Pular para o conteúdo principal

NATAL: Deus visível aos nossos olhos

No Natal, celebramos o sublime mistério da encarnação do Filho de Deus, “a humanidade do nosso Deus”. Fazemos festa, cantamos, damos presentes e saudamos os outros com votos de feliz Natal. Procuramos viver em paz e harmonia com todos e abrimos o coração aos pobres. Que bom que tudo isso acontece! A festa cristã acaba contagiando também a quem não crê como nós, nem conhece o motivo.

A Igreja proclama e celebra no Natal um mistério inaudito, imensamente grande e, ao mesmo tempo, próximo de nós, que choca e deixa incrédulos a muitos. Cabe aos cristãos recordar e testemunhar sempre de novo o motivo de tanta festa. Mais ainda: cabe-nos convidar todos a acolher o grande mistério celebrado: o Filho de Deus, Jesus Cristo, nosso Salvador, nascido humanamente da Virgem Maria. Esta verdade, tão grande e bela, não pode ficar esquecida, encoberta por exterioridades ou pelos simbolismos que a envolvem.

Na fé cristã, nós proclamamos sem meias palavras que o Filho de Deus veio ao mundo e nasceu de uma mulher, a Virgem Maria. Professamos em nossa fé que a segunda Pessoa da Santíssima Trindade uniu a si nossa natureza humana, sem deixar de ser o Filho eterno e permanecendo inseparavelmente unido ao Pai e ao Espírito Santo. Proclamamos que o Filho eterno, nascendo de Maria, tornou-se “Deus visível aos nossos olhos”, uniu a nossa pobre condição humana à sua natureza divina!

Mais ainda: o Filho de Deus, vindo ao mundo, uniu em sua pessoa o céu à terra, a divindade à humanidade. Nele, o grande Deus, imensamente poderoso, tornou-se próximo da humanidade, de cada pessoa, e assumiu também a nossa fragilidade e pequenez e viveu a precariedade de nossa existência humana. Ninguém mais precisa procurar Deus nas nuvens, nem na imaginação abstrata: cada um pode se achegar a Ele, acolhendo a humanidade do Filho de Deus na humanidade de cada irmão, igual à do Filho de Deus.

 É por isso que cantamos, com os anjos, as glórias de Deus que se manifestaram entre nós no nascimento de Jesus! Por isso, também, convidamos a todos, cantando: “Ó vinde todos, adoremos!” É por isso, também, que cada ser humano é tão precioso, pois possui uma dignidade altíssima: o Filho de Deus tornou-se semelhante a cada pessoa humana e lhe deu uma dignidade que somente Deus podia dar.

E também é por isso que convido todo o povo de São Paulo a viver, com intensa alegria e gratidão a Deus, este dia da fraternidade universal. Em Cristo, somos “Fratelli tutti’ – todos irmãos’”! Ninguém mais nos pode ser indiferente ou parecer desprezível. É por isso que os cristãos têm uma proposta para a vida em sociedade: edificar um mundo irmão, em que cessem injustiças, violências, preconceitos, ódios, indiferenças, egoísmos.

Que a celebração do Natal renove em todos o propósito de edificar um mundo de irmãos nesta casa comum, na qual Deus também fez morada para estar no meio de nós. Desejo feliz e santo Natal a todos! E que o novo ano venha com bênçãos abundantes e nos traga esperança e coragem para testemunhar a boa mensagem do Natal!

 

Cardeal Odilo Pedro Scherer - Arcebispo de São Paulo

Fonte: Arquidiocese de São Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at