Pular para o conteúdo principal

O demônio não tira férias!


É importante ter um tempo do ano para descansar, sair da rotina e das obrigações diárias. Nossas vidas, de alguma forma, se desaceleram, porém como cristãos não podemos fazer o mesmo, os hábitos neste tempo mudam, mas não podemos nunca deixar a oração e a evangelização parada. 


São João Bosco apelidava as férias de “a colheita do diabo”. Em um sonho o santo teve uma dolorosa confirmação que, resumidamente, explicava que o efeito das férias, por mais boa vontade que temos de se manter nutridos da Palavra de Deus e de se conservar no bem, sobrevem de um temporal de tentações, assaltos e armadilhas do demônio afim de nos levar ao pecado. Alguns ainda conseguem se curar com a Confissão, mas nem todos fazem bom uso deste Sacramento ou sequer chegam a usá-lo. 


As férias são uma grande tempestade para as almas, Dom Bosco cuidava das almas de seus jovens assim que eles retornavam das férias, hoje os meios de corrupção crescem e, se os jovens abandonarem o encontro com Jesus alimento na Comunhão e com Jesus médico na Confissão, bem dificilmente escaparão ilesos dos perigos do ócio e das más companhias, próprios do período das férias.


"A busca de Deus é a busca da alegria. O encontro com Deus é a própria alegria” – Santo Agostinho.

Aproveitem esse tempo como uma chance e uma bela oportunidade de evangelização: uma ida à praia, uma pessoa na parada do ônibus, no cinema, se Deus pedir, é preciso falar sobre o amor Dele, seja em palavras, atos, ações, ou um simples olhar.


“Evangelize, se necessário use palavras” - São Francisco de Assis


As armas do inimigo não param; por que nós, cristãos, nos daríamos o “luxo” de parar? O cristão não tira férias! “Vigiai e orai” (Marcos 14,38).
É preciso termos cuidado em nossas vidas. Tiramos férias dos estudos ou trabalhos no apostolado, mas não podemos nunca tirar férias de Deus. Até por que, Ele não para!


Nós não podemos tirar férias d’Aquele que fica 24 horas por dia conosco. Só quem entende o que é o amor de Deus compreende que não se pode tirar férias de Deus. Até porque já é um hábito a vida de oração, ir ao encontro do Amado, procurar logo a Igreja mais próxima e saber os horários das Missas, além da oração pessoal, a meditação do terço e outras orações devocionais. 


Se temos mais tempo nas férias, por que não reservar um tempo maior para Deus? Passear na praia com o terço na mão em uma tarde calma, meditar a palavra de Deus no silêncio de um local diferente de onde vivemos, ler um livro católico, contemplar as paisagens e agradecer Deus pela criação.


Descansamos sim, tiramos férias e nos desligamos por uns dias para recarregar as energias, mas nossa missão nunca irá parar. Afinal, nascemos para evangelizar! E retornamos com um vigor ainda maior, com novas ideias, novas experiências e um novo desejo de evangelizar.

“Irmãos e irmãs, desejo a vocês boas férias. Sejam para vocês não somente a possibilidade de descansar, mas também a oportunidade para reacender as relações de amor com Deus e com os homens. Não descuidem da oração diária, da participação à Eucaristia no domingo e de dividir o tempo com os outros. Contemplem a beleza da criação, glorificando a onipotência, a sabedoria e o amor do Criador.”

Papa Francisco


Fonte: Padre Paulo Ricardo e Comunidade Shalom

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca