Pular para o conteúdo principal

O pobre de Nazaré é agora o Senhor Jesus

 A história não acabou. Agora é que está começando. A morte não teve a última palavra sobre o Pobre de Nazaré. Pelo contrário, foi ele que, entregando-se voluntariamente à morte, dobrou-a e lhe arrancou o ferrão mais temível.
Não há afirmação tão categoricamente reiterada no Novo Testamento, tanto nos Evangelhos como nos documentos apostólicos, como esta: "Cristo ressuscitou dentre os mortos".
De acordo com a catequese primitiva, a ressurreição não é apenas uma sequência, mas também a consequência da morte de Jesus: isto é, a ressurreição não só sucede cronologicamente depois da morte de Jesus, mas tem sua semente na própria morte de Jesus. Segundo a fórmula cristológica que uns quinze anos depois da morte do Senhor já circulava nas comunidades primitivas, e que Paulo recolheu na Carta aos Filipenses (Fl 2,6-11), Cristo foi obediente até a morte e morte na cruz e "por isso", isto é, a partir desse fato, arrancando dessa raiz, Deus o exaltou...
Sua "passagem" pela morte daria à luz e faria florescer aquele Reino que Jesus, em seus dias mortais, não tinha conseguido instaurar.
Agora, porém, no momento menos esperado, quando os grandes chefes dormiam tranquilamente depois de ter selado e posto guardas no sepulcro, precisamente agora, entra o Pai no reino da morte e, contra toda esperança, resgata o Filho da morte e o constitui como Senhor, pondo em movimento atrás dele um povo novo de crentes, uma multidão incontável de todas as tribos, raças e nações, até o fim do mundo. O grão de trigo, morto e sepultado sob a terra, já é espiga dourada, balançando ao vento. Da morte nasce a vida, da humilhação nasce a exaltação. O Pobre de Nazaré é agora o Senhor Jesus.

Em outras palavras: a ressurreição de Jesus não é um dogma que nasceu no seio da Igreja, mas a própria Igreja nasce em torno dessa fé no Ressuscitado. Sem essa certeza, jamais teriam aberto caminho semelhantes caravanas históricas seguindo os passos de Jesus.
Já vimos como os discípulos de Jesus seguiam dificultosamente seu Mestre a caminho de Jerusalém. E, no momento da prova, "todos o abandonaram", deixando-o morrer sozinho. Depois de três dias, abatidos pela vergonha e pela tristeza, e pelo naufrágio de suas ilusões, estavam "com as portas bem fechadas" à espera de que passasse a tempestade e viesse a bonança, para voltar a suas barcas e redes... E agora, de repente, esses desiludidos discípulos aparecem como homens novos, confiantes e valentes, que, com grande criatividade e alta inspiração, colocam-se à frente de um movimento que produziu um impacto instantâneo, e foi avançando incessantemente para diante e para cima, sem que as perseguições ou a incompreensão fossem capazes de detê-lo.
Que é que tinha acontecido? Eles afirmarão mais de uma vez que foi o reencontro com Jesus. Não se cansarão de repetir, como iluminados, e quase obsessivamente, que Jesus, morto e sepulta- do, está vivo; que o tinham visto em lugares diferentes, sem uma combinação prévia; e não se tratava de uma relação permanente com Jesus, mas de visitas esporádicas, cuja iniciativa pertencia a Jesus. Tinham uma absoluta segurança de haver encontrado Jesus ressuscitado. E isso era alguma coisa inquestionável, uma certeza imediata, vivencial, de quem teve uma experiência mareante, que não precisa de explicações nem de justificação alguma. Que tinham entrado numa relação pessoal com ele, uma relação em níveis profundos de fé, adesão e compromisso, e que, por meio dessa relação, tinham recebido um entusiasmo, uma vitalidade, um fogo que os fazia ver com toda clareza que Jesus tinha triunfado para sempre sobre o ódio, a injustiça e a morte. Jesus, ressuscitado e vivo, é a última razão da comunidade dos discípulos, a Igreja em sua expansão trans-histórica universal.

Fonte: Livro "O Pobre de Nazaré", Ignacio Larrañaga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at