Pular para o conteúdo principal

Madre Teresa: Postulador explica como foi sua “noite escura” de quase 50 anos

O sacerdote canadense Brian Kolodiejchuk acompanhou Madre Teresa durante 20 anos, foi o postulador de sua causa de canonização e conheceu de perto a “noite escura” pela qual passou a querida religiosa por quase 50 anos.

Em uma entrevista concedida ao semanário católica ‘Alfa y Omega’, publicada em 2018, Pe. Kolodiejchuk explicou que “o sofrimento que Madre Teresa experimentava nem as irmãs mais próximas conheciam, mas apenas seus diretores espirituais. Na verdade, essa noite escura manifesta uma particular união a Jesus. Alguns santos experimentaram algo parecido, como São Paulo da Cruz, Santa Joana de Chantal ou Santa Teresinha do Menino Jesus, que passou por esta noite escura durante 18 meses”.

Segundo afirma, esse tempo “é a preparação para uma purificação que todos temos que passar. É uma preparação para a união por Jesus, que no caso de Madre Teresa foi uma preparação apostólica, porque ela estava experimentando o mesmo que aqueles aos quais serviria depois: que a maior pobreza era o não se sentir amado, o estar sozinho” e assegura que “ela estava tão unida a Jesus que Ele podia compartilhar com ela sua maior dor, a dor do Getsêmani e da Cruz”.

Embora essa “noite escura” pudesse ser vista como um período de “falta de fé”, para Pe. Kolodiejchuk, foi “uma fé heroica, porque consiste em não poder experimentar a própria fé” e recorda que Madre Teresa escreveu em uma carta: “Se há um inferno, deve ser isso”.

Segundo explica o sacerdote, Madre Teresa “tinha uma união tão profunda com Jesus que era impossível viver sem uma oração forte. Ela rezava cerca de cinco horas por dia, entre a adoração, a Missa, a leitura espiritual e outras ocasiões. Rezava constantemente o terço e, com ele, meditava a vida de Jesus de uma maneira simples”.

“Não era uma mística de tipo teológico ou doutrinal, mas era uma especialista na ciência do amor”, assegura.

Além disso, Pe. Kolodiejchuk sublinhou que, embora em algumas ocasiões fosse mais conhecido o trabalho social que as Missionárias da Caridade faziam, “ela nunca escondia sua motivação: ‘fazemos por Jesus’, mas atraía da mesma forma crentes e não crentes. Tinha uma eco especial além da Igreja”.

O sacerdote explicou que Madre Teresa entendia a pobreza não só como algo material, mas como “o não se sentir amado, o sentir-se sozinho, embora seja rico e tenha muito dinheiro”.

“Foi pioneira na atenção aos doentes de Aids, quando todo o mundo estava aterrorizado no começo desta doença. Ela percebia muito bem o rechaço desses enfermos por parte da sociedade e isso era o que a atraía para servir-lhes e atendê-los”, indicou na entrevista a ‘Alfa y Omega’.

Ainda segundo o sacerdote canadense, “a Igreja e o mundo são agora muito mais conscientes da presença dos pobres, de sua dignidade e de sua importância. mas, advertia também de que é preciso ir a Calcutá para encontrar os pobres, porque cada um pode encontra-los em sua próprias famílias”.

Além de ser “Um santa venerável”, é também uma santa “imitável”, porque, “na verdade, o que as missionárias e os missionários da Caridade fazem são precisamente coisas pequenas, como visitar alguém doente em sua casa, por exemplo. É algo que cada um de nós pode fazer, são coisas que estão dentro de nossas possibilidades”.

Pe. Kolodiejchuk assegura que Madre Teresa tinha um caráter forte e “talvez essa seja uma das razões pelas quais necessitava de tanta purificação”, mas afirma que “tinha a graça de combinar o ser firme e exigente com uma grande dose de compaixão e ternura pela debilidade humana”.

“Toda a escuridão que viveu lhe serviu para crescer em humildade, porque, apesar de ser tão conhecida, todo esse êxito não lhe afetava, pois ‘só quero ter Jesus e não o tenho’, como ela escreveu em suas cartas”.

 

FONTE: ACI DIGITAL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at