Pular para o conteúdo principal

Não amemos o nosso sofá, mas a nossa Cruz

Anúncio do Evangelho (Mc 8,27-35)

Naquele tempo, 27Jesus partiu com seus discípulos para os povoados de Cesareia de Filipe. No caminho perguntou aos discípulos: “Quem dizem os homens que eu sou?”

28Eles responderam: “Alguns dizem que tu és João Batista; outros que és Elias; outros, ainda, que és um dos profetas”. 29Então ele perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “Tu és o Messias”.

30Jesus proibiu-lhes severamente de falar a alguém a seu respeito. 31Em seguida, começou a ensiná-los, dizendo que o Filho do Homem devia sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei; devia ser morto, e ressuscitar depois de três dias.

32Ele dizia isso abertamente. Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo. 33Jesus voltou-se, olhou para os discípulos e repreendeu a Pedro, dizendo: “Vai para longe de mim, Satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens”.

34Então chamou a multidão com seus discípulos e disse: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. 35Pois, quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas, quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, vai salvá-la”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

 

Eu fico imaginando o que diria Jesus sobre uma geração como a nossa, que se afastou da renuncia de si. Ele pega a repreensão que faz a Pedro e explica dizendo que se alguém o quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-O. Jesus já demonstra aqui toda a necessidade latente que existe no seguimento a ele, a morte, a necessidade da renúncia, do desapego... nós que queremos nos polpar sempre para que aparentemente seja bem santo o que estamos conduzindo, mas de fato há dentro de nós o eterno amor pelo sofá. Onde está o sofá que nós estamos sempre deitados e acomodados? Jesus nos repreenderia muito mais forte do que a Pedro.

Nós não nos damos bem com as renuncias e buscamos jeitos e mais jeitos de fugir dela. Vejamos bem que não é somente da eleição e nas promessas divinas que nós devemos nos apoiar, nem somente nos nossos pecados. Pedro foi um eleito especial, em determinados momentos Jesus evidencia as coisas boas de Pedro, elogia a expressão de Pedro mas logo depois, diante de uma atitude dele, Jesus o repreende. Isso acontece conosco. Nós ouvimos da boca de Deus consolos, promessas, maravilhas, mas em outros momentos somos exortados pelo Senhor. E não é especificamente em nenhum desses pontos que nós devemos nos apoiar, nós devemos nos apoiar em Cristo, em quem Ele é, na sua pessoa.

Precisamos amar aquele que elege, amar aquele que consola, amar aquele que exorta. É o Cristo que precisa ser o fundamento da nossa caminhada e do nosso agir. Devemos nos apoiar na rocha que é Cristo. O motivo de continuar caminhando e confiando nas promessas deve ser o Cristo. Tem um sentido maior e se não for Cristo, no meio do caminho nós vamos nos perder.

Não tem como abraçar o Cristo sem abraçar a Cruz. É o Cristo todo, inteiro.



Trecho da Homilia de hoje, feita por Fernanda Rosetti, cofundadora da Comunidade Encontro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at