Pular para o conteúdo principal

Crítica ao filme “Guerra Interior”: Uma abordagem católica

O filme “Guerra Interior”, disponibilizado no canal do Youtube “Graça Filmes” há um pouco mais de uma semana, que rodou bastante em grupos de whatsapp como sendo uma boa indicação de filme para cristãos, demonstra bem a teologia protestante acerca da fé. Para além da crítica técnica que poderia ser feita aqui abordando as falhas grotescas referente ao enredo, aos diálogos, efeitos especiais, trilha sonora, fotografia, quero me deter, no entanto, aos aspectos antropo-teológicos expressos na produção do filme.

No âmbito da antropologia cristã o homem é mostrado de maneira dicotomizada, há confusão entre as áreas do ser, em sua hierarquia. A inteligência, que abarca a razão, é tida como uma área qualquer, o coração seria a alma? Ou o espírito? Estaria ele numa condição constante de abobamento, um “mocinho” desentendido? Confuso. A emoção só sente ódio e raiva? Ela está em constante estado de luta e fuga? Seriam apenas essas as expressões afetivas/emotivas do ser humano? Cansativo.  A vontade não tem vontade, ela não domina os sentimentos, a vontade não tem ação, nem determinação. A consciência é rasa e artificial, quando, na doutrina católica, ela é compreendida como “o núcleo secretíssimo e o sacrário do homem onde ele está sozinho com Deus e onde ressoa sua voz” (GS 16). A concupiscência humana (vestígio do pecado original que permanece no homem) é bem demonstrada nas influências e seduções que executa nas áreas do ser. Desconsidera-se, porém, a inabitação da Trindade, a morada de Deus no coração humano como afirma a fé católica. A bondade do homem está na originalidade do projeto de Deus para ele, projeto este que o pecado faz força para tornar esquecido, porém, há no homem a bondade e a pureza originais que são, como nos ensinam os santos padres da Patrística, os sinais claros de que o homem possui um vazio original que só pode ser preenchido por Deus, do qual é imagem e semelhança.

No filme, no entanto, Deus é visto como um ser acessado pela guerra e pela força. E a fé, claro, na compreensão protestante, é subjetiva, reduzida a um momento solucional interior e não em um encontro profundo com a verdade. A bíblia é citada como “salvação”, ou seja, a religião é do livro e não da Pessoa. A conversão é intimista, o homem está no controle.

Por fim, é importante ressaltar que, apesar de a Sagrada Escritura, segundo a Constituição Dogmática Dei Verbum do Concílio Vaticano II, ser a alma da sagrada teologia, ela não é a única fonte da Revelação.  A ela estão unidos o Sagrado Magistério e a Sagrada Tradição, estes compõem o terreno seguro e fecundo a fim de que aquele que crê não incorra no erro de uma fé fincada puramente no criado (deísmo) ou na Bíblia com interpretações subjetivas (biblismo), mas tenha acesso, na integralidade de sua existência, à totalidade da Verdade Revelada, cuja salvaguarda está, como cremos, na Igreja Católica Apostólica Romana.

Fernanda Rosetti de Almeida Brito
Cofundadora da Comunidade Encontro
Bacharel em Teologia pelo Instituto São Tomás de Aquino



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para se libertar da Dependência Afetiva

Senhor Jesus Cristo, reconheço que preciso de ajuda. Cedi ao apelo de minhas carências e agora sou prisioneiro desse relacionamento. Sinto-me dependente da atenção, presença e carinho dessa pessoa. Senhor, não encontro forças em mim mesmo para me libertar da influência dessas tentações. A toda hora esses pensamentos e sentimentos de paixão e desejo me invadem. Não consigo me livrar deles, pois o meu coração não me obedece. A tentação me venceu. E confesso a minha culpa por ter cedido às suas insinuações me deixando envolver. Mas, neste momento, eu me agarro com todas as minhas forças ao poder de Tua Santa Cruz. Jesus, eu suplico que o Senhor ordene a todas as forças espirituais malignas que me amarram e atormentam por meio desses sentimentos para que se afastem de mim juntamente com todas as suas tentações. Senhor Jesus, a partir de agora eu não quero mais me deixar arrastar por esses espíritos de impotência, de apego, de escravidão sentimental, de devassidão, de adultério, de louc

A determinada determinação de Santa Teresa D'Ávila

  Na ascese teresiana goza um papel importante a atitude decidida e totalitária de entrega a Deus. Teresa a chama “determinada determinação”, com uma frase muito sua na qual quis realçar a fortaleza e a totalidade da entrega a Deus. “Determinar-se” é começar uma nova vida; “determinada determinação” ‘’é encurtar as distâncias e fazer de tudo para não voltar atrás; é fazer uma “opção fundamental” por Cristo, como agora diremos.  A palavra-chave aparece com força na experiência teresiana nos momentos cruciais de sua vida; e a aplica também em sua pedagogia. Momento de conversão que a santa identifica com a vontade de empreender o caminho da oração: “Falando agora dos começam a ser servos do amor (que não me parece outra coisa além de nos determinarmos a seguir por este caminho ao que tanto nos amou” (V 11,1); “Pois no princípio está a maior dificuldade dos que estão determinados a buscar este bem e a realizar este empreendimento”(ib. 5). A tensão aumenta em uma passagem polêmica do Ca

EXAME DE CONSCIÊNCIA PARA JOVENS E ADULTOS

Como se faz o exame de consciência? Faz-se o exame de consciência trazendo à memória os pecados cometidos, a partir da última confissão bem feita.  “Qual é a mulher, que tendo dez dracmas, e perdendo uma, não acende a candeia e não varre a casa e não procura diligentemente até que a encontre? E que, depois de a achar, não convoque as amigas e vizinhas, dizendo: Congratulai-vos comigo, porque encontrei a dracma que pinha perdido?” (Lucas 15, 8-10) A dracma era uma moeda corrente na Judéia. A solicitude da dona de casa, apresentada na parábola do Evangelho a procurar a moeda em todos os ângulos dos quartos e das salas, é um excelente convite à nossa alma. Devemos examinar atentamente nossa consciência antes de nos aproximarmos da santa confissão. Não é possível detestar e confessar um mal sem conhece-lo. Ao passo que, o seu conhecimento, leva-nos à detestação e ao desejo de nos libertarmos dele quanto antes. O exame de consciência é, por conseguinte, a indagação at