Pular para o conteúdo principal

Você conhece o Didaqué, o catecismo dos primeiro cristãos?

 

Nossa Igreja Católica é fonte cristalina de extraordinários ensinamentos. Sua nobilíssima doutrina é milenar e possui sua origem em Jesus. Os apóstolos, aqueles homens que estiveram frente a frente com Jesus, receberam esses preciosos ensinamentos e os transmitiram à comunidade cristã.

Um dos primeiros escritos atribuídos aos cristãos da Igreja primitiva recebeu o nome de “Didaqué”, uma palavra de origem grega, que significa “instrução”, “doutrina”, “ensinamento”. Trata-se de um escrito instrutivo que data do final do primeiro século da era cristã. Isso significa que seus autores viveram num período muito próximo da escrita do Novo Testamento. Basicamente, essa compilação de normas apresenta um pouco dos costumes da Igreja nascente, o que dá aos historiadores e estudiosos do período valorosa contribuição.

As primeiras comunidades de cristãos não tinham o catecismo como conhecemos hoje, mas eles tinham o Didaqué.

Sua descoberta se deu, no ano de 1873, pelo monsenhor Filoteo Bryennios na biblioteca do mosteiro do Santo Sepulcro em Constantinopla. Em 1887, o documento foi levado para Jerusalém e deixado na Biblioteca patriarcal, onde se encontra até hoje. A partir de então, muitas edições e reedições desse documento passou a ser elaborada. Inúmeros especialistas e pesquisadores se debruçaram no estudo desses escritos. Especialmente no Oriente, a Didaqué é tida por alguns como texto inspirado, tamanha a sua importância.

No que se refere sua origem histórico-geográfica, embora não haja concordância quanto a data e o local da composição, especula-se que a Didaqué foi redigida, entre os anos de 90 e 100, na Síria, na Palestina ou em Antioquia. Apesar de esse documento trazer, no título, o nome dos apóstolos, sua autoria não pertence diretamente a eles. Especula-se que o texto é fruto da reunião de várias fontes, tanto escritas quanto orais, e dispostas em conjunto por um anônimo judeu-cristão. Esses textos retratam a tradição viva das comunidades cristãs daquela época.

Tanto o conteúdo quando o estilo literário da Didaqué lembram os textos do Novo Testamento, especialmente aqueles mais exortativos. Nela, a ênfase encontra-se na observância da lei preservando extraordinariamente a liberdade humana, ou seja, compete a cada um escolher o caminho do bem ou do mal: “Existem dois caminhos: um é o caminho da vida, e o outro, o da morte. A diferença entre os dois é grande” (Did. I,1).

Esta pequena obra compõe-se de 94 breves sentenças agrupadas 16 capítulos. Divide-se basicamente em três partes. A primeira delas (cap. 1 a 6) trata-se de um tratado de moral; a segunda (cap. 7 a 10) apresenta um antigo ritual litúrgico e a terceira parte (cap. 10 a 15) contém instruções sobre a vida comunitária. No final do documento, ainda se encontra uma exortação à perseverança, uma espécie de epílogo.

O conteúdo

O documento traz temas como o amor a Deus e ao próximo, a partilha dos bens e a prática de esmolas, as raízes do bem e do mal, deveres para com os membros da família, a prática dos sacramentos, algumas instruções litúrgicas e disciplinares, a importância da oração, apresenta o modo de distinguir os verdadeiros e os falsos profetas, exorta a caridade e à prudência, previne os cristãos a estarem preparados para o dia do Senhor e apresenta os sinais precursores do final dos tempos.

Diante desse breve resumo sobre a Didaqué, o catecismo dos primeiros cristãos, quero incentivar você, caro internauta, a conhecer essa extraordinária obra cristã. Uma obra bem pequena no tamanho, mas grande no seu conteúdo e na sua importância. Esse texto está inteiramente disponível de maneira gratuita pela internet.

Tenha acesso ao Didaqué clicando aqui

Fonte: Canção Nova

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at