Pular para o conteúdo principal

DOUTRINA DA IGREJA: O que são os Mandamentos?

Quando Deus criou o gênero humano no início da Criação, nas pessoas de Adão e Eva, Ele os criou à Sua “Imagem e Semelhança”, elevando-os a uma natureza, dignidade e personalidade perfeitas; soprou sobre eles o Seu Espírito, tornando-os puros e inocentes diante de Seus olhos. E viu que tudo era muito bom, na sua Criação.
Mas, o antigo inimigo de Deus (Satanás), por inveja da Sua “obra” tão bela e perfeita, entrou em ação para deformá-la pelo pecado, induzindo os primeiros progenitores da Criação a romperem com o seu Deus e Criador, perdendo assim, a “graça santificante”, e o “estado de paraíso” e “felicidade”.
Adão e Eva esconderam-se da Face do Senhor Deus, entre as árvores do Jardim do Éden, quando foram feridos em sua natureza pela “culpa original”; mas Deus continuou amando Sua “obra” e vem ao encontro do homem procura-o e chama, dizendo: -“Onde estás?” (Gênesis 3, 9).
A propósito deste Ano de 1999 dedicado a Deus Pai, em preparação à Celebração do Grande Jubileu do Ano 2.000, do Nascimento do Verbo do Pai – Jesus Cristo, que assumiu a condição do “Novo Adão”, torna-se necessário e muito oportuno que todos os homens (o gênero humano) conheçam a Vontade do Pai Celeste, a fim de que possam responder ao Seu chamado, acolhendo Sua Lei de Amor para amá-Lo, através da observância dos Dez Mandamentos da Lei de Deus.
“Bendito seja o Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que, do alto dos Céus, nos abençoou com toda a espécie de bênçãos espirituais em Cristo. Foi assim que n’Ele nos escolheu antes da constituição do mundo, para sermos santos e imaculados diante dos Seus olhos” (Ef 1, 3-4).
O Decálogo
Nisto consiste o amor: “que vivamos segundo Seus Mandamentos” (II João, 6), os quais, são compreendidos por dez (10) “Preceitos” distintos entre si. Estes “Preceitos” são a síntese da vida moral do crente (cristão), ou seja também daqueles que creem em Deus, respeitando, obedecendo, acatando e cumprindo sua Lei Divina.
“Amar a Deus” significa colocar em “prática” os Preceitos Divinos, através dos quais, é construído o fundamento e o alicerce que sobre eles se formará e erguerá a “estrutura” equilibrada e firme da vida terrena do homem em relação a Deus, à Família, à Sociedade, e aos indivíduos de um modo geral.
Os Dez Mandamentos foram prescritos nas Tábuas da Lei por Deus com manifestações sobrenaturais do Poder Divino, no monte Sinai à vista de Moisés, para que ele orientasse e guiasse o Povo Israelita no deserto, após a libertação deles da escravidão do Faraó no Egito.
Jesus atestou a perenidade do Decálogo, que é o conjunto dos Dez Mandamentos de Deus, praticando-o e pregando-o. Fiel às Escrituras e conforme o exemplo de Jesus, a Igreja reconheceu no Decálogo um significado e uma importância primordiais. O Decálogo forma uma unidade orgânica, onde cada mandamento remete a todo o conjunto. Transgredir um mandamento é infringir toda a Lei.
A Lei é uma instrução paterna de Deus, onde apresenta os caminhos para a felicidade e proscreve os caminhos do mal, mas somente Cristo, ensina e concede a Justiça de Deus, ou seja, a salvação que vem de Deus. A nossa justificação foi merecida pela Paixão de Cristo, sendo-nos concedida pelo Batismo, através do qual é apagado a culpa do pecado original, que herdamos dos primeiros pais (Adão e Eva), reconciliando-nos com Deus-Criador.
