Pular para o conteúdo principal

O Papa: quem não vive para servir não tem necessidade de viver...

Não aos cristãos comedidos, aos que se limitam a observar as regras sem arriscar o serviço aos outros. Assim o afirmou o Papa Francisco na homilia da Missa celebrada esta manhã na Basílica do Vaticano por ocasião do IV Dia Mundial dos Pobres. Cem pessoas presentes representando os pobres do mundo. 

É a parábola dos talentos tirados do Evangelho segundo Mateus no centro da homilia do Papa na Missa deste IV Dia Mundial dos Pobres. Francisco explica que o relato dos servos aos quais o senhor confia os seus bens para que, na sua ausência, os façam frutificar, contém um ensinamento que ilumina toda a nossa vida.

O Pai fez um presente para cada um de nós 
No início, explica o Papa, há um grande bem, o gesto do mestre que «não guarda para si os seus bens, mas os dá aos servos» a cada um segundo as suas capacidades. “Também para nós - diz ele - tudo começou com a graça de Deus”. Com o dom que o Pai “colocou em nossas mãos”:
Somos portadores de uma grande riqueza, que não depende de quantas coisas temos, mas do que somos: da vida recebida, do bem que há em nós, da beleza irreprimível com que Deus nos dotou, porque somos à sua imagem, cada um de nós é precioso aos seus olhos, único e insubstituível na história! Como é importante lembrar disso: muitas vezes, olhando para a nossa vida, só vemos o que falta. Então vamos ceder à tentação de "talvez! ...": talvez eu tivesse aquele emprego, talvez eu tivesse aquela casa, talvez eu tivesse dinheiro e sucesso, talvez eu não tivesse esse problema, talvez eu tivesse pessoas melhores ao meu redor!
Pensando assim, prossegue Francisco, não vemos o bem que temos e os dons que Deus nos deu ao confiar em nós, esperando que cada um possa usar o que recebeu comprometendo bem o tempo presente, em vez de perdê-lo em nostalgia inútil que envenena a alma. , que nos fazem sempre olhar para os outros e não para as oportunidades de trabalho que o Senhor nos deu. 

Não viva para si mesmo, mas seja um presente
E o que faz frutificar os talentos recebidos «é o trabalho dos servidores», prossegue o Papa Francisco, «isto é, o serviço». E repete várias vezes «quem não vive para servir não tem necessidade de viver. É o serviço, de fato, que dá sentido à vida, mas, pergunta-se o Papa, qual é o estilo de serviço?
No Evangelho, bons servos são aqueles que arriscam. Não são cautelosos, não guardam o que receberam, mas o usam. Porque o bom, se você não investir, você perde; porque a grandeza da nossa vida não depende de quanto colocamos de lado, mas de quanto fruto produzimos. Quantas pessoas passam a vida apenas acumulando, pensando mais em estar bem do que em fazer o bem. Mas como é vazia uma vida que busca necessidades, sem olhar para quem precisa! Se temos dons, é para sermos dons. 
O Papa acrescenta para armar: "E aqui, irmãos e irmãs, fazemos a pergunta:" Eu sigo as necessidades, apenas, ou sou capaz de olhar para aqueles que precisam?". 

Para o Evangelho não há fidelidade sem risco
A fidelidade dos servos, nesta parábola, corresponde à capacidade de correr riscos, porque ser fiel a Deus significa deixar-se perturbar pelas exigências do serviço. E Francisco continua: “É triste quando um cristão joga na defensiva, preocupando-se apenas em observar as regras e respeitar os mandamentos”. Na vida cristã não basta não errar e viver sem “iniciativa e criatividade”, continua o Papa, não basta não fazer mal enterrando o dom recebido, como o servo preguiçoso que Jesus até chama de 'mal'. E ele continua:
Ele não foi fiel a Deus, que gosta de se gastar; e fez-lhe a pior ofensa: devolver-lhe o presente recebido. Você me deu isso, eu te dou isso ”, nada mais . O Senhor, por outro lado, nos convida a envolver-nos com generosidade, a superar o medo com a coragem do amor, a superar a passividade que se torna cumplicidade. Hoje, nestes tempos de incerteza, e nestes tempos de fragilidade, não desperdicemos as nossas vidas pensando apenas em nós próprios, com aquela atitude de indiferença. Não nos iludamos dizendo: "Há paz e segurança!" (1 Ts 5,3). São Paulo nos convida a olhar a realidade de frente, a não nos deixar contagiar pela indiferença.

Os pobres nos permitem enriquecer no amor
Na parábola, o mestre explica ao servo infiel como ele deveria ter agido, diz-lhe que ele poderia ter confiado o talento recebido aos banqueiros e depois devolvido ao mestre com juros. Isso é o que nós também devemos fazer para com Deus:
Quem são esses "banqueiros" para nós, capazes de nos proporcionar juros duradouros? Eles são os pobres: mas não se esqueça deles. Os pobres estão no centro do Evangelho. O Evangelho não pode ser compreendido sem os pobres. Os pobres têm a mesma personalidade de Jesus que, sendo rico, se aniquilou, se fez pobre, se fez pecado - a mais feia pobreza. Os pobres nos garantem uma renda eterna e já nos permitem enriquecer no amor. Porque a maior pobreza a combater é a nossa pobreza de amor. 

Quem não ama continuará pobre
Estender a mão aos necessitados, trabalhar no amor como a mulher descrita na primeira leitura do livro dos Provérbios, em vez de desejar o que nos falta, diz o Papa, é o que multiplica os bens recebidos. E em referência ao que viveremos em breve, ele acrescenta:
Aproxima-se a época do Natal, a época das férias. Quantas vezes, a pergunta que muitas pessoas fazem: “O que posso comprar? O que mais posso ter? Tenho que ir nas lojas [...] para comprar ”. Digamos outra palavra: “O que posso dar aos outros, para ser como Jesus, que se entregou e nasceu naquele berço?”. 

Quem não fizer isso desperdiça sua vida e no final “continuará pobre”:
No final da vida, enfim, a realidade se revelará: a ficção do mundo se esvairá, segundo a qual sucesso, poder e dinheiro dão sentido à existência, enquanto o amor, o que demos, surgirá como verdadeira riqueza. (…) Se não queremos viver mal, peçamos a graça de ver Jesus nos pobres, de servir a Jesus nos pobres.

Fonte: Vatican News

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at