Pular para o conteúdo principal

Homem é morto em São Pedro na porta de igreja e padre celebra missa ao redor do corpo

Uma cena chocante marcou a celebração do início da Semana Santa na Grande São Pedro, em Vitória, na manhã deste domingo (13). Um homem foi assassinado a tiros no meio da Rodovia Serafim Derenzi, na altura do bairro Conquista, a poucos metros de onde acontecia uma procissão em comemoração ao Domingo de Ramos. O crime aconteceu por volta das 7h30. 
O corpo do pedreiro Sérgio Rodrigues dos Santos, 25 anos, ficou caído a cerca de 100 metros da Paróquia de São Pedro, onde iria ser celebrada uma missa em celebração ao ritual católico. Em sinal de protesto pela violência que caracteriza a região, o pároco, padre Kelder Brandão, decidiu celebrar a missa de Ramos ao redor do corpo.


“Estamos falando sobre vida, morte e ressurreição, não poderia ficar indiferente a uma cena dessas”, ressaltou o padre. De acordo com familiares de Sérgio, ele teria sido morto por causa de uma confusão dentro de um bar. A polícia acredita que a vítima foi baleada na porta do estabelecimento.
O pedreiro ainda correu por 21 metros, mas acabou caindo bem em frente a uma igreja evangélica, que estava fechada na hora do crime. Um rastro de sangue ficou pela rodovia. Sérgio foi atingido com dois tiros: um no queixo e outro nas costas. Investigadores da Divisão de Homicídios estiveram no local e conversaram com a família do pedreiro. 
A vítima já tem passagem pela polícia por roubo, mas de acordo com o pai dela, o filho estava trabalhando e não tinha envolvimento com drogas. A mãe do pedreiro também apareceu no local depois que o corpo do filho havia sido recolhido e, gritando, pediu que a polícia fechasse o bar, onde o filho dela teria brigado. 

Encontro
Fiéis que seguiam em procissão pela Serafim Derenzi se depararam com o corpo de Sérgio, estirado no chão, minutos após o assassinato. Chocado com o que havia acabado de acontecer, padre Kélder resolveu então celebrar a missa de Ramos, ali mesmo, na cena do crime.


Um altar improvisado foi montado em frente ao corpo do pedreiro, coberto por um lençol. Cerca de 70 pessoas, entre fiéis e curiosos, formaram um círculo em volta de Sérgio. Enquanto alguns tocavam violão, outros cantavam músicas de adoração.
Tudo transcorreu como uma missa normal, com a homília do padre sobre o significado da Páscoa, e depois com o momento da comunhão, da oferta da hóstia aos fiéis. A esposa da vítima esteve no local e se desesperou ao ver o marido morto. A cena sensibilizou quem estava ali.
“É triste ver isso e saber que as pessoas não têm respeito algum com a vida do próximo. Estamos diante de um ser humano que não teve chance de defesa. Ver a família sofrer assim marca a gente”, desabafou uma cuidadora de idosos, 35 anos.
O caso será investigado pela Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) de Vitória.

Protesto
Para o padre Kelder Brandão, o assassinato de mais um jovem é um alerta de que o Estado e a sociedade precisam agir, e, com rapidez. Nesta entrevista ele explica ainda porque decidiu rezar a missa em frente ao corpo caído na rodovia. 

Qual era o percurso da procissão? 

Saímos da praça da escola Neusa Nunes, em Nova Palestina. O destino era a nossa paróquia, no bairro Conquista. No caminho encontramos um jovem assassinado, caído na rodovia, morto de forma brutal. Ao lado do corpo a esposa chorando a perda do companheiro. As pessoas ficaram perplexas diante de tanta violência. 

Por que decidiu transferir a celebração para o local do crime? 
Não poderíamos ficar indiferentes a uma situação que me inquieta e revolta como ser humano, irmão e padre. Diante de nós estava um jovem brutalmente assassinado. A vida é o dom maior que nós temos, ninguém tem o direito de tirá-la senão Deus, que a concedeu. 

A sua comunidade fica em uma região violenta? 
Não é a primeira vez que me deparo com uma situação semelhante. Estou na comunidade há quatro anos e já enfrentei uma cena terrível após um tiroteio, onde havia pessoas mortas e baleadas. Situações que só mostram que algo precisa ser feito urgentemente. 

O que pode ser feito? 
O Estado está sendo omisso. Jovens estão morrendo todos os dias reféns das drogas e do tráfico. É preciso fazer um resgate dessas pessoas e investir em políticas públicas eficazes. A população já está praticando justiça com as próprias mãos, o que é um caminho perigoso. Mas entendo também que não podemos deixar só nas mãos do Estado. A segurança sim, mas a conscientização pode ser feita por nós. A igreja tem seu papel nisso. 

De que forma? 
Escrevi uma carta de indignação, que será enviada ao Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) e à toda a sociedade e a quem se interessar. É um chamamento que tem o objetivo de clamar ao poder público que ele cumpra com o seu papel.

Fonte: Gazeta Online

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra. A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade. Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um meni

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at