Reflitamos, então, sobre os Mandamentos, que estão divididos em duas partes, de acordo com as duas tábuas da Lei. Na primeira tábua, estão os que se referem a Deus: 1.º) amar a Deus sobre todas as coisas; 2.º) não tomar seu santo nome em vão; 3.º) guardar domingos e dias santos de preceito; já os da segunda são os que se referem ao próximo: 4.º) honrar pai e mãe; 5.º) não matar; 6.º) não pecar contra a castidade; 7.º) não furtar; 8.º) não levantar falso testemunho; 9.º) não desejar a mulher do próximo; 10.º) não cobiçar as coisas alheias.
Abordaremos somente os Mandamentos da segunda tábua, porque dois deles, o quinto e o sexto, foram os que Jesus usou como exemplo neste Evangelho. Todos os sete referem-se a pecados contra a benevolência, por meio dos quais acabamos por odiar o próximo ou por usá-lo para o nosso próprio prazer.
Para crescermos espiritualmente, precisamos compreender os meios concretos de evitar o pecado. Exemplifiquemos com aqueles nos quais as pessoas mais têm dificuldade, os pecados sexuais. No Evangelho, de forma dura e incisiva, Jesus diz: “Se o teu olho direito é para ti ocasião de pecado, arranca-o e joga-o para longe de ti! De fato, é melhor perder um de teus membros, do que todo o teu corpo ser jogado no inferno” (Mt 5, 29). Obviamente, Nosso Senhor está usando de hipérboles para expressar enfaticamente que o pecado precisa ser combatido desde dentro, nas nossas inclinações interiores.
Nessa perspectiva, para não cometermos pecados sexuais, não basta apenas evitar o pecado externo; é preciso aprender a amar com reta intenção e pureza de coração. Em outras palavras, não é possível libertar-se totalmente do adultério, da fornicação, da masturbação e da pornografia, se antes não houver a escolha resoluta e firme de viver a pureza. Esse é o problema das pessoas que lutam sem êxito contra esses pecados. Elas querem realmente deixar de pecar, mas não querem ser puras, e ficam negociando com o pecado e com as ocasiões que conduzem a ele. Como um alcoólatra que cheira a bebida alcoólica e a põe na boca sem ingeri-la, muitas pessoas ficam olhando para o corpo das outras e alimentando pensamentos e desejos, imaginando que esses atos não as afetam em nada na luta contra o pecado.
No entanto, para sermos puros, é necessário evitar olhares e pensamentos que possam instigar nossa vontade a cometer esses pecados. Isso porque o nosso principal “órgão sexual” é o cérebro, que é afetado e impulsionado por imagens e fantasias oriundas de olhares e pensamentos.
Assim, ao dizer que precisamos “arrancar” o olho para não cometermos adultério em nosso “coração”, Jesus foi, na verdade, profundamente caridoso, pois nos exortou, mesmo que por metáforas, a “cortar o mal pela raiz”, a combater o pecado em sua origem, detendo olhares e pensamentos a fim de não olharmos sexualmente para as pessoas, mas sim vivermos a pureza. Para isso, é indispensável um profundo amor por Deus, que generosamente nos leva, não apenas a evitar o ato pecaminoso, mas a combater tudo aquilo que o precede e o prepara.
Busquemos, pois, amar a Deus profundamente, cumprindo os Mandamentos, evitando o pecado e combatendo tudo aquilo que conduz a ele. Assim, estaremos levando a Lei do Antigo Testamento ao seu pleno cumprimento, e demonstrando que, se Deus é o Deus de amor, Ele só pode gerar filhos que amam, e que expressam o seu amor em obras concretas.
Oração. — Senhor Jesus Cristo, Vós que não abolistes os Mandamentos, mas viestes dar-lhe pleno cumprimento, ajudai-nos a viver em estado de graça, lutando contra o pecado e combatendo tudo aquilo que conduz a ele. Assim seja.

Fonte: Canção Nova e Padre Paulo Ricardo



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at