Pular para o conteúdo principal

Felizes os pobres de coração!

Ao proclamar as bem-aventuranças, Jesus faz seu retrato. Quando nos convida a tornar-nos " pobres em espírito". Ele, o primeiro, é pobre: em sua aparência, no seu estilo de vida, na sua forma de tratar os pequenos, e também os grandes deste mundo, mostra simplicidade, sem excluir nobreza. Ele não se envergonha de nada. Sua pobreza é liberdade. Ele está adaptado, na simplicidade e na justeza de seu coração, ao "reino dos céus". Neste reino, Ele é “o Filho'' que tudo recebe do Pai. Essa é a felicidade que habita seu '' coração ''.
Uma das três grandes tentações que o demônio fez a Jesus no deserto foi a de possuir bens materiais. O demônio mostrou a Jesus todos os territórios da terra e disse: “tudo isto te darei, se prostrado me adorares”. O demônio sabe que todo ser humano tem uma grande inclinação à posse dos bens materiais. E para possui-los, é capaz de roubar, furtar, enganar, corromper-se e corromper.
Para vencer essa tendência enganosa de possuir bens materiais, Jesus ensina essa primeira Bem-Aventurança: “Bem-aventurados os pobres de espírito, os pobres de coração, porque deles é o reino dos Céus.
Pobre de espírito, pobre de coração é toda pessoa desapegada, desprendida dos bens materiais, que tem uma hierarquia correta de valores, segundo o Evangelho de Jesus, usando dos bens materiais apenas como meios necessários para uma sobrevivência digna, bem como para realizar obras de caridade. Existem ricos de bens que são pobres de espírito, porque são desapegados. Existem pobres de bens materiais que são ricos porque são gananciosos, invejosos dos bens alheios e apegados ao nada que possuem.
A pobreza de coração não é uma qualidade ou virtude inata, natural, congênita. Natural, congênita, por causa do pecado original, é a tendência à posse dos bens materiais, a uma posse cada vez maior, impulsionada pela ganância, e usando de todos os meios mesmo antiéticos e imorais.
Para viver a bem-aventurança da pobreza de coração precisamos da graça do divino Espírito Santo. Ele nos convence de que os bens materiais não podem preencher os anseios do nosso coração, não podem gerar a felicidade que todo coração almeja. Depois dessa iluminação, Ele nos convence de que só a posse de Deus, a amizade com a Trindade, o relacionamento com Ela pela vida espiritual é que pode satisfazer o nosso anseio mais íntimo de felicidade.
A condição para essa bem-aventurança é criar e cultivar um coração de pobre. A recompensa é: “A posse do Reino dos Céus”. Quem adquire e vive essa bem-aventurança recebe o reino dos céus exatamente porque descobre e se convence de que só a posse do Deus vivo, Pai, Jesus Cristo e o Espírito Santo, podem preencher o coração humano da verdadeira felicidade.

Fonte: Rede Século 21 e Equipes Notre Dame

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca