espírito nos fala de forma mais profunda, diferente do ano anterior, porque quer suscitar em nós as particularidades, as características para determinado tempo, realidade que estamos vivendo.

Eu convido a cada um de nós, a nos colocarmos na celebração profunda da Cátedra de São Pedro, não só apenas no momento em que celebramos a palavra ou comungamos o Corpo Santo do Senhor, mas durante todo este dia, meditar sobre o Ministério Petrino. Rezar incansavelmente pelo papa, nos unir à Santa Igreja, porque celebrar o mistério de um pastor que o Senhor nos confiou, um chefe da Igreja, é celebrar consequentemente a humildade dos santos.

Através dos séculos, homens, mulheres, famílias, leigos, presbíteros, se submeteram, se subordinaram às orientações de Deus através dos papas, estivessem eles cometendo erros ou estivessem eles lutando bravamente, estivessem eles um pouco dispersos ou profundamente conscientes, esse mistério do ministério de Pedro na terra é também para nós um chamado à humildade, à santa obediência, à unidade profunda com a Santa Igreja.

Nós precisamos nos colocar no nosso lugar... se muitos de nós estamos na Igreja hoje e cogitamos suspirar para dizer algo contra o nosso papa, reconheçamos a miséria que somos antes mesmo de ousar dizer qualquer coisa contra ele, cabe a nós a escuta obediente, os jejuns, as penitências, as orações, cabe a nós as adorações, a súplica e a intercessão pelo nosso Papa Francisco.

Nós acompanhamos diariamente na íntegra todas as homilias e falas dele de cada dia? Talvez não fazemos e muitos outros que também não fazem suspiram grandemente para se opor ao Papa, retiram de uma das suas falas, entrevistas, documentos, inúmeras coisas para se opor ao sumo pontífice, colocam o sentido que querem e tantas vezes se esquecem que o mistério da sua vida é o próprio mistério do Cristo sofredor na Cruz e vamos nos afastando, nos distanciando e vamos às vezes criando barreiras invisíveis, comparando um com o outro, “gostava mais daquele, do que do outro”, não é assim que deve ser.

A celebração profunda da Cátedra de São Pedro é a celebração do mistério da cruz na vida de um homem que o Senhor colocou para conduzir a Igreja através dos tempos, é contemplar ali o Cristo diante do qual muitos desviavam o olhar, o Cristo chagado que não atraía, o Cristo sofredor... E isso é uma característica de cada um daqueles que sucederam a Pedro, o sofrimento, o papa jamais será um homem de grandes glórias e grande aceitação, mas deve ser por cada um de nós um homem profundamente amado, acolhido e sustentado em oração.

Amados irmãos e irmãs, rezemos! Rezemos incansavelmente por Pedro, pelo Pedro que o Senhor nos deu neste tempo, porque sim, ele obediente à palavra do Senhor a cada dia confirma os irmãos e ele proclama com o ardor de sua vida, com aquele sorriso imenso, largo e acolhedor no meio do mundo: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”!

Sigamos à Pedro, continuemos fiéis ao Santo Padre, o Papa Francisco.

Homilia feita por Fernanda Rosetti, cofundadora da Comunidade Encontro em 22/02/2021

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at