Pular para o conteúdo principal

Ciência e Fé: uma união que contribui para os avanços do mundo

“Religião e ciência natural combatem unidos numa batalha incessante contra o ceticismo e o dogmatismo, contra a descrença e a superstição. E a palavra de ordem nesta luta sempre foi e para todo sempre será: em direção a Deus!” -Max Planck, ganhador do Prêmio Nobel de 1919

Estudando o Universo e as leis que o regem, nada mais podemos concluir, senão, que Deus é magnífico. Nosso planeta, nosso Sistema Solar, nossa Galáxia, nosso Cosmos… Em tudo isso se reflete a imagem do Criador. O Universo é imensamente grande, e matematicamente perfeito; quem mais poderia criá-lo a não ser um Deus perfeito? A Astronomia, sem querer, é uma afirmação do poder, realeza e grandeza de Deus. Mas, por muitas vezes, cientistas e admiradores da Ciência tentam refutar textos das Sagradas Escrituras; sendo isso possível graças à falta de entendimento da Bíblia. Para a fé, a ciência não é descartada -uma prova disso é a Pontifícia Academia de Ciências do Vaticano, onde mais de 70 membros são ganhadores do prêmio nobel- . Mas e para a Ciência? A fé é descartada? Em verdade, não deveria. A ciência e a fé se completam; “A ciência sem a religião é manca, a religião sem a ciência é cega” (Albert Einsten). Por que ser manco ou cego se podemos enxergar e caminhar direito? Deus nos deu a inteligência, o entendimento das coisas, e isso pode ser usado para conhecer tudo o que Deus deseja nos revelar, inclusive sobre Ele.
Werner Karl Heisenberg, um físico teórico alemão que recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1932 pela “criação” da mecânica quântica, afirmou: “O primeiro gole das ciências naturais te torna um ateu, mas no fundo do copo, Deus aguarda”. Essa frase define perfeitamente a relação entre ciência e religião. Podemos dizer, sem receio, que muitas pessoas hoje usam o intelecto para afirmar que não precisam de Deus: puro orgulho e egocentrismo. O homem foi feito à imagem e semelhança do Criador, foi feito amor e para amar, mas deixou o pecado agir em sua vida. E o pior, não buscou redenção. Esse é um fator para algumas pessoas não crerem em Deus, pois elas acreditam que são o próprio deus de suas vidas. Essas pessoas, por seu intelecto por vezes grande, podem até compreender várias coisas, colocarem o crédito nelas mesmo, achar que sabem de tudo… Esse é o primeiro gole, e não podemos parar nele. Devemos lutar, seguir para ir mais a fundo e descobrir a verdade: Deus está em tudo que é bom.

É muito interessante o que Kurt Gödel diz em seu Teorema da Incompletude de Gödel. Com esse Teorema, há prova que a ciência não preenche as próprias lacunas, sendo preciso buscar fora da ciência algumas respostas. E a Incompletude do Universo não é especificamente a prova da existência de Deus. Seria a prova que essa crença é necessária e totalmente lógica para entender de forma científica o Universo. Em 1931, o jovem matemático Kurt Gödel provou a ligação entre fé e ciência.

Santo Agostinho considerou a filosofia como a maneira para encontrar parte da solução aos problemas de sua vida, mas a solução integral viria somente mais tarde através do cristianismo. Este Santo, que é doutor da Igreja, é citado frequentemente quando o assunto é Fé e Ciência, e ainda hoje é estudado na disciplina de Filosofia em nosso Ensino Médio. Uma frase que exprime muito as idéias de Santo Agostinho, é o lema da Ordem dos Agostinianos Recoletos : Scientia et Caritas (Ciência e Caridade), que concilia a maior virtude cristã - a caridade - com a Ciência.

Então, se a ciência é o estudo do Universo e de tudo o que há nele, nada mais é do que o estudo do Criador, pois a Criação se assemelha a Ele. Deixemos de lado todo o orgulho, o pensamento de que podemos tudo sem Deus, pois assim nunca alcançaremos a felicidade. Se unirmos a ciência e a fé, como vários cientistas e teólogos já fizeram e fazem até hoje, encontraremos uma maneira melhor de contribuir para os avanços do mundo, e melhor, nos aproximarmos e conhecermos mais a Deus, que é o Criador de toda essa obra.

Alguns cientistas sobre Deus:


Michael Faraday (1791-1867), físico e químico
“Eu confio em certezas. Eu sei que meu Redentor vive, e porque Ele vive eu também viverei.”

James Prescott Joule (1818-1889), físico
“Após conhecer e obedecer à vontade de Deus, o próximo alvo deve ser conhecer algo dos Seus atributos de sabedoria, poder e bondade evidenciados nas obras de Suas mãos.”

Louis Pasteur (1822-1895), microbiólogo e químico
“Quanto mais eu estudo a natureza mais fico impressionado com a obra do Criador. Nas menores de suas criaturas Deus colocou propriedades extraordinárias...”

“Proclamo Jesus como filho de Deus em nome da ciência. Meu espírito científico, que dá grande valor à relação entre causa e efeito, compromete-me a reconhecer que, se ele não o fosse, eu não mais saberia quem ele é. Mas ele é o filho de Deus. Suas palavras são divinas, sua vida é divina, e foi dito com razão que existem equações morais assim como existem equações matemáticas.”

James Clerk Maxwell (1831-1879), físico e matemático
“Juntamente com a Assembléia de Westminster e todos que a precederam eu creio que 'o fim principal do homem é glorificar a Deus e apreciá-lo para sempre.'”

Max Planck (1858-1947), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1919
“A prova mais imediata da compatibilidade entre religião e ciência natural, mesmo sob análise detalhada e crítica, é o fato histórico de que justamente os maiores cientistas de todos os tempos, homens como Kepler, Newton, Leibniz, estavam imbuídos de profunda religiosidade.”

Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716), matemático, engenheiro, filósofo e diplomata
“A verdadeira felicidade consiste no amor a Deus, porém num amor sem preconceitos, cujo fogo arde na luz do conhecimento. Este tipo de amor gera a alegria com boas ações, que dá apoio à virtude e, tendo Deus como centro, eleva o humano ao divino.”

Lísia Milheiros Marioti

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver.

Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações.

Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de loucura …

Milagres de São Bento

Santa Escolástica, irmã gêmea de São Bento, testemunha o poder de Deus               Muitas pessoas perturbadas e possessas por espíritos maus, foram libertas por São Bento. Quando São Bento ordenava que os espíritos saíssem, quando estes não obedeciam, ele esbofeteava a pessoa ou a tocava forte com o cajado, mas quem sentia o golpe era o demônio. Sobre isto comenta Santa Escolástica, que por duas ocasiões viu que após alguns golpes os espíritos deixavam as pessoas como se tivessem levado uma bruta surra.
A pedra que não se movia               Havia ali também a construção uma enorme pedra, que serviu de altar para sacrifícios ao deus pagão Apolo. Tentavam os monges remove-la, mas não conseguiam. Chamaram São Bento, que percebeu que a pedra era segurada por demônios. O Santo ordenou que se retirasse, fez o Sinal da Cruz e os demônios fugiram e a pedra pode ser removia com grande facilidade.
Salva da morte São Plácido               Numa certa ocasião aconteceu que um menino chamado Plácido …

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência?

Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita. 
“Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10)

A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação atenta e cuidadosa dos p…