Pular para o conteúdo principal

Por que São João Paulo II pediu para formular um novo Catecismo?

Um dos grandes feitos do pontificado do Papa João Paulo II foi a promulgação do Catecismo da Igreja Católica (CIC), em outubro de 1992. Tudo começou, em janeiro de 1985, quando ele convocou uma Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para tratar dos frutos do Concílio Vaticano II na vida da Igreja.
O bispo auxiliar da arquidiocese de Belo Horizonte (MG), Dom Wilson Angotti, explica que o Concílio Vaticano II, convocado por João XXIII, não determinou a elaboração de um Catecismo, mas sim de um diretório com normas gerais para a formação catequética. Em pouco tempo, viu-se a necessidade e utilidade de um Catecismo visando a formação dos leigos, a fim de ter um laicato maduro e bem preparado.
“Na prática, percebemos que nos últimos cinco séculos os catecismos cumprem a função de ‘popularizar’ as reflexões e concepções dos concílios que os precederam. Assim também, após o Concílio Vaticano II, o Catecismo da Igreja Católica auxilia o povo de Deus a conhecer e assimilar as intuições conciliares”, afirma Dom Wilson, que também é membro da Comissão para a Doutrina da Fé da CNBB.
Por ocasião do Sínodo dos Bispos, no intuito de avaliar os 20 primeiros anos pós Concílio Vaticano II, surgiu, no coração dos padres sinodais, o desejo de um Catecismo ou compêndio que abordasse a Doutrina Católica, servindo de referência para os catecismos ou compêndios a serem preparados em diversos lugares do mundo.
Após o Sínodo, o Papa João Paulo II assumiu para si este desejo e deu início ao trabalho de formulação do Catecismo. Ele confiou ao Cardeal Joseph Ratzinger, hoje Papa emérito Bento XVI, a responsabilidade de presidir uma comissão composta por doze cardeais e bispos para preparar um projeto para o Catecismo.
“Em 1986, o Papa João Paulo II nomeou uma comissão composta de cardeais e bispos que, durante seis anos, trabalharam na elaboração do Catecismo, recebendo milhares de contribuições de bispos do mundo todo e de suas igrejas, de conferências episcopais e de especialistas na educação da fé, gerando uma obra colegial de toda Igreja”.
Na Constituição Apostólica Fidei Depositum, para a publicação do Catecismo da Igreja Católica, João Paulo II deixa claro o objetivo da obra. “A aprovação e a publicação do ‘Catecismo da Igreja Católica’ constituem um serviço que o Sucessor de Pedro quer prestar à Santa Igreja Católica, a todas as Igrejas particulares em paz e em comunhão com a Sé Apostólica de Roma: o serviço de sustentar e confirmar a fé de todos os discípulos do Senhor Jesus (cf. Lc 22,32), como também de reforçar os laços da unidade na mesma fé apostólica”.
Analisando o Catecismo em si, como uma obra que apresenta sintética e sistematicamente o conteúdo da fé, Dom Wilson considera que a publicação atingiu seu objetivo. “Porém, considerando que ele é um instrumento a serviço da missão da Igreja e que esta deve conhecer, aprofundar e ensinar o que recebeu do Senhor, podemos dizer que, em relação à sua finalidade, o objetivo do Catecismo vai se concretizando dia a dia, à medida de nosso empenho em realizar nossa missão de anunciar e formar na fé”.
O Catecismo no Brasil
No Brasil, a difusão do Catecismo da Igreja Católica intensificou-se principalmente devido ao Ano da Fé e à Jornada Mundial da Juventude, quando os fiéis demonstraram grande interesse em conhecê-lo melhor.
Para Dom Wilson, o Catecismo não se encerra apenas no campo teórico, pois se trata de um encontro com o Senhor e por meio dele têm-se uma vida cristã esclarecida e consistente. “Considerando que o Catecismo tem em vista favorecer o conhecimento dos conteúdos da fé, podemos dizer que, por meio dele, Cristo é transmitido”, afirma o bispo.

Fonte: Canção Nova

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at