Pular para o conteúdo principal

Natal na pandemia, um tempo para renascer na esperança

 

O teólogo e arcebispo Dom Bruno Forte, oferece sua reflexão sobre o nascimento de Jesus. Em meio a uma emergência sanitária, ele explica, olhar para o Menino Jesus significa lembrar que Deus nunca cansa de amar

Um Natal que traz consigo meses de sofrimento, de dificuldades, de perdas. A pandemia colocou à prova a vida das pessoas, muitas vezes forçando-as a lidar sozinhas com grandes sofrimentos como a morte de entes queridos ou a impossibilidade de ficar perto daqueles que estão sofrendo.

Caridade e esperança: os rostos do Natal

Entrevista com o teólogo Dom Bruno Forte, arcebispo de Chieti que explica o significado do Natal neste momento de grande dificuldade por causa da pandemia:

Dom Bruno Forte: O que é o Natal? O Natal para a fé cristã não é simplesmente a memória da Encarnação do Filho de Deus, mas é a certeza de fé de que este novo início é sempre novo. Deus não está cansado de amar os homens, Ele nos destina ao amor e inicia, com renovado impulso de doação, Sua proximidade com todos nós. Se isto sempre foi válido para o Natal, é mais importante ainda lembrá-lo para este Natal, marcado pela tristeza da pandemia, com toda a bagagem de sofrimento e dor e infelizmente também de morte que traz consigo. Este Natal vem nos dizer que Deus não nos esqueceu mesmo na pandemia e que, portanto, podemos continuar a ter esperança, a confiar n’Ele na certeza de que Ele não nos deixará sozinhos. Certamente, teremos que passar pela prova e teremos que atravessá-la mantendo a chama da fé, esperança e caridade, como todos estamos experimentando diante do que está acontecendo. Mas certamente a prova não terá a última palavra: esta é a grande esperança do cristão, uma esperança que naturalmente se traduz também em termos concretos, por exemplo, na necessidade e na confiança na vacina que finalmente chega e que me parece um ato de responsabilidade por parte de todos aceitarem se imunizar contra esta pandemia e este terrível vírus. Portanto, estamos diante de um novo início que nos impulsiona a colocar em prática o amor que Deus nos revelou, nos doou, com a responsabilidade e a solidariedade para com os mais fracos.

Em 8 de dezembro passado o Papa Francisco proclamou o ano de São José, o homem do silêncio que nos diz muito, mesmo neste tempo de pandemia.

Dom Bruno Forte: José é definido pelas Escrituras como um homem justo, isto não é simplesmente uma qualificação moral, porque em hebraico "zaddiq" é um termo que, no Antigo Testamento, significa a pessoa que está confiando totalmente em Deus. Este era José: ele confiou em Deus mais do que nas evidências aos olhos do mundo, por exemplo, ao aceitar a concepção milagrosa de sua esposa pelo Espírito Santo para o nascimento do Verbo na carne. Portanto José nos ensina acima de tudo isso: que quem acredita em Deus deve confiar e confiar-se a Deus sem reservas mesmo nos momentos que podem parecer mais escuros, onde a presença de Deus parece menos evidente, menos compreensível como pode ser o tempo tão difícil da pandemia, mas o justo continua a confiar verdadeiramente em Deus mesmo na hora da dor. É a prova de que este Deus não o abandona e não abandona a família humana, o que é dado a José é a alegria, o amor, a graça de ser o pai putativo de Jesus, aquele que acompanha e guarda, "fidelis custos", a Sagrada Família durante os anos do desenvolvimento humano e da formação do Menino Jesus até o início da sua missão. Ele é um exemplo, um modelo, um estímulo para acreditar na impossível possibilidade de Deus mesmo em um momento tão difícil como o que estamos vivendo neste Natal.

Neste Natal que o Papa Francisco nos pediu para viver mais religiosamente, de modo mais autêntico e verdadeiro, para o senhor, qual é a palavra que marca este tempo?

Dom Bruno Forte: Há dois aspectos a serem destacados. A caridade porque a caridade é o rosto do Deus cristão e é também aquela que neste momento deve sustentar nosso compromisso uns com os outros, especialmente com os mais fracos na solidariedade. Mas o outro nome da caridade, do amor que vem do alto, é a esperança, ou seja, a certeza de que este é um amor fiel, que Deus não ama apenas em um momento, mas ama sempre. E assim quem acredita na caridade de Deus, quem se deixa amar por Deus e com a força que vem de cima se compromete a viver gestos de partilha e solidariedade para com aqueles que estão sofrendo. E assim quem acredita na caridade de Deus, quem se deixa amar por Deus e com a força que vem de alto se compromete a viver gestos de partilha e solidariedade para com os que estão sofrendo. Ao mesmo tempo, não se pode deixar de ter a esperança e a confiança no amor de Deus que é fiel para sempre e, portanto, o amanhã será também o amanhã de novo início e de luz. O que o Papa Francisco reiterou é que o pior seria desperdiçar a pandemia e, acima de tudo, não mudar nada de como era antes. A pandemia exige um novo início de caridade e de esperança.

 

Fonte: Vatican News

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at