Pular para o conteúdo principal

DEDICAÇÃO DA BASÍLICA DO LATRÃO: 3 ASPECTOS PARA A FÉ CATÓLICA DITOS POR DOM HENRIQUE SOARES

Nesta segunda-feira, 9 de novembro, a Igreja celebra a dedicação da Basílica Lateranense de Roma, a “Mãe de todas as igrejas da cidade e do mundo”. O templo é a arquibasílica papal, a catedral do papa. "Para compreender esta festa proposta na Liturgia da Igreja, uma homilia deixada por dom Henrique Soares da Costa, aponta três aspectos para a fé católica a respeito desta data. Ele destacou o templo dedicado a Deus como a imagem do próprio Cristo, o sentido comunitário da Igreja e a união com o bispo de Roma, que é a cabeça do Colégio dos Bispos."

São estes três pontos que iluminam o povo católico na celebração desta festa.
A Igreja ensina que celebrar a dedicação de uma igreja é celebrar o corpo de Cristo ressuscitado e a memória do povo de Deus que caminha peregrino ao longo da história. Construída entre os anos de 314 e 335, a basílica de São João de Latrão está elevada sobre a propriedade oferecida e doada para esse fim pelo imperador Constantino. Assim como muitos edifícios romanos, a basílica foi construída em cima de ruínas da cidade. No local, havia o quartel da cavalaria do imperador Septímio Severo e posteriormente, no século I d.C., foi construído um palácio, chamado Palácio Laterano, sobrenome da família proprietária.
É nesta basílica que, tradicionalmente, o papa se reúne com o clero da diocese de Roma, na quinta-feira após a Quarta-feira de Cinzas. A catedral da diocese neste ano sediou a liturgia penitencial comunitária do clero romano, confissões e uma palavra do papa Francisco.
O nome oficial da basílica é Archibasilica Sanctissimi Salvatoris (Arquibasílica do Santíssimo Salvador), nome recebido na dedicação. A dedicação aos santos João Batista e João Evangelista veio mais tarde, popularizando o templo como basílica de São João de Latrão.
“Todo templo cristão dedicado a Deus é imagem do próprio Cristo: Ele, no seu corpo ressuscitado, é o verdadeiro templo, do qual o Templo de Jerusalém era apenas uma imagem e profecia”. “É do corpo ressuscitado do Senhor, verdadeiro templo, que brota a água da vida, a água, que é símbolo do Espírito Santo”, comenta sobre a “realidade tão bela e misteriosa” apresentada na leitura de Ezequiel extraída para a Primeira Leitura deste dia (Ezequiel 47,1-2.8-9.12).
A veneração e o respeito aos templos católicos, principalmente às paróquias e catedrais que passam pela cerimônia de dedicação a Deus, devem-se, portanto, por eles serem “imagem do próprio corpo ressuscitado de Cristo, fonte do Espírito e lugar de encontro com o Pai”.
Igreja-comunidade
O segundo aspecto sobre o qual dom Henrique discorre é a Igreja como comunidade: “Nossos templos são chamados de “igreja” porque são casas da Igreja, espaço sagrado no qual a Igreja-Comunidade se reúne num só Espírito Santo para, unida ao Filho Jesus, elevar o louvor de glória ao Pai, sobretudo na Eucaristia. Assim, celebrar a dedicação de uma igreja-templo é recordar que nós somos Igreja-Comunidade, Corpo de Cristo, templo verdadeiro de Deus, pleno do Espírito Santo”.
Cada um dos batizados é uma pedra viva, “vivificada pelo Espírito, para formarmos um só edifício espiritual”. Configurados como corpo de Cristo, os membros da Igreja são chamados a assumir sua parte na edificação do Reino de Deus.
“Na Igreja, não somos espectadores; somos atores, somos participantes! Não nos omitamos, portanto; não recebamos a graça de Deus em vão! Tornamo-nos Igreja pelo Batismo, que nos fez membros do Corpo de Cristo e, em cada Eucaristia, vamos nos tornando sempre mais corpo de Cristo, até sermos plenamente configurados com ele na glória”, exorta.

Mãe de todas as Igrejas
Por fim, é preciso compreender sobre a basílica do Latrão, a catedral da Igreja de Roma, ser a “Mãe de todas as Igrejas da Cidade e do mundo”, como está escrito em sua entrada. “A Igreja de Roma (isto é, a Arquidiocese de Roma) é a Igreja de Pedro e de Paulo, é a Igreja que preside à todas as outras dioceses do mundo, é a mais venerável de todas as Igrejas da terra”, explica.
A união de toda a Igreja na celebração da dedicação desta catedral, em Roma, está relacionada, então, ao papa e seu sinal “visível da unidade da Igreja na fé e na caridade”.
“A festa de hoje convida-nos também a rezar pela Igreja de Deus que está em Roma e pelo seu Bispo, Francisco. Convida-nos a estreitar nossos laços com Roma e o Papa, retomando nossa consciência do papel que ele tem como Vigário de Pedro, a quem Cristo confiou sua Igreja”, ensina dom Henrique.

O convite é para reafirmar a “comunhão firme, profunda e convicta com a Igreja de Roma e seu bispo”, “num mundo tão complexo, com tantas ideias, opiniões e modas, num cristianismo que vê surgir tantas seitas sem nenhum fundamento teológico, sem nenhuma seriedade, sem nenhum enraizamento na Tradição Apostólica, difundindo-se pela força do dinheiro e a conivência dos meios de comunicação, ávidos de lucro, fazendo um terrível mal à fé dos simples e desavisados”. O papa, hoje na pessoa de Jorge Mário Bergoglio, é a quem Cristo entregou de modo particular as chaves do Reino e deu a missão de confirmar na fé os irmãos.

“A comunhão com Roma é garantia de estar naquela comunhão que Cristo sonhou para a sua Igreja; é garantia de permanecer na fé apostólica, transmitida uma vez por todas, é garantia de não cair num tipo de cristianismo alheio àquilo que o Senhor Jesus pensou e estabeleceu”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at